Banner Mexica: história, características, simbologia

O Banner Mexica, também conhecido como Estandarte Mexica, é uma peça de arte que representa a história e a cultura do povo asteca. Esses estandartes eram utilizados como símbolos de identidade e poder, sendo carregados durante cerimônias e batalhas importantes.

As características dos Banners Mexica incluem cores vibrantes, figuras simbólicas e hieróglifos que contam histórias e transmitiam mensagens importantes. A simbologia presente nessas peças muitas vezes retrata deidades, animais sagrados, elementos da natureza e eventos históricos relevantes para a civilização asteca.

Esses estandartes desempenharam um papel fundamental na sociedade asteca, representando a conexão entre o mundo terreno e o divino, além de servirem como instrumento de comunicação e registro da história desse povo. Através dos Banners Mexica, podemos compreender melhor a rica e complexa cultura asteca e sua visão de mundo.

Qual é o símbolo mais representativo do México?

O símbolo mais representativo do México é, sem dúvida, o Eagle (águia) devorando uma cobra em cima de um nopal (cacto). Essa imagem icônica pode ser encontrada no Banner Mexica, também conhecido como Estandarte de Cuauhtémoc. Esse símbolo tem uma grande importância na história e na cultura mexicana, representando a fundação da cidade de Tenochtitlán e o local onde os mexicas (astecas) estabeleceram sua capital.

Qual é o símbolo nacional que remete à lenda de Tenochtitlán no México?

O símbolo nacional que remete à lenda de Tenochtitlán no México é a Águia Mexica, presente no famoso Banner Mexica. Este símbolo é muito importante para a cultura mexicana, pois representa a fundação da antiga capital asteca e a promessa divina feita aos antepassados dos mexicanos.

O Banner Mexica, também conhecido como Escudo Nacional do México, mostra a Águia Mexica devorando uma serpente em cima de um cacto. Segundo a lenda, os antigos astecas receberam uma visão divina de Huitzilopochtli, deus da guerra, que indicou o local onde deveriam construir sua cidade, Tenochtitlán, quando vissem essa cena.

A Águia Mexica simboliza a força, coragem e visão dos antigos astecas, e é um dos símbolos mais reconhecíveis da cultura mexicana. Ela está presente em diversas representações artísticas e é um elemento central da identidade nacional do México.

Significado da águia na bandeira mexicana: simbolismo nacional e história do país revelados.

A bandeira mexicana é um dos símbolos mais importantes do país e possui uma rica história e simbologia. Uma das características mais marcantes da bandeira é a presença da águia devorando uma serpente em seu centro. Mas qual o significado dessa águia na bandeira mexicana?

A águia na bandeira mexicana representa o mito asteca da fundação de Tenochtitlán, atual Cidade do México. De acordo com a lenda, os astecas foram orientados pelos deuses a construir sua capital onde encontrassem uma águia devorando uma serpente em cima de um cacto. Esse foi o sinal que encontraram no lago Texcoco, onde fundaram a cidade em 1325.

Assim, a presença da águia na bandeira mexicana simboliza a origem divina do país e a união entre o mundo celestial e terreno. Além disso, a águia representa a força, coragem e liberdade do povo mexicano, que lutou bravamente pela independência do país.

Relacionado:  Os 4 principais grupos étnicos de Michoacán

A bandeira mexicana foi adotada em 1821, após a independência do México, e passou por diversas mudanças ao longo dos anos. Atualmente, a águia, o cacto e a serpente simbolizam a identidade nacional e a história do país, sendo um orgulho para todos os mexicanos.

Em resumo, a águia na bandeira mexicana é um símbolo poderoso que representa a fundação do país, a luta pela independência e a identidade nacional. É um emblema de orgulho e patriotismo para o povo mexicano, que valoriza sua história e tradições. A bandeira mexicana é mais do que um simples símbolo, é a representação da alma e do espírito do México.

Qual é a frase de lema oficial do México?

O México é um país com uma rica tradição de símbolos e emblemas nacionais. Um dos elementos mais importantes do país é o seu Banner Mexica, que possui uma história fascinante e uma simbologia única.

O Banner Mexica é uma bandeira que representa o México e é composta por um brasão de armas no centro de um campo branco. Este brasão é cercado por um ramo de louro e outro de carvalho, simbolizando a glória e a força do país.

Além disso, o Banner Mexica possui uma frase de lema oficial escrita em volta do brasão, que diz: “La patria es primero“, que significa “A pátria vem em primeiro lugar”. Esta frase reflete o amor e o compromisso dos mexicanos com o seu país, destacando a importância da lealdade e da dedicação à nação.

Em resumo, o Banner Mexica é um símbolo nacional importante do México, que incorpora elementos históricos e culturais significativos. A frase de lema oficial, “La patria es primero“, é um lembrete poderoso da importância de colocar a pátria acima de tudo.

Banner Mexica: história, características, simbologia

A bandeira mexicana é um emblema tribal que representou a fundação da cidade de Tenochtitlan. A data de fundação tradicional da cidade era 1345 dC. C. Estava localizado em uma ilha perto da costa oeste do lago Texcoco, no centro do México.

Tenochtitlan era a capital e centro religioso da civilização asteca. Foi o centro asteca mais importante até ser destruído pelos conquistadores em 1521 dC. C. A atual Cidade do México agora repousa em grande parte de seus restos mortais.

Banner Mexica: história, características, simbologia 1

Ilustração do mito fundador do Mexica; Águia, cobra e cacto. O trabalho de Ludovicus Ferdinandus, fonte: wikipedia.org

Os elementos do padrão mexicano se referem a uma lenda sobre a fundação desta cidade. Diz a lenda que o povo de Aztlan teve que deixar suas casas por ordem do deus do sol e da guerra de Huitzilopochtli. Os futuros mexicanos tiveram que encontrar a terra prometida, que estava em um lugar onde uma águia estava empoleirada em um cacto.

Com o tempo, a bandeira se tornou o símbolo do Império Asteca. No entanto, ele não foi o único. Era uma prática comum para cada grupo étnico das culturas mesoamericanas levar seus próprios padrões nas guerras.

Relacionado:  As 10 invenções mesopotâmicas mais importantes

Esses emblemas não se assemelhavam às bandeiras dos territórios europeus. Em vez disso, eles se assemelhavam ao signum usado pelos romanos.

História

Segundo seus próprios registros, os mexicanos abandonaram sua terra natal, Aztlan, devido a uma seca severa. Em vários códigos, o Mexica é mostrado carregando o ídolo de sua divindade padroeira, Huitzilopochtli. Após dois séculos de migração, por volta de 1250 dC, os mexicanos chegaram ao vale do México.

Após a chegada, eles se estabeleceram na colina inóspita de Chapultepec. Lá eles se tornaram vassalos da cidade de Culhuacan. Em reconhecimento à sua ajuda na batalha, os mexicanos receberam uma das filhas do rei para serem adoradas como uma deusa.

Quando o rei chegou para assistir à cerimônia, encontrou um dos padres mexicanos vestidos com a pele de sua filha. Os mexicanos informaram ao rei que seu deus Huitzilopochtli havia pedido o sacrifício da princesa.

Depois que o sacrifício a deprimiu, uma batalha feroz se seguiu, perdida pelos mexicanos. Eles foram forçados a deixar Chapultepec e se mudar para algumas ilhas pantanosas no meio do lago.

Segundo o mito mexicano, os astecas vagaram por semanas, procurando um lugar para se estabelecer. Huitzilopochtli apareceu aos líderes mexicanos e indicou um lugar onde uma grande águia estava empoleirada em um cacto matando uma cobra.

Este lugar, bem no meio de um pântano, foi onde os Mexica fundaram Tenochtitlán. A cidade cresceu rapidamente como um centro comercial e militar. Em 1427, os mexicanos derrotaram os tepanecas, tornando-se a maior força política na bacia do México. Juntamente com Texcoco e Tlacopan, eles fundaram a Aliança Tripla.

Desde então, a bandeira mexicana deslocou os outros símbolos de identidade. Cada vez que esse exército conquistava um novo território, essas vitórias eram sinalizadas com o estandarte da águia e da cobra acenando triunfantemente no topo do templo conquistado.

Características da bandeira mexicana

O padrão mexicano é um antecedente dos atuais símbolos nacionais da nação mexicana. Quatro dos elementos que caracterizaram esta bandeira estão presentes no escudo: a pedra, o cacto, a águia e a cobra.

Estes passaram por um processo de evolução. No entanto, em muitos monumentos e códigos preservados após a destruição da cidade, os detalhes originais podem ser apreciados.

Assim, em muitas das composições que representavam a base do tenochtitlan, um glifo é observado, gravado ou pintado, sinais usados ​​especialmente pelos maias.

Muitos especialistas afirmam que esse glifo em particular representava uma pedra. Ele emerge das águas, e na pedra há um cacto. No cacto de pera espinhosa, uma águia está sentada devorando uma cobra.

Em alguns códigos, a cobra não aparece. Em outros, isso é substituído por um pássaro. Além disso, na escultura Teocalli Mexica da Guerra Sagrada, o cacto de pera espinhosa nasce da terra. Isso é representado por uma figura com boca e dentes chamada Tlaltecuhtli. E do pico do pássaro emerge o Atl-Tlachinolli ou riacho duplo. Este símbolo pode ser facilmente confundido com uma cobra.

Relacionado:  Escudo de Boyacá: História e Significado

Após a captura de Tenochtitlan, não se sabia mais sobre essa composição simbólica. Trinta e cinco anos depois, ele reapareceu nos braços do segundo arcebispo da Nova Espanha, Don Alonso de Montúfar. Logo, esse conjunto iconográfico também foi visto em fachadas, capas de templos e conventos.

Simbologia

O enredo das diferentes versões da fundação Tenochtitlan está relacionado ao conteúdo simbólico da bandeira Mexica. Parte da lenda conta que o deus Huitzilopochtli havia banido sua irmã Malinalxochitl dos clãs mexicanos.

Anos depois, seu filho, Cópil, tentou se vingar quando os mexicanos, seus primos, chegaram a Chapultepec. Mas, sua conspiração para atacar os clãs de Huitzilopochtli foi descoberta.

Então, os padres mexicanos o assassinaram e tiraram seu coração. Quando levaram o coração ao deus, ele ordenou que fossem jogados no lago Texcoco. Isso cai sobre uma pedra da qual nasce um cacto.

A pedra é então tomada como um símbolo do coração sacrificado de Copil. O nopal, enquanto isso, é a árvore do sacrifício. Seus frutos vermelhos representavam o coração dos prisioneiros que foram sacrificados como uma oferenda a Huitzilopochtli.

Por outro lado, na simbologia mexicana, a águia personifica o Sol. Isso, por sua vez, representa o deus Huitzilopochtli, o caçador celestial. As imagens de uma águia devorando uma cobra ou outros pássaros denotam a vitória desse deus sobre seus inimigos.

Nesse sentido, entre os povos agrícolas, a cobra simbolizava a fertilidade. A oposição cobra-águia significou o triunfo dos guerreiros mexicanos sobre os agricultores que povoavam o vale do México.

No entanto, em relação ao binômio águia-cobra, há outra interpretação. Muitos estudiosos consideram que a cobra representava as forças das trevas da noite. Os sacrifícios humanos permitiram ao deus solar Huitzilopochtli (a águia) recuperar a força vital que ele perdeu em sua luta constante contra as forças do mal (a cobra).

Referências

  1. Florescano, E. (2012). Ensaios fundamentais Barcelona: Touro.
  2. Cartwright, M. (2013, 25 de setembro). Tenochtitlan Recuperado em 2 de fevereiro de 2018, de ancient.eu.
  3. Jarus, O. (2017, 16 de junho). Tenochtitlán: História da capital asteca. Recuperado em 3 de fevereiro de 2018, de ancient.eu.
  4. Herz, M. (2017, 28 de dezembro). A lenda da Fundação de Tenochtitlan. Recuperado em 2 de fevereiro de 2018, de inside-mexico.com.
  5. Maestri, N. (2017, 08 de abril). Origens astecas e a fundação de Tenochtitlan. Recuperado em 4 de fevereiro de 2018, de thoughtco.com.
  6. Matos Moctezuma, E. (2009), México pré-hispânico e símbolos nacionais. Arqueologia Mexicana , No. 100, pp. 46-53.
  7. Alberro, S. (1998). Águia, cacto e Cruz. Recuperado em 4 de fevereiro de 2018, de nexos.com.mx.
  8. Arqueologia Mexicana (s / f). O mito da fundação do México Tenochtitlan. Recuperado em 4 de fevereiro de 2018, de arqueologiamexicana.mx.
  9. Delgado de Cantú, GM (2004). História do México, legado histórico e passado recente. México: Pearson Education.

Deixe um comentário