Carlos Julio Arosemena Monroy: Biografia e Obras

Carlos Julio Arosemena Monroy foi um político equatoriano que ocupou vários cargos públicos, destacando o de presidente por quase dois anos no início dos anos 60 do século XX. Além dessa posição, ele também foi vice-presidente, ministro da Defesa e várias vezes vice-presidente da nação.

Arosemena Monroy estudou jurisprudência e veio de uma família com tradição política, já que seu próprio pai também ocupava a mais alta posição política no Equador. Um de seus primos em primeiro grau completa a saga da família na presidência. Ele era um político muito popular.

Carlos Julio Arosemena Monroy: Biografia e Obras 1

Caracterizou-se por ter uma grande sensibilidade social, o que o levou a promover várias leis em favor dos direitos dos trabalhadores em seu país. Essa foi a oposição de muitos setores nacionais e internacionais, especialmente o governo dos EUA.

Um golpe de estado terminou seu mandato presidencial, o que o forçou a deixar o Equador por um tempo. Ao retornar, seu poder de convocação permaneceu intacto e, nos anos 90, ele foi eleito novamente como deputado da nação.

Biografia de Carlos Julio Arosemena Monroy

Primeiros anos

Carlos Julio Arosemena Monroy nasceu em Guayaquil, Equador, em 24 de agosto de 1919. Seu pai era o ex-presidente Arosemena Tola; portanto, a política estava presente em sua vida desde a infância.

O futuro político desenvolveu seus primeiros anos de estudo em sua cidade natal. As primárias foram realizadas entre a escola Maria Auxiliadora e os salesianos de Cristóvão Colombo . Em seguida, ele foi para o Instituto Nacional para cursar o ensino médio, apesar de se formar em Vicente Rocafuerte, conforme marcado pela lei da época.

Estudos universitários e primeiros empregos

Como em seus estágios iniciais, Arosemena Monroy permaneceu em Guayaquil durante seus estudos universitários. Ele escolheu a carreira de ciências sociais e políticas. Por fim, obteve o título dessas disciplinas, além do de advogado e doutorado em Jurisprudência.

Seu primeiro trabalho foi o de professor de Direito Internacional Privado da mesma universidade em que estudara. Mais tarde, ingressou na carreira diplomática, sendo designado para o Brasil em 1945 e para os Estados Unidos em 1946.

Relacionado:  10 Consequências da Revolução Mexicana

Entrada de política

Ele deu os primeiros passos na política em 1952. Como membro do Partido Velasquista (com um grande componente popular), foi eleito membro do Congresso. Naquela legislatura, ele foi nomeado presidente da Câmara, cargo que ocupou até agosto daquele ano, quando o presidente o elegeu como Ministro da Defesa.

No entanto, essa primeira etapa não durou muito. Arosemena decidiu renunciar logo e voltou para seus trabalhos particulares.

Voltar ao Congresso

Alguns anos depois, ele repetiu como candidato a deputado em Guayas. Ele foi eleito em 1958 e fez um trabalho estrito ao se opor ao governo do momento.

Após um ano de deputado, o Partido Velasquista o nomeou candidato à vice-presidência, formando um conjunto com Velasco Ibarra. Esta candidatura foi a vencedora nas eleições de 1960.

Vice-Presidência

O político de Guayaquil começou a exercer sua nova posição como vice-presidente em 31 de agosto de 1960. Os cronistas afirmam que havia uma grande expectativa por parte do povo, uma vez que os dois principais líderes deveriam melhorar suas condições.

No entanto, problemas internos no governo logo apareceram. Uma viagem de Arosemena Monroy à União Soviética foi muito criticada por seus colegas. Tanto o Conselho de Ministros quanto o presidente deram demonstrações públicas de distanciamento com Arosemena.

A situação piorou tanto que, em 7 de novembro de 1961, o Presidente Velasco Ibarra deu um golpe, proclamando-se a única autoridade. Sua primeira decisão foi aprisionar o vice-presidente e outros doze legisladores.

Presidência

Foi a reação das pessoas que mudou a situação. Em apenas alguns dias, quando o país parecia destinado a uma guerra civil, Velasco Ibarra foi despejado do governo. Por decisão do Congresso, seu substituto foi Arosemena Monroy.

Apesar da nomeação da Câmara, um setor do exército não estava satisfeito com a designação. O rápido desempenho de outros militares salvou o novo presidente de ser derrubado poucos dias após o início de sua tarefa.

No entanto, a situação estava longe de se acalmar. A oposição interna acusou Arosemena de não se comportar com a dignidade que exigia sua posição e, além disso, as Forças Armadas pediram que ele rompesse as relações com Cuba e outros países socialistas.

Arosemena salvou aquele momento difícil, assim como o pedido dos conservadores para que ele fosse substituído, mostrando grande capacidade política.

Derrubar

Ele não teve tanta sorte antes da próxima grande crise que o governo sofreu. Após uma visita oficial a vários países americanos no verão de 1962, os eventos ocorreram.

O presidente fez um discurso em julho de 1963, no qual afirmou que “o governo dos Estados Unidos explora a América Latina e o Equador”. O exército tomou essas palavras como uma desculpa para iniciar um golpe. No dia seguinte a essas palavras, em 11 de julho, os militares rebeldes o derrubaram e ele teve que marchar exilado para o Panamá.

O próprio Arosemena Monroy deu a chave para este golpe: “Eles responderam às ordens de uma potência estrangeira, principalmente o Sr. Bernbaum, embaixador dos Estados Unidos da América; Eles disseram que isso não é segredo, apontando também que estavam na função de pagamento da CIA. ”

Vida após a presidência

Seu exílio no país da América Central não durou muito. O político voltou ao Equador e começou um trabalho de oposição contra a Junta Militar que havia tomado o poder.

Era tão popular que os militares incluíam uma cláusula na Constituição que proclamavam impedi-lo de concorrer a outras eleições.

Deputado

Apesar disso, Arosemena nunca abandonou a política. Ele continuou participando de conferências e palestras, enquanto continuava trabalhando no campo do direito.

Já em 1992, a situação no Equador permitiu que ele voltasse a uma posição política. Assim, ele foi eleito deputado pelo partido da União Republicana, o que significou seu retorno ao Congresso. Em 1996, ele ingressou no cargo de ministro juiz do Supremo Tribunal de Justiça.

Relacionado:  Quais foram os Tratados da Holanda e Wisconsin?

Morte

Já bastante velho, ele decidiu se aposentar. Em 5 de março de 2004, ele morreu em sua cidade natal, Guayaquil.

Trabalhos políticos

Todas as leis promulgadas ou propostas por Arosemena Monroy tinham acentuado sotaque progressivo. Seu trabalho sempre foi realizado em defesa dos mais fracos, sendo um grande defensor das liberdades públicas.

Educação

Os cientistas políticos destacam suas leis educacionais como algumas das mais importantes em sua carreira política. Sob seu governo, a educação pública foi promovida, criando o Departamento de Abordagem Integral.

Da mesma forma, muitos novos centros educacionais foram construídos, faculdades e universidades. Ele conduziu várias campanhas de alfabetização e foi um defensor dos direitos dos professores.

Leis trabalhistas

Entre a legislação trabalhista aprovada está a introdução de 40 horas semanais de trabalho e a implementação do décimo quarto salário. Por outro lado, ele desenvolveu planos para construir moradias sociais.

Infraestruturas

Ele também enfatizou a melhoria da infraestrutura que considerou essencial para o desenvolvimento do Equador. Estes incluem a modernização das telecomunicações e redes rodoviárias. Finalmente, durante seu estágio de governo, a companhia aérea TAME foi fundada.

Referências

  1. Aviles Pino, Efrén. Arosemena Monroy Dr. Carlos Julio. Obtido em encyclopediadelecuador.com
  2. EcuRed. Carlos Julio Arosemena Monroy. Obtido de ecured.cu
  3. Saá B., J. Lorenzo. Carlos Julio Arosemena Monroy. Obtido em trenandino.com
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Carlos Julio Arosemena Monroy. Obtido em britannica.com
  5. Harding, Colin. Carlos Julio Arosemena. Obtido em independent.co.uk
  6. Lentz, Harris M. Chefes de Estados e Governos Desde 1945. Recuperado de books.google.es
  7. Ministério das Relações Exteriores e Mobilidade Humana. Os 50 anos de golpe de Estado militar no Equador são lembrados no Brasil. Obtido em chancellor.gob.ec
  8. Biblioteca do Congresso dos EUA Instabilidade e domínio militar, 1960-72. Obtido em countrystudies.us

Deixe um comentário