Células achatadas: características, tipos, funções e exemplos

As células achatadas são um tipo de célula que apresenta uma forma plana e fina, o que lhes permite ocupar áreas maiores em tecidos e órgãos. Essas células desempenham diversas funções no organismo, como a absorção de nutrientes, a troca de gases e a proteção de superfícies. Existem diferentes tipos de células achatadas, como os epitélios pavimentosos e os eritrócitos. Alguns exemplos de células achatadas são as células epiteliais que revestem os alvéolos pulmonares e as células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos.

O que significa células achatadas e qual sua função no organismo humano?

Células achatadas são células que possuem forma achatada, ou seja, são mais largas do que altas. Elas podem ser encontradas em diversos tecidos do organismo humano, desempenhando funções específicas em cada um deles.

As células achatadas podem ser classificadas em diferentes tipos, como células epiteliais, células endoteliais e células escamosas. Cada tipo de célula achatada tem características específicas e funções distintas no corpo humano.

As células achatadas desempenham diversas funções no organismo humano, como revestimento de superfícies, trocas gasosas, absorção de nutrientes, proteção contra agentes externos, entre outras. Elas são fundamentais para o funcionamento adequado dos tecidos e órgãos do corpo.

Alguns exemplos de células achatadas incluem as células da pele, as células do epitélio intestinal e as células do endotélio dos vasos sanguíneos. Cada uma dessas células desempenha uma função específica de acordo com o tecido em que está presente.

Características e funções do tecido epitelial: conheça mais sobre esse importante tecido do corpo.

O tecido epitelial é um dos quatro tipos básicos de tecidos do corpo humano, juntamente com o tecido conjuntivo, o tecido muscular e o tecido nervoso. Ele é caracterizado por células achatadas que se organizam em camadas, formando revestimentos que protegem e revestem as superfícies do corpo.

Existem diferentes tipos de tecido epitelial, cada um com características específicas que se adaptam às suas funções no organismo. Por exemplo, o tecido epitelial simples pavimentoso é formado por células achatadas que facilitam a absorção de substâncias, enquanto o tecido epitelial estratificado queratinizado é encontrado na pele e atua como uma barreira de proteção contra agentes externos.

As principais funções do tecido epitelial incluem a proteção do corpo contra lesões, infecções e desidratação, a absorção de nutrientes, a secreção de substâncias e a percepção sensorial. Além disso, o tecido epitelial também desempenha um papel importante na regulação da temperatura corporal, na excreção de resíduos e na lubrificação de superfícies.

É essencial manter o tecido epitelial saudável para garantir o bom funcionamento do organismo como um todo. Uma alimentação balanceada, a prática de exercícios físicos e a higiene adequada são importantes para preservar a integridade desse importante tecido do corpo.

Tecido epitelial com uma única camada de células achatadas: qual é?

O tecido epitelial com uma única camada de células achatadas é conhecido como epitélio simples pavimentoso. Esse tipo de tecido é caracterizado por células achatadas e dispostas de forma uniforme, proporcionando uma superfície lisa e fina.

Relacionado:  Ernst Mayr: Biografia e contribuições

As células achatadas do epitélio simples pavimentoso são especializadas em facilitar a troca de substâncias e nutrientes através da membrana, devido à sua forma fina e plana. Essas células também desempenham um papel importante na proteção contra agentes externos, devido à sua disposição compacta e contínua.

Algumas das funções do epitélio simples pavimentoso incluem a absorção de nutrientes, a filtragem de substâncias e a proteção contra danos mecânicos. Este tipo de tecido é encontrado em locais onde ocorre troca de substâncias, como os alvéolos pulmonares, os túbulos renais e os vasos sanguíneos.

Alguns exemplos de epitélio simples pavimentoso incluem o endotélio (revestimento interno dos vasos sanguíneos), o mesotélio (revestimento das cavidades corporais) e o epitélio alveolar (revestimento dos alvéolos pulmonares).

Descubra os 4 tipos de tecido epitelial presentes no corpo humano.

O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos encontrados no corpo humano, sendo responsável por revestir e proteger diversas estruturas. Existem quatro tipos principais de tecido epitelial: epitélio simples, epitélio estratificado, epitélio cúbico e epitélio cilíndrico.

O epitélio simples é formado por uma única camada de células achatadas, que estão geralmente envolvidas em processos de troca de substâncias. Por sua vez, o epitélio estratificado é composto por várias camadas de células achatadas, sendo encontrado em regiões que necessitam de maior proteção, como a pele.

O epitélio cúbico é constituído por células cúbicas, enquanto o epitélio cilíndrico é formado por células alongadas. Ambos os tipos de epitélio desempenham funções específicas no corpo humano, como a absorção de nutrientes, a secreção de substâncias e a proteção contra agentes externos.

Portanto, é fundamental manter a integridade e a saúde desses tecidos para garantir o correto funcionamento do corpo humano.

Células achatadas: características, tipos, funções e exemplos

As células achatadas são um dos 200 tipos de células que estão organizados em conjunto para formar os vários tecidos, que existem no corpo humano. São encontrados predominantemente em tecidos epiteliais, em conjunto com outras células de diferentes morfologias.

Tecidos epiteliais, tecidos conjuntivos, tecidos musculares e nervos são os quatro tipos de tecidos descritos no corpo humano. Todos eles são agrupados, por sua vez, para formar os órgãos, estruturas especializadas que fazem parte dos sistemas do corpo.

Células achatadas: características, tipos, funções e exemplos 1

Células endoteliais achatadas que revestem a parede interna dos capilares sanguíneos (Fonte: Internet Archive Book Images [Sem restrições] via Wikimedia Commons)

O tecido epitelial é classificado de acordo com o número de camadas celulares existentes entre a lâmina basal e a superfície livre e são conhecidos dois tipos: epitélios simples e estratificados. O primeiro consiste em uma única camada de células, enquanto o último pode ter duas ou mais camadas.

Uma característica particular dos tecidos epiteliais é que eles possuem células com diferentes morfologias. Eles podem ter células escamosas, também chamadas células achatadas, células cuboidais ou células cilíndricas.

Consequentemente, epitélios “escamosos” simples e estratificados, epitélios “cuboidais” simples e estratificados podem ser descritos, e assim por diante. Entre os epitélios escamosos estão os epitélios escamosos estratificados não queratinizados e os epitélios escamosos estratificados queratinizados.

As células achatadas podem ser identificadas como parte de epitélios escamosos simples, estratificados não queratinizados e estratificados queratinizados.

Caracteristicas

Células achatadas são células poligonais muito finas. Se vistos de cima, pode-se ver que eles têm uma superfície muito larga e um perfil muito fino se uma seção transversal deles for vista. Eles são tão finos que seu núcleo se projeta ou se projeta da superfície.

Graças a essas características, quando fazem parte de alguns epitélios estratificados, as células achatadas podem ser alimentadas pela difusão de nutrientes provenientes de camadas celulares mais profundas, pois às vezes as camadas mais superficiais não têm suprimento sanguíneo.

Nos epitélios simples, essas células são densamente agrupadas ou “compactadas”, de modo que, quando vistas de cima, a superfície epitelial se assemelha a um mosaico de células com os núcleos centrais salientes.

As células achatadas nos epitélios estratificados podem ter núcleos e fazer parte da superfície externa e úmida de alguns tecidos e constituem o que é chamado epitélio escamoso estratificado não queratinizado.

Em outros órgãos, a camada superficial do epitélio estratificado é composta de células mortas achatadas, de modo que elas perderam seu núcleo e são preenchidas com queratina. É por esse motivo que esse tipo de epitélio é chamado epitélio escamoso estratificado queratinizado.

Tipos de células achatadas

As células achatadas podem ser classificadas em dois grupos:

– Células achatadas com núcleo.

– Células achatadas sem núcleo.

Um exemplo de células achatadas sem núcleo são as células da epiderme da pele. No entanto, são consideradas células mortas que serão escalonadas e eliminadas, como é o caso dos queratinócitos.

As células achatadas com o núcleo, no entanto, recebem nomes próprios de acordo com o órgão onde está localizado o epitélio do qual fazem parte. Por exemplo, aqueles que formam a parede alveolar são chamados pneumócitos, e aqueles que cobrem o sangue e os vasos linfáticos são chamados células endoteliais.

Funções e exemplos

Células achatadas como parte de epitélios escamosos simples

Nos pulmões

Epitélios escamosos simples formados por células achatadas são encontrados nos alvéolos pulmonares, onde fornecem uma ampla superfície de contato entre o ar alveolar (por um lado) e o sangue capilar pela parede externa do alvéolo (por outro).

Relacionado:  Fluxo gênico: mecanismo, consequências e exemplos

Devido à estrutura fina das células achatadas, elas facilitam a difusão de gases do alvéolo para o sangue capilar e vice-versa, permitindo que o sangue se equilibre com o gás alveolar ao sair do alvéolo, transformando o sangue venoso em sangue arterial .

Nos rins

Diferentes estruturas dentro dos néfrons renais também são compostas por epitélios escamosos simples. Nelas, as células achatadas participam da filtragem do sangue que entra no rim e da formação de urina.

Epitélios escamosos simples também são encontrados na cavidade pleural e peritoneal, onde possuem uma função lubrificante que reduz o atrito e favorece o movimento das vísceras e das camadas pleurais.

No sistema vascular

O endotélio vascular e linfático também é composto de epitélio escamoso, que fornece uma superfície lisa para circulação sanguínea e linfática, e no nível capilar permite a troca de líquidos, gases e nutrientes, além de resíduos gasosos e metabólicos de outros tecidos.

No ouvido

Estofando o ouvido médio e o ouvido interno, também existem epitélios escamosos simples formados por células achatadas.

Células achatadas como parte dos epitélios escamosos estratificados

As células achatadas que fazem parte do epitélio estratificado não queratinizado revestem a boca, a epiglote, o esôfago, as dobras das cordas vocais e a vagina. Nessas áreas, os epitélios mantêm as superfícies úmidas e desempenham funções protetoras nesses órgãos.

Na pele

As células achatadas que fazem parte do epitélio estratificado queratinizado (queratinócitos) constituem a epiderme da pele (a camada mais externa).

Sua função é principalmente de proteção, uma vez que a pele é o maior órgão do corpo humano e a protege do meio ambiente, colabora com o equilíbrio da água e ajuda a manter a temperatura corporal.

A epiderme não é apenas composta por queratinócitos, mas essas são, sem dúvida, algumas das células mais abundantes nesse tecido. Eles têm um ciclo de vida entre 20 e 30 dias, portanto estão sendo renovados constantemente, algo evidente em suas células “progenitoras” com altas taxas mitóticas (de divisão).

Quando as células nas camadas basais se dividem, elas empurram as novas células para a superfície, e a substituição ocorre gradualmente à medida que as mais superficiais acumulam queratina, perdem seus núcleos, morrem e se “lascam”.

Referências

  1. Despopoulos, A. & Silbernagl, S. (2003). Atlas de Fisiologia em Cores (5ª ed.). Nova York: Thieme.
  2. Dudek, RW (1950). Histologia de Alto Rendimento (2ª ed.). Filadélfia, Pensilvânia: Lippincott Williams & Wilkins.
  3. Gartner, L., & Hiatt, J. (2002). Atlas Text of Histology (2ª ed.). Cidade do México: McGraw-Hill Interamerican Editors.
  4. Johnson, K. (1991). Histologia e Biologia Celular (2ª ed.). Baltimore, Maryland: A série médica nacional para estudo independente.
  5. Kuehnel, W. (2003). Atlas de cores de citologia, histologia e anatomia microscópica (4ª ed.). Nova York: Thieme.

Deixe um comentário