Caldo CE: justificativa, preparação e usos

O caldo ce é um caldo concentrado e aromático feito a partir de vegetais como cenoura, cebola, alho-poró e salsão, utilizado como base para diversos pratos da culinária. Sua preparação envolve o cozimento lento dos vegetais em água, resultando em um líquido rico em sabor e nutrientes. A justificativa para o uso do caldo ce está na sua capacidade de realçar o sabor dos alimentos, conferindo um toque especial às preparações. Além disso, ele pode ser utilizado para dar mais complexidade a sopas, risotos, molhos e diversos outros pratos. O caldo ce é uma ferramenta indispensável na cozinha, garantindo resultados mais saborosos e sofisticados.

Caldo de crista de galo: uma receita tradicional e reconfortante para saborear.

O Caldo de crista de galo é uma receita tradicional e reconfortante que tem sido apreciada há gerações. Feita com ingredientes simples, como frango, legumes e temperos, esta sopa é conhecida por seu sabor rico e nutritivo. O caldo de crista de galo é uma excelente opção para os dias frios de inverno ou quando se está doente e precisa de algo reconfortante.

A preparação do caldo de crista de galo é bastante simples. Comece fervendo água em uma panela grande e adicione o frango cortado em pedaços, juntamente com os legumes de sua escolha, como cenoura, cebola e salsão. Tempere com sal, pimenta e outros temperos a gosto. Deixe a sopa cozinhar em fogo baixo por algumas horas, até que os sabores estejam bem incorporados.

O caldo de crista de galo pode ser servido como uma refeição leve por si só, ou acompanhado de pão fresco ou arroz. Também pode ser usado como base para outras receitas, como risotos, massas e ensopados. Se você estiver se sentindo criativo, pode adicionar ingredientes extras, como cogumelos, batatas ou ervas frescas, para dar um toque especial à sua sopa.

Seja para se aquecer em um dia frio ou para se recuperar de uma gripe, esta sopa é uma opção deliciosa e nutritiva. Experimente preparar o seu próprio caldo de crista de galo em casa e desfrute de todo o seu sabor e benefícios para a saúde.

Deliciosa receita de cabeça de galo fácil e prática para preparar em casa.

Se você está procurando uma receita deliciosa e fácil de preparar em casa, experimente o Caldo CE com cabeça de galo. Esta receita é uma ótima maneira de aproveitar ao máximo os ingredientes e criar um prato saboroso para toda a família.

Para preparar o Caldo CE, você vai precisar de:

  • Cabeça de galo
  • Legumes variados (cenoura, cebola, alho-poró)
  • Temperos a gosto (sal, pimenta, louro)
  • Água

Para começar, limpe bem a cabeça de galo e corte em pedaços menores. Em uma panela grande, coloque a cabeça de galo, os legumes cortados em pedaços grandes, os temperos e cubra com água. Deixe cozinhar em fogo baixo por cerca de duas horas, ou até que a carne esteja macia e saborosa.

Após o cozimento, coe o caldo e descarte os legumes e ossos. Você pode servir o caldo quente, acompanhado de pão fresco e ervas frescas picadas.

O Caldo CE é uma ótima opção para os dias mais frios, pois é reconfortante e nutritivo. Além disso, é uma maneira econômica de aproveitar ao máximo os ingredientes, evitando desperdícios.

Experimente esta deliciosa receita de cabeça de galo e surpreenda-se com o sabor e praticidade deste prato tradicional. Bom apetite!

Canavial: extração e produção artesanal do delicioso caldo de cana fresco.

No Brasil, o caldo de cana é uma bebida muito apreciada, principalmente em regiões onde a cana-de-açúcar é cultivada em grande escala. O processo de extração e produção do caldo de cana fresco, conhecido como Canavial, é feito de forma artesanal, garantindo a qualidade e o sabor único desse suco natural.

Relacionado:  Artemia salina: características, habitat, ciclo de vida, cultivo

No Canavial, a cana-de-açúcar é colhida manualmente e levada para a moenda, onde é espremida para extrair o suco. Esse suco, conhecido como caldo de cana, é então filtrado para garantir a pureza do produto. O caldo de cana fresco é rico em nutrientes e possui um sabor doce e refrescante, sendo uma ótima opção para se refrescar nos dias quentes.

Uma vez extraído, o caldo de cana pode ser consumido puro ou utilizado na preparação de diversas receitas, como sucos, coquetéis e sobremesas. Além disso, o caldo de cana também pode ser transformado em rapadura, melado ou açúcar mascavo, ampliando suas possibilidades de uso na culinária.

Caldo CE: justificativa, preparação e usos.

O Caldo CE é uma variação do caldo de cana tradicional, que leva em sua preparação um toque especial de limão e hortelã. Essa combinação de sabores torna o Caldo CE ainda mais refrescante e saboroso, sendo uma opção perfeita para os dias quentes de verão.

Para preparar o Caldo CE, basta seguir o mesmo processo de extração e produção do caldo de cana tradicional, adicionando algumas folhas de hortelã e suco de limão fresco durante a filtragem do suco. Esses ingredientes conferem ao Caldo CE um sabor cítrico e mentolado, que harmoniza perfeitamente com a doçura natural da cana-de-açúcar.

O Caldo CE pode ser consumido puro, com gelo, ou utilizado na preparação de coquetéis e sobremesas. Sua versatilidade e sabor único fazem dele uma opção popular em bares, restaurantes e quiosques de praia, conquistando cada vez mais apreciadores em todo o país.

Delicioso caldo de kenga: uma receita saborosa e reconfortante para saborear em casa.

O caldo de kenga é uma sopa tradicional da culinária cearense, conhecida por ser saborosa e reconfortante. Feita com ingredientes simples e fáceis de encontrar, esta receita é perfeita para os dias mais frios ou simplesmente para quem deseja saborear um prato tradicional e delicioso em casa.

Caldo CE: justificativa, preparação e usos.

O caldo de kenga tem uma justificativa simples: é uma opção prática e saborosa para quem busca uma refeição reconfortante e nutritiva. Além disso, a preparação é rápida e fácil, tornando-se uma ótima escolha para aqueles dias em que precisamos de algo rápido e gostoso para comer.

Para preparar o caldo de kenga, você vai precisar de carne de sol, cebola, alho, tomate, batata doce, mandioca, pimentão, coentro, cebolinha, água e sal. Basta cortar todos os ingredientes em pedaços pequenos, refogar a carne de sol com a cebola e o alho, adicionar os demais ingredientes e deixar cozinhar até que tudo esteja macio e saboroso.

O caldo de kenga pode ser servido como prato principal, acompanhado de arroz branco e farofa, ou como entrada em um jantar especial. Se preferir, você também pode adicionar outros ingredientes, como queijo coalho ou bacon, para dar um toque extra de sabor à sua sopa.

Experimente esta receita tradicional cearense e delicie-se com um prato cheio de sabor e tradição. O caldo de kenga é uma ótima opção para aquecer o corpo e a alma nos dias mais frios, além de ser uma excelente escolha para quem busca uma refeição reconfortante e deliciosa em casa.

Caldo CE: justificativa, preparação e usos

O caldo EC ou caldo de Escherichia coli é um meio de cultura líquido selectivo. Esse meio é recomendado pelos Métodos Padrão para a contagem de coliformes totais e fecais, pela técnica do número mais provável (NMP) em amostras de água e alimentos, onde o principal agente envolvido é Escherichia coli.

O caldo CE é composto por triptina, lactose, sais biliares, fosfato dipotássico, fosfato monopotássico, cloreto de sódio e água. Sua fórmula é estrategicamente projetada para favorecer o crescimento de coliformes totais e fecais e impedir o desenvolvimento de outros microorganismos acompanhantes.

Caldo CE: justificativa, preparação e usos 1

Representação figurativa da preparação de caldo CE. Fonte: Pixabay.com

A bactéria Escherichia coli é o principal coliforme fecal presente como contaminante em alimentos e fontes de água, causando importantes efeitos gastrointestinais.

Deve-se notar que existem muitos sorotipos de Escherchia coli;Entre eles, podem ser mencionados os fatores enterohemorrágico (EHEC), enteroinvasivo (EIEC), enteropatogênico (EPEC), enterotoxigênico (ETEC) e enteroagregativo (EAEC).

Esse meio tem a capacidade de permitir o desenvolvimento de todos eles, mas sem poder diferenciá-los um do outro. Para isso, testes adicionais devem ser realizados.

O estudo microbiológico da água e dos alimentos pelo número mais provável (NMP) para a busca de coliformes totais e fecais é um protocolo composto de várias fases; fase presuntiva, fase confirmatória e fase de conclusão. O caldo CE é usado na fase de confirmação.

Fundação

Caldo CE

O meio EC é baseado no fornecimento dos elementos nutricionais necessários para o desenvolvimento ideal de coliformes totais e fecais, onde a bactéria Escherichia coli está incluída .

Esses elementos nutricionais são fornecidos pelo triptein, sendo uma excelente fonte de peptídeos e aminoácidos. Além disso, também contém lactose, um carboidrato fermentável que fornece energia e permite evidências de que as bactérias produzem gás.

Por outro lado, o meio contém sais biliares que proporcionam caráter seletivo, pois inibe o crescimento de microrganismos Gram-positivos que podem estar presentes na amostra.

Da mesma forma, fosfato dipotássico e fosfato monopotássico atuam como um sistema de equilíbrio de pH. Esse sistema é necessário, porque a lactose contida no caldo tende a acidificar o meio quando é fermentada por microorganismos, mas isso é compensado por sais de fosfato.

Portanto, esses elementos são essenciais, pois a acidez descontrolada pode afetar o bom desenvolvimento dos microrganismos procurados.

Por outro lado, o cloreto de sódio estabiliza osmoticamente o meio, enquanto a água é o solvente dos solutos presentes e fornece a consistência líquida ao meio.

Caldo CE modificado com novobiocina

Okrend e Rose criaram uma variedade de caldo CE, chamado caldo CE modificado com novobiocina. A modificação consistiu em uma diminuição na concentração de sais biliares e na adição de 20 mg / dl de novobiocina.

Esta modificação favorece a recuperação de cepas enterohemorrágicas de Escherichia coli (O157: H7).

Este sorotipo bacteriano causa colite hemorrágica grave que pode causar síndrome urêmica hemolítica (SHU); que por sua vez pode gerar insuficiência renal aguda, com alta taxa de mortalidade que pode chegar a 50% em idosos.

Devido à morbimortalidade causada por esta bactéria anualmente devido ao consumo de alimentos contaminados, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) recomenda fortemente o uso desse meio.

Preparação

Caldo CE

Pesar 37,4 g do meio desidratado e dissolver em 1 litro de água destilada. A mistura deve ficar em repouso por 5 minutos. Posteriormente, em uma fonte de calor, ele é dissolvido por agitação frequente.

Uma vez dissolvido, é distribuído em tubos de ensaio pré-condicionados com um tubo Durham dentro. Esterilizar em autoclave a 121 ° C por 15 minutos.

Relacionado:  Impacto social, econômico e ambiental da engenharia genética

O pH do meio deve ser 6,9 ± 0,2. A cor do meio desidratado é bege e o preparado é âmbar claro.

Os caldos são armazenados na geladeira até o uso. No momento do uso, os caldos devem estar à temperatura ambiente.

Por outro lado, o caldo CE também pode ser preparado em dupla concentração.

Caldo CE modificado com novobiocina

Pesar 36,7 g do meio desidratado e dissolver em 1 litro de água. O restante da preparação é o mesmo descrito acima.

Use

Análise dos coliformes totais e fecais

O caldo CE é ideal para a fase confirmatória do estudo de coliformes pelo método NMP, tanto em amostras de água quanto em produtos farmacêuticos e alimentícios.

Os caldos de lactose sujos com produção de gás obtida na fase presuntiva devem ser semeados novamente em caldos verdes brilhantes 2% biliares e em caldo CE.

Para coliformes totais, os caldos CE são incubados em aerobiose por 24 a 48 horas a 37 ° C, e para coliformes fecais são incubados em aerobiose por 24 a 48 horas a 44 ° C.

Nos dois casos, é interpretado da seguinte forma: tubos turvos com produção de gás são considerados positivos. Se não houver produção de gás dentro de 24 horas, a incubação é continuada por até 48 horas.

Os caldos positivos da CE passam para a fase confirmatória completa, que consiste em reanimar em meios seletivos, como o ágar Mac Conkey, o ágar EMB ou o ágar Endo.

Se o caldo utilizado for modificado pela CE com novobiocina, recomenda-se a repetição dos tubos positivos no ágar Mac Conkey com sorbitol.

Controle de qualidade

O controle de qualidade deve ser realizado em cada lote de meio preparado. Primeiro, a esterilidade do meio deve ser avaliada. Nesse sentido, um ou dois caldos são incubados sem inocular na aerobiose por 24 horas a 37 ° C. O resultado esperado é um caldo transparente, sem turbidez ou alteração de cor.

Em segundo lugar, o crescimento de cepas conhecidas deve ser avaliado, para isso podem ser utilizadas as seguintes bactérias: Escherichia coli , ATCC 8739, Escherichia coli ATCC 25922, Salmonella typhimurium ATCC 14028.

Em todos os casos, é esperado um desenvolvimento microbiano satisfatório, observando um caldo nublado com produção de gás para E. coli e sem gás para Salmonella.

Outras cepas que podem ser incluídas no controle são: Staphylococcus aureus ATCC 25923, Enterococcus faecalis ATCC 29212. Essas cepas devem ser totalmente inibidas.

Recomendações

-A colocação de tubos de Durham é essencial para o estudo de coliformes.

-Distribua o meio nos tubos de ensaio antes da esterilização, nunca depois.

-Não use se o meio tiver mais de 3 meses de preparação.

-Não use se notar alguma alteração nas características usuais do meio.

Referências

  1. Laboratórios britânicos. CE médio 2015. Disponível em: britanialab.com
  2. E. coli enterohemorrágica. O Centro de segurança alimentar e saúde pública. 2010. Disponível em: cfsph.iastate.edu
  3. Neogen Corporation. Meio CE. Disponível em: foodsafety.neogen.com
  4. Neogen Meio CE modificado com novobiocina. Disponível em: foodsafety.neogen.com
  5. Jure M, Condorí S, Leotta G, Chinen I, Miliwebsky E, Allori C, Aulet O, Castillo M. Detecção, isolamento e caracterização de Escherichia coli produtora de toxina Shiga a partir de carne moída fresca de açougues em Concepción, província de Tucumán. Rev Arg de Microbiol;2010, 42 (4): 284-287. Disponível em: www.scielo.org.

Deixe um comentário