Callista Roy: biografia, teoria e obras

Callista Roy é um teórico de enfermagem, professor e religioso nascido em 1939 nos Estados Unidos. De uma família muito crente, a influência de sua mãe, uma enfermeira, foi fundamental em sua carreira posterior.

Ainda muito jovem, com apenas 14 anos, foi trabalhar em um hospital, embora no departamento de alimentação. Logo ele mudou de cargo, sendo promovido a auxiliar de enfermagem. Durante esse tempo, ele decidiu entrar como freira na congregação das Irmãs de San José de Carondelet.

Callista Roy: biografia, teoria e obras 1

Fonte: bc.edu

No início dos anos 1960, ele estudou enfermagem na universidade. Depois de se formar, fez um mestrado, o que seria essencial para o desenvolvimento de sua teoria. Um de seus professores pediu que ele desenvolvesse um modelo conceitual de enfermagem. Dessa comissão nasceu o Modelo de Adaptação Roy.

A base desse modelo é a consideração do ser humano como um todo, também influenciado por seu ambiente e circunstâncias. Roy estabeleceu quatro esferas que afetavam cada pessoa e disse que os cuidados deveriam ter como objetivo integrar essas esferas e tratar cada paciente de maneira global.

Biografia

Callista Roy veio ao mundo em 14 de outubro de 1939 em Los Angeles, Califórnia (EUA). Ele cresceu em uma família católica devota. Assim, ela foi batizada com o nome do santo que foi celebrado no dia de seu nascimento, São Calisto.

A mãe de Callista era uma enfermeira registrada e era responsável por ensinar à filha a importância dos cuidados necessários aos doentes e que a enfermeira deveria se comportar de maneira totalmente altruísta.

Primeiro emprego

Quando ele tinha apenas 14 anos, Callista começou a trabalhar em um grande hospital. No início, ele era responsável pelo trabalho na loja de alimentos, mas logo foi promovido a um auxiliar de enfermagem.

Callista tinha uma forte vocação religiosa. Depois de meditar, ele decidiu se juntar à Congregação das Irmãs de São José de Carondelet, na qual ainda permanece.

Estudos de enfermagem

Em 1963, a irmã Callista Roy começou a estudar enfermagem no Mount Saint Mary’s College, em Los Angeles. Depois de terminar, em 1966, concluiu o mestrado na mesma disciplina da Universidade da Califórnia.

Relacionado:  10 alimentos que contêm hidrogênio

Além desses diplomas, Roy fez outro mestrado em sociologia em 1973 e um doutorado na mesma disciplina em 1977, ambos na Universidade da Califórnia.

Criação do seu modelo

Foi precisamente quando ele estava fazendo o mestrado em enfermagem, quando recebeu uma tarefa que mudou sua vida. Uma de suas professoras, Dorothy E. Johnson, encarregou-o de desenvolver um novo modelo de enfermagem.

Enquanto eu trabalhava como enfermeira na fábrica de pediatria. Observando o ambiente, ele notou a capacidade das crianças de se adaptarem às mudanças, físicas ou mentais. Esta constatou tanto o impacto que ele o usou como base conceitual para seu projeto.

Dessa maneira, Roy lançou seu modelo em 1968. Dois anos depois, ele publicou seus fundamentos no Nursing Outlook for Nursing.

O princípio básico era que os seres humanos, individualmente ou em grupo, são sistemas holísticos (um conjunto complexo influenciado por múltiplas facetas) e adaptáveis.

Carreira profissional

Após o sucesso alcançado com seu modelo, Callista Roy viu sua carreira decolar. Durante sua vida profissional, foi professora em diversas universidades e, além disso, publicou um grande número de artigos e livros sobre o assunto. Da mesma forma, ele ofereceu inúmeras conferências em todo o mundo.

Em 1978, Roy foi admitido na Academia Americana de Enfermagem. Então, entre 1983 e 1985, trabalhou como enfermeiro em uma clínica de neurologia pertencente à Universidade da Califórnia.

Anos mais tarde, em 1991, ela foi a fundadora da Boston Based Adaptation Research na Nursing Society, uma organização que mais tarde adotou o nome de Roy Adaptation Associations.

Já no novo século, especificamente em 2007, Roy foi reconhecido como Living Legend pela American Nursing Academy. Atualmente, ela ocupa a posição de professora e teórica da Escola de Enfermagem do Boston College, além de ministrar palestras contínuas.

Relacionado:  As 7 características da exposição oral mais importante

Sua pesquisa mais recente está focada nos efeitos de intervenções na recuperação de habilidades cognitivas após um leve ferimento na cabeça.

Teoria

Na verdade, o modelo apresentado por Callista Roy é o que os especialistas chamam de metateoria. Isso significa que foi baseado em outras teorias anteriores. Nesse caso, ele usou a teoria geral do sistema de A. Rapoport e a teoria da adaptação de Harry Helson.

Ela deu a melhor definição de seu modelo em um de seus escritos:

“O modelo de adaptação fornece uma maneira de pensar sobre as pessoas e seu ambiente que é útil em qualquer ambiente. Ajuda uma prioridade, cuidados e desafios da enfermagem a mover o paciente para sobreviver à transformação. ”

Conceitos

Existem vários conceitos usados ​​por Roy que devem ser levados em consideração para entender sua teoria. O primeiro é o de Persona, definido pelo autor como um ser holístico e adaptável. Para ela, um indivíduo combina as esferas biológica, psicológica e social. Juntando todos os três, a pessoa estará completa.

O segundo dos conceitos importantes no meio ambiente. São todas as circunstâncias e influências que cercam a pessoa, afetando seu comportamento e modo de pensar. O ambiente não é estático, mas muda com o tempo, fazendo com que a pessoa precise se adaptar.

Premissas e Valores

Como observado acima, para Roy, o ser humano é um ser biopsicossocial que está constantemente relacionado ao seu ambiente. Essa relação é realizada através da adaptação que, para o autor, deve ocorrer em quatro áreas diferentes:

– Área fisiológica: é, em geral, aquela produzida nos órgãos humanos, da circulação aos alimentos.

– Área de auto-imagem: como cada um se vê.

– Área de domínio do papel: os papéis (ou personalidades diferentes) que cada pessoa cumpre ao longo de sua existência.

– Área de interdependência: relações com o entorno, principalmente com outras pessoas.

Continuum Saúde-Doença

Callista Roy disse que o ser humano está no que ele chama de continuação saúde-doença (ou trajetória). Este ponto não é fixo, mas às vezes pode levar à saúde e, em outros, a doenças.

Relacionado:  Economia da Região Andina da Colômbia

Tudo vai depender da capacidade da pessoa de responder aos estímulos que vêm do ambiente. Se sua reação for positiva, você abordará o estado de saúde. Se acontecer o contrário, você ficará doente.

O teórico também afirmou que a saúde pode ser modificada por vários tipos de estímulos:

– Estímulos focais: mudanças repentinas que devem ser enfrentadas.

– Estímulos contextuais: todos presentes no processo, como temperatura ambiente.

– Estímulos residuais: lembranças que levam a crenças que temos de experiências anteriores.

Funções de enfermagem

Levando em conta tudo isso, Callista Roy argumenta que o trabalho dos enfermeiros é promover ações que permitam à pessoa se adaptar nas 4 áreas mencionadas acima. Para fazer isso, você deve usar o conhecimento científico existente.

Para Roy, o profissional deve estar ciente em todos os momentos da responsabilidade do paciente de participar de seus próprios cuidados quando puder fazê-lo.

Trabalhos

Além do grande número de artigos publicados pelo autor ao longo dos anos, sua bibliografia mais importante é a seguinte:

– Roy, C. (2009). «Avaliação e o modelo de adaptação de Roy»

– Roy, C. (2008). «Adversidade e teoria: o panorama geral»

– Whittemore, R. & Roy, C. (2002). «Adaptação ao Diabetes Mellitus: uma síntese teórica»

Referências

  1. História de enfermagem Ir. Callista Roy. Obtido em historia-de-enfermeria8.webnode.mx
  2. Sub-Diretoria de Enfermagem. Modelo de adaptação Callista Roy. Obtido em encolombia.com
  3. Díaz de Flores, Letícia et al. Análise dos conceitos do modelo de adaptação de Callista Roy. Recuperado de scielo.org.co
  4. Vera, Matt. Irmã Callista L. Roy. Obtido em nurselabs.com
  5. Por que eu quero ser enfermeira. Callista Roy. Obtido de whyiwanttobeanurse.org
  6. Reynolds, Candace N. Roy Modelo de Adaptação: Descrição da Teoria. Obtido de Nursingtheoryandtheoristsroyorem.weebly.com
  7. Petiprin, Alice. Irmã Callista Roy – Teórica de Enfermagem. Obtido de Nursing-theory.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies