Bandeira do Quênia: história e significado

A bandeira do Quênia é a bandeira nacional deste país da África Oriental. É composto por três faixas horizontais do mesmo tamanho. Suas cores, de cima para baixo, são pretas, vermelhas e verdes. Cada faixa é separada por uma menor de cor branca e na parte central está localizado o escudo tradicional do povo Masái na cor vermelha. Sob ele, duas lanças se cruzam.

A história das bandeiras do Quênia começou incessantemente com os europeus. Os britânicos estabeleceram símbolos especialmente para identificar o território colonial. Estes permaneceram até a independência do país. Antes da chegada dos britânicos, as bandeiras eram escassas, embora grupos como os árabes de Omã ostentassem alguns.

Bandeira do Quênia: história e significado 1

Bandeira do Quênia. (Usuário: Pumbaa80 [Domínio público]).

Desde a independência em 1963, o Quênia teve apenas uma bandeira. Isso é inspirado no do partido político de independência da União Nacional Africana do Quênia.

As cores são dos pan-africanos. O preto representa o povo do Quênia, enquanto o vermelho, como sempre, é identificado com sangue derramado para alcançar a independência. Enquanto isso, o verde é o símbolo da paisagem nacional. No centro, o escudo e as espadas Masái representam a defesa do país.

Histórico da bandeira

A história da população do atual território do Quênia remonta amplamente à pré-história. Um dos primeiros grupos étnicos a povoar a região foi o Bantu, que ainda hoje permanece. As primeiras cidades-estados a se estabelecerem no território foram chamadas Azania.

No entanto, a proximidade com os árabes marcou a história do Quênia. Algumas cidades como Mombasa e Malindi estabeleceram relações comerciais com os árabes. Os estados suaíli, que também dominavam o Quênia, foram influenciados pelos árabes.

Desde então, o suaíli é falado, que é um idioma bantu enriquecido do árabe e do inglês, e hoje é o primeiro idioma da Tanzânia e o segundo idioma do Quênia.

Outro dos estados que se formou foi o sultanato de Kilwa. Embora sua localização estivesse concentrada principalmente na atual Tanzânia, ela também se espalhou por toda a costa suaíli, incluindo o atual Quênia. Sua fundação ocorreu por volta do século 10 e o poder foi mantido por um sultão persa.

Chegada dos portugueses

Os primeiros europeus a entrar em contato com a área atualmente ocupada pelo Quênia foram os portugueses. Vasco da Gama, renomado navegador português, chegou às margens de Mombaça em 1498.

O objetivo desde o primeiro momento dos portugueses era estabelecer bases navais que lhes permitissem dominar o Oceano Índico, sem estabelecer colônias. Dessa maneira, os portugueses buscaram uma rota marítima alternativa à utilizada pelos venezianos.

Além disso, os portugueses conquistaram Kilwa em 1505. Toda a estrutura estabelecida consistia em fortes que foram atacados principalmente por árabes omanenses. A colonização não foi realizada nesta parte, mas muito mais ao sul, na atual Moçambique.

A bandeira imperial portuguesa era um pano branco com o escudo real do país, que se adaptava constantemente de acordo com o monarca da época. A coroa foi imposta a ele.

Bandeira do Quênia: história e significado 2

Bandeira do Império Português. (1495) (Guilherme Paula [domínio público]).

Domínio Omã

O domínio árabe foi restabelecido solidamente no atual Quênia pelos Omã. Em 1698, o Omã capturou o principal forte português e já em 1730 todos os portugueses estacionados nas costas do Quênia e da Tanzânia foram expulsos. No entanto, a capital do território omanense foi estabelecida em Zanzibar já no século XIX.

Mais uma vez, o interior do país não estava ocupado, mas os omanis se estabeleceram na costa. O comércio na região mudou, à medida que os escravos ganhavam mais importância e um relacionamento marítimo com os britânicos começou a ser estabelecido. Finalmente, os omanis não se opuseram à resistência dos britânicos comercializarem a área com escravos, nem à sua subsequente abolição.

Relacionado:  Os 10 Temas de Romantismo Mais Frequentes

No final do século 19, o poder árabe omanense no território começou a declinar. Os europeus começaram a estudar o interior do território e ocupam quase todo o comércio nessa área. O colonial alemão avançado pressionaria os britânicos a dar um passo em direção à colonização.

Bandeira usada pelos mascates dos sultanatos e Omã

Omã historicamente foi dividido entre o Sultanato de Mascate, localizado na costa do território original no Golfo Pérsico e o Sultanato de Omã. A bandeira do sultanato de Mascate, que dominava a parte naval, consistia em um pano vermelho. Ele enfrentava a bandeira de Omã, que era branca com um escudo real no cantão.

Após a fusão de ambos os sultanatos em 1820, o pano vermelho prevaleceu como um símbolo nacional.

Bandeira do Quênia: história e significado 3

Bandeira do Sultanato de Mascate (1650-1820) e do Sultanato de Mascate e Omã (1820-1970). (Himasaram via Wikimedia Commons).

Protetorado da África Oriental

Os alemães haviam tomado posse do sultanato de Zanzibar. Diante dessa ameaça, os britânicos aceleraram e começaram a ampliar seu domínio na costa do Oceano Índico.

A Alemanha finalmente cedeu aos britânicos em troca da transferência de Tanganica. No entanto, os combates continuaram, mas as forças navais do Reino Unido conseguiram impor solidamente e espalhar suas colônias ao longo desta costa.

A colonização britânica da África Oriental estava atrasada, mas determinada. Em 1895, o Protetorado da África Oriental foi oficialmente estabelecido, estendendo-se até o atual Uganda. A empresa responsável pela execução dessa fundação foi a British East Africa Company.

A criação desta nova entidade colonial envolveu a segregação de alvos no território e a exploração de diferentes recursos naturais. Também impôs o uso extensivo de terras férteis para a agricultura.

A expansão britânica também foi realizada através do desenvolvimento de meios de transporte como a Ferrovia de Uganda. Além disso, como era habitual em grande parte das colônias deste país, a área recebeu migração da Índia. Os conflitos da luta pela terra continuaram, liderados pelos Masái, na parte sul.

Uso do Union Jack

Entidades coloniais britânicas estabeleceram diferentes bandeiras coloniais. A área da África Oriental, por não ser propriamente um território colonial, não o possuía. No entanto, a Union Jack foi a bandeira levantada durante esse período de protetorado. Os símbolos coloniais só chegaram após a criação da própria colônia em 1920.

Bandeira do Quênia: história e significado 4

Bandeira do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. (Pela bandeira original de Atos da recreação Union 1800SVG do usuário: Zscout370 [Domínio público ou Domínio público], do Wikimedia Commons).

Colônia do Quênia

O fato de o território ser um protetorado atribuiu diversos poderes ao governador, deixando até os colonos britânicos do local relegados. O objetivo deles era a criação de uma colônia para o Quênia, que lhes daria mais poder para administrar o território. Este fato finalmente se concretizou em 1920.

Embora a partir desse momento os colonos tivessem mais importância no tratamento de questões administrativas, os africanos não tinham possibilidade de acesso aos conselhos coloniais até 1944.

Durante a Primeira Guerra Mundial , o Quênia se tornou um ponto estratégico contra as colônias alemãs na África Oriental. A guerra gerou muitas despesas para os britânicos, que tiveram que trazer militares da Índia.

As lutas étnicas continuaram com diferentes identidades e modos de luta. A tribo Kikuyu tornou-se uma das mais destacadas, pois enfrentavam regras estritas impostas à agricultura, como a proibição do cultivo de café.

Relacionado:  Dança Nativa: Características e Exemplos

A importância estratégica do Quênia seria repetida na Segunda Guerra Mundial , mas desta vez contra as colônias da Itália fascista no Chifre da África. O movimento armado marcou a história do Quênia, pois levou os africanos a exacerbar suas identidades nacionalistas.

Bandeira colonial

A tradição vexilológica colonial britânica marcou, ao longo de sua história, um denominador comum para suas bandeiras coloniais. Isso geralmente envolve o Union Jack na estrutura de um pano azul escuro, além de um escudo ou um símbolo tradicional que distingue a colônia específica. Este também foi o caso no Quênia.

Em 1921, um ano após a criação da colônia do Quênia, a criação de uma bandeira colonial para essa nova dependência foi formalizada. Como sempre, ele manteve o Union Jack no cantão em um fundo azul escuro. O símbolo que distinguia o Quênia não era um escudo, mas simplesmente a silhueta de um leão em vermelho. Este tinha as pernas da frente esticadas para a esquerda.

Tradicionalmente, o leão é um dos símbolos da monarquia britânica. A bandeira não sofreu nenhuma modificação até a independência do país, em 1963.

Bandeira do Quênia: história e significado 5

Bandeira do Quênia britânico. (1921-1963). (Clique aqui [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]).

Primeiros movimentos de independência

Os Kikuyu foram o primeiro grupo étnico que estabeleceu movimentos políticos para enfrentar o regime colonial. O que em 1921 era uma associação de jovens liderada por Harry Thuku, tornou-se em 1924 a Associação Central de Kiyuku.

Não foi até o curso da Segunda Guerra Mundial que os Kiyuyu começaram um movimento político de maior escala. Um de seus primeiros objetivos foi a restituição das terras pelos colonos. Em 1944, Thuku fundou a União Africana de Estudos do Quênia (KASU), que dois anos depois se tornou a União Africana do Quênia (KAU).

Este movimento ganhou gradualmente representação nas instituições coloniais britânicas. Em 1952, os africanos estavam representados no Conselho Legislativo, mas com uma proporção muito menor que a correspondente.

Apesar das lutas internas, a constituição colonial de 1958 fez com que a representação africana aumentasse, embora insuficientemente. Uma conferência que ocorreu em Londres em 1960 mudou a realidade política.

O KAU tornou-se o partido político da União Nacional Africana do Quênia (KANU). Este movimento sofreu uma divisão que formou a União Democrática Africana do Quênia (KADU).

Bandeira da União Africana do Quênia

O movimento político da União Africana do Quênia também possui seus símbolos. Antes de se tornar um partido político, em 1951, a União Africana do Quênia criou sua bandeira. Foi desenhado pelo ativista Jomo Kenyatta. Inicialmente, o distintivo era preto e vermelho com o escudo tradicional no centro e uma flecha.

Posteriormente, o sinalizador foi modificado para ter três faixas horizontais de tamanho igual. As cores, de cima para baixo, eram pretas, vermelhas e verdes. O escudo também foi mantido na parte central, mas agora com uma espada cruzada e uma flecha, além das iniciais KAU. Embora essa bandeira pudesse ser apresentada como uma tricolor simples, incluía principalmente o tradicional escudo Masái na parte central.

A bandeira permaneceu após a independência do país, embora com modificações. As três cores fazem parte das cores pan-africanas, então o movimento permaneceu alinhado com os outros que existiam no continente.

Bandeira do Quênia: história e significado 6

Bandeira da União Africana do Quênia e da União Nacional Africana do Quênia. (Midnightblueowl via Wikimedia Commons).
Relacionado:  Os 5 pratos típicos mais populares de Piura

Independência do Quênia

Em 1961, as eleições multipartidárias deixaram o KANU com 19 cadeiras e o KADU com 11, enquanto 20 estavam nas mãos de minorias europeias, asiáticas e árabes.

No ano seguinte, KANU e KADU formaram um governo de coalizão que incluía seus dois líderes. Uma nova constituição colonial estabeleceu um sistema parlamentar bicameral, bem como a criação de assembléias regionais para cada uma das sete regiões.

O autogoverno aumentou e foram realizadas eleições para as novas instâncias parlamentares. Em 12 de dezembro de 1963, a independência do Quênia foi oficialmente declarada.

O Reino Unido cedeu seus poderes coloniais, bem como os do protetorado administrado pelo sultanato de Zanzibar. Um ano depois, o Quênia se declarou uma república e Jomo Kenyatta foi seu primeiro presidente.

Bandeira atual do Quênia

Bandeira do Quênia: história e significado 1

Bandeira do Quênia. (Usuário: Pumbaa80 [Domínio público]).

A bandeira do Quênia entrou em vigor no mesmo dia da independência. Apesar da reivindicação inicial do KANU de converter a bandeira nacional do partido, ele recebeu modificações. O ministro da Justiça e Assuntos Constitucionais, Thomas Joseph Mboya, foi um dos que promoveram a mudança.

Isso resultou na adição de duas pequenas listras brancas que representavam a paz. Além disso, o escudo foi alongado e seu design foi modificado para corresponder ao tradicionalmente usado pelo povo Masái. Duas lanças substituíram a flecha e a lança do escudo original.

Significado da bandeira

Os significados dos elementos da bandeira do Quênia são variados, mas há múltiplas coincidências. A cor preta é a que representa o povo queniano em geral e a população indígena específica. Geralmente está relacionado à cor da pele da maioria de seus habitantes.

Por seu lado, a cor vermelha representa sangue. Em princípio, é geralmente associado ao sangue derramado para alcançar a independência do país. No entanto, também é comum incorporar a apreciação de que representa o sangue de toda a humanidade. Além disso, é o símbolo da luta pela liberdade.

O verde está relacionado à paisagem do país e à sua riqueza natural, além de terras férteis. Além disso, a cor branca foi adicionada para representar paz, unidade e honestidade.

Finalmente, o tradicional escudo Masái tem significados relacionados à defesa do país, bem como ao modo de vida tradicional do Quênia. As lanças se referem à organização da estrutura nacional, mas junto com o escudo representam a capacidade do Quênia de manter a integridade de seu território e a defesa da liberdade.

Referências

  1. Responde à África. (sf). Bandeira do Quênia: seu significado, cores, designer e simbolismo de seus elementos. Responde à África . Recuperado de answersafrica.com.
  2. Brennan, J. (2008). Abaixando a bandeira do sultão: soberania e descolonização no litoral do Quênia. Estudos Comparados em Sociedade e História , 50 (4), 831-861. Recuperado de cambridge.org.
  3. Jedwab, R., Kerby, E. e Moradi, A. (2017). História, dependência de caminhos e desenvolvimento: evidências de ferrovias coloniais, colonos e cidades no Quênia. The Economic Journal , 127 (603), 1467-1494. Recuperado de academic.oup.com.
  4. Alto Comissariado do Quênia Reino Unido. (sf). Flag & Anthem Alto Comissariado do Quênia Reino Unido . Recuperado de kenyahighcom.org.uk.
  5. Ross, W. (1927). Quênia de dentro: uma breve história política . George Allen e Unwin Limited: Londres, Reino Unido. Recuperado de dspace.gipe.ac.in.
  6. Smith, W. (2018). Bandeira do Quênia Encyclopædia Britannica, inc . Recuperado de britannica.com.
  7. Wangondu, L. (13 de julho de 2014). A bandeira do Quênia | Sua história e significado. Journey Quênia</em
    . Recuperado de journeykenya.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies