Como ajudar uma pessoa com DBP: 7 dicas

O Transtorno de Personalidade Borderline (DBP) é uma condição mental que afeta a maneira como uma pessoa pensa, sente e se comporta. Aqueles que convivem com alguém que possui DBP podem enfrentar desafios em lidar com as mudanças de humor, impulsividade e instabilidade emocional que caracterizam esse transtorno. Neste artigo, serão apresentadas sete dicas sobre como ajudar uma pessoa com DBP, visando proporcionar apoio e compreensão para melhorar a qualidade de vida do indivíduo afetado.

Utilizando oxigênio em casa de forma segura e eficaz: dicas e orientações importantes.

Para muitas pessoas com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), o uso de oxigênio em casa é essencial para ajudar na respiração e melhorar a qualidade de vida. No entanto, é importante utilizar o oxigênio de forma segura e eficaz para evitar complicações. Aqui estão algumas dicas e orientações importantes para ajudar na utilização do oxigênio em casa:

1. Consulte um profissional de saúde: Antes de começar a utilizar oxigênio em casa, é fundamental consultar um médico ou um especialista em DPOC para avaliar a necessidade do uso de oxigênio e determinar a quantidade adequada.

2. Escolha o equipamento correto: Certifique-se de utilizar um equipamento de oxigênio aprovado e de alta qualidade. Verifique regularmente se o equipamento está funcionando corretamente e siga as instruções do fabricante.

3. Mantenha a área ventilada: É importante manter a área onde o oxigênio é utilizado bem ventilada para evitar o acúmulo de oxigênio e reduzir o risco de incêndio. Evite fumar ou acender velas perto do equipamento de oxigênio.

4. Evite o uso de produtos inflamáveis: Não utilize produtos inflamáveis, como sprays de aerossol ou produtos de limpeza à base de álcool, perto do equipamento de oxigênio, pois eles podem causar incêndios.

5. Evite choques elétricos: Tome cuidado ao manusear o equipamento de oxigênio para evitar danos elétricos. Não utilize extensões elétricas ou adaptadores não aprovados.

6. Mantenha-se hidratado: Beba bastante água para ajudar na umidificação das vias respiratórias e facilitar a respiração. A umidade ajuda a evitar ressecamento e irritação das vias aéreas.

7. Siga as orientações do profissional de saúde: É fundamental seguir as orientações do médico ou especialista em DPOC quanto ao uso do oxigênio em casa. Não altere a quantidade de oxigênio sem orientação médica.

A utilização de oxigênio em casa pode ser uma ferramenta importante no tratamento da DPOC, mas é essencial fazê-lo de forma segura e eficaz. Seguindo estas dicas e orientações, você pode ajudar a garantir uma melhor qualidade de vida para quem sofre com essa condição respiratória.

Oxigênio domiciliar: orientações para utilização segura em casa.

O oxigênio domiciliar é um recurso fundamental para pessoas que sofrem de doença pulmonar obstrutiva crônica (DBP). No entanto, é importante seguir algumas orientações para garantir a utilização segura em casa.

Para começar, certifique-se de que a pessoa com DBP esteja recebendo a quantidade certa de oxigênio conforme prescrito pelo médico. É essencial que o equipamento esteja funcionando corretamente e que as mangueiras não estejam obstruídas.

Além disso, é importante manter o ambiente limpo e livre de objetos que possam obstruir a passagem de oxigênio. Evite fumar dentro de casa e mantenha o oxigênio longe de fontes de calor.

É crucial também que a pessoa com DBP saiba como utilizar corretamente o equipamento de oxigênio. Certifique-se de que ela entenda como ligar e desligar o aparelho, bem como como trocar os cilindros, se necessário.

Em caso de dúvidas ou problemas, não hesite em entrar em contato com o médico ou a empresa responsável pelo fornecimento de oxigênio domiciliar. E lembre-se, a segurança da pessoa com DBP é sempre a prioridade.

Seguindo essas orientações, é possível garantir uma utilização segura e eficaz do oxigênio domiciliar, auxiliando assim no tratamento da DBP e na melhoria da qualidade de vida da pessoa.

Solicitação de oxigênio domiciliar: preencha o formulário para receber assistência médica especializada.

Quando se trata de ajudar uma pessoa com DBP, é importante estar atento às necessidades específicas desse indivíduo. Uma das formas de garantir que a pessoa receba o suporte necessário é solicitando oxigênio domiciliar. Para isso, é essencial preencher o formulário correto para receber assistência médica especializada.

Para facilitar o processo de solicitação de oxigênio domiciliar, aqui estão algumas dicas importantes a serem seguidas:

Relacionado:  Doenças neuromusculares: o que são, como são tratadas e exemplos

1. Consulte um médico especializado em DBP para obter orientações sobre a necessidade de oxigênio domiciliar.

2. Preencha o formulário de solicitação com todas as informações necessárias, incluindo histórico médico, prescrição médica e dados pessoais.

3. Certifique-se de que o formulário esteja devidamente preenchido e assinado pelo médico responsável pela pessoa com DBP.

4. Envie o formulário preenchido para a empresa fornecedora de oxigênio domiciliar o mais rápido possível para agilizar o processo de entrega.

5. Agende uma visita técnica para a instalação do equipamento de oxigênio em casa e certifique-se de que a pessoa com DBP esteja confortável com o uso do mesmo.

6. Esteja atento aos cuidados necessários com o equipamento de oxigênio domiciliar e siga as orientações do fornecedor para garantir a segurança e eficácia do tratamento.

7. Mantenha contato regular com a equipe médica responsável pelo acompanhamento da pessoa com DBP para garantir que o tratamento com oxigênio domiciliar esteja sendo eficaz e seguro.

Ao seguir essas dicas, você estará contribuindo para o bem-estar e qualidade de vida da pessoa com DBP, garantindo que ela receba o suporte necessário para enfrentar os desafios da doença respiratória. Não hesite em buscar ajuda e informações adicionais sempre que necessário.

Fornecimento de oxigênio em casa pelo SUS: benefício garantido para pacientes necessitados.

O fornecimento de oxigênio em casa pelo SUS é um benefício garantido para pacientes que necessitam desse tipo de assistência. Para pessoas com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), por exemplo, o oxigênio é essencial para ajudar na respiração e melhorar a qualidade de vida.

Receber o oxigênio em casa pelo SUS pode ser uma grande ajuda para quem não tem condições de arcar com os custos desse tratamento. É um direito garantido por lei e deve ser disponibilizado de forma gratuita para os pacientes que realmente necessitam.

Para ajudar uma pessoa com DPOC a lidar com o fornecimento de oxigênio em casa, aqui vão algumas dicas:

  • Educá-la sobre a importância do tratamento: Explique para a pessoa a importância de seguir corretamente as orientações médicas e utilizar o oxigênio de forma adequada.
  • Auxiliar na manutenção do equipamento: Ajude a pessoa a manter o equipamento de oxigênio limpo e em bom estado de funcionamento.
  • Estimular a prática de exercícios físicos: Incentive a pessoa a realizar atividades físicas leves, sempre respeitando os limites de cada um.
  • Oferecer apoio emocional: Esteja presente para ouvir e apoiar a pessoa emocionalmente, pois lidar com uma doença crônica pode ser desafiador.
  • Monitorar os sinais de alerta: Esteja atento aos sinais de falta de ar ou outros sintomas que possam indicar a necessidade de ajustes no tratamento.
  • Manter contato com a equipe de saúde: Mantenha contato com a equipe médica responsável pelo tratamento da pessoa, relatando qualquer alteração ou preocupação.
  • Buscar informações sobre direitos e benefícios: Ajude a pessoa a conhecer seus direitos e garantias, como o fornecimento de oxigênio em casa pelo SUS.

Ao seguir essas dicas e oferecer apoio à pessoa com DPOC, você estará contribuindo para o seu bem-estar e qualidade de vida. O fornecimento de oxigênio em casa pelo SUS é um benefício importante e deve ser aproveitado da melhor forma possível.

Como ajudar uma pessoa com DBP: 7 dicas

Como ajudar uma pessoa com DBP: 7 dicas 1

Os transtornos de personalidade abrigam uma série de peculiaridades que podem contribuir para o surgimento de conflitos nas relações sociais, sendo o Transtorno da Personalidade Borderline (DBP) um dos mais comumente associados a ele.

Devido aos atritos diários (alguns deles importantes), é comum surgir interesse em ajudar uma pessoa com DBP , buscando o objetivo de aliviar o próprio desconforto ou o do familiar / amigo afetado.

Neste artigo, investigaremos as características específicas dessa alteração na própria estrutura da personalidade, pois esse conhecimento é essencial para entender como uma pessoa com DBP se sente e como ela age.

Transtorno da personalidade borderline (DBP)

O TLP é uma entidade clínica incluída no cluster B de transtornos de personalidade ; próximo ao anti-social, ao histriônico e ao narcisista. Como o restante dos mencionados na lista, seu núcleo orbita a dificuldade de regular emoções e comportamentos. As pessoas que sofrem com isso geralmente se sentem sobrecarregadas com sua vida emocional, o que leva a instabilidade notável nos relacionamentos com os outros e consigo mesmos (sua experiência interna).

São pessoas que sofrem de dificuldades em controlar seus impulsos, o que as leva a cometer atos impensados ​​dos quais podem se arrepender, sentindo-se culpados e envergonhados. Eles também costumam pensar que os outros não estão realmente interessados ​​em suas vidas e que poderiam abandonar o relacionamento que os une, uma crença que acaba precipitando atos desesperados para recuperar o amor e a companhia que temem perder.

Relacionado:  Esta é a razão pela qual os psicólogos também vão à terapia

Os mecanismos pelos quais eles avaliam os outros são condicionados, assim como sua própria experiência emocional, à instabilidade e imprevisibilidade. Eles tendem a recorrer aos extremos de idealização e desvalorização , ignorando o espectro variado de tons de cinza que podem existir entre um e outro. Por esse motivo, eles geralmente reagem com raiva intensa, tornando-se uma resposta emocional que ocasionalmente dura dias.

A instabilidade que caracteriza os julgamentos que eles fazem sobre os outros também se estende à maneira como eles se percebem, evidenciando uma constante flutuação na auto-imagem e identidade. Tudo isso pode ser acentuado quando, além disso, sintomas dissociativos como despersonalização (sensação de vazio interior que resulta na sensação vívida de ser um autômato ou uma espécie de concha oca) coincidem no mesmo cenário.

Além do acima exposto, que se refere a uma profunda experiência de sofrimento, aqueles que sofrem do distúrbio tendem a recorrer com frequência a ameaças ou coerção, numa tentativa excessiva de assumir o controle das circunstâncias externas que lhes causam dor. O conteúdo dessas ameaças pode envolver a produção de danos a si mesmos ou o ressurgimento de um padrão de comportamento prejudicial no qual eles haviam sido envolvidos anteriormente (uso de substâncias, risco de sexualidade, etc.).

Todas essas circunstâncias, juntamente com outras, como auto-agressão ou agressão verbal (insultos, provocações, sarcasmo etc.), fomentam um contexto de extrema tensão relacional. Embora agora existam tratamentos empiricamente validados para tratar desse problema de saúde mental (como a terapia dialética comportamental de Linehan), que deve ser priorizada em relação ao restante das abordagens, também é essencial para quem está próximo aprender como ajudar uma pessoa com TLP .

Por que isso acontece?

Existem muitos estudos que têm sido realizados com o objetivo de determinar as causas desse transtorno de personalidade, embora atualmente apenas conheçamos fatores de risco que contribuem para sua aparência em um determinado indivíduo. A maioria deles contempla circunstâncias que coincidiram durante os anos da infância, pois esse é o período em que as bases sobre as quais sua expressão clínica completa será erguida (na idade adulta) começam a ser moldadas.

Um dos fatores de risco mais importantes é a presença de psicopatologia nos pais , incluindo transtornos do humor e a própria DBP. Além disso, o baixo calor e a rejeição explícita dos pais aos filhos têm sido consistentemente associados a uma maior probabilidade de sofrer, assim como a cuidados inconsistentes. A hostilidade e a alta expressividade emocional negativa (de pais para filhos) também têm um papel a considerar.

A experiência de situações traumáticas de longo prazo, geralmente na forma de abuso infantil (físico, emocional, verbal e sexual), é um dos fatores de risco sobre os quais existe atualmente um maior consenso por parte da comunidade científica. Essas situações de estresse prolongado também podem estar associadas à presença dos sintomas dissociativos da DBP.

Estilos básicos de apego também foram estudados por pesquisadores , destacando-se de evidências empíricas de que apegos inseguros (especialmente os ansiosos) contribuem decisivamente para a formação do distúrbio na adolescência e na vida adulta. Finalmente, dimensões básicas da estrutura da personalidade; tais como neuroticismo, impulsividade e evitação experiencial, podem fazer parte do perfil pré-mórbido daqueles com DBP.

Como ajudar uma pessoa com DBP

Aqui estão algumas sugestões que podem ajudá-lo a lidar com os atritos diários que surgem ao viver com alguém que sofre desse importante problema de saúde mental. A implementação de todas essas dicas pode ser um esforço no início, e elas não substituem o padrão de tratamento psicológico ou farmacológico. Seu objetivo reside apenas em facilitar os momentos mais difíceis .

1. Valide sua experiência emocional

As pessoas com DBP costumam sentir que não são compreendidas pelos outros e que são alvo de constantes críticas por sua maneira de pensar ou sentir. É necessário lembrar que as pessoas com DBP podem experimentar emoções muito intensas e duradouras quando percebem que são alvo de uma ofensa.

Relacionado:  Catatonia: causas, sintomas e tratamento desta síndrome

Portanto, é importante aprender a validar a experiência conforme é contada, mostrando apoio e escuta ; em um contexto de aceitação, honestidade e evasão de julgamento.

  • Você pode estar interessado: ” Os 8 tipos de emoções (classificação e descrição) “

2. Ofereça suporte

Em uma situação de excesso emocional, registre a pessoa com DBP de sua disponibilidade para passar o tempo ouvindo o que você deveria dizer.

O uso de gritos, ou outras estratégias de comunicação negativa (verbal e não verbal), pode significar a interrupção abrupta de uma oportunidade de conexão e o consequente aumento de afetos difíceis. A ruptura das vias de expressão emocional termina em um distanciamento das duas partes que podem levar tempo para serem resolvidas.

3. Comunique suas necessidades e permita que elas se expressem

Ela transmite à pessoa que você entende como está se sentindo, orientando o foco da atenção para a experiência emocional, em vez de enfatizar a suposta relevância da situação que a precedeu.

Se você achar difícil se conectar ao seu discurso, incentive-o a continuar investigando-o com um propósito explícito de entendê-lo. Fale claramente sobre o que você não considera tolerável neste momento , como insultos ou desrespeito, estabelecendo um padrão para contato.

4. Envolva-se nas diretrizes de tratamento

Muitas das diretrizes terapêuticas oferecidas aos pacientes com DBP envolvem diretamente a família. Estar interessado no que acontece no contexto da intervenção, respeitando os limites da confidencialidade e evitando atitudes de natureza paternalista. Demonstra comprometimento com o projeto de melhoria em que embarcou , contribuindo para as mudanças que devem necessariamente ser articuladas no cotidiano da pessoa que sofre desse distúrbio.

5. Mostra compreensão diante do agravamento dos sintomas

Muitas pessoas com DBP aprendem a gerenciar suas próprias dificuldades e a levar uma vida absolutamente normalizada. No entanto, é muito provável que em certos momentos (períodos de estresse intenso, conflitos relacionais específicos etc.) exista uma acentuação dos sintomas.

Ele mostra compreensão e comunica a esperança de que a emoção que ele experimenta acabe se resolvendo , assim como aconteceu em outras ocasiões no passado.

6. Aprenda estratégias para regular suas próprias emoções

É inegável que viver com uma pessoa que sofre de DBP pode levar a sofrimento para toda a família, pois, de uma perspectiva sistêmica, a família é um mecanismo no qual todas as engrenagens são relevantes para o seu funcionamento ideal.

Aprender técnicas específicas para controlar a ativação autônoma , como a respiração diafragmática ou o relaxamento muscular progressivo de Jacobson (sempre orientado por um especialista), pode ajudar a tornar os tempos difíceis mais suportáveis.

7. Procure ajuda profissional

Se a situação em que você vive com sua família gera em você uma resposta de estresse difícil de gerenciar (angústia), é importante que você possa respirar e procurar ajuda profissional.

O estresse a longo prazo pode causar um declínio em nossos mecanismos de adaptação (mesmo fisiológicos), resultando em exaustão que aumenta o risco de muitos problemas de saúde mental (como depressão maior ou vários transtornos de ansiedade, entre outros).

Que coisas devemos evitar

Há várias situações que devemos evitar quando queremos ajudar uma pessoa com DBP. O primeiro é desenvolver um comportamento de superproteção ou condescendência excessiva, além de manter a crença de que, com nossas ações, seremos capazes de resolver todos os seus problemas. Uma parte importante da melhoria consiste em aprender a regular os afetos e, para isso, quem sofre de DBP deve assumir o seu dia a dia com a máxima autonomia.

Também é necessário fazer um esforço para não personalizar as palavras duras que a pessoa com DBP pode proferir durante um momento de raiva , pois está lidando não apenas com o conflito em que vocês dois são, mas também com os sintomas dele. desordem

Referências bibliográficas:

  • Stepp, SD, Lazarus, SA e Byrd, AL (2016). Uma revisão sistemática dos fatores de risco associados prospectivamente ao transtorno de personalidade borderline: avaliando e avançando. Distúrbios da personalidade, 7 (4), 316-323.
  • Stone, MH (2019). Transtorno da Personalidade Borderline: Diretrizes Clínicas para o Tratamento. Psycodynamic Psychiatry, 47 (1), 5-26.

Deixe um comentário