Biomas terrestres: características, tipos e exemplos

Biomas terrestres: características, tipos e exemplos

Os biomas terrestres são grandes áreas de massa terrestre com flora e fauna adaptadas às condições climáticas específicas. Essas áreas não são necessariamente contínuas, mas compartilham temperatura, disponibilidade de água e condições de alívio.

As condições climáticas determinam uma estrutura vegetal similar, com flora e fauna relacionadas. Além disso, as espécies presentes desenvolvem adaptações semelhantes em todas as regiões do bioma em particular.

A característica fundamental dos biomas terrestres é o domínio da atmosfera (ar) e da edafosfera (solo) como meio para o desenvolvimento da vida. Portanto, a amplitude de possíveis combinações de fatores abióticos determina uma grande variabilidade de biomas terrestres.

Os fatores abióticos mais relevantes são a temperatura e a precipitação, determinando pelo menos 14 biomas diferentes na esfera terrestre do planeta. O tipo de vegetação dominante é o que define um bioma terrestre, em termos de biótipos predominantes (árvores, arbustos ou gramíneas).

Biomas como tundra e taiga são encontrados nas áreas frias do planeta, enquanto na zona temperada há uma maior variabilidade. Nos últimos biomas, desenvolvem-se florestas mediterrânicas, florestas decíduas temperadas , florestas de coníferas , pradarias e deserto.

Enquanto em áreas tropicais estão os biomas da floresta tropical, floresta nublada e floresta tropical sazonal. Nos trópicos também são encontradas a savana, o deserto quente e os desertos e pastagens frias das altas montanhas tropicais.

Características dos biomas terrestres

– Extensão descontínua

Os biomas são caracterizados por ocupar grandes áreas do planeta, embora não sejam geograficamente contínuos. Sua descontinuidade se deve ao fato de responderem às condições climáticas determinadas por sua localização geográfica, distribuição de massas continentais e latitude em que são encontradas.

– Clima e adaptação evolutiva

Em cada região geográfica, são definidas condições climáticas específicas, principalmente em termos de temperatura e precipitação. As massas terrestres localizadas nas latitudes polares e subpolares recebem menor incidência de radiação solar e, portanto, têm baixas temperaturas.

Da mesma forma, baixas temperaturas determinam menos evaporação e menos precipitação. Portanto, nessas regiões a maior parte do ano é inverno, com um curto período de verão.

As terras localizadas na zona tropical apresentam alta radiação solar, determinando altas temperaturas e precipitações. Nos trópicos, o clima é mais homogêneo ao longo do ano, com duas estações, a chuvosa e a seca.

No caso de latitudes intermediárias, subtropicais ou temperadas, as condições climáticas determinam um regime de quatro estações, com primavera, verão, outono e inverno.

Gradiente de altitude

Por outro lado, as condições climáticas não apenas variam com a latitude, mas também com a altitude. Ao subir uma montanha alta, a temperatura diminui, apresentando uma variação de vegetação semelhante à latitudinal, principalmente na zona tropical.

Um caso é o das montanhas dos Andes tropicais, onde florestas decíduas ou semi-decíduas ocorrem no sopé e nas partes inferiores. Então, ao escalar, as temperaturas são mais favoráveis ​​e há mais umidade, de modo que florestas sempre úmidas e úmidas se desenvolvam.

À medida que sobe em altitude, a vegetação começa a diminuir até atingir arbustos, campos e, finalmente, semi-desertos frios.

Outros fatores

Outros fatores como solo, alívio e incêndio também desempenham um papel, que pode ter mais ou menos relevância, dependendo do tipo particular de bioma. Por exemplo, o fogo desempenha um papel importante na dinâmica da Floresta Mediterrânea e da Savana.

Adaptações evolutivas

Biomas são áreas bioclimáticas (áreas onde um certo clima e uma biodiversidade adaptada a ele se reúnem). Isso se deve ao fato de que, ao longo de milhares de anos, houve uma evolução conjunta entre clima, vegetação e fauna.

Portanto, duas regiões geograficamente distantes, mas com as mesmas condições climáticas, podem desenvolver vegetação e fauna com adaptações semelhantes e uma composição de espécies diferente. Assim, as savanas da América do Sul e da África são planícies quentes com predominância de gramíneas, mas com espécies diferentes em cada região.

– Vegetação dominante

O tipo de vegetação é o mais característico de um bioma, tanto por sua abundância relativa quanto pelos biótipos predominantes (grama, arbusto, árvore). Nesse sentido, os desertos caracterizam-se por apresentar uma vegetação esparsa, predominantemente herbácea, e na selva tropical a vegetação é muito abundante com o domínio das árvores.

Tipos de biomas terrestres

A lista de biomas terrestres no planeta varia de acordo com os critérios do pesquisador, incluindo de 8 a 14 ou mais biomas. Aqui, 14 biomas terrestres separados são apresentados de acordo com a zona climática em que são desenvolvidos.

Alguns biomas estão em zonas de transição entre duas zonas climáticas, como desertos entre zonas tropicais e subtropicais ou temperadas.

– Zona fria

Tundra

Este bioma se estende no Círculo Polar Ártico, da América do Norte, Groenlândia, Islândia ao norte da Eurásia e, em menor grau, na Antártica. É caracterizada por temperaturas mínimas de até -50 ºC e máximas variáveis ​​de 0 a 29 ºC, com chuvas de 150 a 350 mm por ano.

A maior parte da chuva cai como neve e a superfície do solo fica coberta de neve durante grande parte do ano, com uma camada congelada de solo (permafrost). Nessas condições, a vegetação é herbácea, composta principalmente de musgos, líquenes, juncos e gramíneas.

A fauna inclui rebanhos de renas migrantes na primavera, que retornam ao sul no inverno, sendo o lobo o principal predador.

Taiga ou floresta boreal

É uma extensa floresta de coníferas que se estende da América do Norte à Sibéria na Rússia asiática, cobrindo 11% do continente. Limita o norte com a tundra e apresenta um clima frio, com temperaturas de -70 ºC no inverno, chegando a 40 ºC no verão.

A precipitação é escassa na forma de neve, atingindo não mais de 400 mm por ano e possui pouca biodiversidade. As plantas dominantes são árvores dos gêneros  Larix , Pinus , Abies e Picea e em termos de fauna, lobos, renas, ursos, alces e lebres predominam.

– Zona temperada

Floresta mediterrânea

É um bioma restrito a cinco áreas definidas na Terra, incluindo a bacia do Mediterrâneo. Também ocorre no norte da península da Califórnia, na costa do Chile, no extremo sudoeste da África e no sudoeste da Austrália.

O clima é caracterizado por verões quentes e secos, enquanto os invernos tendem a ser amenos e chuvosos. As temperaturas variam entre 13 e 19 ºC em uma média mensal e, em nenhum caso, cai abaixo de 10 ºC.

As chuvas variam de 350 a 800 mm por ano e somente na floresta mediterrânea australiana atingem 1.500 mm. Nessas florestas, o fogo é um fator natural recorrente que desempenha um papel relevante em sua formação.

A vegetação dominante são florestas sempre verdes de 6 a 15 m de altura, com árvores de angiospermas de folhas duras. Neste, predominam os gêneros Quercus (carvalhos, azinheiras) no hemisfério norte, Nothofagus na América do Sul e Eucalyptus na Austrália.

No que diz respeito à fauna, abundam no Mediterrâneo lebres, veados, javalis, raposas e linces ibéricos. Na Califórnia, o coiote e o cervo-mula ocorrem, enquanto no Chile são encontradas a raposa-culpeo e o lagarto-chorão.

Floresta temperada decídua ou floresta decídua temperada

É a floresta típica adaptada às condições climáticas temperadas com as quatro estações do verão, outono, inverno e primavera. No hemisfério norte, é encontrado em latitudes temperadas da América do Norte, Eurásia, até o Japão e no sul do Chile, Argentina, Austrália e Nova Zelândia.

As árvores de angiosperma dos gêneros Quercus (carvalho), Fagus (faia), Betula (bétula) e Castanea (castanha) dominam no hemisfério norte. Enquanto no hemisfério sul , Quercus , Nothofagus e Eucalyptus são encontrados . É caracterizada pela perda de folhagem no outono e sua recuperação na primavera.

Na Europa, a fauna inclui lebres, veados, javalis, bisontes europeus, raposas, ursos pardos e o lobo como o principal predador, e na América do Norte há alces, ursos pretos e puma.

Floresta de coniféras

São dominadas por espécies das famílias Pinaceae (pinheiros, abetos) e Cupressaceae (ciprestes) no hemisfério norte, e Araucariaceae (araucárias) e Pinaceae no hemisfério sul. Eles são encontrados da América do Norte à Eurásia, bem como no Chile, Argentina, Tasmânia, Nova Zelândia, Nova Caledônia e Japão.

É uma vegetação perene, com um clima de verões quentes e invernos frios nas áreas montanhosas, com chuvas de 500 a 2.500 mm por ano. Esquilos, veados, alces, linces, zibelinas, ursos e lobos vivem nessas florestas.

Pradarias

Esse bioma abrange grandes áreas da América do Norte, América do Sul, Eurásia e África do Sul. No cone sul da América, eles são conhecidos como pampas, no leste da Europa e na Ásia como estepes e veludo na África do Sul.

São principalmente áreas planas cuja vegetação dominante é herbácea, principalmente gramíneas. Apresentam clima sazonal, com verões quentes e invernos frios e úmidos, com temperaturas entre 5 e 22 ºC e precipitação anual de 600 mm ou mais.

As grandes pastagens da América do Norte eram habitadas por enormes manadas de búfalos, e ainda hoje existem grandes populações de cães da pradaria. Há também o pronghorn, o lince e a águia dourada.

Deserto

Estas são áreas desérticas de latitudes fora da zona tropical, onde as temperaturas são extremamente baixas no inverno. Um exemplo é o deserto de Gobi, localizado entre a China e a Mongólia.

Em Gobi as temperaturas são extremas, com fortes variações anuais e diárias de até 40ºC, portanto no inverno caem para -47ºC ou menos e no verão podem subir para 45ºC. Entre sua fauna, destaca-se o camelo selvagem ou camelo bactriano selvagem ( Camelus ferus ).

Por seu lado, no deserto de Atacama (Chile) a temperatura varia de -25 a 50 ºC. Este deserto é a região mais seca do planeta, com menos de 1 mm de chuva a cada 15 ou 40 anos.

– Zona tropical

Floresta tropical

Possivelmente é o bioma terrestre com maior biodiversidade e se desenvolve em extensas planícies nas zonas tropicais do mundo. Apresentam altas chuvas e temperaturas quentes com formações vegetais onde predominam as árvores.

Esta formação vegetal apresenta várias camadas de acordo com sua altura e uma vegetação rasteira formada por ervas e arbustos. Além disso, há um grande número de trepadeiras e epífitas.

A maior área de floresta tropical está na bacia Amazônica-Orinoco, incluindo territórios de 8 países da América do Sul. Então, na África Central, a floresta tropical se estende até a bacia do rio Congo, a segunda maior depois da Amazônia. 

Nestas selvas existe uma fauna rica, incluindo grandes felinos como a onça e herbívoros como a anta. Existem também numerosos primatas, como gorilas, chimpanzés, gibões e orangotangos, enquanto entre os animais aquáticos destacam-se o peixe-boi, os jacarés e os crocodilos.

Floresta nublada

Alguns autores incluem as florestas tropicais no bioma e as florestas tropicais, mas há diferenças importantes. Em primeiro lugar, são florestas de montanhas altas e, portanto, as temperaturas são mais baixas, além de nebulosidade e chuva constante.

O urso de óculos andino ( Tremarctos ornatus ) vive nas florestas de nuvens dos Andes . Enquanto o gorila da montanha ( Gorilla beringei beringei ) vive nas florestas nubladas africanas .

Floresta tropical sazonal

São florestas tropicais de áreas baixas e quentes, com chuvas sazonais e altas temperaturas, onde as condições do solo permitem o estabelecimento de árvores. Uma selva é formada onde metade ou quase todas as suas espécies perdem a folhagem na estação seca para compensar o déficit hídrico.

Lençóis

São formações de planícies de zona quente com predominância de gramíneas, principalmente gramíneas, enquanto as árvores são escassas ou ausentes. Eles se desenvolvem na América do Sul e na África Subsaariana, com um clima bi-sazonal que apresenta estação seca e chuvosa.

Manadas enormes de grandes herbívoros, como gnus, zebras e antílopes, são encontradas nas savanas africanas. Da mesma forma, eles são habitados por grandes carnívoros, como o leão, o leopardo, a chita, as hienas e os cães selvagens.

Deserto quente

São áreas com pouca ou nenhuma vegetação, devido à baixa precipitação anual e temperaturas diurnas que podem atingir 50 ºC. No caso do deserto do Saara, a precipitação não excede 100 mm por ano e, na maioria dos casos, é de cerca de 20 mm.

No Saara, há uma espécie de camelo conhecido como dromedário ou camelo árabe ( Camelus dromedarius ).

Desertos e pastagens frias de altas montanhas tropicais

Eles se desenvolvem nas altas áreas andinas e nas altas montanhas africanas, como o Kilimanjaro, acima da linha das árvores (3.400 msnm). Eles podem abrigar grande diversidade de vegetação herbácea, como o paramo dos Andes tropicais ou muito escassos como o puna nos Andes centrais.

Dadas as diferenças entre o paramo tropical andino e o puna, alguns pesquisadores os consideram dois biomas tropicais diferentes.

Entre as famílias de plantas mais comuns nessas regiões estão gramíneas, compostos, leguminosas e ericáceos. Quanto à fauna, o urso frontin ou urso de óculos, o condor e os guanacos e vicunhas em direção ao puna são característicos.

Exemplos de biomas terrestres

– A selva amazônica

A bacia do rio Amazonas se estende por quase 7.000.000 km², formando uma enorme planície de inundação coberta por diferentes ecossistemas da floresta tropical. Essa bacia é conectada através do rio Casiquiare à bacia do rio Orinoco, que também inclui extensas áreas de selva.

Clima

A principal característica dessas florestas é que elas apresentam altas chuvas (entre 2.000 e 5.000 mm por ano) e temperaturas quentes (25-27 ºC em média).

Flora e vegetação

São formações de plantas com alta diversidade e estrutura complexa, com até 5 estratos, desde uma vegetação rasteira de ervas e arbustos até árvores emergentes com mais de 50 m de altura. Por outro lado, apresentam espécies abundantes de orquídeas epífitas e de escalada, araceae e bromélias.

Estima-se que cerca de 14.000 espécies de mudas vivam na floresta amazônica, quase metade delas árvores. Além disso, várias espécies cultivadas têm origem nessas florestas, como mandioca, cacau, borracha e abacaxi.

Animais selvagens

Uma grande diversidade de espécies animais habita a floresta amazônica, incluindo várias espécies de macacos, outros mamíferos e répteis. Da mesma forma, eles têm uma grande riqueza em espécies de aves, insetos e peixes de água doce.

– A taiga: floresta boreal da Sibéria

Na Sibéria (Rússia) estão as maiores extensões da floresta boreal, que é uma extensa faixa de floresta de coníferas, com árvores de 40 a 70 m de altura em clima frio extremo. Os verões são curtos com temperaturas entre 15 e 40 ºC e invernos longos com temperaturas de -40 a -70 ºC, com precipitação anual de 150 a 600 mm.

Flora

As coníferas predominam na taiga, principalmente na família Pinaceae, com gêneros como Larix , Pinus , Picea e Abies. Destacam-se espécies como o abeto siberiano ( Abies sibirica ) e o larício siberiano ( Larix sibirica ).

As espécies de angiospermas incluem bétula branca (Betula pendula ), salgueiro ( Salix arbutifolia ), selectedia ( Chosenia arbutifolia ) e álamo ( Populus suaveolens ).

Animais selvagens

Na taiga siberiana habitam as renas ( Rangifer tarandus ), o urso pardo ( Ursus arctos), a lebre do Ártico ( Lepus timidus ) e o esquilo siberiano ( Eutamias sibiricus ). Existem várias espécies de aves, como a perdiz ( Tetrao urogallus ), a coruja boreal ( Aegolius funereus ) e o pica-pau-preto ( Dryocopus martius ).

Referências

  1. Calow, P. (Ed.) (1998). A enciclopédia de ecologia e gestão ambiental
  2. Chebez, JC (2006). Guia para as reservas naturais da Argentina. Zona central. Volume 5.
  3. Izco, J., Barreno, E., Brugués, M., Costa, M., Devesa, JA, Frenández, F., Gallardo, T., Llimona, X., Prada, C., Talavera, S. Y Valdéz , B. (2004). Botânica.
  4. Kilgore BM e Taylor D (1979). História de Incêndio de uma Floresta de Coníferas Mista de Sequóias. Ecology, 60 (1), 129-142.
  5. Ministério da Agricultura e Irrigação (2016). Memória descritiva do mapa da ecozona. Inventário Nacional de Floresta e Vida Selvagem (INFFS) -Peru.
  6. Oyarzabal, M., Clavijo, J., Oakley, L., Biganzoli, F., Tognetti, P., Barberis, I., Maturo, HM, Aragón, R., Campanello, PI, Prado, D., Oesterheld, M. e León, RJC (2018). Unidades de vegetação da Argentina. Ecologia Austral.
  7. Pizano, C. e García, H. (2014). A floresta tropical seca na Colômbia. Alexander von Humboldt Instituto de Pesquisa de Recursos Biológicos.
  8. Purves, WK, Sadava, D., Orians, GH e Heller, HC (2001). Vida. A ciência da biologia.
  9. Raven, P., Evert, RF e Eichhorn, SE (1999). Biologia das plantas.
  10. Vida selvagem mundial (vista em 12 de março de 2020). Retirado de: worldwildlife.org/biomes/

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies