Batalha de Salinas: causas, desenvolvimento e consequências

A Batalha de Las Salinas foi um dos confrontos armados na guerra civil que enfrentou os conquistadores espanhóis do Peru. Ocorreu em 6 de abril de 1538 e seus protagonistas foram as tropas comandadas por Hernando e Gonzalo Pizarro e as lideradas por Diego de Almagro.

A principal causa do confronto entre Almagro e Pizarro foi a disputa pela posse de Cuzco. Os dois conquistadores alegaram que a cidade estava sob sua jurisdição, embora Almagro a dominasse desde 1537. O fracasso do próprio Almagro em sua expedição para conquistar o Chile aumentou sua pressão para conservar Cuzco.

Batalha de Salinas: causas, desenvolvimento e consequências 1

Fonte: Livro “Décadas” de Antonio de Herrera. Edição de 1728. Via Wikimedia Commons

A batalha terminou com o triunfo das tropas de Pizarro, que ocuparam Cuzco após a vitória. Almagro, enquanto isso, foi capturado e preso. O conquistador foi acusado de traição, sumariamente julgado e executado com a penalidade do clube.

Embora essa batalha tenha marcado o início de um período de hegemonia do Pizarro na região, isso não significava que a situação se acalmasse. Por várias décadas, os confrontos entre os conquistadores e os governantes castelhanos se seguiram.

Causas

A posse de Cuzco foi o gatilho da guerra civil que confrontou os partidários de Pizarro e os de Almagro no Peru. Em 1537, Diego de Almagro conseguiu ocupar a cidade. Além disso, os irmãos Hernando e Gonzalo Pizarro fizeram prisioneiros.

Depois disso, eles derrotaram o pizarrista Alonso de Alvarado em Abancay, descendo mais tarde pela costa, levando Hernando Pizarro. Em Cuzco, eles deixaram Gonzalo Pizarro e outros capitães presos.

Os dois lados começaram a negociar em Mala e, para resolver suas diferenças, concordaram em submeter a disputa sobre Cuzco à arbitragem de Frei Francisco de Bobadilla. Os religiosos emitiram uma decisão favorável a Pizarro, causando a insatisfação de Almagro, que decidiu ignorá-la.

Diante disso, Francisco Pizarro preferiu esperar o rei pronunciar, deixando seu inimigo continuar em Cuzco. Em troca dessa espera, ele solicitou que seu irmão Hernando fosse libertado, o que foi aceito pelo Almagro.

Relacionado:  As 10 causas da descoberta da América mais importantes

Rivalidade entre Francisco Pizarro e Diego de Almagro

A rivalidade entre Pizarro e Almagro começou quando eles tiveram que dividir as terras conquistadas pelos incas. As Capitulações de Toledo, negociadas entre Pizarro e a Coroa Espanhola, concederam a esse conquistador muito mais privilégios e posses do que seus parceiros de expedição, Almagro e Hernando de Luque.

Além disso, Francisco Pizarro costumava descartar o que foi alcançado como pilhagem à vontade, sem contar com seus companheiros de equipe. Isso causou a ira de Diego de Almagro, que se considerava prejudicado na distribuição da riqueza. Logo, essa raiva se tornou um confronto entre seus apoiadores.

Por outro lado, Almagro também teve um relacionamento muito ruim com um dos irmãos de Pizarro, Hernando, o que piorou a situação.

Intervenção da Coroa Espanhola

O desempenho da coroa espanhola não contribuiu precisamente para tranquilizar a situação, especialmente após a promulgação das novas leis. Com isso, a Coroa procurou fortalecer sua presença nas terras descobertas e nomear novas autoridades.

Uma das leis eliminou a condição hereditária das parcelas concedidas e outra aboliu o trabalho temporário dos povos indígenas.

Tudo isso fez com que os conquistadores considerassem que seus esforços não foram recompensados ​​e muitos não hesitaram em se armar.

A posse de Cuzco

Como observado acima, os dois conquistadores reivindicaram domínio sobre Cuzco. Para Almagro, além disso, significava recuperar um pouco de sua fracassada expedição ao Chile, onde não havia encontrado riquezas importantes.

Desenvolvimento

Como o tenente de Almagro havia avisado, libertar Hernando Pizarro foi um grande erro da parte do conquistador. Imediatamente, a promessa de manter a paz foi esquecida, e Hernando reagrupou seu povo para recuperar Cuzco.

A guerra era inevitável e Almagro pôs em movimento. Doente, ele teve que delegar a direção da batalha ao seu tenente, Rodrigo Orgóñez. Ele enviou seus homens para controlar algumas passagens da montanha, a fim de parar as tropas do quadro-negro.

Relacionado:  Cecil Rhodes: Biografia

Apesar disso, Hernando Pizarro conseguiu atravessar as defesas circulando o outro lado da cordilheira. Almagro e sua família tiveram que retornar rapidamente na direção de Cuzco.

Os quadros, no entanto, decidiram esperar no vale de Ica antes de seguir para a cidade. Francisco, mais velho para a batalha, retirou-se para Lima, deixando seus irmãos à frente de seu exército. Em abril de 1538, as tropas de Pizarro chegaram perto de Cuzco. Almagro estava esperando por eles depois de reforçar as defesas.

Local escolhido

Segundo as crônicas, Almagro propôs ao seu povo negociar com o inimigo, algo a que Rodrigo Orgóñez recusou completamente. O local escolhido para enfrentar os irmãos Pizarro ficava a 5 km de Cuzco, conhecida como pampa de las Salinas.

A batalha

Após a missa obrigatória, os homens de Gonzalo Pizarro atravessaram o rio que dividia o campo de batalha. Ao chegar ao pântano localizado abaixo, os almagristas começaram a atirar com seus canhões. Com dificuldade, Gonzalo conseguiu sair do atoleiro.

Uma vez alcançados, eles foram capazes de ocupar uma pequena colina. Isso lhes permitiu responder aos tiros com segurança, causando um grande dano entre seus inimigos.

Por outro lado, Hernando também passou a atravessar o riacho, atacando ferozmente contra o inimigo. Orgóñez, ao vê-lo, ordenou que seu povo fizesse o mesmo.

Derrota de Almagro

A batalha durou cerca de duas horas, durante as quais os Pizarro estavam ganhando posições continuamente. Orgóñez, que tentara matar Hernando duas vezes, estava cercado por vários soldados inimigos. Ele tentou se render e entregar sua espada, mas a resposta foi uma facada no coração que causou sua morte.

Sem seu líder, as tropas almagristas acabaram fugindo perseguidas pelos quadros-negros. Diego de Almagro, que estava assistindo a batalha de uma colina próxima, tentou escapar da derrota certa. No entanto, acabou sendo capturado.

Consequências

As diferentes fontes não concordam com o número de vítimas. A estimativa mais próxima afirma que os mortos deveriam ter sido perto de 150.

Relacionado:  Como era a comida dos Mixtecos?

Execução do Almagro

Diego de Almagro foi entregue a Hernando Pizarro, que o trancou no mesmo local em que ele próprio havia sido prisioneiro.

Pizarro temia que os partidários de Almagro deixados na cidade tentassem se opor a ele. Portanto, ele transferiu o filho do prisioneiro para Chachapoyas, longe dos apoiadores de seu pai. Hernando, enquanto isso, rejeitou todos os pedidos de liberação.

Diego de Almagro foi julgado por traição à Coroa, além de outras acusações menos graves. Ele foi condenado a morrer no cadafalso. O prisioneiro tentou convencer Hernando Pizarro a perdoá-lo, sem sucesso. Ele até se recusou a confessar, pensando que iria parar a execução.

Finalmente, Almagro foi executado através do clube vil em sua própria cela, em segredo, para evitar possíveis distúrbios civis.

Hegemonia do clã Pizarro

Após a vitória alcançada na batalha de Las Salinas, o clã Pizarro conseguiu consolidar sua hegemonia no território. Matando Almagro, eles eliminaram o único homem que poderia enfrentá-los.

No entanto, o domínio Pizarro não acalmou a situação no Peru. Confrontos entre os conquistadores e os governantes castelhanos continuaram a ocorrer por décadas. Nem o assassinato de Francisco Pizarro, em 26 de junho de 1541, fez reinar a estabilidade na região.

Referências

  1. Pasta pedagógica. Guerra civil entre os conquistadores. Obtido em folderpedagogica.com
  2. Sayago Guzmán, Juan Manuel. Pizarro e Almagro (II): Guerra Civil entre os conquistadores do Peru. Obtido em archivoshistoria.com
  3. López Martínez, Héctor. A Batalha de Salinas e suas vítimas. Recuperado de e.elcomercio.pe
  4. Revolvy Batalha de Las Salinas. Obtido em revolvy.com
  5. Markham, Sir Clements. Guerras civis no Peru, A guerra de Las Salinas, de Pedro de Cieza de León. Recuperado de books.google.es
  6. A Universidade Estadual de Ohio. Francisco Pizarro. Obtido de ehistory.osu.edu
  7. Minster, Christopher. Biografia de Diego de Almagro. Obtido em thoughtco.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies