Irrigação do sangue no cérebro: anatomia, fases e caminho

O cérebro é um dos órgãos mais importantes do nosso corpo, sendo responsável por diversas funções vitais. Para que ele funcione corretamente, é fundamental que seja bem irrigado, ou seja, que receba um suprimento adequado de sangue. A irrigação do sangue no cérebro é um processo complexo que envolve diferentes fases e um caminho específico, que garantem a chegada de oxigênio e nutrientes essenciais para as células cerebrais. Neste artigo, vamos explorar a anatomia, as fases e o caminho da irrigação do sangue no cérebro, destacando a importância desse processo para a saúde e o funcionamento adequado do órgão.

Irrigação sanguínea no cérebro: entenda como funciona esse processo vital para a saúde cerebral.

A irrigação sanguínea no cérebro é um processo fundamental para garantir o bom funcionamento e a saúde desse órgão tão importante. O cérebro é um dos órgãos que mais demanda oxigênio e nutrientes para suas atividades, e a irrigação sanguínea é responsável por fornecer esses elementos essenciais.

A anatomia do cérebro é composta por uma complexa rede de vasos sanguíneos, que garantem a chegada do sangue oxigenado e rico em nutrientes até as células cerebrais. Esse processo é fundamental para a sobrevivência das células cerebrais e para a manutenção das funções cognitivas e motoras.

A irrigação sanguínea no cérebro ocorre em várias fases, desde a entrada do sangue pelas artérias até a saída pelas veias. Durante esse percurso, o sangue passa por diferentes regiões do cérebro, garantindo a nutrição de todas as áreas cerebrais.

O caminho percorrido pelo sangue no cérebro é complexo e envolve diferentes tipos de vasos sanguíneos, como as artérias cerebrais, as arteríolas e os capilares. Essa rede vascular garante a distribuição uniforme de oxigênio e nutrientes por todo o cérebro, garantindo seu funcionamento adequado.

Portanto, é fundamental manter a saúde da irrigação sanguínea no cérebro, através de uma alimentação balanceada, prática regular de exercícios físicos e controle de fatores de risco, como a hipertensão e o colesterol alto. Cuidar da saúde vascular é essencial para garantir a saúde cerebral e prevenir doenças como o AVC e a demência.

Quais são as regiões irrigadas pelas artérias cerebrais posteriores?

As artérias cerebrais posteriores são responsáveis por irrigar a região posterior do cérebro, incluindo o cerebelo, o tronco encefálico e o lobo occipital. Elas são ramos da artéria basilar e fornecem sangue para áreas vitais relacionadas à visão, equilíbrio e coordenação motora.

Qualquer interrupção no fluxo sanguíneo dessas artérias pode levar a sintomas como visão turva, tonturas e dificuldades motoras. Por isso, é importante garantir uma irrigação adequada para manter o bom funcionamento dessas regiões do cérebro.

Além das regiões mencionadas, as artérias cerebrais posteriores também contribuem para a irrigação de estruturas como o tálamo, o hipotálamo e o mesencéfalo, desempenhando um papel fundamental na manutenção da função cerebral.

Como o sangue chega ao cérebro e mantém seu funcionamento adequado para a saúde?

A irrigação do sangue no cérebro é um processo essencial para garantir o funcionamento adequado deste órgão vital. O cérebro requer um suprimento constante de sangue rico em oxigênio e nutrientes para manter suas funções cognitivas e motoras. Mas como exatamente o sangue chega ao cérebro e mantém sua saúde?

O sangue chega ao cérebro através de um sistema complexo de vasos sanguíneos que compreendem as artérias cerebrais. Estas artérias se ramificam em vasos menores, chamados arteríolas, que por sua vez se dividem em capilares. Os capilares são responsáveis por fornecer oxigênio e nutrientes às células cerebrais, bem como remover resíduos metabólicos.

Relacionado:  Lobo parietal: características e funções

Um dos erros mais comuns que podem prejudicar a irrigação sanguínea no cérebro é a formação de coágulos que podem obstruir os vasos sanguíneos. Isso pode levar a um acidente vascular cerebral, que ocorre quando o suprimento de sangue para uma parte do cérebro é interrompido, resultando em danos às células cerebrais.

Para manter o cérebro saudável, é importante adotar hábitos de vida saudáveis, como manter uma dieta equilibrada, praticar exercícios regularmente e controlar fatores de risco como a pressão arterial e o colesterol. Além disso, é fundamental estar atento aos sintomas de problemas de circulação sanguínea no cérebro, como dores de cabeça persistentes, tonturas e dificuldade de concentração.

É essencial garantir um fluxo sanguíneo adequado para fornecer oxigênio e nutrientes às células cerebrais e manter a saúde do cérebro a longo prazo.

Procedimento de drenagem venosa do cérebro: conheça o método utilizado para o processo.

A drenagem venosa do cérebro é um processo fundamental para o bom funcionamento do sistema nervoso central. Através deste procedimento, o sangue venoso é retirado do cérebro, garantindo a oxigenação adequada dos tecidos cerebrais. Conhecendo o método utilizado para este processo, é possível compreender melhor a anatomia e a fisiologia da irrigação sanguínea no cérebro.

Para realizar a drenagem venosa do cérebro, é necessário seguir um caminho específico. As veias cerebrais são responsáveis por coletar o sangue venoso dos tecidos cerebrais e drená-lo para os seios venosos, localizados na dura-máter. A dura-máter é uma membrana que envolve o cérebro e a medula espinhal, e possui diversas estruturas responsáveis pela drenagem venosa.

As veias cerebrais superficiais e profundas se unem para formar os seios venosos, que por sua vez se conectam à veia jugular interna. Esta veia é responsável por drenar todo o sangue venoso do cérebro e devolvê-lo ao coração para ser oxigenado novamente. Este processo de drenagem venosa é fundamental para manter o equilíbrio no fluxo sanguíneo cerebral.

Em casos de obstrução ou alterações na drenagem venosa do cérebro, podem ocorrer complicações como edema cerebral e aumento da pressão intracraniana. Por isso, é essencial conhecer o método utilizado para este processo e garantir que a irrigação sanguínea no cérebro esteja ocorrendo de forma adequada.

Portanto, compreender a anatomia, as fases e o caminho da drenagem venosa do cérebro é fundamental para garantir o bom funcionamento do sistema nervoso central e prevenir possíveis complicações. É importante manter a saúde cerebral em dia para garantir uma boa qualidade de vida e bem-estar.

Irrigação do sangue no cérebro: anatomia, fases e caminho

Irrigação do sangue no cérebro: anatomia, fases e caminho 1

Nosso cérebro é uma máquina complexa que precisa ser irrigada, para funcionar corretamente, com um combustível vermelho que todos conhecemos: sangue. E, para isso, utiliza um conjunto de artérias estrategicamente organizadas que serão responsáveis ​​por manter o cérebro e outros órgãos bem alimentados.

Neste artigo, veremos como ocorre a circulação sanguínea no cérebro e quais são os principais sistemas das artérias que tornam isso possível.

  • Artigo recomendado: “Os lóbulos do cérebro e suas diferentes funções”
    .

Como o sangue circula no cérebro?

O cérebro humano é um órgão complexo e é responsável por uma infinidade de funções corporais que precisamos para sobreviver. Todas as máquinas precisam de combustível para funcionar, e nosso cérebro não seria diferente. Embora represente pouco mais de 2% do peso corporal, consome um sexto do débito cardíaco e 20% do oxigênio necessário ao repouso do corpo.

O cérebro está constantemente ativo (mesmo quando dormimos), portanto a vascularização ou o suprimento de sangue é um processo tão importante para um órgão como esse. Todo o cérebro é irrigado por quatro grandes artérias, que emergem da artéria aórtica e ascendem pelo pescoço até o crânio penetrar.

A circulação do sangue no cérebro ocorre através de dois sistemas simétricos, em ambos os lados do pescoço: na parte anterior, as artérias carótidas comuns; e nas costas, as artérias vertebrais, que fazem grande parte de seu caminho dentro das vértebras cervicais.

As artérias carótidas comuns são divididas em dois ramos, a carótida externa, que nutre principalmente estruturas extracranianas (língua, faringe, face, músculos cervicais, etc.) e a carótida interna, que penetra no crânio e fornece sangue para a maioria das a porção anterior do cérebro, que chamamos de cérebro.

As artérias vertebrais penetram no crânio e se unem formando um tronco comum que conhecemos como artéria basilar , responsável pela irrigação do cerebelo e do tronco cerebral. As artérias carótidas internas e a artéria basilar são divididas, por sua vez, em ramos cada vez menores, e distribuídas por toda a superfície cerebral.

O sistema carotídeo

Irrigação do sangue no cérebro: anatomia, fases e caminho 2

O sistema carotídeo é responsável pela circulação prévia de sangue no cérebro e fornece praticamente 80% do fluxo sanguíneo que o cérebro recebe.

É formado pelas carótidas comuns (direita e esquerda) que, uma vez penetradas no crânio, formam as carótidas internas, ramificando-se nas artérias cerebrais anterior e média. Estes atingem o córtex cerebral, atingindo os lobos frontal, parietal e temporal.

1. Artéria cerebral anterior

A artéria cerebral anterior é originária da artéria carótida interna . As artérias de cada lado são conectadas pela artéria comunicante anterior e ambas fazem parte do círculo arterial cerebral ou do polígono de Willis, sobre o qual falaremos mais adiante.

Essa artéria possui ramos corticais (orbitais), frontais (parietais) e centrais (incluindo a artéria interna do estriado), bem como a artéria comunicante anterior do cérebro, e pode ser classificada em 5 segmentos. Irrigue uma grande parte da face interna do hemisfério cerebral.

2. Artéria cerebral média

A artéria cerebral média ou artéria silviana (assim chamada porque assim que emerge da artéria carótida interna é introduzida na fissura Silvio ) é um ramo da artéria carótida interna e é responsável por irrigar o sangue através de dois segmentos: a porção cefálica basal e outra.

Essa artéria possui o padrão de ramificação mais complexo de todas as artérias cerebrais e possui ramos corticais (orbitais, frontais, parietais e temporais) e centrais (estriados). Possui dois ramos principais: um basilar, responsável pela irrigação de parte do núcleo caudado e do tálamo ; e a porção cortical, que irriga grande parte do córtex cerebral .

Quando a artéria cerebral média fica entupida, ocorre hemiparesia (paralisia de um lado do corpo), afetando partes do corpo, como a face, braço ou perna, e gerando distúrbios sensoriais e visuais.

O sistema vertebrobasilar

Irrigação do sangue no cérebro: anatomia, fases e caminho 3

O sistema vertebrobasilar é responsável pela subsequente circulação do sangue no cérebro . Consiste nas artérias vertebrais (direita e esquerda), que se integram na artéria basilar, uma vez penetradas no cérebro, e se ramificam nas artérias cerebrais posteriores que suprem os lobos occipitais (localizados na área posterior do cérebro) .

Relacionado:  Corpos mamilares (região do cérebro): definição, localização e funções

Este sistema facilita a irrigação de parte da medula espinhal, tronco cerebral, cerebelo e grande parte dos lobos occipital e temporal do cérebro. Quando o fluxo sanguíneo é reduzido ou completamente interrompido por um acidente vascular cerebral ou uma lágrima, as consequências para o indivíduo são muitas vezes desastrosas, dada a importância das estruturas cerebrais envolvidas na irrigação subsequente.

1. Artéria cerebral posterior

As artérias cerebrais posteriores se originam na cisterna interpeduncular e provêm da bifurcação da artéria basilar . Dentre suas principais ramificações estão a artéria comunicante posterior, as artérias coroidais posteriores medial e lateral, bem como a artéria calcarina.

Ao atingir o córtex, essa artéria se divide nas artérias parietoccipital e calcarina. A artéria parietooccipital continua através do sulco parietooccipital e é responsável pelo fornecimento de sangue à porção medial dos lobos parietal e occipital; e, por sua vez, a artéria calcarina continua seu curso através da fissura calcarina, desempenhando funções de irrigação do córtex visual no lobo occipital.

2. O polígono de Willis

O círculo arterial arterial ou polígono de Willis (nomeado em homenagem ao médico inglês Thomas Willis, pioneiro no estudo da anatomia comparada), é uma estrutura em forma de heptágono localizada na parte inferior do cérebro, em torno do tronco da Glândula pituitária, quiasma óptico e hipotálamo .

Esse sistema de circulação sanguínea é formado pela união dos dois sistemas que vimos anteriormente: o sistema carotídeo e o sistema vertebrobasilar . É o que é chamado de sistema de anastomose, ou seja, uma rede interconectada de artérias na forma de um polígono arterial responsável pelo fornecimento de sangue ao cérebro e áreas adjacentes.

Como o resto dos sistemas, o polígono Willis pode ser dividido em frente e verso. O primeiro é formado pela artéria carótida interna e fornece sangue para a parte anterior do cérebro, suprindo a maioria dos hemisférios cerebrais, além de algumas áreas profundas, como o núcleo caudado e o putâmen . A área posterior do polígono arterial é composta pelas artérias vertebrais e é a principal responsável pelo fornecimento de sangue para o cerebelo, o tronco e a área posterior dos hemisférios cerebrais .

A principal função do polígono de Willis é permitir que exista uma rota alternativa no caso de uma oclusão ou fluxo sanguíneo ser interrompido em sua rota usual. Além disso, também permite que o fluxo sanguíneo entre os dois lados do cérebro seja equalizado (hemisfério direito e esquerdo).

Em resumo, essa rede de artérias facilita a distribuição correta do fluxo sanguíneo em nosso cérebro , especialmente se sofrermos algum tipo de dano ou acidente vascular cerebral que envolva uma diminuição ou paralisia da irrigação e vascularização cerebral.

Referências bibliográficas:

  • Hendrikse J, van Raamt AF, van der Graaf Y, et al. Distribuição do fluxo sanguíneo cerebral no círculo de Willis. Radiology 2005; 235: 184-89
  • Kandel, ER; Schwartz, JH e Jessell, TM (2001). Princípios de neurociência. Quarta edição McGraw-Hill Interamerican. Madrid
  • Scheel P, Ruge C, Petruch UR, Schoning M. Medição dúplex de cores do volume do fluxo sanguíneo cerebral em adultos saudáveis. Stroke 2000; 31: 147–150

Deixe um comentário