Catecolaminas: tipos e funções desses neurotransmissores

Catecolaminas: tipos e funções desses neurotransmissores 1

Dopamina, adrenalina e noradrenalina, as três principais catecolaminas , são alguns dos neurotransmissores mais relevantes para o sistema nervoso. Neste artigo, analisaremos as propriedades e funções químicas que cada uma dessas catecolaminas cumpre, bem como as características comuns entre os três neurotransmissores.

O que são catecolaminas?

As catecolaminas são um conjunto de neurotransmissores da classe das monoaminas , aos quais pertencem também triptaminas (serotonina e melatonina), histamina ou fenetilaminas. Dopamina, adrenalina e noradrenalina são as três principais catecolaminas.

No nível químico, esses neurotransmissores são caracterizados pela presença de um catecol (um composto orgânico que contém um anel benzeno e dois grupos hidroxila) e uma amina na cadeia lateral. Eles são derivados do aminoácido tirosina, obtido através de alimentos ricos em proteínas, como laticínios, bananas, abacates ou nozes.

O principal local de síntese das catecolaminas são as células cromafinas da medula adrenal, bem como as fibras pós-ganglionares do sistema nervoso simpático. Descreveremos com mais detalhes as características da síntese desses neurotransmissores nas seções a seguir.

O papel desses neurotransmissores é fundamental em processos como cognição, emoção, memória e aprendizado , controle motor e regulação do sistema endócrino. Além disso, a noradrenalina e a adrenalina estão envolvidas na resposta ao estresse.

Aumentos nos níveis de catecolamina estão associados ao aumento da freqüência cardíaca e dos níveis de glicose e à ativação do sistema nervoso parassimpático. As disfunções catecolaminérgicas podem causar alterações no sistema nervoso e, consequentemente, distúrbios neuropsiquiátricos, como psicose ou doença de Parkinson.

As 3 principais catecolaminas

Dopamina, adrenalina e noradrenalina são muito semelhantes do ponto de vista químico, mas cada uma delas possui peculiaridades distintas que tornam necessária uma descrição detalhada para entender as funções de cada uma dessas catecolaminas .

Relacionado:  Por que a depressão diminui o cérebro?

1. Dopamina

Nosso corpo transforma tirosina em outro aminoácido, levodopa ou L-DOPA, e isso, por sua vez, é convertido em dopamina . Por sua vez, a dopamina é a catecolamina mais básica e a adrenalina e a norepinefrina são fabricadas a partir desse neurotransmissor .

Quando encontrada no cérebro, a dopamina desempenha um papel de neurotransmissor; Isso significa que ele participa do envio de sinais eletroquímicos entre neurônios. Por outro lado, no sangue, ele funciona como um mensageiro químico e contribui para a vasodilatação e inibição da atividade do sistema digestivo, do sistema imunológico e do pâncreas.

As vias cerebrais nas quais a dopamina está envolvida, principalmente os nigroestriados e mesolímbicos, estão relacionadas ao comportamento motivado pelo reforço : seus níveis aumentam quando recebemos recompensas. Dessa forma, a dopamina é importante para processos como aprendizado, controle motor e dependência de substâncias psicoativas.

Alterações nessas duas vias neurais causam sintomas psicóticos. Sintomas positivos, como alucinações, têm sido relacionados a disfunções na via nigrostriada (que conecta a substância negra ao estriado, uma estrutura dos gânglios da base) e negativos, como déficits emocionais, com disfunções mesocorticais.

A destruição dos neurônios dopaminérgicos na substância negra do mesencéfalo é a causa da doença de Parkinson . Esse distúrbio neurológico degenerativo é caracterizado principalmente pela presença de déficits e alterações de natureza motora, principalmente tremores em repouso.

2. Adrenalina

A adrenalina é gerada a partir da oxidação e metilação da dopamina , principalmente no locus coeruleus, localizado no tronco cerebral. A síntese desse neurotransmissor é estimulada pela liberação do hormônio adrenocorticotrópico no sistema nervoso simpático.

A adrenalina e a norepinefrina, sobre as quais falaremos a seguir, são consideradas hormônios do estresse, pois quando atuam fora do sistema nervoso, não atuam como neurotransmissores, mas como hormônios. Estão relacionados à regulação cardíaca e respiratória e ao consumo de recursos corporais para enfrentar os desafios ambientais .

Relacionado:  Tipos de ondas cerebrais: Delta, Theta, Alfa, Beta e Gama

Tanto a adrenalina quanto a norepinefrina são fundamentais na resposta a múltiplos tipos de estressores e outros processos relacionados à ativação do organismo, como exercícios físicos, exposição ao calor e redução dos níveis sanguíneos de oxigênio ou glicose.

  • Você pode estar interessado: ” Adrenalina, o hormônio que nos ativa “

3. Noradrenalina

A oxidação da adrenalina dá origem à noradrenalina, assim como a dopamina a converte em adrenalina e a tirosina em dopamina. Como a adrenalina, desempenha o papel de neurotransmissor no sistema nervoso e de hormônio no resto do corpo.

Dentre as funções da noradrenalina, podemos destacar o estado de alerta cerebral, a manutenção do estado de vigília, o foco da atenção , a formação de memórias e o surgimento de sentimentos de ansiedade, bem como o aumento da pressão arterial e a liberação de lojas de glicose

A redução dos níveis de noradrenalina está associada a alterações em diferentes tipos de aprendizado, principalmente a consolidação de memórias de longo prazo e o aprendizado latente. Essa função provavelmente se deve ao controle da atividade neuronal pela norepinefrina em regiões do cérebro envolvidas na aprendizagem, como a amígdala.

No nível psicopatológico, esse neurotransmissor está envolvido nos distúrbios de estresse e ansiedade , na depressão maior , na doença de Parkinson e no transtorno do déficit de atenção e hiperatividade.

Referências bibliográficas:

  • Kobayashi, K. (2001). Papel da sinalização da catecolamina nas funções do cérebro e do sistema nervoso: novas idéias do estudo genético molecular de camundongos. Journal of Investigative Dermatology Symposium Proceedings, 6 (1): 115-21.
  • Zouhal, H., Jacob, C., Delamarche, P. & Gratas-Delamarche, A. (2008). Catecolaminas e os efeitos do exercício, treinamento e gênero. Sports Medicine, 38 (5): 401-23.

Deixe um comentário