Cefalocaudal: Anatomia, Avaliação e Aquecimento

O termo cefalocaudal refere-se a uma orientação anatômica que vai da cabeça aos pés. No campo médico, seu uso não se limita a um fato anatômico, pois também possui utilidade clínica durante a avaliação ordenada de um paciente, em radiologia para cortes tomográficos ou na avaliação ultrassonográfica do feto.

É uma palavra composta de dois elementos: “cefalus” ou “cefalus” do grego kephalos , que significa cabeça; e “fluxo” da cauda latina , que é equivalente à cauda. É um exemplo perfeito das raízes greco-latinas da terminologia médica, usadas desde o início técnico da medicina.

Cefalocaudal: Anatomia, Avaliação e Aquecimento 1

A maturação fetal (não apenas em seres humanos) ocorre dos órgãos da cabeça até a base do cordão. O desenvolvimento prossegue na direção cefalocaudal, indicando que as partes superiores do corpo crescem mais cedo que as inferiores; Portanto, os embriões são sempre mostrados como espécimes com cabeças grandes e tronco e membros pequenos.

Alguns eventos fisiopatológicos também têm um comportamento cefalocaudal. Certas doenças têm manifestações clínicas que começam na cabeça e descem em direção aos pés. Mesmo na prática física e esportiva, alguns conhecedores do assunto utilizam movimentos pré-competitivos na ordem cefalocaudal.

Anatomia

As origens do termo cefalocaudal remontam aos primeiros anatomistas clássicos antes de Cristo. Já no Homem Vitruviano, uma das obras mais reconhecidas de Leonardo Da Vinci, são levantadas as indicações dos planos anatômicos. A localização da figura humana em duas situações sobrepostas é clara na idéia de posicionamento.

Na posição anatômica, um dos eixos básicos é o vertical, também conhecido como eixo crânio-caudal. A direção do eixo nomeado é, como parece evidente, cefalocaudal. É complementado com outros dois chamados de horizontal ou lateral-lateral e anteroposterior ou ventro-dorsal.

A união do eixo vertical com o eixo anteroposterior gera os planos lateral ou sagital. Isso divide o corpo em duas zonas: esquerda e direita.

A união do eixo vertical com o eixo horizontal produz os planos frontal ou coronal, dividindo o corpo e duas seções: anterior e posterior.

Classificação

Os fundamentos anatômicos não são os únicos obtidos pela dinâmica cefalocaudal. A avaliação clínica e de imagem também possui certas bases cefalocaudais.

Avaliação clínica

A maioria dos autores de semiologia recomenda a ordem cefalocaudal para o exame físico. Essa estratégia não é caprichosa, tem propósitos higiênicos.

As áreas superiores do corpo tendem a ser mais limpas do que as áreas inferiores; Portanto, entre outras razões, sugere-se começar de cima para baixo.

O exame físico cefalocaudal é realizado de acordo com os quatro métodos clássicos, na ordem usual: inspeção, palpação, percussão e ausculta.

Devem ser feitas todas as tentativas para cobrir cada região explorada de maneira descendente, evitando o retorno, pois erros podem ser cometidos ou etapas importantes esquecidas.

Existem muitas especialidades médicas que utilizam a ordem cefalocaudal para realizar sua avaliação clínica. Também devemos incluir odontologia e cirurgia maxilofacial nesse grupo, que também realiza sua exploração limitada dessa maneira.

Avaliação radiológica

A grande maioria dos estudos complexos de imagem é ordenada de acordo com um esquema descendente de cortes cefalo-caudais. Isso se aplica à tomografia axial computadorizada e à ressonância magnética nuclear em qualquer uma de suas diferentes modalidades.

Outros estudos radiológicos respeitam esse padrão. As mamografias são lidas de cima para baixo, assim como as zaragatoas ósseas, radiografias de corpo inteiro, estudos contrastados (quando o contraste é administrado por via oral) e endoscopias digestivas superiores por razões óbvias.

O ultrassom obstétrico utiliza o eixo cefalocaudal como marcador usual do crescimento fetal intra-uterino. Essa medida ajuda a calcular a idade gestacional do embrião e é útil a partir da 6ª semana de gravidez.

Apesar de alguma controvérsia atual sobre questões de imprecisão, continua sendo um achado frequente nos resultados do eco-sonografia obstétrica.

Avaliação patológica

Algumas doenças têm um comportamento de envolvimento cefalocaudal. Pode parecer uma questão elaborada, mas é uma descoberta realmente valiosa ao fazer um diagnóstico diferencial.

Geralmente são doenças neurológicas degenerativas, embora algumas lesões, infecções e traumas ocupantes do espaço possam se comportar da mesma maneira.

As encefalopatias espongiformes têm essa característica, além de distúrbios psiquiátricos. Os tumores espinhais de crescimento rápido causam uma deterioração neurológica descendente de evolução violenta e dramática, bem como alguns casos de meningite infecciosa e encefalite.

Uma das doenças mais frequentes que geram uma clínica cefalocaudal são os discos de hérnia. A protrusão do disco intervertebral causa sintomatologia neurológica uni ou bilateral, que geralmente é descendente, começando com o pescoço e podendo atingir os membros inferiores.

Aquecimento cefalocaudal

Como mencionado anteriormente, o termo cefalocaudal não se aplica apenas ao universo médico; no esporte e na educação física também é útil.

Movimentos pré-competitivos ou aquecimento podem ser feitos na ordem cefalocaudal, e esse esquema é o mais utilizado na prática esportiva.

Cefalocaudal: Anatomia, Avaliação e Aquecimento 2

A organização de aquecimento cefalocaudal estabelece que a resposta motora é feita da cabeça aos pés; isto é, em ordem decrescente.Entende-se então que os movimentos da cabeça são controlados primeiro para terminar nos membros inferiores.

Um erro comum é definir o treinamento próximo à distal em oposição ao cefalocaudal, quando na verdade eles podem se complementar.

O conceito quase distal refere-se ao aquecimento que começa na linha média do corpo e se afasta progressivamente. Nos membros superiores, começa nos ombros e termina nos pulsos ou dedos.

Base de aquecimento

Como todo treinamento pré-competitivo, a idéia é preparar o corpo para um maior esforço físico. O aquecimento tem efeitos nos campos circulatório, respiratório, muscular, neurológico e psicológico. A ordem mais usada é:

– Movimentos anteroposterior e lateral do pescoço. Movimentos ou giros circulatórios devem ser evitados.

– Os membros superiores são treinados do proximal (ombros) para o distal (punho e dedos). Nesse caso, os movimentos circulatórios são tolerados graças à frouxidão das articulações locais.

– Os alongamentos no quadril, região lombar e abdome continuam.

– Já nos membros inferiores, começa nos quadris e continua com as coxas, joelhos, panturrilhas e pés, incluindo tornozelos e dedos.

Referências

  1. Colman, Andrew (2014). CefalocaudalUm Dicionário de Psicologia, obtido em: oxfordreference.com
  2. Ferrer Herrera, Ismael e Maurenza Gonzalez, Godofredo (2011). Manual do exame físico.Instituto Superior de Ciências Médicas «Carlos J. Finlay» , Camagüey. Recuperado de: http://files.sld.cu
  3. Knudsen, A. e Ebessen, F. (1997). Progressão cefalocaudal da icterícia em recém-nascidos internados em unidades de terapia intensiva neonatal.Biology of the neonate , 71 (6): 357-361.
  4. Ramos Martín, Lucía (2015). Os estudos anatômicos de Leonardo da Vinci. Recuperado de: thelightingmind.com
  5. Suárez Fuentes, Rafael René (2002). Noções sobre Exame Físico para Alunos de Enfermagem. Recuperado de: pdcorynthia.sld.cu
  6. Wikipedia (última edição 2017). Tendência cefalocaudal. Recuperado de: en.wikipedia.org
  7. Wikipedia (última edição 2018). Planos anatômicos Recuperado de: en.wikipedia.org
  8. Muños Rivera, Daniel (2009). Aquecimento em Educação Física. Fundamentos, tipos e funções. Sessão práticaEF Sports Digital Magazine , número 129, obtido em: efdeportes.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies