Coccidioides immitis: características, morfologia, patologia

Coccidioides immitis é um fungo patogênico que causa a coccidioidomicose, uma infecção fúngica sistêmica também conhecida como febre do deserto ou doença de San Joaquin. Este fungo é encontrado principalmente em regiões áridas e semiáridas, como o sudoeste dos Estados Unidos, México e América do Sul.

A morfologia de Coccidioides immitis é caracterizada por esporos miceliais que se desenvolvem no solo e se tornam dispersos no ar quando o solo é perturbado. Após serem inalados, os esporos se transformam em células esféricas ou ovaladas, chamadas de endósporos, que se reproduzem no pulmão do hospedeiro.

A patologia associada à infecção por Coccidioides immitis pode variar de uma forma leve de pneumonia a uma forma mais grave de disseminação sistêmica, afetando órgãos como pulmões, pele, ossos e sistema nervoso central. O diagnóstico da coccidioidomicose pode ser desafiador devido à sua sintomatologia inespecífica e à semelhança com outras infecções pulmonares.

O tratamento da coccidioidomicose geralmente envolve o uso de antifúngicos e a gestão dos sintomas associados à infecção. A prevenção da infecção por Coccidioides immitis envolve evitar áreas onde o fungo é encontrado em grande quantidade e adotar medidas de proteção respiratória adequadas.

Principais características do exame direto da coccidioidomicose: o que observar?

O exame direto da coccidioidomicose é uma ferramenta importante para o diagnóstico dessa doença fúngica causada pelo Coccidioides immitis. Ao realizar o exame direto de tecidos ou secreções, é crucial observar a presença de estruturas características do fungo.

As principais características a serem observadas incluem a presença de artroconídios, que são estruturas de reprodução do fungo. Os artroconídios são pequenos, em forma de barril e possuem septos transversais. Além disso, é importante observar a presença de hifas septadas e esféricas, que são características do Coccidioides immitis.

No exame direto, também é possível observar a presença de endosporos, que são estruturas de resistência do fungo. Os endosporos são esféricos e podem ser encontrados dentro de estruturas fúngicas como os esférulas.

Em resumo, ao realizar o exame direto da coccidioidomicose, é fundamental observar a presença de artroconídios, hifas septadas e esféricas, e endosporos. Essas características são essenciais para o diagnóstico correto da infecção causada pelo Coccidioides immitis.

Sintomas da paracoccidioidomicose: o que é preciso saber sobre essa doença fúngica?

A paracoccidioidomicose é uma doença fúngica causada pelo fungo Coccidioides immitis. Os sintomas dessa doença podem variar de acordo com a gravidade da infecção. Alguns dos sintomas mais comuns incluem febre, tosse, falta de ar, dor no peito e perda de peso.

O Coccidioides immitis é um fungo dimórfico que pode ser encontrado no solo de regiões áridas e semiáridas. Ele se apresenta na forma de hifas no ambiente e na forma de esporos no organismo humano.

Quando inalado, o Coccidioides immitis pode causar uma infecção nos pulmões, levando à paracoccidioidomicose. A doença pode se espalhar para outros órgãos do corpo, causando sintomas mais graves.

Além dos sintomas mencionados, a paracoccidioidomicose também pode causar lesões na pele, mucosas e órgãos internos. O diagnóstico dessa doença pode ser feito por meio de exames de sangue, cultura de tecidos ou biópsia de lesões.

O tratamento da paracoccidioidomicose geralmente envolve o uso de antifúngicos, como a itraconazol, por um longo período de tempo. Em casos mais graves, pode ser necessária a realização de cirurgias para remover lesões causadas pelo fungo.

Portanto, é importante estar atento aos sintomas da paracoccidioidomicose e buscar ajuda médica caso haja suspeita de infecção por Coccidioides immitis. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para o controle dessa doença fúngica.

Entenda sobre a paracoccidioidomicose pulmonar, uma doença fúngica que afeta os pulmões.

A paracoccidioidomicose pulmonar é uma doença fúngica causada pelo fungo Coccidioides immitis. Este fungo possui características únicas que o tornam um agente patogênico capaz de infectar os pulmões e causar sintomas graves nos pacientes.

Relacionado:  O que é homoplasia? (Com exemplos)

O Coccidioides immitis é um fungo dimórfico, o que significa que pode se apresentar de duas formas diferentes: como micélio no ambiente e como levedura no organismo humano. Ele possui uma morfologia característica, com estruturas microscópicas que facilitam sua identificação em amostras clínicas.

Quando o Coccidioides immitis entra no organismo humano, ele pode causar uma infecção pulmonar grave conhecida como paracoccidioidomicose. Esta doença pode apresentar sintomas como tosse, febre, falta de ar e dor no peito. Em casos mais graves, a infecção fúngica pode se disseminar para outros órgãos, levando a complicações sérias.

Portanto, é importante estar atento aos sintomas da paracoccidioidomicose pulmonar e buscar ajuda médica caso haja suspeita de infecção por Coccidioides immitis. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais para o controle da doença e a recuperação do paciente.

Tratamento eficaz para a blastomicose: saiba mais sobre como combater essa infecção fúngica.

A blastomicose é uma infecção fúngica causada pelo fungo Coccidioides immitis, que é encontrado em regiões áridas e semiáridas. Este fungo é conhecido por causar uma doença grave em humanos e animais, podendo levar a complicações sérias se não for tratado adequadamente.

O Coccidioides immitis possui características únicas que o tornam um patógeno perigoso. Sua morfologia inclui esporos que são inalados e podem se alojar nos pulmões, levando à infecção. A patologia da blastomicose inclui sintomas como febre, tosse, dor no peito e dificuldade para respirar, podendo evoluir para formas mais graves se não for tratada a tempo.

O tratamento eficaz para a blastomicose envolve o uso de antifúngicos específicos, como a anfotericina B e o fluconazol. Estes medicamentos são prescritos por um médico e devem ser tomados conforme as orientações para combater a infecção fúngica causada pelo Coccidioides immitis.

É importante procurar ajuda médica assim que os sintomas da blastomicose forem detectados, para que o tratamento adequado possa ser iniciado. Com o tratamento correto e o acompanhamento médico adequado, é possível combater eficazmente essa infecção fúngica e evitar complicações graves.

Coccidioides immitis: características, morfologia, patologia

Coccidioides immitis é um fungo patogênico dimórfico, que causa uma infecção respiratória superior chamada coccidioidomicose. Esta doença pode ocorrer sintomática benigna ou moderadamente grave assintomática. Raramente se torna uma micose disseminada mortal.

O fungo prolifera em solos alcalinos a temperaturas extremas. Portanto, seu habitat é descrito como um ambiente quente (54 ° C) e semi-árido (desertos com vegetação xerófila). É muito tolerante a uma ampla variedade de concentrações de sal, incluindo aquelas que contêm boro.

Coccidioides immitis: características, morfologia, patologia 1

Coccidioides immitis tecido esférico.

C. immitis é encontrada em áreas endêmicas no sudoeste dos Estados Unidos e no norte do México. Existem também alguns focos endêmicos na América Central, Venezuela, Colômbia, Paraguai e Argentina.

Coccidioides immitis é espalhado por poeira suspensa no ar e seus esporos (artroconídios) são naturalmente distribuídos graças a tempestades de ar, ao remover a terra ou em escavações. Esses movimentos causam epidemias.

O fungo está concentrado nas entradas de tocas de roedores, mas não foi possível verificar se existe um reservatório animal. A doença pode afetar humanos e alguns animais.

A doença da coccidioidomicose possui uma variedade de nomes alternativos, incluindo doença de estalagem, granuloma coccidioide, febre do vale, reumatismo no deserto, Chichón del Valle e doença da Califórnia.

Caracteristicas

Desde a infância até a puberdade, não há diferenças na taxa de aquisição da doença de acordo com o sexo. No entanto, na idade adulta, os homens são mais suscetíveis que as mulheres, exceto as gestantes que apresentam o mesmo risco que os homens. Obviamente, a resistência à infecção em mulheres está ligada a fatores hormonais.

Da mesma forma, a raça também influencia a doença, sendo os brancos os menos suscetíveis, índios e mestiços com risco moderado e os negros os mais afetados pela doença, principalmente em casos disseminados.

Relacionado:  Os 4 moluscos marinhos mais comuns do Peru

Embora Coccidioides immitis seja considerado o fungo mais virulento de todos os agentes etiológicos das micoses humanas, apenas 1% das infecções primárias se desenvolvem em doenças graves e a disseminação é 10 vezes mais provável na raça negra.

Evidentemente, a infecção está condicionada à exposição do fungo e à quantidade do inóculo, e o risco aumenta em agricultores, construtores, arqueólogos, entre outras ocupações.

Na grande maioria dos pacientes, a doença primária é seguida pela recuperação (sem tratamento) e pelo desenvolvimento de uma imunidade específica capaz de proteger contra a reinfecção.

As pessoas que desenvolvem infecção disseminada são geralmente as que apresentam deficiência no sistema imunológico genético ou transitório.

Taxonomia

Reino: Fungos

Divisão: Ascomycota

Classe: Eurotiomycete

Ordem: Onygenales

Família: Onygenaceae

Gênero: Coccidioides

Espécie: immitis

Morfologia

Como Coccidioides immitis é um fungo dimórfico, apresenta duas morfologias. Um saprófito e o outro parasitário.

Na sua forma saprófita (infecciosa), é encontrado como um micélio, que septou hifas , consistindo em cadeias de artrósporos ou artroconídios de forma retangular, elipsoidal, em forma de barril, com paredes espessas de 2,5 x 3-4 µ de diâmetro

Na sua forma parasitária, é apresentado como uma esférula de paredes espessas de 20 a 60 µ de diâmetro, preenchida com um grande número de pequenos endosporos de 2-5 µ de diâmetro.

Quando essas esférulas são quebradas, eles liberam os endosporos (200 a 300) que podem desenvolver novas esférulas.

Após 3 dias semeando uma amostra de tecido infectado, você pode ver colônias úmidas, glabras ou não peludas, depois são peludas e, mais tarde, francamente de algodão, cinza-branco ou amarelado.

Histopatologia

Nos tecidos infectados, existem três tipos de reações: purulenta, granulomatosa e mista.

A reação purulenta ocorre no início ao redor dos conídios inalados ou no momento da ruptura da esférula e liberação dos endosporos.

A reação granulomatosa ocorre ao redor da esférula em desenvolvimento. O granuloma contém linfócitos, células plasmáticas, monócitos, histiócitos, células epitelioides e células gigantes.

Essas lesões mostram fibrose, caseificação e calcificação.Posteriormente, nas lesões em que os microrganismos estão crescendo e se reproduzindo, ocorre a reação mista.

Patologia

A doença ocorre após a inalação de poeira contendo artroconídios. A partir daí, a doença pode ocorrer de duas maneiras.

O primeiro, assintomático ou moderadamente grave, que termina com uma remissão completa da infecção e com o desenvolvimento de imunidade permanente.

A segunda é a forma rara, onde a doença progride, se torna crônica ou se espalha, sendo fatal.

-Cococidioidomicose primária

Doença pulmonar assintomática

Não há sintomas, cicatriz residual ou lesão pulmonar, apenas o teste intradérmico de coccidioidina é positivo, indicando que houve infecção.

Doença pulmonar sintomática

A intensidade da patologia dependerá do número de conídios inalados. Poucos conídios causam doenças leves e breves, enquanto um inóculo alto pode causar insuficiência respiratória aguda. Em outras ocasiões, manifesta-se com eritema tóxico, artralgia, episclerite etc.

O período de incubação é de 10 a 16 dias de incubação. Após esse período, os pacientes podem apresentar os seguintes sinais e sintomas em diferentes graus: febre, dor torácica ou pleurítica intensa, dificuldade respiratória, anorexia, tosse não produtiva a princípio e depois produtivas com expectoração branca e estrias no sangue.

-Doença cutânea primária

É muito raro, causado pela inoculação acidental do fungo na pele (picada com espinhos de cactos). A lesão apresenta-se como um câncer, com adenite regional, rendendo sem novidade em poucas semanas.

-Cocidioidomicose secundária

Doença pulmonar crônica

Se a doença primária não desaparecer, após a sexta a oitava semana se desenvolverão manifestações secundárias ou persistentes, podendo apresentar-se de duas maneiras:

  • Doença pulmonar crônica benigna : uma companhia de lesões cavitárias e nodulares.A resolução desta forma clínica é acompanhada por fibrose, bronquiectasia e calcificação.
  • Doença pulmonar progressiva : Esta doença terminará em pneumonia persistente, pneumonia progressiva ou coccidioidomicose miliar.Os endosporos passam dos pulmões para o sangue e se espalham hematogênicamente por todo o corpo.
Relacionado:  Soluções hipotônicas, isotônicas e hipertônicas (exemplos)

As lesões cutâneas secundárias são variadas. Eles aparecem como: pápulas, nódulos, verrugas, vegetais, pústulas, úlceras. Eles podem ser únicos ou múltiplos.

Eles também podem se apresentar como eritema nodoso, erupção cutânea aguda (“tóxica”), eritema morbiforme, dermatite granulomatosa intersticial e síndrome de Sweet (dermatose neutrofílica febril).

O fungo também pode atingir ossos, articulações, meninges e vísceras.Esse tipo de coccidioidomicose é fatal, causando a morte do indivíduo em alguns meses a um ano.

Outros efeitos resultantes da coccidioidomicose residual crônica são doenças cavitárias e coccidioidoma.

Coccidioides immitis: características, morfologia, patologia 2

Diagnóstico

Amostras

Escarro, exsudatos, biópsias, LCR.

Exame direto

É realizado com a intenção de encontrar esférulas com endosporos típicos da coccidioidomicose. Essas estruturas podem ser observadas em seções de tecido coradas com hematoxilina e eosina, PAS, coloração Gomori, metanamina, nitrato de prata ou fluoreto de cálcio.

Cultivo

As amostras são semeadas em ágar sabouraud ou Mycosel, incubando a 25-30 ° C por 7 dias. Recomenda-se semear em tubos com ágar inclinado e não em placa de Petri.

Para observação microscópica, é necessário passá-lo previamente por formalina, para evitar contaminação acidental.Se forem necessárias subculturas, elas devem estar sob um capuz de segurança.

Sorologia

A fixação do complemento e a reação de precipitação podem ser utilizadas. Valor diagnóstico e prognóstico.

Teste de pele

A reação intradermorramenta da coccidioidina indica se o indivíduo esteve em contato com o fungo. Valor epidemiológico

Tratamento

Embora em pacientes imunocompetentes primários a infecção pulmonar primária seja geralmente autolimitada, ela pode ser tratada com itraconazol ou fluconazol na dose de 400 mg por dia, por 3 a 6 meses.

Em pacientes imunossuprimidos, os mesmos medicamentos são usados, mas por 4 a 12 meses.

Nos casos de infecção pulmonar crônica, o fluconazol ou itraconazol é usado em doses de 400 mg por dia, durante 12 a 18 meses ou mais. O voriconazol também deu excelentes resultados.

A anfotericina B é indicada para mulheres grávidas.

As formas meníngeas disseminadas de coccidioidomicose requerem um tratamento vitalício com fluconazol 400 mg por dia.

Além da terapia antifúngica, em alguns casos é indicado o desbridamento cirúrgico dos abscessos.

Referências

  1. Contribuidores da Wikipedia. Coccidioides immitis. Wikipedia, A Enciclopédia Livre. 29 de junho de 2018 07:29 UTC. Disponível em: en.wikipedia.org
  2. Castañon L. Coccidioidomicose. Universidade Nacional Autônoma do México. Departamento de Microbiologia e Parasitologia. Disponível em: facmed.unam.mx
  3. Brown J, Benedict K, Park BJ, Thompson GR. Coccidioidomicose: epidemiologia.Clin Epidemiol . 2013; 5: 185-97. Publicado em 25 de junho de 2013. doi: 10.2147 / CLEP.S34434
  4. García García SC, Salas Alanis JC, Flores MG, González González SE, Vera Cabrera L, Ocampo Candiani J. Coccidioidomicose e a pele: uma revisão abrangente.An Bras Dermatol . 2015; 90 (5): 610-9.
  5. Wang CY, Jerng JS, Ko JC, et al. Coccidioidomicose disseminada.Emerg Infect Dis . 2005; 11 (1): 177-9.
  6. Ryan KJ, Ray C. Sherris .Microbiologia Médica, 6ª edição McGraw-Hill, Nova York, EUA; 2010
  7. Koneman E, Allen S, Janda W, Schreckenberger P, Winn W. (2004). Diagnóstico microbiológico (5ª ed.). Argentina, Editorial Panamericana SA
  8. Forbes B, Sahm D, Weissfeld A. Diagnóstico microbiológico de Bailey & Scott. 12 ed. Argentina Editorial Panamericana SA; 2009
  9. Casas-Rincón G. Micologia Geral. 1994. 2ª Ed. Universidade Central da Venezuela, edições da Biblioteca. Venezuela, Caracas
  10. Arenas R. Micologia Médica Ilustrada. 2014. 5º Ed. Mc Graw Hill, 5º México.
  11. González M, González N. Manual de Microbiologia Médica. 2ª edição, Venezuela: Gerenciamento de mídia e publicações da Universidade de Carabobo; 2011

Deixe um comentário