Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos

Os equisetos (Equisetaceae) são uma família monotípica primitiva de plantas herbáceas, perenes e perenes, com rizomas e caules articulados. O gênero Equisetum é o único representante dessa família que sobrevive desde o período carbonífero da era paleozóica.

Representantes do gênero Equisetum são caracterizados pela presença de um rizoma articulado a partir do qual são formadas hastes aéreas ocas. Essas hastes têm estrias longitudinais e também são articuladas em nós e entrenós diferenciados. Ao mesmo tempo, eles têm ramos chicoteados lateralmente.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 1

Equisetáceas. Fonte: pixabay.com

Os microfilos ou folhas reduzidas estão dispostos ao redor dos nós, formando uma pequena bainha com uma coroa dentada. Os equisetos se reproduzem a partir de esporos que são armazenados em esporângios agrupados em estruturas estrobiliformes. Essas estruturas são dispostas na posição terminal.

Por outro lado, eles estão amplamente distribuídos no hemisfério norte, sendo sua presença maior em zonas temperadas do que nos trópicos. Eles geralmente estão localizados em ambientes terrestres e aquáticos, colonizando várias áreas desmatadas ou intervencionadas, à beira de cursos de água ou áreas inundadas.

Comumente conhecido como rabo de cavalo ou máquina de lavar louça, eles são usados ​​para polir madeira ou metais devido ao seu alto teor de sílica. Além disso, possui vários ingredientes ativos que fornecem propriedades medicinais, da mesma forma que são utilizados como plantas ornamentais.

Características gerais

Aparência

As cavalinhas são plantas vasculares que atendem a um ciclo de vida haplodiplonte, ou seja, vivem uma fase haplóide multicelular seguida por uma fase diplóide multicelular. De fato, há uma alternância manifesta de gerações: esporófitos e gametófitos independentes com esporos como unidades de dispersão e resistência.

Os gametófitos representam o tálus ou a estrutura sem organização, e os esporófitos constituem o núcleo representado pelas raízes, caule e sistema vascular. Essas características permitiram classificar os equisetos dentro do grupo dos pteridófitos.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 2

Detalhe da haste. Fonte: pixabay.com

Rizomas

Os rizomas são estruturas densas e bastante extensas que contribuem para a sua disseminação. Isso permite o desenvolvimento de grandes colônias. Além disso, os rizomas têm o poder de penetrar profundamente no solo, o que lhes permitiu sobreviver a secas, incêndios e danos físicos.

Das raízes adventícias dos rizomas emergem as hastes aéreas, pequenas ou longas, dependendo da espécie, bem como os tubérculos que atuam como órgãos de reserva. Os rizomas se ramificam regularmente e irregularmente alternadamente, sendo cada ramo uma réplica da estrutura original.

Caule

As hastes articuladas possuem nós e entrenós diferenciados que crescem a partir do rizoma subterrâneo e têm funções fotossintéticas. A superfície das hastes é nervurada e apresenta dobras pronunciadas ou estrias ao longo dos entrenós.

O caule geralmente é oco e as células da epiderme acumulam sílica suficiente que atua como suporte ou suporte. Esse alto teor de sílica também tem a função de um sistema de defesa contra pragas e doenças fúngicas.

Folhas

As folhas pequenas, chamadas microfilas ou eucalipto reduzido de aparência escamosa, medem apenas 2 cm e são dispostas como bainhas soldadas ao redor do caule. De fato, eles têm baixa capacidade fotossintética e são irrigados apenas por um ducto vascular não ramificado.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 3

Detalhe das folhas ou microfilas. Fonte: Stefan.lefnaer [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Taxonomia

– Reino: Plantae.

– Divisão: Monilophyta.

– Classe: Equisetopsida.

– Subclasse: Equisetidae.

– Ordem: Equisetales.

– Família: Equisetaceae.

Etimologia

Equiseto : O nome do gênero, ” Equiseto “, vem do latim: ” equus ” cavalo e juba ” cogumelo “.

Habitat e distribuição

As cavalinhas são plantas perenes e vivazes que preferem solos úmidos e argila-silício, até pântanos ou pântanos. Especialmente, eles estão localizados em solos úmidos e lamacentos, em aterros próximos a caminhos ou estradas ou em terras e pradarias não cultivadas.

Este grupo de plantas primitivas está distribuído pelas regiões temperadas do hemisfério norte. Atualmente, dois quimiotipos são distinguidos com base na presença de flavonóides específicos, um na Europa e outro entre a Ásia e a América do Norte.

Na Península Ibérica, está localizado nos ambientes úmidos das províncias do norte das Astúrias, Aragão, Cantábria, Catalunha, Galiza e Navarra. Os maiores produtores e importadores dessas espécies estão localizados na Albânia, Bósnia-Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Hungria, Polônia, Sérvia e Rússia

Espécies representativas

Equiseto de Bogotá

Conhecida como rabo de cavalo ou máquina de lavar louça, é uma espécie perene com caules articulados que atingem 20-60 cm de altura. Está localizado em áreas úmidas entre 1.000 e 3.000 metros em todo o Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Venezuela, Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Chile.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 4

Equiseto de Bogotá. Fonte: Penarc [Domínio público]

Suas hastes rizomatosas de cor acastanhada apresentam alto teor de sílica, excreções glabras e segmentos membranosos. Os ramos têm quatro saliências proeminentes, com canalículos diferenciados e bainhas nodais. É geralmente usado como diurético.

Equisetum arvense

Espécies arbustivas perenes de caules rizomatosos estéreis ou férteis. Os férteis mais suculentos são metade do tempo dos estéreis. O tipo de arbusto estéril tem entre 5 e 50 cm de comprimento e 20 segmentos.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 5

Equisetum arvense. Fonte: MPF [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Natural do hemisfério norte da Europa, eles estão localizados em ambientes com certa umidade, geralmente perto de fontes ou correntes de água. É utilizado na arbolária para o tratamento de hemorróidas e vômitos no sangue e também para aliviar as condições renais, biliares, de cálculo e de granulação.

Equisetum giganteum

A erva do ourives, máquina de lavar louça ou cavalinha, é uma espécie botânica nativa da América do Sul e América Central. É caracterizada por seu grande tamanho (2-5 m de altura e 1-2 cm de diâmetro) e porque não mostra diferenciação entre hastes estéreis e férteis.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 6

Equisetum giganteum. Fonte: Frank Vincentz [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

Possui rizomas alongados e folhas modificadas em bainhas cilíndricas que nascem perpendiculares aos nós do caule. Utilizado como ornamental, é utilizado principalmente como planta medicinal devido à sua ação adstringente, diurética, cicatrizante e hemostática.

Equisetum hyemale

Arbusto rizomatoso com alto teor de silício, usado desde a antiguidade como matéria-prima para polimento de metais. Conhecida como xisto de inverno, é uma espécie de hábitos arbustivos distribuídos pela América do Norte, América Central, Europa e Ásia.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 7

Equisetum hyemale. Fonte: KENPEI [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

Caracteriza-se por sua haste oca e articulada, semelhante a uma palheta de 90 cm de altura e verde escuro. Tem um uso medicinal para o tratamento de distúrbios do trato urinário, bem como para gastrite, úlceras e inflamações intestinais.

Equisetum palustre

A planta chamada barbas curtas, rabo de cavalo, rabo de cavalo, rabo de cavalo ou pinillo é um equiseta-se natural da região da Eurásia. É um arbusto de 60 cm de altura com costelas marcadas, amplamente ramificadas, com vagens mais longas que largas.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 8

Equisetum palustre. Fonte: Mars 2002 [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Está localizado fora dos cursos de água ou riachos, principalmente em solos úmidos, em associação com outras espécies como Populus alba , Equisetum ramosissimum ou Saccharum ravennae . Contém certos alcalóides que, ingeridos por alguns herbívoros, como os cavalos, podem causar distorções motoras que seriam fatais.

Cultivo

Através de um processo semelhante às samambaias, os folhelhos se reproduzem por esporos ou divisão de rizomas. De fato, essas espécies são fáceis de propagar em áreas úmidas e lamacentas, em solos de baixa fertilidade e em condições de semi-sombra.

Em condições silvestres, é uma planta que tende a se espalhar rapidamente, por isso requer espaço suficiente para obter ampla dispersão. Como cultura comercial, pode ser semeada em contêineres que limitam seu crescimento e desenvolvimento às exigências do produtor.

– Propagação

A principal técnica usada comercialmente para obter novas plantas de rabo de cavalo é através do uso de peças de rizoma. Sua seleção é feita a partir de plantas saudáveis ​​e vigorosas cultivadas como plantas-mãe no nível do berçário.

Rizomas com 10 a 12 cm de comprimento são plantados no substrato úmido a 5-6 cm de profundidade. Uma vez estabelecidas as novas mudas, elas podem suportar curtos períodos de ambiente seco.

As hastes se desenvolvem rapidamente, formando uma parede densa, se crescerem em plena exposição solar. Cultivado em vasos, desenvolve-se como uma baixa cobertura que pode ser controlada para o crescimento por meio de poda de manutenção.

Quando a dispersão não é um problema, ela pode ser semeada em um ambiente úmido à beira de um lago ou riacho. Em climas sem geada, os equisetos são sempre verdes, enquanto as folhas ficam marrons durante o inverno.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 9

Esporângios de Equisetum arvense. Fonte: F. Lamiot [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

As cavalinhas desenvolvem um sistema radicular denso que requer um buraco amplo e profundo no momento do transplante para o solo final. Uma vez transplantado, é coberto com solo suficiente, espremido suavemente e a umidade do solo é mantida até seu pleno desenvolvimento.

– Requisitos

Essas espécies se adaptam a uma grande variedade de solos, também podem ser encontradas em vários ambientes, de pântanos ou pântanos a planícies inundadas. No entanto, eles não toleram o alagamento total e preferem solos de barro úmido quando plantados em recipientes.

Localização

O Equisetum melhor expressa o seu crescimento e desenvolvimento em uma área com boa iluminação solar, quer a exposição total ou parcial sombra. Além disso, apesar de não ter raízes invasivas, é recomendável plantá-lo longe de canos ou drenos artificiais.

Umidade

Dependendo das condições climáticas, é necessário regar diariamente, principalmente se o ambiente estiver quente e seco. No caso de recipientes, é recomendável manter uma placa de suporte que preserve a umidade da panela.

Fertilização

As cavalinhas são plantas facilmente desenvolvidas que não requerem fertilização frequente, o que favoreceria seu potencial invasivo. No entanto, em condições de vasos ou em jardins aquáticos, as aplicações de um fertilizante orgânico beneficiariam seu desenvolvimento.

Poda

O trabalho de manutenção da poda ou saneamento é realmente desnecessário para impedir o desenvolvimento adequado da planta ou para que ela não se expanda. O rizoma é a estrutura que controla o crescimento, portanto, eliminar qualquer parte não afeta o seu desenvolvimento.

Usos

Medicinal

As cavalinhas constituem uma das plantas mais utilizadas na medicina tradicional devido à presença de elementos ativos que proporcionam propriedades terapêuticas e curativas. Por exemplo, ingredientes como ácido salicílico, presentes nas folhas e caules, atuam no sistema ósseo e no tecido conjuntivo.

A espécie E. arvense contém numerosos compostos minerais, como o silício, na forma de sílica, o que favorece a remineralização dos ossos. Além disso, a presença de flavonóides e saponinas exerce ação diurética no sistema urinário, facilitando a eliminação de toxinas.

Cavalos: características, habitat, espécies, cultivo, usos 10

Ilustração do Equisetum arvense. Fonte: Carl Axel Magnus Lindman [Domínio público]

Seu consumo acelera a coagulação do sangue, o que afeta a cicatrização de úlceras e feridas internas ou externas. Por outro lado, permite regular o fluxo sanguíneo e os níveis excessivos de sangue durante a menstruação.

Seu uso permitiu obter bons resultados como antiinflamatório, antimicrobiano e antifúngico. Por esse motivo, é eficaz no alívio de diferentes infecções.

Cosméticos

As cavalinhas contribuem para a saúde da pele e dos cabelos, pois a presença de sílica estimula a produção de colágeno. De fato, o colágeno é um elemento vital para preservar a frescura da pele, bem como a dureza e o brilho dos cabelos.

Industrial

Devido ao seu alto teor de sílica, várias espécies do gênero Equisetum são utilizadas em nível industrial para polir madeira e metais. De fato, as cinzas têm um alto poder abrasivo que facilita o trabalho de polir artigos de metal ou madeira.

Referências

  1. Cabezudo Artero, B. e Trigo Pérez, M. (2013) Pteridófitas (samambaias e plantas relacionadas) Capítulo 10. Universidade de Málaga.
  2. Equisetaceae. (2019). Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado em: en.wikipedia.org
  3. Ferriol Molina, M., & López Del Rincón, C. (2018). Os cavalinhos. Caracteres vegetativos Universidade Politécnica de Valência. Departamento de Ecossistemas Agroflorestais.
  4. Gallardo-Pérez, JC, Esparza-Aguilar, MDL e Gómez-Campos, A. (2006). Importância etnobotânica de uma planta vascular sem sementes no México: Equisetum. Polibotânica, (21), 61-74.
  5. Equisetaceae (2019) Asturnatura. Recuperado em: asturnatura.com
  6. Prada, C. (1986). Equisetum L. Flora Ibérica, 1, 21-29.
  7. Ramírez Trejo, R., Pérez-García, B. e Mendoza, A. (2001) Os equisetos, plantas do passado no presente. Área de Botânica Estrutural e Sistemática de Plantas. Departamento de Biologia UAM-I. Contate o S 40, 33-36.
  8. Villas del Fresno, AM e Iglesias Peinado, I. (2006) Equiseto. Farmácia profissional Vol. 20. No. 2. Páginas 74-77.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies