Célula de Sertoli: características, histologia e funções

As células de Sertoli são um tipo de células de sustentação localizados nas paredes dos túbulos seminíferos dos testículos envolvidas na espermatogénese. Células sustentáveis ​​são células cuja função principal é fornecer suporte estrutural em tecidos e órgãos.

São muito mais altas que células largas, com um núcleo grande e irregular deslocado em direção à base da célula. Sua formação é controlada pelo gene SRY e seu número permanece constante durante a vida do organismo, ou seja, eles não possuem divisões mitóticas.

Célula de Sertoli: características, histologia e funções 1

Seção histológica do parênquima testicular de um javali. O número cinco (5) indica a localização das células de Sertoli. Retirado e editado de: Usuário: Uwe Gille [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)].

Entre as funções das células de Sertoli estão a regular o desenvolvimento e os estágios iniciais do funcionamento das células de Leydig, fagocitar o citoplasma residual durante a espermatogênese, produzir hormônios diferentes e formar a barreira hermatotesticular.

Entre as doenças associadas às células de Sertoli estão o tumor de células de Sertoli-Leydig e a síndrome das células de Sertoli ou aplasia germinativa.

História

As células de Sertoli foram descobertas pelo fisiologista italiano Enrique Sertoli em 1865. Sertoli, que trabalhou com vários tópicos da fisiologia humana, incluindo os mecanismos de contração do músculo liso, ácido carbônico tecidual e proteínas celulares, descobriu essas células estudando a fisiologia testicular

Eles foram referidos como células de Sertoli pela primeira vez pelo histologista vienense von Ebner, vinte anos após sua descoberta. Até meados do século passado, essas células recebiam pouca atenção, como evidenciado pelo fato de que até 25 trabalhos a elas relacionados foram publicados até o momento.

No entanto, com a invenção da microscopia eletrônica e o desenvolvimento de novas técnicas para estudos em bioquímica e biologia molecular, o interesse pelas células de Sertoli aumentou exponencialmente, com cerca de 500 investigações por ano atualmente.

Caracteristicas

As células de Sertoli são muito mais altas que as células colunares largas, que possuem processos citoplasmáticos ramificados para apoiar o desenvolvimento de células germinativas. A maior concentração de organelas celulares é distribuída na porção basal da célula.

O núcleo celular é grande e eucromático, sua forma é modificada ao longo do ciclo epitelial seminífero, às vezes apresentando profundas invaginações da membrana nuclear. Sua localização é geralmente próxima à base da célula; no entanto, às vezes ela pode se mover em direção ao lúmen do tubo seminífero.

O nucléolo também é muito grande e mancha intensamente com corantes vitais. Geralmente esse nucléolo possui três regiões claramente diferenciáveis, ou seja, é tripartido.

Histologia

O número total de células de Sertoli determinará a quantidade máxima de espermatozóides que um testículo pode produzir. O volume total dessas células em um indivíduo é muito variável, dependendo da espécie, com um intervalo que varia de 2000 a 7000 μm³.

No entanto, parece haver uma relação inversa entre volume total e eficiência espermatogênica. Essas células, de forma tubular, se estendem da membrana basal ao lúmen do epitélio seminífero e têm uma função “semelhante a uma enfermeira” no desenvolvimento de células germinativas.

Para desempenhar essa função, as células de Sertoli estendem seu citoplasma em projeções na forma de braços finos e em um processo cilíndrico que envolve os espermídeos e forma complexas uniões especializadas que funcionam como articulações comunicantes e oclusivas (lacunas e apertadas). Eles também usam filamentos de actina e retículo endoplasmático liso.

O núcleo e o nucléolo

O núcleo da célula de Sertoli está localizado, na maioria das espécies, próximo à membrana basal. É grande, alongado e, ocasionalmente, sua forma e localização podem ser alteradas dependendo da fase do ciclo seminífero.

No adulto, o núcleo apresenta invaginações profundas de sua membrana, que lhe conferem uma forma irregular e são circundadas por filamentos intermediários de vimentina. Além disso, possui uma alta densidade de poros em sua membrana. Algumas proteínas podem ocorrer em grandes concentrações próximas às áreas de invaginação.

O nucléolo é grande e, em muitas espécies, é composto de três partes facilmente diferenciáveis. Tem um a dez cromocentros.

Citoplasma

O citoplasma possui numerosas organelas dispostas de forma polarizada, ou seja, há uma maior concentração de organelas em direção à porção basal da célula do que em direção à porção distal.

As mitocôndrias são muito abundantes e podem ocorrer de forma alongada (2–3 μm), podem ser em forma de copo ou mesmo em forma de rosca. O retículo endoplasmático rugoso está presente na área basal da célula, enquanto o retículo endoplástico liso é a organela mais abundante nas células de Sartoli.

Os microtúbulos ajudam a manter a distribuição do retículo endoplasmático, além de manter as mitocôndrias alinhadas. As células de Sartoli possuem atividade fagocítica, para a qual possuem numerosos lisossomos e corpos multivesiculares. Enquanto isso, o aparato de Golgi é relativamente pequeno.

Funções

Células de Enfermagem

As células de Sertoli foram descritas como células-tronco ou células-mãe. Uma das atividades de enfermagem que realizam está ligada ao transporte de ferro, micronutrientes e outras substâncias para a célula germinativa em desenvolvimento através de proteínas como transferrina e ceruloplasmina.

Além de fornecer ferro necessário para o desenvolvimento de células germinativas, as células de Sertoli também removem e reciclam ferro potencialmente tóxico de corpos residuais. Alguns autores chamam a última função de reciclagem e manuseio de resíduos.

Secretária

A função secretora das células de Sertoli é representada por hormônios que podem ter atividade autócrina, parácrina e até endócrina. Entre as funções parácrinas está, por exemplo, a sinalização de células germinativas a serem direcionadas pelos hormônios folículos estimulantes e tetosterona.

Além disso, após atingir a puberdade, as células de Sertoli podem regular a produção do hormônio folículo estimulante através da secreção de inibina e ativina, que atuam juntas.

Também produz vários fatores de crescimento com atividade parácrina, como fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF1), fator de crescimento de fibroblastos (FGF), bem como o transformante alfa (TGFA), que regulam a transformação de células peritubulares em Células de Leydig, além de regular o funcionamento delas.

Outros hormônios secretados pelas células de Sertoli e atuando durante a produção das células sexuais incluem a proteína de ligação ao andrógeno (ABP), estradiol e fator neutrófico derivado das células da glia (GDNF).

Imunorregulatório

As células de Sertoli fornecem aos testículos um status imunorregulatório único, o que foi demonstrado através do transplante de tecido testicular em outros tecidos, conseguindo sobreviver por períodos prolongados.

Isso ocorre porque, caso contrário, a condição meiótica das células sexuais pode fazer com que sejam reconhecidas pelos anticorpos como fatores exógenos e potencialmente patogênicos e, consequentemente, ativar os mecanismos de defesa para sua destruição.

Entre as moléculas produzidas e secretadas pelas células de Sertoli com atividade imunorreguladora estão, por exemplo, o sistema FAS / Ligand FAS, inibidor de protease 9, CD40, CD59 ou TGF-beta.

Proteção física

Além da atividade imunorreguladora das células de Sertoli, que protegem as células germinativas, a junção oclusiva entre as primeiras cria uma barreira que isola fisicamente os compartimentos onde ocorre a espermatogênese dos linfócitos.

Essa barreira é formada durante a puberdade, quando a produção de esperma começa, e uma quebra nela pode causar uma resposta imune e causar infertilidade masculina.

Essa barreira atua dinamicamente, permitindo a migração de espermatócitos da zona basal para a adluminal do tubo de esperma, mas impedindo, como já observado, a passagem de linfócitos.

Doenças

Existem algumas doenças relacionadas às células de Sertoli, entre as quais se pode mencionar:

– Tumor de células de Sertoli

Esse tipo de tumor é raro, representando menos de 1% dos tumores testiculares. Pode ocorrer em três variedades histológicas:

Clássico

Embora raramente (10-20%) possa se tornar maligno, nos casos em que pode metastizar nos linfonodos, ossos e pulmões, os níveis de sobrevivência são baixos.

Este tipo de tumor não tem componente hereditário e não está relacionado a nenhuma síndrome. A idade média em que se manifesta é de 45 anos.

Calcificação de grandes células

É muito mais agressivo que o tumor clássico e, ao contrário, pode estar associado a herança ou várias síndromes, como Peutz-Jeghers, Bourneville e também o complexo de Carney.

O mal pode aparecer cedo (17 anos) ou tarde (40 anos), sendo em ambos os casos um comportamento diferente da parte deles. No primeiro caso, pode apresentar multifocalidade, bilateralidade e atividade hormonal, enquanto no segundo caso não. Por outro lado, sua agressividade é maior nos casos de início tardio.

Esclerosante

É a menos agressiva das três variedades e, até o momento, nenhum caso de comportamento maligno foi descrito. A idade média de início é de 35 anos e, como no caso de tumor tardio das células calcificantes, não apresenta multifocalidade, bilateralidade ou atividade hormonal.

– síndrome de Sertoli

Também conhecida como aplasia germinal, é uma síndrome caracterizada por infertilidade causada por uma azoospermia não obstrutiva (ausência de células germinativas). As causas da síndrome são variadas e entre elas estão desordens genéticas, principalmente a síndrome de Klinefelter.

Outras causas que foram associadas a essa síndrome incluem histórico de criptorquidia e / ou varicocele. No entanto, uma alta porcentagem de casos é de origem desconhecida.

– Tumor de células de Sertoli-Leydig

Também conhecido como arrenoblastoma, é um tipo de tumor dos cordões sexuais que pode causar câncer de ovário ou testicular. Sua maior ocorrência ocorre em adultos jovens. Geralmente é benigno e de desenvolvimento lento.

Célula de Sertoli: características, histologia e funções 2

Micrografia de um tumor de células de Leydig do testículo. Tirada e editada em: Nephron [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)].

Referências

  1. L. Johnson, DL Thompson Jr. e DD Varner (2008). Papel do número de células de Sertoli e função na regulação da espermatogênese. Ciência da Reprodução Animal.
  2. Os dados foram coletados por meio de questionários, entrevistas, entrevistas e entrevistas. Síndrome apenas de células de Sertoli: nos bastidores da genética. BioMed Research International.
  3. Célula de Sertoli. Na Wikipedia Recuperado de en.wikipedia.org.
  4. L. Etxegarai, L. Andrés, C. Ereño, FJ Bilbao, JI López (2005). Tumor escleroso de células de Sertoli. Revista Espanhola de Patologia.
  5. DW Fawcett (1975). Ultraestrutura e função da célula de Sertoli. In: DW Hamilton e RO Greep (Eds.). Handbook of Physiology, vol. V. Sociedade Fisiológica Americana.
  6. LR França, RA Hess, JM Dufour, MC Hofmann e MD Griswold (2016). A célula de Sertoli: cento e cinquenta anos de beleza e plasticidade. Andrologia

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies