Gorgonianos: características, taxonomia, habitat e espécies

Os gorgonias são grupos de corais marinhos que pertencem ao do género Gorgonia. São sésseis e coloniais, formados por uma haste central de alta dureza, mas flexível. Eles são cobertos por uma casca, onde numerosos pólipos são encontrados.

Vários ramos emergem do tronco central, que se interconectam formando uma rede. Isso dá à gorgonia uma forma de leque. A altura pode chegar a 90 centímetros, embora algumas espécies possam ser mais altas, cerca de 1,50 metros. Em relação à coloração, são geralmente laranja, amarelo ou vermelho. No entanto, eles também vêm em tons violeta e branco.

Gorgonianos: características, taxonomia, habitat e espécies 1

Gorgonia flabellum. Fonte: Greg Grimes [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)]

Eles são conhecidos como “fãs do mar” e habitam as águas quentes das costas atlânticas das Bermudas, Golfo do México, Brasil, Flórida e Índias Ocidentais. Eles também são encontrados na costa leste da África, na Nova Zelândia e no Pacífico Norte.

Eles geralmente formam colônias e habitam rachaduras em rochas ou solos arenosos, enterrando sua base em sedimentos.

Caracteristicas

Corpo

O corpo dos gorgônios é em forma de leque e consiste em galhos arborescentes, um disco de pedal, pólipos e caules. Os galhos são conectados um ao outro, formando uma espécie de malha.

Quanto ao disco do pedal, ele funciona como um órgão onde a base da colônia pode se expandir. É dimórfico, ramificado e ereto, podendo crescer até 50 centímetros de altura. No caule principal e nos galhos, possui vários antocromos, retráteis e pequenos.

Tamanho e coloração

Os gorgonianos podem medir entre 60 e 90 centímetros, altos e largos. Da mesma forma, sua coloração pode variar de amarelo a avermelhado, incluindo cores como rosa, laranja, roxo e até branco.

Pólipos

Como outros corais, essas penas do mar, como também são conhecidas, têm pólipos. Estes têm tentáculos, com um principal, do qual emergem vários galhos, semelhantes a uma pena. Essas estruturas podem ser usadas para capturar seus alimentos, incluindo bactérias e fitoplâncton.

Esqueleto

O esqueleto é formado por uma barra axial central, que consiste em um córtex e uma medula. Da mesma forma, é constituído por uma substância protéica e espículas.

Relacionado:  Morula: desenvolvimento, polaridade e importância

A barra axial é coberta por um tecido gelatinoso chamado coenenchima. A calcita constitui o carbonato de cálcio fundamental que compõe o esqueleto.

Reprodução

Algumas espécies se reproduzem sexualmente. Nesse caso, existem colônias femininas e masculinas, que expelem óvulos e espermatozóides para a coluna d’água. Os ovos, uma vez fertilizados, tornam-se larvas ciliadas microscópicas, conhecidas como grânulos.

Eles se dispersam antes que a metamorfose ocorra e se tornem adultos. Então eles se instalam no fundo do mar, tornando-se mais tarde um pólipo. A partir disso, outros pólipos se originam, formando uma colônia.

Além disso, pode ser reproduzido por brotação assexuada, quando uma nova colônia é produzida a partir de um fragmento de gorgonia.

Coexistência com outras vidas marinhas

Alguns desses corais são habitats de zooxantelato dinoflagelado, seres que realizam fotossíntese. A partir dessa relação, a gorgonia se beneficia dos vários nutrientes produzidos pelo processo.

Da mesma forma, o cavalo marinho Bargibant e o cavalo pigmeu comum, geralmente se empoleiram em seus galhos, usando suas longas caudas preênsil. Seus corpos retorcidos, de tons amarelo e rosa, respectivamente, estão camuflados entre os galhos de coral. Dessa forma, eles podem passar despercebidos por seus predadores.

Existem também outros animais que convivem com gorgônios, como bivalves, algas, esponjas e estrelas de cesto.

Taxonomia

– Reino animal.

– Sub-rede Radiata.

– Filum Cnidaria.

– classe Anthozoa.

– Subclasse Octocorallia.

– Ordem Alcyonacea.

– família Gorgoniidae.

Gênero Gorgonia

Espécies

Gorgonia arenata, Gorgonia flabellum, Gorgonia cribrum, Gorgonia ventalina, Gorgonia mariae.

Distribuição e habitat

Os fãs do mar estão localizados nas águas do Atlântico Sul, nas Índias Ocidentais e na zona oceânica do Indo-Pacífico. Além disso, eles podem ser encontrados no arquipélago da Malásia, Bahamas e Bermudas.

Eles existem na forma de uma colônia em todos os mares, cobrindo até 4000 metros de profundidade. No entanto, alguns são costeiros e preferem mares quentes, vivendo perto dos recifes. As colônias geralmente crescem ao longo de correntes de água salgada, aumentando assim sua chance de capturar suas presas.

Relacionado:  Fuso mitótico: estrutura, formação, função e evolução

Exemplos de espécies

Fã de Vênus ( Gorgonia flabellum )

É um coral que permanece permanentemente preso a uma superfície. Seu corpo é macio e não possui um esqueleto duro, embora seja formado de carbonato de cálcio. Essa estrutura contém pequenas espículas conhecidas como esclerites.

Os galhos estão localizados no mesmo plano, que se desenvolve a partir de uma pequena base. Dessa forma, forma uma moldura achatada. A coloração desta espécie pode ser amarelada pálida, branca ou lavanda.

O corpo pode medir até 2 metros e geralmente é orientado perpendicularmente ao fluxo de água.

Está amplamente distribuído no Mar do Caribe, nas Bahamas, Trinidad e Tobago, Flórida e nas Pequenas Antilhas. Nessas áreas, vive em águas tropicais rasas e com correntes constantes. Também é encontrado em recifes e nos sedimentos dos oceanos.

O flabellum Gorgonia recebe o seu alimento a partir de várias fontes. Eles têm uma relação simbiótica com o gênero Symbiodinium, uma alga marinha dinoflagelada. Ele usa energia solar para criar compostos orgânicos, que são posteriormente utilizados pelos corais.

Além disso, eles podem capturar pequenas partículas de alimentos encontradas na água. Eles também são alimentadores de filtro. Eles estendem seus 8 tentáculos para levar o plâncton que está na corrente marítima.

Reprodução

O leque de Vênus pode se espalhar assexuadamente, através da fragmentação das colônias. Nesse processo, uma parte da colônia se separa e é transportada pela corrente para outra parte do oceano, onde uma nova colônia é implantada e formada.

Além disso, você pode fazer isso sexualmente, existem colônias femininas com oócitos e colônias masculinas com sacos de esperma.

Fã do mar roxo ( Gorgonia ventalina)

Este animal de água salgada tem o corpo formado por um composto semelhante ao colágeno, que contém calcita e gorgonita. Sua cor é roxa e pode ser afetada pela contaminação química do meio ambiente. Nesse caso, pode ficar rosa ou marrom.

Relacionado:  Agentes mutagênicos: como eles agem, tipos e exemplos

A pigmentação ocorre nos galhos, que se estendem até 1,80 metros de altura e 1,50 de largura. Está distribuído por todo o mar do Caribe e pela zona tropical do Atlântico ocidental, incluindo Cuba, Flórida, a zona costeira de Belize, Venezuela e Tobago.

Em relação ao habitat, está localizado na zona costeira, com profundidade de até 30 metros. Lá adere ao fundo do mar ou superfícies planas. Um aspecto importante para a seleção de seu habitat é que existem fortes correntes que fornecem alimento.

A temperatura também é importante, pois os gorgônios não estão adaptados para viver naqueles climas em que ocorre uma variação maior que 1 ou 2 ° C.

É um animal carnívoro, que estende os tentáculos para fora. Dessa forma, ele reúne o zooplâncton, que ele mais tarde ingere. Além disso, possui uma relação simbiótica com as zooxantelas, algas unicelulares que produzem compostos orgânicos, como produto da fotossíntese. Parte destes são aproveitados por este coral.

Reprodução

O leque roxo pode se reproduzir de duas maneiras. Em geral, o faz por brotos ou fragmentos. Quando um pólipo forma um surto ou emerge da fragmentação de um galho, o pedaço de coral viaja pela corrente do mar e é estabelecido em outra área do oceano.

A segunda maneira de se reproduzir é sexual. Nisso, óvulos e espermatozóides são liberados na água, podendo percorrer longas distâncias, devido às correntes da água. Quando são fertilizadas, as larvas aderem a uma superfície sólida e começam seu desenvolvimento.

Referências

  1. Departamento de Zoologia da ANDC (2017). Gorgonia Recuperado de wikieducator.org.
  2. Mundo animal (2015). Gorgonians, tipos de Gorgonians, fãs do mar e chicotes do mar. Recuperado animal -world.com.
  3. Encycloapedia Britannica (2019). Seja um fã. Recuperado de britannica.com.
  4. Jennifer Kennedy (2018). Fatos espetaculares sobre os fãs do mar (gorgonianos). Recuperado de thoughtco.com.
  5. ITIS (2019). Gorgoria Recuperado de itis.gov.
  6. C. Lewis, TF Barnowski e GJ Telesnicki (1992). Características dos carbonatos dos eixos gorgonianos (Coelenterata, Octocorallia). JSTOR Recuperado de jstor.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies