Carta Negra (Constituição do Equador de 1869)

A Carta Negra era a denominação que amplos setores da sociedade do Equador deram à Constituição promulgada em 1869. Era a oitava Constituição aprovada no país e tinha um caráter fortemente conservador e próximo aos postulados da Igreja Católica.

Em 1861, um período marcado pela contínua presença de conservadores no poder havia começado no país. Naquele ano, Gabriel García Moreno chegou ao poder e foi aprovada uma Constituição que revogava a anterior. Depois de terminar seu mandato, García Moreno deixou o cargo, mas continuou a manter grande influência.

Carta Negra (Constituição do Equador de 1869) 1

Gabriel García Moreno – Fonte: Presidência da República do Equador [Domínio público]

Conflitos internos dentro do campo conservador fizeram com que o próprio García Moreno derrubasse Juan Javier Espinosa em armas em 1869. Uma vez recuperado o poder, o presidente ordenou a elaboração de uma nova Carta Magna. Finalmente, isso foi aprovado em um referendo.

Seu pequeno caráter liberal fez com que fosse popularmente batizado como “Carta Negra”. Estabeleceu a pena de morte para crimes políticos, o status oficial da religião católica ou que pertencer a essa religião era um requisito essencial para ter a nacionalidade equatoriana.

Antecedentes

Em 1861, com a eleição da Convenção Constitucional Nacional de Gabriel García Moreno como Presidente, iniciou-se no Equador uma etapa em que os conservadores dominavam as instituições.

García Moreno permaneceu no cargo até 1865. Posteriormente, ele manteve uma grande influência em seu substituto, Jerónimo Carrión.

Golpe de Estado

Juan Javier Espinosa assumiu a presidência do país em 1868. Inicialmente, García Moreno deu seu apoio, mas logo ele iniciou uma campanha de oposição ao seu trabalho, acusando-o de ter traído o catolicismo.

Apenas um ano após o início da legislatura, García Moreno liderou um golpe armado e derrubou Espinosa. Após o triunfo de sua rebelião, ele proclamou-se chefe supremo.

Relacionado:  Narciso Bassols: Biografia

Preparação da nova Constituição

A segunda presidência de García Moreno começou em 1869. Como havia feito em 1861, uma de suas primeiras medidas foi a elaboração de uma nova Magna Carta.

O sistema escolhido para preparar o texto constitucional era muito semelhante ao usado em 1843, quando foi promulgada a chamada Carta da Escravidão. Assim, García Moreno formou uma assembléia composta por seu incondicional.

A assembléia realizou seu trabalho em Quito e o resultado foi uma Carta Fundamental que serviu de base para a Constituição.

A Constituição foi submetida a um referendo em 1º de julho do mesmo ano e entrou oficialmente em vigor em 11 de agosto, quando foi publicada no Diário Oficial.

Conteúdo da Carta Negra

A Constituição de 1869 foi logo batizada como Carta Negra pelos setores mais liberais do país, uma vez que reduziu bastante os direitos dos cidadãos.

Entre os regulamentos estabelecidos, estava a confirmação da religião católica como a única permitida no país, sem liberdade de culto.

Também permitiu que as forças de segurança entrassem em qualquer lar, estabeleceu a pena de morte por crimes políticos e a limitação dos mandatos presidenciais a seis anos.

Primeiros artigos

O primeiro dos títulos em que a Constituição foi dividida foi dedicado à definição do país. Na Magna Carta, o Equador foi definido como uma república e seus limites territoriais foram marcados.

O título II foi dedicado exclusivamente às relações com a Igreja Católica. Como observado, a Constituição negou a liberdade de culto e estabeleceu a religião católica como o país oficial e único permitido.

Da mesma forma, o artigo 9 declarou que as autoridades públicas tinham a obrigação de defender a fé católica e estabeleceram a superioridade legal do direito canônico.

Conceito de cidadania

O título III foi um dos mais rejeitados pelos liberais. Isso indicava os requisitos a serem considerados cidadãos, incluindo a obrigação de ser católico. Além disso, eles também devem ter mais de 21 anos ou ser casados ​​e alfabetizados.

Relacionado:  Transição demográfica: características e teoria

Este mesmo título incluía as infrações que resultaram na perda da cidadania. Estes pertenciam a alguma sociedade proibida pela Igreja, alcoolismo, preguiça ou problemas mentais, entre outros.

Organização de poder

A Constituição estabeleceu a separação dos poderes tradicionais: legislativo, executivo e judicial. Cada um deve ser independente dos outros.

O Congresso foi o órgão que assumiu o poder legislativo. Era composto por duas Câmaras diferentes: o Senado, cujos membros eram renovados a cada 9 anos, e a Câmara dos Deputados, cujo mandato durava 6 anos.

O presidente estava encarregado de exercer o poder executivo. Cada mandato teve duração de 6 anos e incluiu a possibilidade de reeleição indefinida.

Apesar dessa separação de poderes, a Magna Carta tinha um caráter marcadamente presidencial. Entre suas prerrogativas estava, por exemplo, a nomeação de magistrados do judiciário.

Outras provisões

A Carta Negra também dedicou um de seus títulos, o nono, à organização territorial do Estado. Assim, este foi dividido em províncias, cantões e paróquias.

Embora fosse uma Constituição muito conservadora, o Título XI foi dedicado aos direitos civis e legais dos cidadãos.

Entre seus artigos estava a proibição da escravidão e o direito a um julgamento justo. Da mesma forma, a liberdade de pensamento e expressão foi reafirmada, com exceção de qualquer assunto relacionado à religião católica.

Eventos subsequentes

Após o mandato constitucional, as seguintes eleições foram realizadas em 1875. O vencedor foi García Moreno. No entanto, ele não teve a possibilidade de permanecer na presidência, pois foi assassinado em 6 de agosto de 1875 por um de seus inimigos mais amargos: Faustino Lemus Rayo.

Enfraquecimento dos conservadores

O desaparecimento da figura de García Moreno marcou o início do enfraquecimento da hegemonia conservadora no país.

Seu sucessor foi Antonio Borrero, que pertencia ao Partido Progressista. A princípio, ele manteve boas relações com os liberais, mas sua recusa em reformar a Carta Negra levou os dois lados a romper relações.

Relacionado:  Mesolítico: Clima, Sociedade, Economia, Arte e Cultura

Os liberais apoiaram o general Ignacio de Veintimilla em sua tentativa de golpe. O triunfo deste ataque levou Veintimilla ao poder, primeiro como chefe supremo e depois, depois de aprovar uma nova Constituição, como presidente constitucional.

Referências

  1. Aviles Pino, Efrén. Carta preta Obtido em encyclopediadelecuador.com
  2. A hora. A famosa Carta Negra. Obtido em lahora.com.ec
  3. Sánchez Bravo, Mariano. O cartão preto do regime de Garciano. Recuperado de pressreader.com
  4. IDEA Internacional História constitucional do Equador. Obtido em constitutionnet.org
  5. Minster, Christopher. Gabriel Garcia Moreno: cruzado católico do Equador. Obtido em thoughtco.com
  6. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. García Moreno, Gabriel (1821-1875). Obtido em encyclopedia.com

Deixe um comentário