Cochonilha: características, nutrição, respiração, reprodução

A cochonilha é um inseto da ordem Hemiptera, conhecido por sua capacidade de se alimentar da seiva de plantas e, consequentemente, causar danos a cultivos agrícolas e plantas ornamentais. Este inseto apresenta características distintivas, como o corpo coberto por uma substância cerosa branca ou avermelhada, que o protege de predadores e condições ambientais adversas.

Em relação à sua nutrição, a cochonilha se alimenta exclusivamente da seiva de plantas, utilizando um aparelho bucal sugador para extrair os nutrientes necessários para sua sobrevivência. Já no que diz respeito à respiração, este inseto realiza trocas gasosas através de estruturas especializadas conhecidas como espiráculos, localizadas ao longo de seu corpo.

No que se refere à reprodução, a cochonilha pode se reproduzir de forma sexuada ou assexuada, dependendo das condições ambientais e da disponibilidade de parceiros reprodutivos. Em condições favoráveis, as fêmeas podem produzir uma grande quantidade de ovos, que darão origem a novos indivíduos que se dispersarão em busca de novas plantas hospedeiras para se alimentar.

Processo de reprodução da cochonilha: entenda como ocorre o ciclo reprodutivo desse inseto.

A cochonilha é um inseto que pertence à ordem dos Hemiptera e à família dos Diaspididae. Caracterizada por seu pequeno tamanho e formato oval, a cochonilha se alimenta da seiva das plantas, podendo causar danos significativos à agricultura.

Quanto à nutrição, a cochonilha possui um aparelho bucal do tipo estilete, que lhe permite perfurar os tecidos das plantas para se alimentar de sua seiva. Esse processo de alimentação pode enfraquecer as plantas hospedeiras e levá-las à morte.

A respiração da cochonilha ocorre através de pequenos poros localizados em seu corpo, por onde o inseto absorve o oxigênio necessário para sua sobrevivência.

O processo de reprodução da cochonilha inclui a fertilização interna, com a fêmea produzindo ovos que se desenvolvem dentro de seu corpo. Quando os ovos estão prontos para serem depositados, a fêmea os coloca em uma espécie de cápsula protetora, conhecida como ooteca.

Esses ovos eclodem em ninfas, que se alimentam das plantas hospedeiras até atingirem a maturidade. O ciclo reprodutivo da cochonilha pode variar de acordo com as condições ambientais, mas geralmente ocorre ao longo de algumas semanas.

Em resumo, a reprodução da cochonilha é um processo fundamental para a perpetuação da espécie, garantindo a continuidade desses insetos que podem representar uma ameaça às plantações. Portanto, é importante estar atento aos sinais de infestação e adotar medidas de controle adequadas para evitar prejuízos econômicos e ambientais.

Entenda o ciclo de vida da cochonilha, um inseto prejudicial para as plantas.

A cochonilha é um inseto muito comum em plantas ornamentais e frutíferas, causando danos significativos devido à sua alimentação. Existem diferentes espécies de cochonilha, mas todas compartilham características semelhantes em seu ciclo de vida.

Esses insetos se alimentam da seiva das plantas, perfurando seus tecidos com um aparelho bucal sugador. Esse processo de alimentação enfraquece a planta e pode levar à sua morte, se não for controlado. A cochonilha também excreta uma substância açucarada chamada de “melada”, que pode atrair formigas e favorecer o crescimento de fungos.

A respiração da cochonilha ocorre através de pequenos poros presentes em seu corpo, chamados espiráculos. Esses poros permitem a entrada de oxigênio e a saída de dióxido de carbono, possibilitando a troca gasosa necessária para a sobrevivência do inseto.

Quanto à reprodução, a cochonilha fêmea põe seus ovos em grupos, protegidos por uma espécie de casulo ceroso. Esses ovos eclodem em jovens insetos chamados de ninfas, que passam por estágios de desenvolvimento até atingirem a fase adulta. Durante esse processo, as cochonilhas se alimentam e se reproduzem, perpetuando o ciclo de vida.

Relacionado:  Metazoa: características, tipos, habitat e doenças

Portanto, é fundamental estar atento aos sinais de infestação de cochonilhas nas plantas, como manchas amareladas, presença de secreção pegajosa e formigas ao redor. O controle desses insetos pode ser feito através de medidas como a poda de partes infestadas, o uso de inseticidas específicos e a introdução de inimigos naturais, como joaninhas.

Quais são os predadores naturais da cochonilha?

A cochonilha é um inseto pequeno e de corpo mole que se alimenta da seiva de plantas, causando danos às culturas. Para controlar a população de cochonilhas, a natureza possui diversos predadores naturais que ajudam a manter o equilíbrio do ecossistema.

Entre os principais predadores da cochonilha estão os joaninhas, que se alimentam das larvas e dos adultos. Além disso, as vespas parasitoides depositam seus ovos dentro das cochonilhas, desenvolvendo-se dentro do corpo do inseto e levando à sua morte.

Outros inimigos naturais da cochonilha incluem os ácaros predadores, que se alimentam dos ovos e dos adultos, e as larvas de crisopídeos, que também se alimentam das cochonilhas em suas diversas fases de desenvolvimento.

É importante manter um equilíbrio natural no ecossistema para garantir a presença desses predadores e controlar a população de cochonilhas de forma sustentável e eficaz. Assim, é possível reduzir o uso de pesticidas e promover a biodiversidade no ambiente agrícola.

Em resumo, os predadores naturais da cochonilha desempenham um papel fundamental no controle dessa praga, contribuindo para a saúde das plantas e para a sustentabilidade dos ecossistemas.

Descubra a aparência do ovo da cochonilha e suas características únicas.

A cochonilha é um inseto pequeno e oval que se alimenta da seiva de plantas. Uma de suas características mais distintivas é a produção de uma substância cerosa branca que cobre seu corpo, protegendo-a de predadores e de condições ambientais adversas.

Os ovos da cochonilha são pequenos e amarelados, e geralmente são depositados em grupos nas folhas e ramos das plantas hospedeiras. Eles têm uma forma oval e são cobertos por uma camada de cera que os protege do ambiente externo.

Uma curiosidade interessante sobre os ovos da cochonilha é que eles podem permanecer adormecidos por longos períodos de tempo, até que as condições sejam favoráveis para a eclosão. Isso garante a sobrevivência da espécie, mesmo em ambientes hostis.

Portanto, os ovos da cochonilha são uma parte fundamental de seu ciclo de vida, garantindo a reprodução e a continuidade da espécie. Sua aparência única e suas características adaptativas fazem da cochonilha um inseto fascinante para estudiosos e entusiastas da natureza.

Cochonilha: características, nutrição, respiração, reprodução

O cochonilha ( Dactylopius coccus Costa) , também chamado de cochonilha de pera espinhosa, carmim cochonilha ou grana, é um inseto hemíptero parasitário que pertence à família Dactylopiidae.

Dactylopius coccus é uma espécie endêmica do continente americano, especificamente da América do Norte. Atualmente, sua distribuição se estende a muitas partes do mundo devido à introdução acidental ou intencional.

Cochonilha: características, nutrição, respiração, reprodução 1

Dactylopius coccus. Retirado e editado de: Frank Vincentz [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) /)], do Wikimedia Commons

Dactylopius coccus é um dos insetos conhecidos com maior importância econômica. Esta espécie é usada pela indústria farmacêutica, alimentícia, cosmética e têxtil para extrair a famosa cor vermelha carmesim. Também é indicado como uma praga de jardins e outras paisagens.

Taxonomia

Dactylopius coccus é um inseto (Hexapoda) da ordem Hemiptera. Este pedido inclui percevejos, pulgões e chicharras. Está incluído na família Dactylopiidae e no gênero Dactylopius.

O gênero Dactylopius foi descrito por Costa em 1829 (outros autores sugerem que foi em 1835). Costa definiu D. coccus como o tipo de espécie do gênero. No entanto, existe alguma controvérsia em relação ao primeiro pesquisador a descrever essa espécie.

Alguns taxonomistas sugerem que a espécie foi descrita pela primeira vez pelo famoso naturalista sueco Carl von Linné (Linnaeus) em 1758. Este último a chamou de Coccus cacti. Atualmente, o nome cunhado por Linnaeus é considerado sinônimo de D. coccus .

O termo cochonilha não tem validade taxonômica. A cochonilha do gênero Dactylopius do grupo de insetos não deve ser confundida com os cochonilhas de umidade da ordem Isopoda, que são um grupo de crustáceos terrestres ou semi-terrestres.

Características gerais

O hemípteros conhecido como Dactylopius coccus é um inseto parasita das plantas de cactos (cacto), as plantas são conhecidas como peras espinhosas ou nopales (gênero Opuntia ).

As larvas de D. coccus têm, de relance, uma cor cinza cerosa, uma cor que é devida a uma secreção que produzem para evitar a desidratação.

Os adultos são reconhecidos por terem um corpo macio, moderadamente plano e oval. As fêmeas são organismos imóveis, com aparelhos em forma de boca que sugam a boca. Eles têm metamorfose incompleta e não têm asas.

Os machos são menores que as fêmeas. Estes não têm aparelho oral, têm metamorfose completa e têm asas. As asas as usam para se mover em busca de fêmeas para fertilizar.

Os machos desta espécie têm uma vida muito curta; após a mudança para o estado adulto, eles vivem apenas três dias. As fêmeas são mais duradouras. Além disso, as fêmeas adultas são as que produzem carmim.

Nutrição

O principal alimento deste inseto parasitário são as espécies de cactos do gênero Opuntia . Os machos se alimentam apenas da seiva do cacto durante o estágio larval. Na fase adulta, eles não têm aparelho oral e vivem apenas para fertilizar as fêmeas.

As fêmeas também se alimentam da seiva do cacto durante o estágio larval e mesmo durante a vida adulta. O mecanismo de alimentação consiste em penetrar no tecido dos cactos (cacto, cacto, pera espinhosa) e depois aspirar os líquidos.

Os efeitos de D. coccus em seu hospedeiro são graves. Eles podem causar danos aos seus tecidos, limitar seu crescimento e até matá-lo.

Cochonilha: características, nutrição, respiração, reprodução 2

Cactacea de Nopal ou pera espinhosa (Opuntia ficus-indica) da qual se alimenta o Dactylopius coccus da cochonilha. Tirada e editada em JMK [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], em Wikimedia Commons

Respiração

Como outros insetos, os hemípteros adultos e, portanto, o D. coccus da cochonilha , respiram através de um sistema traqueal, como um sistema de tubulação que fornece ar dentro do corpo.

O sistema traqueal se abre para a parte externa do corpo através de uma série de orifícios dispostos nas laterais do inseto, chamados espiráculos.

No entanto, a respiração de larvas e fêmeas adultas não é traqueal. Nesses, a respiração ocorre passivamente, ou seja, difundindo o ar através do tegumento.

Os machos, quando atingem a idade adulta, devem realizar o vôo para fertilizar as fêmeas. Por isso, eles usam uma respiração mais ativa e muscular, usando a abertura e o fechamento dos espiráculos para permitir a passagem de ar.

Reprodução e ciclo de vida

O ciclo de vida do D. coccus cochonilha começa quando uma pequena ninfa eclode do ovo (estágio larval). Com movimentos muito ativos, esta larva fica em áreas sombreadas protegidas do vento, sobre o Opuntia sp.

Relacionado:  Quelato de ferro: características, tipos, propriedades, dosagem

Uma vez estabelecido no seu host, ele permanecerá por várias alterações. Então, algumas larvas se transformam em machos e outras em fêmeas. O macho seguirá um processo de desenvolvimento com metamorfose completa, enquanto a fêmea terá uma metamorfose incompleta.

A metamorfose completa do macho confere um conjunto de asas que lhe permitem voar. As fêmeas, quando apresentam uma metamorfose incompleta, não desenvolvem asas, permanecendo praticamente fixadas à alimentação dos cactos.

Durante a procissão de acasalamento, o macho é colocado acima da fêmea, onde passa a esfregá-la com as pernas dianteiras. Em seguida, é colocada de lado e passa a fertilizar os óvulos através do par de aberturas genitais que a fêmea possui em cada lado do corpo.Esse namoro é relativamente difícil de observar porque ocorre à noite.

Após a fertilização, a fêmea aumenta em proporções. O período de incubação dura cerca de 20 dias. Cada fêmea pode depositar aproximadamente 400 ovos, dos quais cerca de 130 (às vezes entre 5 e 80) indivíduos podem nascer.

O tempo aproximado do ciclo de vida desta espécie é de cerca de 80 dias ou mais para as fêmeas. Os machos morrem após a fertilização.

Importância

Nas fêmeas da cochonilha ( Dactylopius coccus ) , é obtido o ácido carmim , um ácido usado junto com outros produtos químicos para obter a cor vermelha carmesim. Para obter um quilograma desse ácido, são necessárias 80 mil ou 100 mil fêmeas de D. coccus .

A importância econômica desse corante é muito grande. Por esse motivo, países como México, Espanha, Peru, Bolívia, entre outros, desenvolveram culturas para esse inseto. Eles também devem cultivar a planta que serve como hospedeira.

Tradicionalmente, o uso desse corante era na indústria têxtil. Atualmente, ele não é usado apenas nesta indústria, mas também em cosmetologia na produção de tintas para os lábios, corantes ou blushes para cabelos.

A indústria farmacêutica o utiliza para tingir medicamentos como comprimidos ou pílulas. Na indústria alimentícia, é utilizado como corante de sucos, bebidas alcoólicas, biscoitos, salsichas, entre outros alimentos. Em testes biológicos, é usado para coloração de tecidos.

Reações alérgicas

O uso desse corante é bastante difundido em diferentes produtos da vida cotidiana dos seres humanos. No entanto, foi demonstrado que pode causar reações alérgicas em pessoas suscetíveis.Nestes casos, recomenda-se interromper o uso de produtos que contenham o corante.

Referências

  1. Escalas cochonilha – Pragas de Dactylopius em jardins e paisagens. Universidade da Califórnia, Divisão de Agricultura e Recursos Naturais. Recuperado de ipm.ucanr.edu.
  2. Zumbado Arrieta e D. Azofeifa Jiménez (2018). Insetos de importância agrícola. Guia Básico de Entomologia. Heredia, Costa Rica. Programa Nacional de Agricultura Orgânica (PNAO). 204 pp.
  3. Z. Zhang (2017). As tabelas de vida de Dactylopius coccus Costa (Homoptera: Dactylopiidae) em diferentes temperaturas e umidade. Agricultura, Silvicultura e Pesca
  4. H. Esalat Nejad e A Esalat Nejad (2013). Cochonilha ( Dactylopius coccus ) como um dos insetos mais importantes no tingimento industrial. Revista internacional de Pesquisa Biológica e Biomédica Avançada.
  5. SJ Méndez-Gallegos, LA Tarango-Arámbula, A. Carnero, R. Tiberi, O. Díaz-Gómez (2010) Crescimento populacional do cocineal Dactylopius coccus Costa criado em cinco cultivares nopais Opuntia ficus-indica Mill. Agrociencia.
  6. CK Chávez-Moreno, A. Tecante, A. Casas, LE Claps. (2011). Distribuição e habitat no México de Dactylopius Costa (Hemiptera: Dactylopiidae) e seus hospedeiros de cactos (Cactaceae: Opuntioideae). Entomologia Neotropical.
  7. Dactylopius coccus Costa, 1829. Recuperado de asturnatura.com.
  8. Cochonilha Wikipedia Recuperado de en.wikipedia.org.

Deixe um comentário