Coala: características, habitat, reprodução, comida

O koala ( phascolarctos cinereus ) é um mamífero phascolarctidae parte da placenta da família. É distribuído para o leste da Austrália, vivendo em florestas onde abundam as plantas de eucalipto, seu principal alimento.

As folhas desta espécie vegetal contêm substâncias tóxicas, além de ser uma fonte de alimento que fornece baixo nível de energia. Devido a essas características, o coala, evolutivamente, desenvolveu adaptações que permitem digerir o referido alimento e, ao mesmo tempo, economizar energia.

Coala: características, habitat, reprodução, comida 1

Coala Fonte: Diliff [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

No aspecto morfológico, possui mandíbula forte e cólon grande, em comparação com o tamanho do corpo. Além disso, possui baixa taxa metabólica e geralmente dorme entre 18 e 20 horas por dia, reduzindo assim o consumo de energia.

O tamanho desse marsupial pode variar entre as populações que vivem no norte e as que habitam o sul da Austrália, sendo esta a maior. Seu corpo é robusto, com um rosto largo e um nariz grande. As orelhas redondas destacam-se da cabeça, de onde saem tufos brancos.

A coloração de sua pelagem pode incluir desde tons de cinza a marrom, na parte superior do tronco. Pelo contrário, a barriga é creme ou branca.

Importância cultural

O coala faz parte da tradição e mitologia dos australianos indígenas. Na cultura Tharawa, os aldeões acreditavam que esse marsupial ajudou a remar o barco que os levou para a Austrália.

Outro mito diz que uma tribo aborígine matou um coala e usou seu intestino longo para construir uma ponte. Graças a isso, pessoas de outras partes do mundo poderiam alcançar seu território.

Existem várias histórias que contam como o coala perdeu a cauda. Um deles diz que o canguru está cortado, para puni-lo por ser ganancioso e preguiçoso.

As tribos que viviam em Victoria e Queensland o consideram um animal com imensa sabedoria, por isso frequentemente procuravam seus conselhos. Segundo a tradição dos povos indígenas de Bidjara, esse animal transformou as terras áridas em florestas luxuriantes.

Os primeiros europeus que colonizaram a Austrália consideravam o coala preguiçoso, com um olhar ameaçador e feroz. No século XX, sua imagem deu uma virada positiva, talvez associada à sua popularidade e à sua inclusão em muitas histórias infantis.

Caracteristicas

Coala: características, habitat, reprodução, comida 2

Vocalizações

Para se comunicar, o Phascolarctos cinereus usa sons diferentes, que variam em tom, intensidade e frequência. O macho adulto emite foles altos, que consistem em uma série de inalações, semelhantes ao ronco, e exalações, semelhantes aos grunhidos.

Devido à baixa frequência, essas vocalizações podem percorrer longas distâncias. Assim, grupos separados podem trocar informações sobre possíveis ameaças ou sobre o período reprodutivo.

Nesse sentido, os machos tendem a rugir especialmente na estação de acasalamento, a atrair fêmeas e a intimidar os machos que tentam se aproximar de seu grupo. Eles também gritam para informar os outros membros da comunidade que eles mudaram para uma nova árvore.

Esses sons são específicos de cada animal, caracterizando-o de maneira a diferenciá-lo do resto do grupo. As fêmeas gritam, rosnam e emitem lamentos quando estão em perigo e precisam se defender.

Os jovens gritam quando têm um problema. À medida que envelhecem, esse som se torna coaxante e é usado para expressar ansiedade e agressividade.

Gestos

Enquanto vocaliza, o coala realiza várias expressões com o rosto. Quando você geme, uiva ou rosna, o marsupial coloca seus ouvidos para frente e dobra o lábio superior.

Pelo contrário, ao gritar, os ouvidos se afastam e os lábios se contraem. As fêmeas, quando alteradas, juntam os lábios e levantam as orelhas.

Tamanho

Coala: características, habitat, reprodução, comida 3

Há uma diferença entre o tamanho dos coalas que vivem no norte da Austrália e os que habitam a região sul. Estes últimos são geralmente os maiores e mais pesados. Nos dois casos, há um dimorfismo sexual muito acentuado, pois os homens são muito maiores que as mulheres.

Assim, no sul, o macho pesa 11,8 kg e mede 78 centímetros, enquanto a fêmea mede 72 centímetros de comprimento, pesando 7,9 kg.

Em relação aos localizados ao norte, o macho atinge uma média de 70 centímetros, com um peso de 6,5 kg. A fêmea tem 69 centímetros de comprimento e pesa cerca de 5 kg.

Casaco de pele

O Phascolarctos cinereus tem um pêlo lanoso e denso. No entanto, quem mora no norte da Austrália pode ser leve e curto. Na área traseira, o cabelo pode ser grosso e mais comprido do que na barriga. Em relação às orelhas, o pêlo é espesso, tanto externa quanto internamente.

Graças a essas características, o pêlo funciona como um protetor de temperaturas extremas, altas e baixas. Além disso, possui um efeito “impermeável”, pois repele a água, impedindo que o animal se molhe na estação chuvosa.

Coloração

A cor também pode variar dependendo da localização geográfica. Quem mora no sul costuma ter tons mais escuros. Em geral, a parte superior do corpo pode variar de cinza a marrom, enquanto a barriga é branca.

A garupa tem manchas brancas e, na borda das orelhas, cabelos compridos da mesma cor. Em relação ao queixo, o lado interno das pernas da frente e o peito são brancos.

Nos homens maduros, destaca-se a glândula que possui no peito, pois possui uma cor marrom. Isso, quando esfregado em uma superfície como a casca de árvores, emite um cheiro desagradável. Assim, o coala tenta assustar outros machos ou possíveis predadores.

Membros

Coala: características, habitat, reprodução, comida 4

Os membros fortes e longos, juntamente com um corpo musculoso e alongado, permitem que o coala suporte seu próprio peso durante a escalada.

A força que tem o Phascolarctos cinereus para escalar árvores provém, em grande parte, da musculatura da coxa. Ele se junta à tíbia em uma área mais baixa do que em outros mamíferos.

Da mesma forma, as pernas traseiras e as pernas anteriores têm um comprimento muito semelhante. Eles apresentam almofadas ásperas e garras afiadas, que facilitam a aderência em galhos e troncos.

Em cada perna há cinco dedos. Nos anteriores, dois deles se opõem ao resto, o que permite ao animal uma aderência mais segura.

Relacionado:  Dimorfismo sexual: o que é, em vertebrados e invertebrados

As patas traseiras não têm dígitos opostos. No entanto, o segundo e o terceiro dedos são fundidos, formando apenas um, mas com duas garras. Isso é usado para limpeza, incluindo a remoção de carrapatos.

Cérebro

A superfície desse órgão é lisa e possui menos dobras do que o restante de seu tipo. Comparado ao peso corporal, o cérebro desse marsupial é relativamente pequeno, pesando 19,2 gramas. Isso pode ser uma adaptação às restrições de energia da sua dieta.

Órgãos sensoriais

O nariz é grande e coberto com pele de couro. Neste animal, o olfato é de extrema importância, pois permite diferenciar o grau de toxina nas folhas de eucalipto. Além disso, você também pode sentir o cheiro das marcas deixadas por outros coalas nas árvores.

Os especialistas argumentam que, desde o nascimento, essa espécie já tem um forte olfato. Assim, o recém-nascido pode ser guiado pelo cheiro do leite materno e chegar ao saco mamário.

Seus ouvidos são redondos e grandes, o que o ajuda a capturar sons distantes. Assim, você pode se comunicar com outras populações que estão distantes.

Os olhos são pequenos e têm as pupilas na vertical, ao contrário do resto dos marsupiais, que os têm na horizontal. A visão de Phascolarctos cinereus não é muito desenvolvida.

Os coalas têm uma estrutura especial no aparelho de som, localizado no palato mole. É conhecido como cordas vocais velares. Eles emitem sons de tom baixo, imperceptíveis ao ouvido humano.

Dentição

A dentição desta espécie consiste em incisivos e vários dentes da face. Estes são um pré-molar e quatro molares, que são separados um do outro. Os molares esmagam as folhas fibrosas de eucalipto em pequenas partículas.

Isso é benéfico para a digestão estomacal e a absorção intestinal, que são mais eficientes.

Cauda

O coala não possui cauda externa visível, ao contrário dos outros marsupiais arbóreos. No entanto, em seu sistema esquelético, existem vértebras associadas a uma cauda. Dessa forma, supõe-se que, em algum momento de sua evolução, o coala tenha uma cauda visível.

Marsupio

O marsupium é um saco de pele, geralmente localizado no nível abdominal. Cobre os seios e tem a função de incubar e amamentar o recém-nascido, pois nesta fase de sua vida é muito subdesenvolvido.

No coala, esta bolsa é orientada para trás. No entanto, os jovens não caem enquanto a mãe sobe nas árvores. Isso ocorre devido ao músculo esfincteriano que está na abertura da bolsa, que fecha ao subir. Dessa maneira, os jovens são protegidos.

Leite

Nos mamíferos, a produção de leite é um aspecto muito importante. O coala tem um curto período de gestação, mas, no entanto, o estágio de lactação é bastante longo.

Como, no nascimento, os filhotes não têm capacidade de lidar com agentes infecciosos, eles dependem do leite materno para desenvolver uma proteção imunológica adequada.

Alguns pesquisadores realizaram um teste de leite, identificando algumas proteínas, como lactotransferrina, imunoglobulinas e β-lactoglobulina. Além disso, este líquido possui vários peptídeos antimicrobianos.

Também foram identificadas algumas seqüências correspondentes aos retrovírus, identificando a possível transmissão delas, da mãe para a prole.

Origem evolutiva

Coala: características, habitat, reprodução, comida 5

Nas últimas décadas, um grande número de fósseis foi descoberto, representando cerca de 18 espécies extintas. Isso pode indicar que no passado os coalas existiam abundantemente.

A dentadura desses registros sugere que sua dieta era semelhante à das espécies modernas. Além disso, como os marsupiais atuais, eles desenvolveram estruturas auditivas. Isso pode estar associado ao uso de vocalizações para se comunicar.

Abundância e extinções

Durante os tempos do Oligoceno e Mioceno, os coalas viviam em florestas tropicais e sua dieta era pouco especializada. De acordo com o clima secou, ​​em torno do Mioceno, as florestas tropicais estavam diminuindo, permitindo a expansão das florestas de eucalipto.

Graças a isso, os marsupiais puderam se expandir e sua população aumentou. Uma tendência contínua à seca poderia criar um efeito oposto, fazendo com que algumas espécies desaparecessem, como aconteceu no sudoeste da Austrália Ocidental, durante o final do Pleistoceno.

Outra hipótese sobre as extinções do Phascolarctos cinereus coincide com a chegada de humanos na Austrália, que caçavam e alteravam o habitat natural do animal.

Embora essas teorias possam ser difíceis de provar, é altamente provável que as variações climáticas e a atividade do homem tenham afetado, no período inicial, a distribuição do coala.

Ramificações

Os ancestrais dos Vombatiformes, subordem aos quais o coala pertence, eram provavelmente animais arbóreos. Desse grupo, a linhagem de coalas foi possivelmente a primeira que se separou, cerca de 40 milhões de anos atrás, no Eoceno.

Quanto ao gênero Phascolarctos, ele foi dividido a partir do Litokoala durante o final do Mioceno. Naquela época, os membros desse clado sofreram várias adaptações, o que facilitou a convivência com uma dieta baseada em eucalipto.

Entre as especializações está a do palato, que se deslocava em direção à área frontal do crânio. Além disso, os pré-molares e molares aumentaram e a distância entre os incisivos e os molares aumentou.

Alguns pesquisadores sugerem que Phascolarctos cinereus pode ter surgido como uma espécie menor de P. stirtoni. Isso pode se basear no fato de que no final do Pleistoceno alguns mamíferos grandes reduziram seu tamanho.

No entanto, estudos recentes questionam essa hipótese. Isso ocorre porque consideram que P. stirtoni e P. cinereus eram simpáticos no Pleistoceno médio e tardio, e possivelmente no Plioceno.

Variações

Tradicionalmente, a existência de subespécie P. c. Adustus , P. c. Cinereus e P. c. Victor . Entre estes, existem diferenças na espessura e cor da pelagem, nas características ósseas do crânio e no tamanho. No entanto, sua classificação como subespécie está em discussão.

Estudos genéticos sugerem que essas variações estão associadas a populações diferenciadas, com um fluxo genético limitado entre elas. Além disso, os resultados sugerem que as subespécies formam uma única unidade, de importância evolutiva.

Outras pesquisas sugerem que as populações desse marsupial têm baixa variação genética e alto nível de endogamia. A baixa diversidade no nível genético poderia estar presente nesses grupos desde o final do Pleistoceno.

Relacionado:  Pinus cembroides: características, habitat, usos e doenças

Da mesma forma, algumas barreiras, como rios, estradas ou cidades, podem limitar o fluxo genético, contribuindo para a diferenciação genética.

Habitat e distribuição

Coala: características, habitat, reprodução, comida 6

O coala é amplamente distribuído na Austrália, especialmente no leste do país. Sua abrangência geográfica abrange cerca de 1.000.000 km2 e 30 ecorregiões. Assim, estende-se para o nordeste, sudeste e centro de Queensland, na região leste do estado New South Wales, em Victoria e sudeste do sul da Austrália. Não é encontrado na Tasmânia ou na Austrália Ocidental.

Esta espécie foi introduzida perto da cidade costeira de Adelaide e em várias ilhas, como a Ilha Francesa, Phillip e Canguru. Também foi introduzido na região de Adelaide. Aqueles que habitam a Ilha Magnética representam o limite norte de sua distribuição.

Em Queensland, os Phascolarctos cinereus estão espalhados, sendo numerosos ao sudeste do estado. Em Nova Gales do Sul, eles vivem apenas em Pilliga, enquanto em Victoria vivem em quase todas as regiões.

Em relação ao sul da Austrália, em 1920, eles foram extintos, sendo posteriormente reintroduzidos nesse território.

Habitat

O habitat do coala é muito amplo. Pode variar de florestas abertas a regiões ribeirinhas, que oferecem refúgio em períodos de extremo calor e seca. Também é encontrado em climas temperados, tropicais e semi-áridos.

Phascolarctos cinereus é um mamífero arbóreo, que prefere florestas dominadas por Eucalyptus spp . Nas regiões semiáridas, ocupa florestas ripárias. Em outros lugares, seu habitat é geralmente associado à fertilidade do solo e à qualidade da folhagem, em termos de conteúdo nutricional.

Embora o coala tenha uma dieta especializada em eucalipto, ele pode ocasionalmente ingerir as folhas de outros gêneros, especialmente o Myrtaceus.

Classificação e abundância

Esta espécie é geralmente mais abundante nas florestas do sul do que nas regiões do norte. Assim, na ilha, em Victoria, 600 desses marsupiais podem ser habitados por km2, enquanto no sudeste de Queensland existem 40 animais por km2. Essa variação pode ser condicionada pela disponibilidade de alimentos.

O tamanho correspondente à faixa da família pode variar, pois depende da produt
vidade e da estrutura da floresta. Além disso, os homens geralmente têm uma gama mais ampla que as mulheres.

Por exemplo, nas florestas costeiras de Nova Gales do Sul, a média foi de 10 ha para mulheres e 20 ha para homens. Em Queensland, a gama de agregados familiares no sexo feminino é de 100 ha e 135 ha no sexo masculino.

Atualmente, apesar da grande capacidade de o coala se adaptar a diferentes ecossistemas, essa espécie é restrita a determinadas áreas. Isso se deve à perda de seu habitat natural, o que também implica a existência de populações isoladas.

Perigo de extinção

Coala: características, habitat, reprodução, comida 7

Anos atrás, o coala foi classificado pela IUCN como uma espécie de preocupação menor. No entanto, desde 2016, faz parte do grupo vulnerável à extinção.

Em 2012, o governo australiano classificou as populações de Nova Gales do Sul e de Queensland e Nova Gales do Sul como um grupo em risco de extinção.

Embora em algumas regiões da Austrália as populações de Phascolarctos cinereus sejam estáveis ​​ou com um ligeiro crescimento, em geral seu número está diminuindo.

Causas

Uma das principais ameaças antropogênicas é a destruição do habitat. Nas regiões costeiras, essas modificações devem-se principalmente à construção de centros urbanos. Quanto às áreas rurais, a terra é usada para fins agrícolas.

Embora os assentamentos do homem representem um fator que fragmenta o ecossistema Koala, eles também podem servir como lar, desde que tenham árvores suficientes.

No entanto, surgem outras vulnerabilidades: ataques de animais domésticos, como cães, e o enrolamento de animais por veículos. Isto é acompanhado pela infecção por clamídia, que muitas vezes causa infertilidade nas mulheres.

Em alguns desses casos, os marsupiais são levados aos centros veterinários para recuperação, após o que devem ser reintroduzidos em seu ambiente natural. Na Austrália e no mundo, é ilegal manter uma espécie nativa como animal de estimação.

Da mesma forma, o habitat é afetado pelo corte de árvores, para fins comerciais e por incêndios florestais. Outro aspecto influente são as mudanças climáticas, que causam grandes secas, alterando o ciclo ecológico natural do bioma.

Acções

Existem inúmeros planos voltados para a prevenção da extinção do coala. Da mesma forma, outros buscam aumentar o número de espécies em algumas regiões. Na Austrália, ambas as abordagens estão legalmente enquadradas em várias leis, entre as quais a Lei de Conservação de Espécies Ameaçadas.

Algumas das ações incluem a reintrodução, ocorrida no estado de Victoria, e a introdução de coalas em regiões do sul da Austrália. Da mesma forma, são feitas recomendações para o manejo da terra, monitoramento de espécies, investigação e controle localizado de ameaças.

Um dos primeiros esforços foi o Santuário de Coalas de Lone Pine, localizado em Brisbane e em Sydney. Neste último, pela primeira vez, houve sucesso no melhoramento de Phascolarctos cinereus .

Taxonomia

– Reino animal.

– Subreino Bilateria.

– Filum Cordado.

– Subfilme de vertebrados.

– Superclasse de Tetrapoda.

– classe de mamíferos.

– subclasse Theria.

– Ordem Diprotodontia.

– subordem vombatiforme.

– Família Phascolarctidae.

– Gênero Phascolarctos.

– Espécie Phascolarctos cinereus.

Reprodução

A fêmea do Phascolarctos cinereus atinge a maturidade sexual em torno de dois ou três anos. O macho é fértil aos dois anos, mas geralmente começa a acasalar aos quatro. Isso ocorre porque a competição por uma mulher exige um tamanho muito maior que isso.

Como na grande maioria dos marsupiais, o macho possui um pênis bifurcado, em cuja bainha contém algumas bactérias naturais. Estes têm um papel importante no processo de fertilização.

A fêmea tem 2 úteros separados e 2 vaginas laterais. Além disso, no marsupium, possui duas tetas, com as quais amamenta os jovens.

Relacionado:  Quais são os ramos da genética?

As fêmeas são caracterizadas por ser poliéster sazonal, cujo ciclo estral pode durar entre 27 e 30 dias. Geralmente, sua reprodução é anual e geralmente ocorre nos meses de outono e verão. No entanto, pode haver variações relacionadas à abundância de alimentos.

Namoro

Quando a fêmea está no cio, ela mantém a cabeça erguida, mais do que o normal, e seu corpo geralmente mostra tremores. No entanto, às vezes os machos não reconhecem esses sinais e procuram copular com outras pessoas que não estão no calor.

Os machos emitem vocalizações para atrair as fêmeas. Geralmente, são foles curtos e agudos, seguidos de inalações.

Como o macho é maior, pode subjugar a fêmea por trás, fazendo com que ela caia no chão. A fêmea pode lutar e gritar contra os machos, embora tenda a se inclinar para os mais dominantes.

Esta situação atrai outros homens, o que leva a brigas entre eles. Essas brigas permitem que a fêmea escolha com quem se acasalar. Levando em consideração que cada macho tem seu próprio fole, a fêmea pode localizá-lo facilmente dentro do grupo.

Reprodução

Coala: características, habitat, reprodução, comida 8

Após 25 a 35 dias, durante a gravidez, a fêmea dá à luz um bebê, embora ocasionalmente possa ter gêmeos. O jovem nasce sem ter completado seu estágio embrionário, pesando cerca de 0,5 gramas.

No entanto, o recém-nascido tem lábios e membros. Além disso, os sistemas urinário, respiratório e digestivo são ativos. No nascimento, o bebê vai até a bolsa, aderindo imediatamente a um mamilo. Lá fica 6 a 8 meses, se desenvolvendo e crescendo.

Por volta do sexto mês, a mãe começa a preparar o jovem para sua dieta à base de eucalipto. Para isso, predigesta as folhas e produz um mingau fecal, que o jovem come da cloaca.

Coala: características, habitat, reprodução, comida 9

Este material tem uma composição diferente das fezes, semelhante à dos cegos, com uma abundância de bactérias. Este alimento, fornecido pela mãe, fornece ao jovem uma fonte complementar de proteína.

Quando sai da bolsa, o bezerro pesa entre 300 e 500 gramas. Ele começa a comer folhas e fica nas costas da mãe, que o leva até os cerca de um ano de idade. Após esse período, o coala se torna independente e se afasta da mãe.

Alimento

Coala: características, habitat, reprodução, comida 10

O coala se alimenta quase exclusivamente de folhas de eucalipto, uma espécie de planta muito abundante na Austrália. Embora existam mais de 600 espécies, esses marsupiais comem cerca de 20 variedades. Alguns deles são Eucalyptus viminalis, E. camaldulensis, E. ovata, E. punctata e E. tereticornis.

No entanto, eles também podem consumir folhas de outros gêneros, como Callitris, Acacia, Leptospermum, Allocasuarina e Melaleuca.

As folhas de eucalipto são difíceis de digerir, com pouca proteína e tóxicas para a maioria dos organismos. O principal benefício concedido pelo eucalipto a Phascolarctos cinereus é que não há competição de alimentos com outras espécies. No entanto, este mamífero, evolutivamente, teve que fazer várias adaptações para consumi-los.

Adaptações

Seu estômago contém bactérias capazes de metabolizar as toxinas das folhas. Estes produzem o citocromo P450, que atua sobre a substância tóxica, quebrando-a no fígado.

Da mesma forma, graças à sua mandíbula poderosa e dentes estriados, eles podem cortar as folhas em pedaços muito pequenos, iniciando o processo digestivo. Além disso, o coala é um fermentador intestinal posterior e possui uma grande cortina, proporcionalmente ao seu corpo.

Isso permite que você retenha e fermente seletivamente parte de sua comida. Também facilita a ação de bactérias simbióticas, na degradação de taninos e outros elementos tóxicos que abundam no eucalipto.

Além disso, o marsupial tem uma baixa taxa metabólica, pois dorme cerca de 18 horas por dia e seu cérebro é pequeno. Tudo isso economiza energia, conservando-a.

Uma maneira de preservar a água é que suas fezes estão relativamente secas e você pode armazenar muita água às cegas.

Comportamento

Os coalas são animais arbóreos e têm hábitos noturnos. Eles descem das árvores quase exclusivamente para mudar para outra árvore. Além disso, uma vez no chão, eles lambem para pegar partículas e consumi-las. Isso contribuirá para o processo de esmagamento da folha de eucalipto dura e fibrosa.

Eles são solitários, exceto na estação reprodutiva, onde o macho pode formar um pequeno harém. O coala preferem para evitar qualquer comportamento agressivo, porque eles perdem energia. No entanto, eles geralmente têm alguns comportamentos agonistas.

Às vezes, entre os homens, eles podem perseguir, morder e lutar entre si. Mesmo alguns deles podem tentar deslocar o rival da árvore. Para isso, você pode pegá-lo pelos ombros e mordê-lo várias vezes. Quando o animal é expulso, o vencedor geme e marca a árvore com seu cheiro.

Com relação à regulação da temperatura corporal, esses marsupiais fazem alterações em suas posturas. Por exemplo, em dias quentes, eles estendem seus membros, que ficam pendurados nas laterais do galho.

Pelo contrário, quando o tempo está frio, úmido ou ventoso, os coalas cruzam os braços contra o peito e esticam as pernas contra a barriga.

Referências

  1. Emma Hermes, Crystal Ziegler (2019). Phascolarctos cinereus
  2. Recuperado de bioweb.uwlax.edu.
  3. Zoológico de San Diego Global (2019). Coala (Phascolarctos cinereus). Recuperado de ielc.libguides.com.
  4. Fundação Koala Australiana (2019). Características físicas do Koala. Recuperado desavethekoala.com.
  5. Gabrielle Bobek, Elizabeth M. Deane (2001). Possíveis compostos antimicrobianos da bolsa do coala, Phascolarctos cinereus Recuperado em link.springer.com.
  6. Encycloapedia Britannica (2019). Coala Recuperado de Britannica.com.
  7. Edge (2019). Coala (Phascolarctos cinereus). Recuperado de edgeofexistence.org.
  8. Woinarski, J., Burbidge, AA (2016) Phascolarctos cinereus. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas em 2016. Recuperada em iucnredlist.org.
  9. Wikipedia (2019). Koala, recuperado de en.wikipedia.org.
  10. Dubuc, J., D. Eckroad (1999). (Phascolarctos cinereus). Diversidade Animal Web. Recuperado de animaldiversity.org.
  11. Hill, MA (2019). Desenvolvimento de Coala de Embriologia. Recuperado de embryology.med.unsw.edu.au.
  12. (2019). Phascolarctos cinereus. Recuperado de itis.gov.
  13. Anja Divljan, Mark Eldridge, Ramy Moussa (2014). Ficha técnica do Koala (Phascolarctos cinereus). Museu Australiano Recuperado de edia.australianmuseum.net.au.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies