Bulimia nervosa: sintomas, causas, consequências, tratamento

A bulimia nervosa é um transtorno de comportamento alimentar cuja principal característica é a ingestão de grandes quantidades de alimentos.É um dos distúrbios psicológicos mais comuns entre os jovens e seu principal critério diagnóstico é a falta de controle para controlar a ingestão de alimentos.

Existem duas outras características principais: a pessoa tenta compensar a refeição e a possibilidade de ganhar peso através de algum comportamento de purga, e tem uma crença exagerada de que sua avaliação pessoal depende de sua silhueta e peso corporal.

Bulimia nervosa: sintomas, causas, consequências, tratamento 1

Exemplos de técnicas de purga são vômito auto-imposto, exercício excessivo, uso de laxantes e uso de diuréticos.No entanto, existem pessoas bulímicas que não usam purgas e ficam longos períodos de tempo em jejum entre as refeições.

Por esse motivo, o DSM-IV distingue entre bulimia nervosa purgativa e não purgativa. Estima-se que duas em cada três pessoas bulímicas usem técnicas de purga.

O distúrbio é geralmente mais grave em pessoas que praticam purga, porque os comilones são mais frequentes e há mais depressões graves e distúrbios de pânico co-ocorrentes.

Sintomas de bulimia

Bulimia nervosa: sintomas, causas, consequências, tratamento 2

Sinais e sintomas de compulsão alimentar

  • Falta de controle sobre a ingestão, incapacidade de parar de comer até que você se sinta desconfortável ou desconfortável.
  • Coma secretamente à noite ou fora de casa ou queira comer sozinho.
  • Coma grandes quantidades de comida sem alterar o peso.
  • Alterne entre comer demais e jejuar. Normalmente não há refeições normais, ou você jejua ou come demais.
  • Desaparecimento de alimentos.

Sinais e sintomas de purga

  • Use laxantes, diuréticos ou enemas depois de comer.
  • Tome pílulas para afastar o apetite.
  • Vá ao banheiro após as refeições para vomitar.
  • Cheiro de vômito: o banheiro ou a pessoa pode cheirar a vômito.
  • Exercício excessivo, especialmente depois de comer.

Sinais e sintomas físicos

  • Calos ou cicatrizes nos dedos como causa de vômito.
  • Bochechas inchadas de vômitos freqüentes.
  • Esmalte dentário desgastado devido à exposição dos dentes ao ácido estomacal.
  • Peso normal: homens e mulheres com bulimia geralmente têm peso normal ou algum excesso de peso. Estar abaixo do peso normal durante a purga pode indicar anorexia nervosa.
  • Alterações frequentes no peso devido a episódios alternativos de purga e compulsão alimentar.

Como saber se você tem bulimia nervosa

Faça a si mesmo as seguintes perguntas. Quanto mais “se” houver, maior a probabilidade de você ter bulimia nervosa ou outro distúrbio alimentar:

  • Alimentos ou dieta dominam sua vida?
  • Você é obcecado por seu corpo ou seu peso?
  • Você costuma comer até se sentir mal ou excessivamente cheio?
  • Você tem medo de começar a comer e não conseguir parar?
  • Você se sente envergonhado, culpado ou deprimido depois de comer?
  • Você vomita, toma laxantes ou faz exercícios excessivos para controlar seu peso?

Causas da bulimia

As preocupações com o peso e a imagem corporal desempenham um papel importante, assim como a baixa auto-estima.

Por outro lado, pessoas bulímicas podem ter problemas para controlar suas emoções. Comer pode ser uma maneira de liberar ansiedade ou problemas emocionais; de fato, eles geralmente cometem compulsões ou purgações em estados depressivos, ansiosos ou estressantes.

Relacionado:  Fuga cerebral: características, causas e tratamento

As principais causas são:

Fatores genéticos

Como na anorexia nervosa, há evidências de que a predisposição genética contribui para o aparecimento da bulimia nervosa. Níveis anormais de hormônios e o neurotransmissor serotonina foram encontrados em distúrbios alimentares. Pessoas com bulimia também têm maior probabilidade de ter pais com distúrbios psicológicos ou viciados em substâncias.

Imagem corporal pobre

Pode haver uma falta de satisfação com o corpo devido à ênfase da cultura atual na beleza e na magreza.

Baixa auto-estima

Mulheres e homens que se consideram de pouco valor, inúteis ou pouco atraentes têm mais probabilidade de desenvolver bulimia nervosa. O abuso infantil, a depressão ou o perfeccionismo podem contribuir para a baixa auto-estima.

História de abuso ou traumático

Parece que as mulheres com bulimia têm uma maior incidência de abuso sexual.

Mudanças vitais

A bulimia pode se desenvolver através de mudanças ou transições vitais, como mudanças físicas da puberdade, início da faculdade ou rompimento de um relacionamento. Expurgos e compulsão alimentar podem ser maneiras de lidar com o estresse.

Atividades profissionais

As pessoas que trabalham em profissões onde a imagem é importante têm mais pressão e são mais vulneráveis ​​ao desenvolvimento da bulimia.

Fatores genéticos

Pode haver um fator genético relacionado ao desenvolvimento da bulimia. Pesquisas sugerem que pessoas que têm um parente próximo que tiveram ou tiveram bulimia têm quatro vezes mais chances de desenvolvê-lo do que aquelas que não têm um parente com a doença.

Diagnóstico

Critérios de diagnóstico de acordo com o DSM-IV

1) Presença de comedores recorrentes. Um banquete é caracterizado por:

  1. A ingestão de alimentos em um curto período de tempo, em quantidade maior do que a maioria das pessoas comeria em um período semelhante e nas mesmas circunstâncias.
  2. Sensação de perda de controle sobre a ingestão de alimentos.

B) Comportamentos compensatórios inapropriados para não ganhar peso como causa de vômito, uso excessivo de laxantes, diuréticos, enemas ou outras drogas, jejum e exercícios excessivos.

C) Comillones e comportamentos compensatórios inadequados ocorrem, em média, pelo menos duas vezes por semana, durante um período de 3 meses.

D) A auto-avaliação é exageradamente influenciada pelo peso corporal e pela silhueta.

E) A alteração não aparece exclusivamente no curso da anorexia nervosa.

Especifique o tipo:

  • Purgativo: o indivíduo causa vômito regularmente ou usa laxantes, diuréticos ou enemas em excesso.
  • Não purgativo: o indivíduo utiliza outros comportamentos compensatórios inapropriados, como jejum ou exercício intenso, sem recorrer regularmente a vômitos, laxantes, diuréticos ou enemas.

Comorbidade

Os distúrbios psicológicos que ocorrem mais estreitamente com a bulimia são os transtornos de humor e os de ansiedade.

Segundo um estudo de 1992 (Schwalburg, Barlow, Alger e Howard), 75% das pessoas com bulimia também sofrem de um distúrbio de ansiedade, como fobia social ou ansiedade generalizada.

Por outro lado, a depressão geralmente aparece após a bulimia e o abuso de substâncias também costuma aparecer ao lado.

Tratamento de bulimia

Os dois principais tratamentos usados ​​em pessoas com bulimia nervosa são psicoterapia e medicação.

Relacionado:  Reestruturação cognitiva: técnicas e como elas são aplicadas

Psicoterapia

A terapia mais utilizada é a cognitivo-comportamental (TCC), na qual a maneira de pensar e os comportamentos irracionais e negativos são alterados para uma maneira positiva de pensar e se comportar.

Na TCC, o paciente registra quanto ele come e os períodos de vômito para identificar e evitar desequilíbrios emocionais.Para que essa terapia seja bem-sucedida, é importante que o profissional e o paciente participem.

As pessoas que recebem CTT e mostram mudanças comportamentais precoces têm maior probabilidade de obter resultados a longo prazo.Outros objetivos a serem alcançados com a TCC são interromper o ciclo de purga e resolver problemas emocionais.

A psicoterapia interpessoal e a terapia comportamental dialética também mostraram alguns resultados positivos.A TCC se mostrou eficaz em adultos, embora haja pouca pesquisa em adolescentes.

A terapia familiar pode ajudar os adolescentes, porque eles podem precisar de mais apoio familiar e mais orientação.Os adolescentes não percebem tanto as consequências negativas da bulimia e têm menos motivação para mudar.

Com a terapia familiar, a família está envolvida nos comportamentos e hábitos alimentares do adolescente, assume maior controle da situação no início e gradualmente concede autonomia, observando os avanços nos hábitos alimentares.

Medicação

Os antidepressivos conhecidos como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) podem ter um benefício modesto, incluindo fluoxetina, sertralina, paroxetina e fluvoxamina.

Alguns resultados positivos do tratamento podem ser: diminuição de pensamentos obsessivos sobre perda de peso, diminuição ou ausência de compulsão alimentar, menos sintomas psiquiátricos, melhora no funcionamento social, desejo de resolver as conseqüências da bulimia.

Terapias e hábitos complementares

  • O uso de técnicas de relaxamento ou meditação pode ajudá-lo a estar mais consciente do corpo e desenvolver uma imagem positiva.
  • Evite cafeína, tabaco ou álcool.
  • Beba 6-8 copos de água por dia.
  • Evite açúcares refinados, como doces ou refrigerantes.

Se os nutrientes necessários não forem consumidos (consulte seu médico antes de consumir):

  • Consuma um multivitamínico com vitaminas A, C, E, vitaminas B, magnésio, cálcio, zinco, fósforo, cobre e selênio.
  • Consuma ácidos graxos ômega 3 em alimentos naturais, como salmão ou cápsulas.
  • Coenzima Q10 como suporte muscular, antioxidante e para melhorar o sistema imunológico.
  • Probióticos para melhorar a saúde do sistema digestivo e do sistema imunológico.

Consequências médicas

A bulimia pode ter várias consequências no corpo:

  • Aumento da glândula salivar, devido ao vômito contínuo, que dá uma aparência “gordinha” ao rosto.
  • Desgaste do esmalte dentário devido ao vômito.
  • Desequilíbrio eletrolítico: alteração química dos fluxos corporais, que pode levar à insuficiência renal e arritmia cardíaca.
  • Problemas intestinais decorrentes do uso de laxantes.
  • Calos nos dedos ou mãos devido à estimulação do vômito pela boca.

Fatores de risco

Os fatores que podem aumentar o risco de desenvolver bulimia nervosa são:

  • Ser mulher : as mulheres são mais propensas a ter bulimia do que os homens.
  • Idade : É mais provável que comece na adolescência ou no início da idade adulta.
  • Biologia : Ter um membro da família com um distúrbio alimentar aumenta as chances de desenvolver bulimia.
  • Problemas psicológicos e emocionais : ter distúrbios de ansiedade ou baixa auto-estima pode contribuir para distúrbios alimentares.
  • Sociedade : na sociedade ocidental, a magreza e a atratividade física são valorizadas e equiparadas a sucesso e popularidade.
  • Profissão : atores, atletas, modelos ou profissionais que atuam perante o público correm maior risco de desenvolver transtornos alimentares.
Relacionado:  Anedonia: sintomas, tipos, causas e tratamentos

Complicações

A bulimia nervosa pode causar complicações graves:

  • Problemas cardíacos, como batimentos cardíacos irregulares ou insuficiência cardíaca.
  • Desidratação, que pode levar a problemas médicos, como insuficiência hepática.
  • Ansiedade e depressão
  • Dependência laxante.
  • Abuso de álcool ou drogas.
  • Desgaste do esmalte dos dentes.
  • Suicídio

Dicas para ajudar parentes com bulimia

Se você suspeitar que um membro da família ou amigo tenha bulimia, converse com ele sobre suas preocupações.

Pode negar compulsão ou purga, embora possa ser favorável para superar o problema.

É um distúrbio alimentar que não deve ser ignorado e tratado o mais rápido possível.

Para ajudar, você pode seguir estas dicas:

  • Oferece apoio e compreensão: a pessoa pode estar na defensiva, mas se estiver disposta a ser ajudada, ela mostra compreensão e não julga.
  • Evite o estresse ou a culpa: a negatividade piora as coisas, pois a bulimia geralmente é causada por estresse ou baixa auto-estima.
  • Seja um bom exemplo: mostre hábitos positivos sobre alimentação, exercícios físicos e imagem corporal.
  • Aceite seus limites: embora você possa ajudar, é a pessoa afetada que deve tomar a decisão de ser tratado e superar o problema.
  • Acalme-se: lidar com um distúrbio psicológico é estressante e pode causar desconforto.

Dicas para pessoas com bulimia

Se você tem bulimia, conhece o problema de estar fora de controle e as consequências negativas que ela tem.

No entanto, é possível superá-lo e você pode interromper os hábitos de purga ou compulsão, alterando-os para hábitos mais saudáveis.

  • Admita que você tem um problema: o primeiro passo é admitir que seu relacionamento com a comida está distorcido e descontrolado.
  • Consulte alguém: se você manteve seu problema em segredo, pode ser difícil conversar com alguém. No entanto, é importante que você não esteja sozinho e encontre alguém para ouvi-lo.
  • Afaste-se de situações que aumentam a probabilidade de compulsão ou purga: evite passar tempo com pessoas que falam constantemente sobre dieta, não olhe para revistas de moda ou de alimentos e fique longe de sites que promovem perda de peso ou magreza.
  • Procure ajuda profissional: se você não conseguir superar o problema sozinho, procure a ajuda de um profissional.

Referências

  1. Associação Americana de Psiquiatria (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Quinta ed.). Arlington, VA: Publicação Psiquiátrica Americana. pp. 345-349. ISBN 978-0-89042-555-8.
  2. PJ, Claudino AM; Claudino (2010). “Bulimia nervosa.” Clinical Evidence 2010: 1009. PMC 3275326. PMID 21418667.
  3. Hay, P (julho de 2013). «Uma revisão sistemática de evidências para tratamentos psicológicos em transtornos alimentares: 2005-2012.». O jornal internacional de transtornos alimentares 46 (5): 462–9. PMID 23658093.
  4. Wynn DR, Martin MJ; Martin (1984). “Um sinal físico de bulimia.” Mayo Clinic Proceedings 59 (10): 722. doi: 10.1016 / s0025-6196 (12) 62063-1. PMID 6592415.
  5. Mcgilley BM, Pryor TL; Pryor (junho de 1998). «Avaliação e tratamento da bulimia nervosa». American Family Physician 57 (11): 2743–50. PMID 9636337.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies