Causas da dissolução da Gran Colômbia

A Gran Colômbia foi uma república que existiu na América do Sul entre 1819 e 1831, composta pelos territórios que hoje correspondem à Colômbia, Venezuela, Equador e Panamá. A dissolução desse país ocorreu devido a uma série de fatores políticos, econômicos e sociais que culminaram na separação das regiões que o compunham. Entre as principais causas da dissolução da Gran Colômbia estão as rivalidades regionais, as divergências políticas entre os líderes das diferentes regiões, a falta de um sistema político e administrativo consolidado e a influência das potências estrangeiras. Esses elementos contribuíram para a fragmentação do país em três novas nações independentes: Colômbia, Venezuela e Equador.

Motivos que levaram à separação do Panamá da Colômbia e formação de um país independente.

Um dos principais motivos que levaram à separação do Panamá da Colômbia e à formação de um país independente foi o descontentamento da população panamenha com o governo colombiano. Após a independência da Espanha em 1821, o Panamá tornou-se parte da Grã-Colômbia, juntamente com Venezuela, Equador e Colômbia. No entanto, a centralização do poder em Bogotá e a falta de autonomia política e econômica para o Panamá geraram insatisfação entre os panamenhos.

Além disso, a construção do Canal do Panamá foi outro motivo importante que contribuiu para a separação. Os interesses dos Estados Unidos na construção e controle do canal entraram em conflito com os interesses colombianos, o que levou a um clima de tensão entre os dois países. A revolta popular e a intervenção dos Estados Unidos foram decisivas para a separação do Panamá e a criação de um país independente em 1903.

A dissolução da Grã-Colômbia foi um marco na história da América Latina, demonstrando a luta pela autonomia e soberania dos povos da região.

Qual foi o desfecho da independência colombiana?

A independência colombiana teve como desfecho a dissolução da Gran Colômbia, em 1831. A união política entre Colômbia, Equador, Panamá e Venezuela, liderada por Simón Bolívar, não resistiu às tensões internas e aos interesses conflitantes das diferentes regiões.

Uma das principais causas da dissolução foi a rivalidade entre as elites das diferentes províncias, que buscavam mais autonomia e poder. Além disso, as disputas políticas e econômicas, a falta de uma identidade nacional forte e os desafios de governar um território vasto e diversificado contribuíram para enfraquecer a união.

Outro fator importante foi a influência das potências estrangeiras, que buscavam enfraquecer a Gran Colômbia para garantir seus próprios interesses na região. A instabilidade política e a falta de consenso sobre o modelo de governo também foram elementos-chave para a separação dos países que compunham a união.

Assim, a independência colombiana resultou na dissolução da Gran Colômbia e na formação de países separados, com fronteiras definidas e governos independentes. Apesar do sonho de uma grande nação unida, as divergências e os desafios internos e externos tornaram a manutenção da união impossível, levando ao fim da experiência da Gran Colômbia.

Durabilidade da Gran Colômbia: qual foi o período de existência desse país?

A Gran Colômbia foi um país que existiu no período de 1819 a 1831, formado a partir da união das atuais Colômbia, Venezuela, Equador e Panamá. Foi uma tentativa de Simon Bolívar de criar uma grande nação que unisse os países recém-independentes da América Latina.

Causas da dissolução da Gran Colômbia

Apesar das intenções nobres de Bolívar, a Gran Colômbia enfrentou diversos desafios que levaram à sua dissolução. Um dos principais fatores foi a falta de unidade entre as diferentes regiões, que tinham interesses e identidades próprias. Além disso, as disputas políticas e as rivalidades entre os líderes locais contribuíram para enfraquecer a coesão do país.

Relacionado:  Paz dos Pirinéus: causas, acordos e consequências

Outro fator importante foi a instabilidade econômica e social, com a dificuldade de manter uma economia sustentável e garantir o bem-estar da população. A falta de infraestrutura e a ausência de um sistema político eficiente também foram determinantes para a fragmentação da Gran Colômbia.

Por fim, a influência de potências estrangeiras, como a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, que buscavam enfraquecer a influência de Bolívar na região, contribuiu para a instabilidade política e a eventual separação dos países que compunham a Gran Colômbia.

Em suma, a Gran Colômbia teve uma existência breve, mas marcada por desafios que impediram sua consolidação como uma nação unificada. A falta de unidade, as disputas políticas, a instabilidade econômica e a influência externa foram os principais fatores que levaram à sua dissolução em 1831.

Qual foi o líder responsável por conquistar a independência da Colômbia?

A independência da Colômbia foi conquistada principalmente pelo líder Simón Bolívar, um dos principais protagonistas na luta pela libertação das colônias espanholas na América do Sul. Bolívar foi fundamental na conquista da independência não apenas da Colômbia, mas de vários outros países da região, como Venezuela, Equador, Peru e Bolívia.

Apesar do papel importante de Bolívar na independência da Colômbia, a Gran Colômbia, federação formada por Colômbia, Venezuela, Equador e Panamá, acabou se dissolvendo em 1831. Diversos fatores contribuíram para a dissolução, incluindo diferenças políticas entre as regiões, disputas territoriais, conflitos internos e instabilidade econômica.

As diferenças políticas entre as regiões levaram a conflitos constantes, dificultando a governabilidade da federação. Além disso, as disputas territoriais e os conflitos internos enfraqueceram a união entre os países que compunham a Gran Colômbia.

A instabilidade econômica também foi um fator determinante na dissolução da federação, com dificuldades para manter uma economia sólida e sustentável em meio aos desafios políticos e territoriais enfrentados.

Apesar da dissolução da Gran Colômbia, o papel de Simón Bolívar na independência da Colômbia e de outros países da região é inegável, deixando um legado de luta pela liberdade e pela soberania dos povos latino-americanos.

Causas da dissolução da Gran Colômbia

Uma das principais causas da dissolução da Gran Colômbia foi que cada uma das regiões que a formaram buscava sua própria autonomia. Havia discrepâncias entre o sistema de governo que se queria e tensões entre o Equador e a Venezuela.

A Gran Colombia, agora chamada República da Colômbia, era uma república de vida curta que ocorreu entre 1819 e 1930. Anteriormente, esse território era conhecido como vice-reinado de Nova Granada e incluía o que são agora as nações. da Colômbia, Venezuela e Equador.

Causas da dissolução da Gran Colômbia 1

Esta república foi criada como parte das guerras de independência da região contra a Espanha. Essas guerras, lideradas por Simón Bolívar, resultaram na fundação de um governo regular em 1819 no congresso de Angostura.

A República da Gran Colômbia foi definitivamente organizada no Congresso de Cúcuta em 1821. Esse governo teve Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander como presidente.

A Gran Colômbia durou apenas 8 anos porque, como veremos mais adiante, embora a princípio os diferentes territórios continuassem unidos contra a Espanha, uma vez alcançada a independência da colonização, cada uma das regiões buscou seu próprio governo.

Relacionado:  Crise do absolutismo: características e causas

Antecedentes da dissolução da Gran Colômbia

A República da Gran Colômbia era um governo experimental federalista de Bolívar em seu desejo de libertar os habitantes do norte da América do Sul do domínio espanhol.Sediado em Bogotá, o governo central da Gran Colômbia consistia em uma presidência, um congresso de duas câmaras e um tribunal superior.

Para entender quais foram os motivos que levaram à dissolução desta região, é necessário primeiro entender como ela foi formada e o papel desempenhado por Simón Bolívar.

Nueva Granada: Como era a vida antes da Gran Colômbia? ( 1740-1810)

O que hoje é conhecido como as nações da Venezuela, Colômbia e Equador foram agrupados no mesmo território desde 1740 e nomeados pelos espanhóis como vice-reinado de Nova Granada. Sua capital era Bogotá.

Na segunda metade do século XVIII, os espanhóis relaxaram seu poder sobre os territórios da América do Sul. Isso levou ao crescimento local na região. Uma classe social de crioulos apareceu – educada e profissional – que logo se ressentiu do fato de ser uma colônia.

É por isso que é neste território que as primeiras rebeliões contra o poder estabelecido da Espanha e o movimento liderado por Simón Bolívar começam a libertar todo o vice-reinado de Nova Granada e, por fim, a criação da Grande Colômbia.

Bolívar e Gran Colômbia: 1810-1822

Causas da dissolução da Gran Colômbia 2

Em 1910, Simón Bolívar, um venezuelano de nascimento e uma figura central na história dos movimentos de independência da América Latina, é um jovem oficial em Caracas.

Sua intervenção começa no mesmo ano, fazendo parte de uma conspiração através da qual o conselho expulsa o governador espanhol da província da Venezuela (19 de abril) para assumir o controle.

A partir deste momento e durante os próximos 12 anos, todos os esforços de Bolívar se concentrarão em libertar toda Nova Granada do domínio espanhol.Para isso, ele enfrentará muitas derrotas e dificuldades:

  • Em 1811, a assembléia nacional declarou a independência da Venezuela em Caracas, mas em 1812 as autoridades espanholas controlaram a província novamente.
  • Bolívar escapa e escreve um importante texto político conhecido como “Manifesto de Cartagena” que inspirou os habitantes de Nueva Granada em seus esforços pela independência.
  • Em 1813, ele venceu 6 batalhas contra os espanhóis na Venezuela e em 6 de agosto entrou em Caracas. Eles o recebem como O Libertador e assume o poder.
  • É um sucesso curto porque, em julho de 1814, Bolívar perdeu Caracas novamente. Ele então decide ir e pegar Bogotá que vence, e depois perde, e depois foge para o exílio para a Jamaica e o Haiti.
  • Em 1819, Bolívar elaborou um plano engenhoso e ousado e, com 2.500 homens e uma nova rota, leva Bogotá novamente.
  • Finalmente, em 17 de dezembro, a República da Colômbia é declarada cobrindo os atuais territórios da Colômbia, Equador e Venezuela.

Bolívar levará alguns anos para tornar realidade a libertação da Venezuela e do Equador, mas em 1822 o último bastião do Equador cai e a região está livre do domínio dos espanhóis.É quando a República da Colômbia se torna realidade e – para distingui-la de outras repúblicas posteriores – é conhecida como Gran Colômbia.

Relacionado:  Incorporação da Ilha de Páscoa: Causas e Consequências

Gran Colômbia: 1822-1830

Gran Colombia só funcionará como um estado por 8 anos turbulentos. Neste momento, Simón Bolívar permanecerá como presidente, embora estivesse fisicamente no Peru em uma campanha militar.

Durante sua ausência, ele confiará a cadeira presidencial a um de seus comandantes de confiança, Francisco de Paula Santander.

Dentro dos territórios, outro dos companheiros de Bolívar, José Antonio Páez discordou do governo de toda a região da capital Bogotá. Ele será responsável pela rebelião de 1826 que exigiu a independência da Venezuela.

Essa crise obrigará Bolivar a retornar do Peru à Gran Colômbia para acalmar Páez e negociar com ele um maior grau de autonomia para a Venezuela. Essa decisão gerará oposição na Colômbia, que se tornará um ditador em 1828, no mesmo ano em que ele sofre uma tentativa de assassinato. Enquanto isso, o Equador – que representava um terço da Gran Colômbia – estava em turbulência política desde sua independência em 1823, sendo um dos pontos para resolver o domínio de seu importante porto sul de Guayaquil (em disputa com o Peru).

Em 1830, Bolívar está isolado, sem tanto poder e cada vez mais doente. Santander foi exilado após o ataque a Bolívar em 1828, no qual ele não estava diretamente envolvido. Em 1829, Páez novamente lançou um movimento separatista pedindo independência da Venezuela.

Em maio de 1830, Bolívar decide deixar Bogotá, renuncia ao cargo de presidente e planeja se aposentar na Europa. Não vai mais longe de Santa Marta – no lado da costa atlântica da Colômbia – onde morre de tuberculose.Em setembro deste ano, o Equador e a Venezuela se separaram formalmente da Gran Colômbia.

Causas da dissolução da Gran Colômbia

Discrepâncias sobre o sistema governamental

Infelizmente, o sonho de Bolivar de conseguir uma federação unida separada dos espanhóis foi um breve experimento marcado pelo conflito entre aqueles que apoiavam um governo centralizado na figura de um líder forte e os federalistas, que apoiavam uma forma descentralizada de governo.

As tensões entre os territórios desapareceram no início dos anos 20 para concentrar sua energia na derrota da Espanha. Quando a guerra terminou, no meio desses anos, os sentimentos nacionalistas retornaram fortemente.

Tensões entre Equador e Venezuela

O Equador tinha queixas políticas e econômicas e, na Venezuela, os liberais expressaram fortes sentimentos e desejos federalistas de se separar da Gran Colômbia. Foi o começo do fim para a república.

Foram as divergências internas entre os estados que acabaram explodindo com a separação do Equador e da Venezuela em 1830. A Gran Colômbia foi oficialmente dissolvida em 1831.

Referências

  1. Editores da Encyclopædia Britannica. 20/03/2012. Grande Enciclopédia Britânica da Colômbia . Recuperado de: global.britannica.com.
  2. Desde 2001. “História da Colômbia”: Recuperado de historyworld.net.
  3. Editores do History Channel. Recuperado em 21/03/2017. Bolívar estabelece a República da Gran Colômbia : Recuperado de historychannel.com.au.
  4. Manual de área da Biblioteca do Congresso dos EUA. Recuperado em 21/03/2017. História da Colômbia . Recuperado de: motherearthtravel.com.
  5. 10/01/2017. Gran Colombia . Recuperado de: en.wikipedia.org.
  6. Segurança global Recuperado em 21/03/2017. Guerra do Peru com a Gran Colombia (1828-1829) : Recuperado de globalsecurity.org.
  7. Recuperado em 21/03/2017. E se a Gran Colombia tivesse se tornado federalista? Recuperado de: quora.com.

Deixe um comentário