Claustrofobia: sintomas, causas, tratamentos

O Claustrofobia é um transtorno de ansiedade em que o doente tem um medo irracional de ser trancado em uma sala ou espaço pequeno e não têm como escapar ou ser bloqueado.

Geralmente causa um ataque de pânico e pode ser causado por certos estímulos ou situações, como estar em um elevador, carros pequenos, salas sem janelas ou um avião. Em alguns pacientes com claustrofobia, o nível de ansiedade aumenta quando eles usam roupas de pescoço estreito.

Claustrofobia: sintomas, causas, tratamentos 1

O início da claustrofobia tem sido atribuído a muitos fatores, incluindo uma redução no tamanho da amígdala, condicionamento clássico ou uma predisposição genética para temer pequenos espaços.

Pode ser difícil para as pessoas com claustrofobia conviverem com o distúrbio, pois podem percorrer longas distâncias para evitar espaços e situações que desencadeiam sua ansiedade. Eles evitarão certos lugares, como metrô, trem ou avião, e preferem usar as escadas ao usar o elevador, mesmo que haja muitos andares para subir ou descer.

Principais sintomas da claustrofobia

Se você tem claustrofobia, quando pensa em entrar em um elevador ou pegar o metrô, pensa que não terá ar, teme não poder se mover livremente e não pode sair de lá.

Muitas pessoas têm claustrofobia, algumas com sintomas leves ou controláveis ​​e outras com sintomas intensos que ocorrem mesmo com a ideia de ter que entrar ou permanecer em um espaço fechado.

Estima-se que aproximadamente 6% a 8% da população mundial sofra de claustrofobia em algum nível de intensidade.

A claustrofobia tem dois sintomas claros e bem característicos: o medo de restringir os movimentos e o medo de asfixia.

Esses medos, por sua vez, causam uma série de reações no corpo, que podem incluir o seguinte:

  • Sudorese, especialmente nas palmas das mãos.

  • Tontura: quando o sentimento de medo é muito intenso, você sente que vai desmaiar.

  • Ataques de pânico : parece que você vai morrer. Talvez você sinta uma forte dor no peito ou tenha uma sensação de asfixia. Você não pode raciocinar. Algumas pessoas gritam ou choram.

  • A frequência cardíaca aumenta: a respiração se torna mais profunda e agitada.

  • Distúrbios comportamentais: em alguns casos, quem sofre de claustrofobia adota um comportamento incomum. Pesquise incessantemente por lugares como janelas ou portas e, se precisar esperar, você se sentirá próximo deles.

  • Falta de ar: a pessoa começa a mostrar dificuldades respiratórias.

Causas

Claustrofobia: sintomas, causas, tratamentos 2

As causas da claustrofobia podem ser as seguintes:

Amígdala menor

A amígdala é uma das menores estruturas do cérebro, mas também uma das mais importantes.

É necessário para o condicionamento do medo, ou respostas de luta ou fuga, criadas quando um estímulo está associado a uma situação séria.

Um estudo de Fumi Hayano descobriu que a amígdala certa era menor em pacientes que sofrem de distúrbios de pânico. A redução de tamanho ocorreu em uma estrutura conhecida como grupo nuclear corticomedial. Isso causa reações anormais a estímulos aversivos em pessoas com transtornos de pânico.

Nas pessoas claustrofóbicas, isso se traduz em reação de pânico ou exagerada a uma situação em que a pessoa está fisicamente trancada.

Condicionamento clássico

A claustrofobia pode surgir de uma experiência traumática da infância, embora o começo possa ocorrer a qualquer momento na vida de um indivíduo.

Essa experiência pode ocorrer várias vezes, ou apenas uma vez, para se condicionar permanentemente. Por exemplo: sofrer um acidente de elevador, um incêndio em uma sala, acidente de carro …

Tratamentos

Terapia Cognitivo-Comportamental

A terapia comportamental cognitiva é aceita como tratamento para a maioria dos transtornos de ansiedade. Acredita-se também que seja particularmente eficaz no tratamento de distúrbios nos quais o paciente realmente não teme uma situação, mas teme o que pode resultar de estar em tal situação.

O objetivo final da terapia cognitiva é modificar pensamentos distorcidos ou conceitos errôneos associados ao que é temido e modificar o comportamento para que o paciente possa viver normalmente.

A teoria é que a modificação desses pensamentos diminuirá a ansiedade e evitará determinadas situações.

Por exemplo, eu tentaria convencer um paciente claustrofóbico de que elevadores não são perigosos, mas muito úteis para se mover rapidamente. Um estudo de SJ Rachman mostra que a terapia cognitiva reduziu o medo e os pensamentos negativos em uma média de 30% em pacientes claustrofóbicos.

Terapia de exposição

Este método é usado na terapia comportamental cognitiva. Obriga os pacientes a enfrentar seus medos, expondo-se fisicamente ao que temem. É feito de maneira progressiva, começando com exposições curtas e simples e passando para exposições mais difíceis e duradouras.

Vários estudos demonstraram que é um método eficaz para tratar várias fobias, incluindo claustrofobia. SJ Rachman também comprovou a eficácia desse método no tratamento da claustrofobia e o considerou eficaz na redução do medo e pensamentos negativos em 75% em seus pacientes.

Outros tratamentos

Outros tratamentos que também provaram ser razoavelmente eficazes são as técnicas de psicoeducação, contra-condicionamento, hipnoterapia regressiva e relaxamento .

Os medicamentos frequentemente prescritos para ajudar a tratar a claustrofobia incluem antidepressivos e ansiolíticos , que ajudam a aliviar os sintomas cardíacos frequentemente associados a ataques de ansiedade.

Como enfrentar um ataque de pânico?

Se possível, fique onde está durante um ataque de pânico. Pode durar até uma hora; portanto, se você estiver dirigindo, talvez precise estacionar onde é seguro. Não se apresse.

Durante o ataque, lembre-se de que pensamentos e sentimentos aterrorizantes são um sinal de pânico e que finalmente passarão. Concentre-se em algo não ameaçador e visível, como o tempo gasto no relógio ou nos itens de um supermercado.

Os sintomas de um ataque de pânico geralmente atingem um pico em 10 minutos, com a maioria dos ataques durando entre cinco minutos e meia hora.

Aqui você pode ler mais dicas para lidar com eles .

Consequências

Claustrofobia: sintomas, causas, tratamentos 3

Muitas pessoas têm sintomas de claustrofobia, no entanto, não consultam nenhum profissional de saúde para tentar resolver seu problema.

A maioria escolhe evitar as situações que lhes causam esse medo irracional: eles não sobem a nenhum elevador ou evitam pegar o metrô.

Somente aqueles que sofrem de sintomas intensos, que interferem no curso normal de suas vidas, são aqueles que participam da consulta com o médico ou psicólogo.

Porém:

Se você continuar a evitar situações que lhe causam ansiedade, pode ser necessário evitar mais lugares e situações. Dessa forma, você nunca enfrenta o problema e nunca pode superá-lo.

Se você não fizer algo a respeito, talvez esse medo invada sua vida completamente. A prevenção do medo apenas o faz permanecer e até crescer.

Algumas das principais conseqüências que esse distúrbio pode ter são as seguintes:

  • Redução de oportunidades de emprego : existem empregos que significam condições muito adversas para um claustrofóbico. Talvez você não consiga trabalhar se ele não estiver em um escritório particularmente grande ou em corredores ou locais muito movimentados, o que sem dúvida reduz suas oportunidades de trabalho.

  • Alteração da sua vida social : se você não pode ir a um banheiro público, porque geralmente é um espaço pequeno, se você tem medo de ir a um restaurante ou a uma boate, então obviamente sua vida social será restrita.

Diagnóstico

O principal medo da pessoa claustrofóbica é não poder sair do espaço fechado, falta de ar e ter movimentos limitados.

No entanto, os sintomas da claustrofobia podem ser semelhantes aos de outras fobias ou transtornos de ansiedade, portanto o diagnóstico deve ser feito por um profissional de saúde.

Critérios de diagnóstico de acordo com o DSM-IV

A. Medo ou ansiedade intensa sobre um objeto ou situação específica (por exemplo, vôo, altura, animais, administração de uma injeção, visão de sangue).
Nota: Nas crianças, o medo ou a ansiedade podem ser expressos com choro, birras, paralisia ou persistência.

B. O objeto ou situação fóbica é ativamente evitada ou resistida com medo ou ansiedade imediatos.

C. O objeto ou situação fóbica é ativamente evitada ou resistida com intenso medo ou ansiedade.

D. O medo ou a ansiedade são desproporcionais ao perigo real representado pelo objeto ou situação específica e ao contexto sociocultural.

E. O medo, a ansiedade ou a evasão são persistentes e geralmente duram seis ou mais meses.

F. O medo, a ansiedade ou a evitação causam desconforto ou prejuízo clinicamente significativo no social, no trabalho ou em outras áreas importantes do funcionamento.

G. A alteração não é melhor explicada pelos sintomas de outro transtorno mental, como medo, ansiedade e prevenção de situações associadas a sintomas do tipo pânico ou outros sintomas incapacitantes (como agorafobia); objetos ou situações relacionadas a obsessões (como no transtorno obsessivo-compulsivo); recordação de eventos traumáticos (como no transtorno de estresse pós-traumático); sair de casa ou separar figuras de apego (como no transtorno de ansiedade de separação); ou situações sociais (como no transtorno de ansiedade social).

Diagnóstico diferencial

Esses são alguns outros distúrbios, que podem causar sensações semelhantes à claustrofobia, mas não são os mesmos.

  1. Agorafobia : signora a fobia do sofrimento dos espaços. Não importa se eles estão abertos ou fechados. Nesse caso, a pessoa se sente em pânico por não poder deixar esse espaço. É mais complexo que a claustrofobia, porque a pessoa tem mais dificuldade em levar uma vida “normal”.

  2. distúrbios pós-traumáticos : eneste caso n a pessoa experimenta o medo de um espaço fechado ou para outras situações ou lugares por causa de uma má experiência. É diferente da fobia, porque o medo não tem a mesma origem. Até os tratamentos para os dois casos são completamente diferentes.

  3. Episódios paranóicos : Embora os sintomas possam ser semelhantes, a base do problema é completamente diferente. Na paranóia, o medo ou a necessidade de fugir está ligado a outras pessoas. Nesse caso, é o medo do que as outras pessoas podem fazer, é o terror de ser observado ou perseguido.

Como esses casos podem apresentar sintomas quase idênticos, um diagnóstico correto deve ser feito por um profissional.

E que experiência você tem com claustrofobia? O que você fez para superá-lo?

Referências

  1. Rachman, SJ “Claustrophobia”, em Fobias: um manual de teoria, pesquisa e tratamento. John Wiley e Filhos, Ltd. Baffins Lane, Chichester, Sussex Ocidental, Inglaterra. 1997
  2. Carlson, Neil R. et ai. Psychology: the Science of Behavior, 7ª ed. Allyn & Bacon, Pearson. 2010
  3. Thorpe, Susan, Salkovis, Paul M. e Dittner, Antonia. “Claustrofobia na ressonância magnética: o papel das cognições”. Ressonância Magnética. Vol. 26, edição 8. 3 de junho de 2008.
  4. Hayano, Fumi PhD, Et al. “Amígdala menor está associada à ansiedade em pacientes com transtorno do pânico”. Psiquiatria e Neurociências Clínicas. Vol. 63, Edição 3. Sociedade Japonesa de Psiquiatria e Neurologia 14 de maio de 2009.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies