Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades

O cacto de pera espinhosa, também conhecido como Opuntia ficus-indica, é uma planta nativa das regiões áridas da América do Norte, América do Sul e México. Suas características incluem hastes suculentas e achatadas, com espinhos e flores amarelas ou alaranjadas.

A reprodução do cacto de pera espinhosa pode ocorrer através de sementes ou por meio de estaquia das hastes. É uma planta resistente e de fácil cultivo, que se adapta bem a climas secos e quentes.

Em relação à nutrição, o cacto de pera espinhosa é uma fonte de vitaminas, minerais e antioxidantes. Suas propriedades nutricionais incluem a presença de fibras, ácido ascórbico e betalaínas, que conferem a cor característica da fruta.

Além disso, o cacto de pera espinhosa é conhecido por suas propriedades medicinais, sendo utilizado no tratamento de problemas gastrointestinais, diabetes e inflamações. Sua polpa pode ser consumida in natura, em sucos, geleias e sobremesas, sendo uma opção saudável e saborosa para incluir na dieta.

Qual a alimentação necessária para manter a saúde do cacto?

O cacto de pera espinhosa, também conhecido como Opuntia, é uma planta suculenta que requer cuidados especiais para se manter saudável. Além de garantir a quantidade adequada de água e luz solar, é importante fornecer a alimentação correta para que o cacto possa crescer e se desenvolver de forma saudável.

Para manter a saúde do cacto de pera espinhosa, é essencial garantir uma nutrição adequada. Este tipo de cacto necessita de fertilizantes específicos para cactos, que contenham os nutrientes necessários para o seu crescimento. É importante seguir as instruções do fabricante para não sobrecarregar a planta com nutrientes em excesso.

Além disso, é importante fornecer ao cacto uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio. Estes nutrientes são essenciais para o desenvolvimento saudável da planta e para garantir que ela tenha uma boa resistência a doenças e pragas.

É recomendável fertilizar o cacto de pera espinhosa durante a primavera e o verão, que são as estações de crescimento da planta. Durante o outono e o inverno, é importante reduzir a quantidade de fertilizante para permitir que a planta descanse e se prepare para o próximo período de crescimento.

Em resumo, para manter a saúde do cacto de pera espinhosa, é essencial fornecer uma alimentação adequada, rica em nutrientes essenciais para o seu crescimento. Seguindo as orientações corretas de fertilização, é possível garantir que a planta cresça de forma saudável e exiba as suas belas flores e frutos.

Como ocorre a reprodução do cacto?

O cacto de pera espinhosa, também conhecido como Opuntia ficus-indica, é uma planta suculenta originária das Américas. Suas características incluem hastes carnudas e cladódios ovais cobertos por espinhos. Além disso, suas flores são amarelas e produzem frutos comestíveis conhecidos como “peras espinhosas”.

A reprodução do cacto ocorre principalmente por meio de sementes. As flores do cacto de pera espinhosa são polinizadas por insetos, como abelhas e borboletas, que transferem o pólen de uma flor para outra. Após a polinização, as flores se transformam em frutos contendo sementes no seu interior.

As sementes do cacto são dispersas principalmente por pássaros e outros animais que consomem os frutos e eliminam as sementes em outras áreas. As sementes germinam em condições ideais de luz, temperatura e umidade, dando origem a novas plantas de cacto.

Para garantir a nutrição adequada do cacto de pera espinhosa, é importante fornecer um solo bem drenado e rico em matéria orgânica. Além disso, a planta deve receber luz solar direta e ser regada de forma moderada, evitando o encharcamento do solo.

O cacto de pera espinhosa é conhecido por suas propriedades medicinais, sendo utilizado no tratamento de diversas condições de saúde, como problemas digestivos e inflamações. Além disso, seus frutos são ricos em vitaminas e minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo.

Em resumo, a reprodução do cacto de pera espinhosa ocorre por meio de sementes, que são dispersas por animais após a polinização das flores. Para garantir o desenvolvimento saudável da planta, é importante fornecer os cuidados adequados de nutrição e cultivo. Com suas características únicas, propriedades medicinais e frutos saborosos, o cacto de pera espinhosa é uma planta fascinante e versátil.

Qual é a alimentação do cacto?

O Cacto de pera espinhosa, também conhecido como Opuntia ficus-indica, é uma planta suculenta originária das Américas, conhecida por suas características únicas e propriedades nutricionais. Mas afinal, qual é a alimentação do cacto?

O cacto de pera espinhosa possui uma alimentação bastante peculiar, uma vez que é uma planta que realiza a fotossíntese para obter energia. Em sua composição, o cacto armazena água em seus tecidos suculentos, o que o torna capaz de sobreviver em ambientes áridos e com pouca disponibilidade de água. Além disso, o cacto também absorve nutrientes do solo através de suas raízes.

As principais substâncias presentes na alimentação do cacto de pera espinhosa são a água, os carboidratos, as fibras, as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes garantem a sobrevivência e o desenvolvimento saudável da planta, que apresenta propriedades nutricionais benéficas para os seres humanos.

Por ser uma fonte natural de nutrientes, o cacto de pera espinhosa é utilizado na alimentação de diversas formas, seja consumido in natura, em sucos, geleias, saladas ou até mesmo em pratos culinários. Sua alta concentração de água e fibras o torna uma opção saudável para a dieta, contribuindo para a hidratação e o bom funcionamento do organismo.

Relacionado:  Importância da biologia: 10 razões principais

Em resumo, a alimentação do cacto de pera espinhosa é baseada na absorção de água e nutrientes do solo, que são armazenados em seus tecidos suculentos. Essa planta exótica apresenta propriedades nutricionais importantes, sendo uma opção saudável e versátil para integrar a alimentação cotidiana.

Qual característica se destaca nos cactos?

Os cactos são plantas suculentas conhecidas por sua capacidade de armazenar água em seus tecidos carnudos. No entanto, a característica que se destaca nos cactos é a presença de espinhos, que são modificações das folhas que ajudam a proteger a planta de predadores e a reduzir a perda de água por transpiração. Os espinhos dos cactos também desempenham um papel importante na fotossíntese, ajudando a refletir a luz solar e reduzir a temperatura da planta.

O Cacto de pera espinhosa, também conhecido como Opuntia ficus-indica, é uma espécie de cacto que se destaca por seus frutos comestíveis e suas propriedades medicinais. Originário das Américas, o Cacto de pera espinhosa é amplamente cultivado em regiões áridas e semiáridas de todo o mundo.

A reprodução do Cacto de pera espinhosa ocorre principalmente por meio de sementes, que podem ser plantadas em solo bem drenado e expostas à luz solar direta. A planta também pode ser propagada por estaquia, cortando um segmento do caule e deixando-o secar antes de plantá-lo em um substrato adequado.

Em termos de nutrição, o Cacto de pera espinhosa é uma excelente fonte de vitaminas, minerais e antioxidantes. Seus frutos são ricos em vitamina C, cálcio, potássio e fibras, o que os torna uma opção saudável para incluir na dieta.

Além disso, o Cacto de pera espinhosa possui propriedades medicinais, sendo utilizado tradicionalmente para tratar problemas gastrointestinais, inflamações e até mesmo problemas de pele. Estudos recentes também sugerem que o consumo regular do fruto do cacto pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol e açúcar no sangue.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades

O cacto ( Opuntia ) é um gênero de cactos cujas espécies são usadas há mais de 100 anos pelos habitantes do México, fronteira México-Estados Unidos e Estados Unidos. Esses cactos também são conhecidos como peras espinhosas e são plantas ornamentais.

Opuntia é o gênero mais diversificado e amplamente distribuído na América. No mundo, são conhecidas cerca de 1600 espécies. Este gênero está fortemente associado à polinização por abelhas e co-evoluiu com pelo menos dois gêneros desses insetos.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 1

Cacto de pera espinhosa. XHUANX [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Na natureza, exemplos espetaculares de associações que formam esses cactos são conhecidos como nopaleras. As nopaleras consistem no agrupamento da natureza de cactos de vários gêneros. Dentro desses agrupamentos, pode haver cerca de 144 variantes do gênero Opuntia .

As flores e frutos do Nopal estão muito associados à polinização e à dispersão de sementes pelos animais. A reprodução sexual e a multiplicação vegetativa por fragmentação são comuns e explicam o sucesso reprodutivo do gênero Opuntia .

Este cacto foi estudado por suas propriedades hipoglicêmicas e seu potencial uso no tratamento da diabetes tipo 2.

Origem Nopal

O México é o centro de diversidade mais importante, com 669 espécies e 244 subespécies de Opuntia . De fato, o Nopal faz parte das figuras que aparecem em sua bandeira.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 2

Fonte: pixabay.com

Especificamente, o gênero Opuntia é nativo do México central e, a partir daí, foi disperso para a América do Norte, América Central e Caribe, e possivelmente para a América do Sul nos tempos pré-colombianos. De lá, os turistas transportaram o Nopal do México ou de países vizinhos para a Europa e o resto do mundo.

Caracteristicas

Raízes

As raízes dos cactos em geral recebem pouca atenção. Eles se desenvolvem quando as aréolas fazem contato com o solo. Esses tipos de raízes diferem de outras plantas porque desenvolvem características xeromórficas que permitem que a planta sobreviva em condições de seca. Essas raízes podem contribuir para a tolerância à seca de diferentes maneiras:

  1. Restrição da superfície da raiz e diminuição de sua permeabilidade à água, enquanto as raízes finas são cobertas com uma camada mais ou menos impermeável à água, ou também possuem uma camada de cicatrização para evitar a perda de água no solo seco.
  2. Rápida absorção da pequena quantidade de água fornecida pelas chuvas leves, através da formação das “raízes da chuva” que se desenvolvem poucas horas após o recebimento das gotas de água e desaparecem quando o solo seca.
  3. Redução da transpiração nas hastes devido ao alto potencial hídrico das raízes.

Cladodio (caule)

Os cladódios são as hastes modificadas com função da folha. Essas hastes têm pequenos brotos conhecidos como aréolas que têm cabelos e espinhos. Cladodes são caules suculentos de casca verde e função fotossintética. Eles são oblongos, espátula-oblongos, com cerca de 30 a 40 cm de comprimento, às vezes até 80 cm e entre 18 e 25 cm de largura.

Relacionado:  Palmeiras: características, habitat, propriedades, cultivo, espécies

As aréolas presentes nos cladódios produzem, além dos espinhos, pequenos espinhos curtos, como os cabelos chamados gloquídios. Os estômatos são abundantes e estão presentes em toda a superfície das hastes e distribuídos uniformemente.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 3

Fonte: pixabay.com

A epiderme dos cladódios tem várias funções, como regular o movimento de dióxido de carbono na planta, como oxigênio para fora da planta, reter água dentro do corpo da planta e proteger a planta contra fungos, insetos e luz solar intenso.

Os cactos têm metabolismo CAM (metabolismo ácido de crassulaceae) e são geralmente considerados resistentes à seca porque armazenam grandes quantidades de água em seus caules.

Espinhos

Consequentemente, a presença de espinhos é uma característica particular dos cactos. Os espinhos crescem das aréolas e você pode distinguir dois tipos de espinhos (espinhos e cabelos, o último mais conhecido como gloquidia).

Os espinhos são folhas modificadas para evitar a perda de água e servem como defesa contra predadores. Eles têm grande importância como caráter morfológico com potencial taxonômico.

Flores e botões de flores

Ao contrário de outros cactos, no cacto, novos cladódios (nopalitos) e botões de flores crescem a partir de meristemas areolares. Estes já podem produzir uma flor ou um nopalito. Uma vez produzido, o meristema não realiza esse processo novamente.

Além disso, foi estudado que o ácido giberélico do fitohormônio promove o desenvolvimento de botões de flores e o ácido indole-butírico estimula o crescimento vegetativo dos botões. Dessa maneira, uma alta produção floral diminui a produção de nopalitos e vice-versa. A produção de flores e nopalitos pode variar de ano para ano ao longo da vida do cacto.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 4

Fonte: pixabay.com

Nas regiões subtropicais, os botões de flores de Opuntia começam quando a temperatura média mensal excede 16 ° C. Isso ocorre em março-abril, no hemisfério norte, e setembro-outubro, no hemisfério sul. O período floral varia entre 3 e 5 semanas em algumas espécies como O. ficus-indica e até 25 semanas em O. joconostle.

Morfologia floral

O eixo floral mostra, a partir de sua base, um pedicelo que une a flor ao cladode, além do pericarpo que circunda o ovário inferior e o receptáculo que contém o perianto, androceo e ginecoso. Algumas espécies têm 24 tepals ( O. polyacantha ) e outras 19 ( O. phaeacantha )

As flores de Opuntias são geralmente amarelas, mas também ficam alaranjadas, rosa, roxas, vermelhas, brancas ou manchadas. As flores hermafroditas são as mais comuns. Eles também possuem numerosos estames, por exemplo, 265 em O. polyacantha , 358 em O. phaeacantha , 450 em O. viridirubra e 598 em O. brunneogemmia . Estes estames são normalmente amarelos ou verdes com um círculo ou espiral em grande estilo.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 5

Fonte: pixabay.com

Os grãos de pólen são esféricos, cúbicos ou dodecaédricos, medem 65-130 μm de diâmetro e são pontiagudos ou reticulados.

Algumas espécies têm nectários com base no estilo. O estilo é simples, oco, geralmente verde ou amarelo, embora às vezes seja rosa, vermelho ou laranja. O estigma aparece acima das anteras e no centro da flor. Cada primórdio seminal consiste na nucela, no saco embrionário, nos tegumentos e no micrópilo.

Fruta

Os frutos de Opuntia são uniloculares e polispermicos. Existem três tipos de frutas: carnuda (elas contêm sementes com polpa ao redor e casca fina), nozes (sementes quase sem polpa e casca fina) e xoconostos (sementes com pouca polpa e casca espessa e ácida).

Nas frutas carnudas, quando amadurecem a pele, os tubérculos se tornam imperceptíveis devido ao turgor do tecido e a superfície é colorida. 90% da polpa é constituída por células parenquimatosas originadas na parte dorsal da epiderme da cobertura funicular, e os 10% restantes são tecidos funiculares.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 6

Fonte: pixabay.com

Em O. ficus-indica , a casca verde verde possui atividade estomática e fotossintética, contribuindo com 8 a 10% para o crescimento dos frutos. As aréolas das frutas sempre têm gloquídios e podem ter espinhos ou cabelos, que podem ser do estágio da flor.

Sementes

O crescimento e a maturação das sementes ocorrem 30 a 70 dias após a antese. A semente de Opuntia é pequena e ovóide ou em forma de lente. Uma semente média pode ter 0,45 cm de comprimento, 0,35 cm de largura e 0,16 cm de espessura.

As sementes das nopales apresentam latência, a qual está associada à impermeabilidade do tegumento e ao endurecimento do funicular.

Taxonomia

O gênero Opuntia foi descrito por Miller no ano de 1754, da seguinte forma:

– Reino: Plantae.

– Superfilo: Embryophyta.

– Phylum Tracheophyta.

– Classe: Spermatopside.

– Ordem: Caryophyllales.

– Família: Cactaceae.

– Subfamília: Opuntioideae.

– Gênero: Opuntia P. Miller (1754).

Reprodução

Reprodução sexual

As frutas e partes vegetativas, como os cladódios espinhosos, estão intimamente relacionadas à dispersão de suas sementes e à alta e eficiente disseminação vegetativa pelos animais.

A multiplicação vegetativa parece ser mais eficiente que a reprodução sexual. No entanto, ambas as reproduções (vegetativa e sexual) podem ter contribuído para a ecologia e o sucesso evolutivo desse gênero.

Antes de

A biologia reprodutiva das espécies de frutos carnudos Opuntia está relacionada à antese. Nesse sentido, o desenvolvimento floral requer 21 a 47 dias e pode se estender até 75 dias.

Relacionado:  Proteus OX-19: origem, utilidade médica, tifo, diagnóstico

No hemisfério norte, a antese ocorre entre maio e julho, e no hemisfério sul ocorre entre fevereiro e agosto. Nas nopales, a floração geralmente dura entre 6 e 12 horas e, se começa tarde, é concluída no dia seguinte.

Em relação à reprodução do Nopal, a síndrome da abelha-flor foi descrita. A partir daí, sabe-se que a estrutura floral facilitou a polinização por esses insetos, sendo, portanto, a posição do estilo que se destaca dos estames e um grande tamanho do nectário.

Nesse sentido, os lobos do estigma e o próprio estigma são pegajosos e também facilitam a adesão de outros insetos, que servem como dispersores de pólen.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 7

Fonte: pixabay.com

No que diz respeito às flores, não há evidências da fragrância de Opuntia ; no entanto, mais de 17 compostos voláteis relacionados ao seu aroma foram determinados em frutos de O. ficus-indica .

Polinizadores

Os visitantes das flores de Opuntia são variados, sendo o grupo mais abundante de himenópteros (84 espécies e 19 identificadas apenas para o gênero), seguidos por besouros (11 espécies 11 gêneros), duas espécies de lepidópteros e até 10 espécies de aves. .

Esses números podem aumentar de acordo com as bases de dados das investigações realizadas, além do fato de os polinizadores de Opuntia terem sido determinados apenas para uma parte das espécies desse gênero (aproximadamente 19).

Por outro lado, as espécies de abelhas que visitam Opuntia variam durante o período de floração. Por exemplo, nas terras altas de San Luis de Potosí e Zacatecas, incluem espécies contínuas e abundantes, espécies contínuas e escassas, espécies raras presentes por um curto período de tempo no final da temporada e espécies casuais.

Características desses insetos

Assim, para que um inseto visitante se torne um polinizador de Opuntia , é necessário que:

  1. Que o inseto é um consumidor de pólen e néctar e que pelo menos 50% do pólen que ele carrega é do Opuntial.
  2. Deve descer sobre o estigma.
  3. O tempo que você gasta na flor deve ser relativamente curto.
  4. Deve voar de flor em flor.
  5. Meça aproximadamente 1,4 cm de comprimento.

Além disso, a apomixia ocorre com frequência no Opuntia . Apomixis é a produção de sementes sem fertilização prévia. Neste gênero de plantas, o desenvolvimento de embriões adventícios do tecido nucelar é muito comum.

Multiplicação vegetativa

Este tipo de reprodução ocorre frequentemente em Opuntia . De fato, algumas espécies se reproduzem principalmente dessa maneira ( O. fragilis, O. polyacantha, O. strigil e O. trichophora ).

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 8

Fonte: pixabay.com

Alguns estudos avaliaram a importância da reprodução e multiplicação no crescimento populacional. A alta frequência de multiplicação vegetativa pode preservar certas características genéticas.

Nutrição

Os cactos opuntióides são espécies cultiváveis ​​em áreas áridas, principalmente devido à sua alta eficiência na conversão de água em biomassa. Portanto, eles são reconhecidos como uma cultura ideal para regimes áridos.

Culturas domesticadas com sucesso, como O. ficus-indica, têm um papel fundamental na economia. As peras espinhosas são muito comercializadas em todo o mundo. É por isso que o cultivo de Nopal é tão importante quanto o cultivo de agave para tequila na economia agrícola do México.

O cacto opuntia atinge alta produtividade, mas apenas com fertilização adequada. A adubação média é de 0,9% N, 0,16% P, 2,58% K e 2,35% Ca, para uma produtividade anual de 20 toneladas por hectare por ano, considerando outras macros e micronutrientes.

As peras espinhosas são usadas como alimento e como complemento na nutrição animal.

Propriedades medicinais

O Nopal tem propriedades medicinais derivadas de seus frutos e cladódios. Esses cactos são uma fonte importante de substâncias bioativas e constituintes químicos que aumentam o valor do cacto como produto.

Os cactos têm alta atividade antioxidante, vitamina C, flavonóides e betalaínas. Além disso, vários estudos indicam que frutas e cladódios têm um alto nível de nutrientes, minerais e vitaminas.

Cacto de pera espinhosa: características, reprodução, nutrição, propriedades 9

Fonte: pixabay.com

Estudos recentes mostram o potencial do cacto Opuntia em inibir a carcinogênese em culturas de linhagens in vitro e in vivo .

Em geral, o Nopal tem função medicinal no tratamento de úlceras, antiobesidade, anti-inflamatório, cicatrizante, antiviral, redução de colesterol, anticâncer, neuroprotetor e hipoglicemia.

Espécies representativas

A espécie mais representativa de Opuntia é O. ficus-indica . Além disso, existem outros estudos que têm sido bastante estudados, tais como: O. basilaris, O. chlorotica, O. fragilis, O. macrocentra, O. stricta, O. polyacantha, O. phaeacantha, O. aciculata, O. azurea e O Lindheimeri.

Referências

  1. Griffith, MP 2004. As origens de uma importante colheita de cacto, Opuntia Ficus-indica (Cactaceae): Novas evidências moleculares. American Journal of Botany 91 (11): 1915-1921.
  2. AO 2017. Ecologia das culturas, cultivo e usos da pêra de cacto. 224 p.
  3. Reyes-Agüero, JA, Aguirre, JR, Valiente-Banuet, A. 2005. Biologia reprodutiva de Opuntia : Uma revisão. Journal of Arid Environments 64: 549-585.
  4. O Taxonomicon (2004-2019). Taxon: Gênero Opuntia P. Miller (1754). Retirado de: taxonomicon.taxonomy.nl
  5. Aruwa, Ch., Amoo, S., Kudanga, T. 2018. Compostos vegetais de Opuntia (Cactaceae), atividades biológicas e perspectivas – Uma revisão abrangente. Food Research International 112: 328-344.

Deixe um comentário