Cegueira cortical: causas, sintomas e tratamento

A cegueira cortical é uma condição rara que afeta a capacidade do cérebro de processar informações visuais, apesar dos olhos estarem saudáveis. Neste tipo de cegueira, o problema está localizado no córtex visual, a parte do cérebro responsável pelo processamento das informações visuais. As causas da cegueira cortical podem variar, incluindo lesões cerebrais, acidentes vasculares cerebrais, tumores ou doenças neurodegenerativas. Os sintomas incluem dificuldade em reconhecer objetos ou pessoas, perda de visão periférica e sensação de cegueira parcial ou total. O tratamento da cegueira cortical geralmente envolve terapias de reabilitação visual e ocupacional, além de tratamentos específicos para a causa subjacente da condição. É importante procurar assistência médica especializada para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Principais fatores responsáveis pela cegueira cortical em pacientes diagnosticados com essa condição.

A cegueira cortical é uma condição em que a perda de visão ocorre devido a danos no córtex visual do cérebro, em vez de problemas nos olhos. Existem vários fatores que podem ser responsáveis por essa condição em pacientes diagnosticados.

Uma das principais causas da cegueira cortical é o acidente vascular cerebral (AVC) que afeta a região do cérebro responsável pelo processamento visual. Outros fatores incluem lesões traumáticas na cabeça, tumores cerebrais, infecções no sistema nervoso central e doenças neurodegenerativas como o Alzheimer.

Os sintomas da cegueira cortical incluem dificuldade em reconhecer objetos, movimentos, cores e rostos, mesmo que os olhos estejam saudáveis. Os pacientes também podem ter dificuldade em navegar em ambientes complexos e podem apresentar alucinações visuais.

O tratamento da cegueira cortical envolve reabilitação visual, incluindo terapias que visam melhorar a função visual remanescente e ajudar o cérebro a compensar a perda de visão. Também podem ser prescritos medicamentos para controlar sintomas como alucinações. Em alguns casos, a cirurgia pode ser necessária para tratar a causa subjacente da cegueira cortical.

É importante que os pacientes diagnosticados com cegueira cortical recebam um acompanhamento médico adequado para gerenciar a condição e melhorar sua qualidade de vida. Com o tratamento adequado, muitos pacientes podem aprender a lidar com os desafios da cegueira cortical e manter uma vida independente e ativa.

Deficiência visual cortical: o que é e como afeta a visão?

A deficiência visual cortical, também conhecida como cegueira cortical, é uma condição em que a parte do cérebro responsável pelo processamento visual não funciona corretamente. Isso pode ocorrer devido a lesões, doenças ou distúrbios que afetam o córtex visual, a região do cérebro responsável pela interpretação das informações visuais recebidas dos olhos.

Quando uma pessoa sofre de cegueira cortical, ela pode apresentar uma série de sintomas, como dificuldade em reconhecer objetos, problemas de percepção de profundidade e distância, incapacidade de ler ou reconhecer rostos, entre outros. É importante ressaltar que, apesar de não haver danos nos olhos, a pessoa com deficiência visual cortical tem dificuldades na interpretação das informações visuais que recebe.

Relacionado:  Técnica de imaginação emocional: o que é e como se aplica à ansiedade

O tratamento para a cegueira cortical geralmente envolve a reabilitação visual, que visa melhorar a capacidade do cérebro de processar e interpretar as informações visuais. Isso pode ser feito por meio de terapias visuais específicas, treinamento de habilidades visuais e uso de dispositivos de assistência visual, como lupas eletrônicas ou óculos especiais.

O tratamento para a cegueira cortical envolve a reabilitação visual para melhorar a capacidade do cérebro de processar as informações visuais recebidas.

Localização e funcionamento do córtex visual: descubra como e onde ocorre o processamento visual.

O córtex visual é uma região do cérebro responsável pelo processamento das informações visuais que chegam dos olhos. Localizado na parte posterior do cérebro, na região occipital, o córtex visual recebe os estímulos visuais e os interpreta, permitindo-nos enxergar e reconhecer objetos, cores e formas.

Quando ocorre um dano no córtex visual, podemos ter a chamada cegueira cortical, que é uma forma de perda da visão causada por danos no cérebro, e não nos olhos. Isso pode resultar em dificuldades para reconhecer objetos, ler ou até mesmo enxergar partes do campo visual.

Alguns dos sintomas da cegueira cortical incluem dificuldade em identificar cores, formas e rostos, além de problemas de percepção visual. O tratamento para a cegueira cortical pode envolver terapias de reabilitação visual e neurológica, além de medicamentos para tentar melhorar a função cerebral.

É importante buscar ajuda médica especializada caso você apresente sintomas de cegueira cortical, pois um diagnóstico precoce e um tratamento adequado podem ajudar a melhorar a qualidade de vida e a capacidade visual do paciente.

Entenda a definição e a importância do fluxo ventral no organismo humano.

A cegueira cortical é uma condição rara que afeta a capacidade de processamento visual do cérebro, em vez de problemas nos olhos em si. Isso ocorre devido a danos nas áreas visuais do córtex cerebral, responsáveis por interpretar os sinais visuais enviados pelos olhos.

Uma das principais funções do córtex visual é processar informações visuais recebidas e enviá-las para outras áreas do cérebro para interpretação. Isso é feito através do fluxo ventral e do fluxo dorsal. O fluxo ventral é responsável por identificar e reconhecer objetos visuais, enquanto o fluxo dorsal está envolvido na localização e movimento desses objetos.

Quando há danos no córtex visual que afetam o fluxo ventral, a pessoa pode apresentar sintomas de cegueira cortical, como dificuldade em reconhecer rostos, objetos e cores. Além disso, pode haver problemas de orientação e locomoção, já que a capacidade de identificar o ambiente ao redor está comprometida.

O tratamento da cegueira cortical geralmente envolve terapias de reabilitação visual e neuropsicológica, que visam melhorar a capacidade do cérebro de compensar a perda de função visual. É importante consultar um neurologista ou oftalmologista para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Relacionado:  As 5 diferenças entre dessensibilização sistemática e exposição

Portanto, é essencial entender a importância desse fluxo para o correto funcionamento do sistema visual e buscar tratamento adequado em caso de problemas.

Cegueira cortical: causas, sintomas e tratamento

Cegueira cortical: causas, sintomas e tratamento 1

O sentido da visão é um dos mais desenvolvidos e mais importantes para o ser humano. Embora não seja impossível viver sem esse sentido (como merecem as muitas pessoas que vivem com cegueira), sua ausência é uma dificuldade significativa em se relacionar com o mundo, especialmente se a cegueira não é do nascimento, mas é adquirida.

Existem muitos tipos de cegueira, com diferentes características e causas. Um desses tipos é a cegueira cortical , que será discutida ao longo deste artigo.

Cegueira cortical

Chamamos cegueira cortical, mais recentemente chamada de deficiência visual neurológica , à alteração ou patologia em que há perda de visão em ambos os olhos devido a um envolvimento bilateral dos lobos occipitais.

Os olhos e as vias nervosas que recebem as informações visuais funcionam corretamente, mesmo reagindo as pupilas à estimulação nervosa, mas essas informações não são processadas cerebralmente devido às lesões produzidas nas fibras nas quais geralmente ocorrem. Assim, o sujeito não vê por que seu cérebro não registra a informação visual . É possível que, mesmo que o sujeito não consiga processar as informações visuais, ele possa sofrer alucinações visuais.

Também pode haver algum conluio, imaginando o que poderia ser visto (sem estar ciente de que o que é descrito não é uma visão real, mas uma construção própria). Além disso, algo que geralmente chama a atenção é o fato de alguns indivíduos com cegueira cortical não terem consciência da perda da visão, apresentando anosognosia .

Embora a cegueira estritamente cortical indique a completa ausência de visão, a verdade é que, em sua nova denominação (deficiência visual neurológica), são incluídas esta e outras situações em que há perda da visão parcial. Embora seja chamado de cegueira, em alguns casos o sujeito é capaz de perceber alguma estimulação mínima, como a luz . É possível que, em alguns casos, a cegueira não seja percebida externamente, pois alguns não conseguem tropeçar ou colidir com objetos devido a esses restos de informações processadas.

Pode ocorrer em qualquer idade e por várias causas.

Causas possíveis

A causa direta da cegueira cortical é a presença de lesões bilateralmente nos lobos occipitais , incapazes de processar informações visuais do sistema visual. Essa lesão geralmente é causada pela existência de um derrame nessa área ou nos vasos que a abastecem.

A presença de anóxia ou o sofrimento de certas doenças virais e neurológicas também podem levar à cegueira cortical. Outra etiologia pode ser o sofrimento de ferimentos na cabeça que destroem os dois occipitais. Envenenamento e tumores (este último, porque afetam diretamente o occipital ou porque gera compressão contra a parede do crânio da referida região do córtex).

Relacionado:  3 efeitos surpreendentes da depressão

Finalmente, a cegueira cortical também pode ser observada em indivíduos que não possuem o referido lobo ou apresentam disfunções, como em algumas malformações produzidas durante a gravidez .

  • Você pode estar interessado: ” Partes do cérebro humano (e funções) “

À procura de tratamento

A cegueira cortical não possui tratamento específico, pois é o resultado da destruição de elementos cerebrais que permitem o processamento visual. A exceção seria nos casos em que sua causa fosse uma disfunção do córtex occipital gerado por uma causa tratável, como uma infecção, desde que o tecido cerebral não morresse.

Além disso, nos casos em que há uma percepção de luminosidade, é possível realizar diferentes tipos de treinamento para fortalecer essa capacidade e utilizá-la de forma adaptativa na vida cotidiana. Dependendo do grau de envolvimento, algumas melhorias podem ocorrer nesses casos (principalmente em crianças, com maior plasticidade cerebral) e até uma recuperação. No entanto, geralmente quando há perda total da visão, ela permanece.

O fato de perder a visão ou não possuí-la pode gerar um forte impacto na pessoa que a sofre, e pode ser necessária intervenção psicológica. A psicoeducação será necessária para entender e aceitar o que aconteceu , o que o paciente está vivendo e as consequências que ele terá no seu dia a dia. Não apenas no paciente, mas também é conveniente executá-lo no ambiente circundante. É necessário fornecer diretrizes para ação e aconselhamento antes dos próximos passos. A psicoterapia também pode ser necessária para tratar problemas adaptativos e emocionais.

No nível funcional, pode ser necessário o uso de auxiliares externos, como bengalas brancas ou suporte para cegos e / ou cães-guia. O aprendizado em braille e o uso de tecnologia adaptada também facilitam a vida das pessoas cegas. Da mesma forma, é necessária a adaptação de elementos urbanos, como semáforos, bem como a educação ou diferentes empregos, de forma que sua deficiência não implique deficiência .

Em princípio, não há solução para a cegueira cortical, mas a pesquisa realizada permitiu desenvolver mecanismos que estimulam as regiões do cérebro responsáveis ​​pelo processamento da informação visual. Pode ser possível reativar ou fazer conexões entre áreas do occipital, não lesões que permitam o processamento e o funcionamento parcial da visão.

Referências bibliográficas:

  • Hutto C, Arvin A, Jacobs R, et al. (1987). Infecção intra-uterina por herpes simples. J Pediatrics 110: 97-101.
  • Greene M, Benacerraf B, Crawford J, Hydranencephaly. (2001) Aparência durante a evolução no útero. Radiology

Deixe um comentário