Cisma Oriental: Antecedentes, Causas e Consequências

O cisma oriental , também chamado de grande cisma, foi o fim de um conflito religioso entre a Igreja Católica Ocidental – com sede em Roma – e as confissões ortodoxas e outras orientais. O resultado foi a separação definitiva de ambas as correntes e a excomunhão mútua de seus líderes.

O cisma tomou forma em 1054, mas os combates já duravam vários séculos. Muitos historiadores afirmam que eles já começaram quando a capital do Império Romano foi transferida de Roma para Constantinopla, e foram acentuados quando Teodósio dividiu esse Império entre o Oriente e o Ocidente.

Cisma Oriental: Antecedentes, Causas e Consequências 1

Desde então até a data em que o cisma ocorreu, incidentes como o de Focio ou alguns assuntos meramente sacramentais que eles não compartilharam agravaram as diferenças. Após excomunhão mútua e separação final, a Igreja Católica Romana e os orientais se separaram, e muitas vezes se enfrentaram.

Um exemplo disso é observado durante as cruzadas, pois incompreensões e desconfianças mútuas eram bastante evidentes e, como resultado dessas reações, foram geradas algumas derrotas significativas.

Antecedentes

Quando Constantino, o Grande, mudou a capital do Império Romano para Constantinopla, em 313, começou o longo processo que terminou com a separação dos diferentes ramos da Igreja Cristã.

Anos depois, em 359, a morte de Teodósio significou a divisão do Império. Naquela época, nasceram o Império Romano do Oriente e o Império Romano do Ocidente, com diferentes líderes políticos e religiosos.

Precedente do cisma

No ano de 857, é produzido o que todos os especialistas consideram o precedente mais claro do cisma final. Naquele ano, o imperador bizantino (oriental) decidiu expulsar o patriarca San Ignacio da sede de Constantinopla e escolheu um sucessor: Focio.

O problema com Focio era que ele nem era religioso. Para resolvê-lo, em apenas 6 dias ele recebeu todas as ordens eclesiásticas necessárias.

A nomeação não gostou em Roma e menos a expulsão de San Ignacio. Focio informou o pontífice romano de sua total conformidade com sua figura, enquanto o imperador alegou que Ignacio havia se aposentado voluntariamente.

Os movimentos dos dois bizantinos, incluindo suborno dos enviados do papa, terminaram em um sínodo que legitimava Focio à frente do patriarcado.

Enquanto isso, Ignacio disse a verdade à hierarquia romana. Nicolau convocou outro sínodo em Lateran, excomungou Focio e devolveu o futuro santo ao seu posto. Obviamente, o imperador não cumpriu a ordem.

A morte do imperador mudou a situação, pois seu sucessor era inimigo de Focio, a quem ele encerra em um mosteiro. Em um concílio, o novo papa Adriano II o excomungou e ordenou que queimasse todos os seus livros.

Depois de um parêntese em que Focio conseguiu recuperar o patriarcado, ele foi preso novamente. Ele morreu nessa situação em 897.

Parecia que sua figura havia caído no esquecimento, mas os próximos ocupantes do patriarcado nunca confiaram totalmente em Roma, tornando-se cada vez mais independente.

Separação final

Os protagonistas do Cisma de Oriente foram Miguel I Cerulario e Leão IX. O primeiro, furiosamente contrário à Igreja Romana, chegou ao Patriarcado de Constantinopla em 1043. O segundo foi o Papa de Roma na época.

Foram os ortodoxos que iniciaram o conflito. Assim, em 1051, ele acusou a Igreja Romana de heresia por usar pão sem fermento na Eucaristia, associando-o ao judaísmo. Depois disso, ele ordenou que todas as igrejas latinas da cidade fossem fechadas, a menos que mudassem para o rito grego.

Além disso, expulsou os monges que apoiavam o papa e recuperou todas as antigas acusações contra Roma.

Três anos depois, em 1054, Leão IX enviou uma delegação a Bizâncio (Constantinopla) para exigir que o patriarca se retraísse, sob ameaça de excomunhão. Ele nem recebeu enviados papais.

A publicação de um escrito chamado Diálogo entre Romano e Constantinopolitano pelos delegados de Roma aumentou ainda mais o antagonismo; nisto eles zombavam dos costumes gregos. Em 16 de julho, eles deixaram o touro de excomunhão em Hagia Sophia e deixaram a cidade.

Miguel I Cerulario queimou o touro em público e proclamou a excomunhão dos delegados do papa. O cisma se materializou.

Causas

Muitos autores tendem a deixar de lado as diferenças religiosas para identificar a principal causa do cisma. Eles argumentam que foi mais uma luta pelo poder, com a obediência a Roma como seu centro.

Assim, no Oriente não havia figura equivalente à do papa. Havia um episcopado do qual todos os bispos faziam parte e pretendiam manter sua independência; mas, além disso, havia várias causas que levaram à ruptura.

Antipatia mútua

Havia um relacionamento muito ruim entre o oriental e o ocidental, cada um com seus próprios costumes e idioma. Os cristãos do Oriente pareciam superior aos do Ocidente e os consideravam contaminados pelos bárbaros que chegaram séculos antes.

Diferenças religiosas

Também houve diferenças nas interpretações religiosas que se expandiram ao longo do tempo. Cada igreja tinha seus próprios santos, bem como um calendário litúrgico diferente.

Havia também a disputa entre quem era o principal chefe da Igreja: Roma ou Constantinopla. Aspectos mais específicos completavam as diferenças, como as acusações dos orientais de que os papas não aceitavam o sacramento da confirmação realizada pelos padres, que os padres latinos cortavam a barba e eram celibatários (não como os orientais) e que usavam Pão sem fermento na missa.

Finalmente, houve um genuíno debate religioso sobre a introdução no credo de Roma da alegação de que o Espírito Santo veio do Pai e do Filho. Os religiosos do Oriente não quiseram reconhecer esta última origem.

Divergências políticas

A herança do Império Romano também foi objeto de disputa. Os ocidentais apoiaram Carlos Magno para restaurar o Império, enquanto os orientais ficaram do lado de seus próprios imperadores bizantinos.

Consequências

Não existe uma única igreja ortodoxa. O mais numeroso é o russo, com cerca de 150 milhões de seguidores. Todas essas igrejas são autônomas, com a capacidade de sua própria decisão.

Hoje, os ortodoxos são a terceira comunidade no cristianismo em número de fiéis, depois de católicos e protestantes. Seu nome deriva precisamente da reivindicação de ser o mais próximo da liturgia original.

Referências

  1. Wikipedia Cláusula Filioque. Obtido em es.wikipedia.org
  2. Molero, Jose Antonio. O cisma do leste e do oeste. Recuperado de gibralfaro.uma.es
  3. Ensaios de fontes católicas. O cisma oriental. Obtido em meta-religion.com
  4. O Grande Cisma Cisma Leste-Oeste. Obtido em greatschism.org
  5. Dennis, George T. 1054 O Cisma Leste-Oeste. Obtido de christianitytoday.com
  6. Theopedia Grande cisma Obtido em theopedia.com
  7. Contribuidores da Enciclopédia do Novo Mundo. Grande cisma Obtido em newworldencyclopedia.org
  8. Orthodoxwiki Grande cisma Obtido em orthodoxwiki.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies