Modernização do Japão: Antecedentes, Causas, Consequências

A modernização do Japão (século XIX) foi um processo vivido no país asiático, graças ao qual deixou para trás suas antigas estruturas feudais, modernizando em parte todas as esferas nacionais. As reformas realizadas na política, na sociedade e na economia acabaram por transformá-lo em um dos poderes da região.

O Japão foi fechado ao mundo por opção por dois séculos, mas as demandas de americanos e britânicos para abrir novas rotas comerciais o forçaram a mudar na segunda metade do século XIX. Até então, o imperador tinha poder limitado pelo shogun, uma espécie de senhores feudais que exerciam controle em cada território.

Modernização do Japão: Antecedentes, Causas, Consequências 1

Promulgação da nova Constituição japonesa pelo Imperador do Japão em Tóquio em 1899

O processo que encerrou essa estrutura social foi chamado Restauração Meiji e foram necessárias até cinco guerras para que as reformas ocorressem. Somente a partir de 1968 é quando todo o país começa a mudar.

O resultado final levou, por um lado, ao Japão se tornar um estado mais moderno e, por outro, ao surgimento de uma política expansionista que acabou causando a Segunda Guerra Mundial no Pacífico.

Antecedentes

O colonialismo europeu e o avanço do cristianismo foram as causas que levaram os líderes japoneses a fechar suas fronteiras. Assim, eles se tornaram, por sua própria decisão, um país isolado, por medo de perder suas referências culturais e religiosas.

Assim, em 1630, o xogunato Tokuwa – os chefes militares – proibiu a divulgação de qualquer mensagem que levasse ao proselitismo cristão. Outras medidas adotadas foram o fim das trocas comerciais e a proibição de todos os japoneses de viajar para o exterior.

Por quase 200 anos, o Japão permaneceu inalterado e sem influências externas. A sociedade tinha uma estrutura muito semelhante à do feudalismo europeu.

A figura do imperador, legitimada pela religião ao dizer que descendia dos deuses, vivia com os shogunes, mais ou menos equivalentes aos senhores feudais. Na prática, eles eram os que tinham poder real.

Causas da modernização

No entanto, no século XIX, o mundo havia mudado e novas potências, à medida que os Estados Unidos se propunham a buscar novas rotas comerciais. Para o Pacífico, o encontro com o Japão foi inevitável.

O primeiro encontro foi em 1853, quando os americanos ficaram sob ameaça militar de que os japoneses abrissem alguns portos para eles. No plano militar inferior, eles não apenas tiveram que aceitar a demanda dos americanos, mas também foram forçados a negociar com a Holanda, Rússia, Grã-Bretanha e França.

A situação não estava lá. A morte de um inglês no Japão causou o bombardeio da cidade de Kagashkma pelos britânicos. Naquela época, os japoneses estavam claros de que as grandes potências mundiais haviam chegado para ficar.

No entanto, a crise e a ineficiência de seu próprio sistema político e social não lhes permitiram se defender. Por esse motivo, a partir de 1866 começaram as reformas para modernizar a sociedade.

A Restauração Meiji

O nome que o período da história japonesa recebe é Restauração Meiji. Ele entendeu de 1866 a 1869 e acabou mudando todos os aspectos da estrutura política e social. Os historiadores apontam que foi uma revolução estranha, pois foi a própria classe dominante que reivindicou as mudanças, mesmo ao custo de perder seus privilégios.

Em geral, os samurais perderam seus direitos especiais, entre eles os únicos que poderiam ter sobrenomes. Até então, a população em geral era chamada pelo nome de sua profissão.

Obviamente, nem todos concordaram com as reformas. Algumas revoltas armadas ocorreram, mas finalmente a Era Meiji começou.

Consequências da modernização

Reformas sociais e econômicas

As reformas sociais e econômicas foram as mais importantes realizadas para modernizar o país, pois, como qualquer estado feudal, eram as bases sobre as quais repousava toda a sua estrutura. Pode-se resumir dizendo que, da descentralização assumida pelos senhores feudais, havia uma subordinação ao Estado como um todo.

Essa reforma significou que muitos dos terceirizadores agrícolas se tornaram proprietários. No aspecto territorial, os antigos feudos tornaram-se uma espécie de províncias. Finalmente, a nobreza perdeu seus privilégios e apenas o título nobre permaneceu como algo honorário.

Apesar disso, os nobres eram principalmente aqueles que ocupavam cargos públicos, a serviço do Estado.

Quem pouco notou as reformas foram os camponeses. A única diferença é que o dono da terra não era mais o shogun, mas os proprietários privados. A industrialização atraiu muitos desses camponeses, criando uma classe trabalhadora. A economia rapidamente se desviou para o capitalismo.

Reformas políticas

Para modernizar o estado, os japoneses tiveram que realizar algumas mudanças drásticas na arena política. O resultado foi uma mistura entre suas próprias tradições orientais e instituições mais modernas de origem européia.

O primeiro passo que foi dado foi o estabelecimento de uma monarquia quase absoluta. Ou seja, o imperador era o único com capacidade de tomada de decisão em todas as esferas públicas.

Depois disso, um Senado foi criado, movendo-se timidamente para outro tipo de sistema. A Constituição de 1889 tentou seguir esse caminho, embora permanecesse no meio do caminho.

Parte do artigo era muito semelhante à ocidental, como quando indicava a separação de poderes, mas estabeleceu que o imperador continuaria a ter uma ampla margem de decisão. Isso é muito visível no campo militar.

Reformas militares

As forças armadas também foram reformadas em profundidade, especialmente desde que começaram de um modo muito arcaico de funcionamento. Até então, apenas os samurais podiam prestar serviço militar, o que mudou para torná-lo um dever geral.

O exército é composto por 250.000 homens bem treinados. Dentro dessa instrução, havia uma ênfase especial na lealdade e veneração ao imperador, que se fundiu nesse sentido com a pátria.

Outro esforço foi a formação de uma marinha e uma rede de estaleiros, que faltavam até aquele momento. Em apenas 20 anos, o Japão passou a ter 22 cruzeiros e 25 barcos de torpedo, embora ainda tivesse apenas um navio de guerra.

Reformas culturais e educacionais

A única maneira de as reformas serem implementadas e mantidas ao longo do tempo também era mudar o sistema educacional. A escola primária tornou-se obrigatória e as escolas começaram a aumentar em todo o Japão.

A princípio, eles tiveram que trazer professores estrangeiros para as universidades que abriram, mas aos poucos eles formaram os deles.

A educação foi baseada na criação de um orgulho patriótico; Isso, juntamente com o avanço econômico, causou o surgimento de um nacionalismo muito radical. Esses sentimentos levaram a um expansionismo militar que, a longo prazo, levou à Segunda Guerra Mundial.

Referências

  1. História e Biografias A modernização do Japão. Obtido em historiaybiografias.com
  2. História da arte. Modernização do Japão. Obtido em artehistoria.com
  3. Bonifazi, Mauro. Japão: Revolução, ocidentalização e milagre econômico. Obtido em node50.org
  4. Wikipedia Restauração Meiji Obtido em en.wikipedia.org
  5. Faia, Philip. Japão e ocidentalização precoce. Obtido em japanvisitor.com
  6. Christensen, Maria. A era Meiji e a modernização do Japão. Recuperado de samurai-archives.com
  7. Smith, Thomas C. Proprietários e capitalistas rurais na modernização do Japão. Obtido em cambridge.org
  8. Biblioteca do Congresso dos EUA Modernização e Industrialização. Obtido em countrystudies.us

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies