Como era o estilo de vida dos diaguitas?

Os diaguitas eram um povo indígena que habitava a região dos vales, montanhas e planícies do norte do Chile e noroeste da Argentina. Sua economia era baseada na agricultura, especialmente o cultivo de milho, batata, feijão e quinoa, e na criação de animais como lhamas, alpacas e guanacos. Além disso, os diaguitas também praticavam a tecelagem, a cerâmica e a metalurgia, produzindo utensílios e adornos de grande qualidade. Sua organização social era baseada em comunidades agrícolas autossuficientes, lideradas por chefes ou caciques, e sua religião era centrada no culto à natureza e aos ancestrais. Eles também eram conhecidos por suas habilidades em construir terraços agrícolas e sistemas de irrigação para aproveitar ao máximo os recursos naturais disponíveis em suas terras.

Como os indígenas vivem e se organizam em suas comunidades tradicionais?

Os indígenas vivem de forma comunitária e organizada em suas comunidades tradicionais, mantendo uma forte ligação com a natureza e respeitando suas tradições ancestrais. As comunidades indígenas são geralmente lideradas por um cacique ou líder tribal, que é responsável por tomar decisões importantes e resolver conflitos internos.

As atividades do dia a dia são divididas de acordo com as habilidades e conhecimentos de cada membro da tribo, sendo a caça, a pesca e a agricultura as principais fontes de sustento. Os indígenas também praticam rituais e cerimônias religiosas para agradecer à natureza e aos espíritos por sua proteção e abundância.

Como era o estilo de vida dos diaguitas?

Os diaguitas eram um povo indígena que habitava a região dos Andes, no território que hoje corresponde ao Chile, Argentina e Bolívia. Sua sociedade era hierarquizada, com uma elite governante composta por líderes militares e sacerdotes, enquanto a maioria da população vivia da agricultura e da criação de animais.

Os diaguitas eram conhecidos por sua habilidade na metalurgia, produzindo objetos de cobre e prata que eram utilizados em rituais religiosos e como símbolos de status. Eles também eram excelentes agricultores, cultivando milho, batata e feijão em terraços agrícolas construídos nas encostas das montanhas.

Apesar de terem sido conquistados pelos incas no século XV, os diaguitas conseguiram preservar muitos aspectos de sua cultura e tradições até os dias atuais, contribuindo para a riqueza cultural da região dos Andes.

Relacionado:  Os 3 grupos étnicos mais comuns da costa do Equador

Atividades indígenas: descubra as 4 principais ocupações dos povos originários do Brasil.

Os povos indígenas do Brasil possuem uma grande diversidade de atividades, que são essenciais para a sua subsistência e cultura. Entre as principais ocupações desses povos, destacam-se a agricultura, a caça, a pesca e a arte.

A agricultura é uma das atividades mais importantes para os povos indígenas, que cultivam uma grande variedade de alimentos, como milho, mandioca, batata doce e feijão. Eles utilizam técnicas tradicionais de plantio, como a roça de coivara, e têm um profundo conhecimento sobre o manejo sustentável da terra.

A caça também é uma atividade muito comum entre os povos indígenas, que utilizam arcos e flechas para capturar animais como veados, capivaras e aves. A caça é uma prática que envolve grande habilidade e conhecimento da floresta.

A pesca é outra ocupação importante para os indígenas, que pescam em rios, lagos e igarapés utilizando técnicas tradicionais, como a pesca com redes e anzóis. Os peixes são uma fonte de alimento fundamental para esses povos.

Por fim, a arte também desempenha um papel fundamental na vida dos povos indígenas, que produzem uma grande variedade de artesanato, como cestaria, cerâmica, pinturas e esculturas. A arte indígena é uma forma de expressão cultural e espiritual muito valorizada por esses povos.

Em resumo, as atividades indígenas são parte essencial do estilo de vida dos povos originários do Brasil, refletindo a sua profunda ligação com a natureza e a sua rica cultura ancestral.

Como era o estilo de vida dos diaguitas?

O modo de vida das diaguitas é caracterizado por sua organização social, linguagem, arquitetura, economia e vestuário.

O início da atividade dos povos nativos do continente latino-americano data, segundo estudos, de 12.000 anos atrás. Um número grande e pitoresco de culturas forma essas aldeias, nas quais os maias, os incas e astecas se destacam por suas construções incríveis, organização social complexa e avanços científicos e artísticos.

Como era o estilo de vida dos diaguitas? 1

Descendente de Diaguitas

No entanto, isso não significa que as outras tribos não sejam impressionantes e ricas em cultura e conhecimento. Destas tribos, podemos destacar no norte da Argentina e no Chile o grupo indígena Diaguita, em alguns casos também chamado de calchaquíes.

Relacionado:  Bandeira da Jamaica: história e significado

Para descrever brevemente seu estilo de vida e suas principais características, é conveniente separar sua cultura nos seguintes aspectos:

Organização social

A autoridade máxima de cada tribo residia no cacique e essa posição era familiar: os filhos do cacique o sucederam e, se ele não tinha descendentes, os irmãos assumiram o poder.

No entanto, eles não tinham mandato absoluto, uma vez que as decisões importantes da comunidade foram tomadas em assembléias cerimoniais, nas quais os membros aptos para o combate tinham voz e voto.

A poligamia era uma regra da cultura Diaguita. Os chefes tinham entre oito e dez esposas, enquanto os homens comuns possuíam entre duas e três. No caso da morte do marido, seus irmãos herdaram suas esposas.

Arquitetura Diaguita

Por volta de 1000 aC, as tribos de Diaguite viviam em grandes aldeias, formando comunidades de agricultores e agricultores que lhes permitiam sustentar até 3000 habitantes.

As ruínas dessas construções ainda estão em Chicoana-Chivilme (República da Argentina) e, graças a isso, algumas características de sua arquitetura podem ser destacadas.

Eles construíram aldeias fortificadas, que tinham reservatórios de água e plataformas agrícolas reforçadas com pedras. As casas eram cabanas quadradas construídas de barro, palha, bambu e madeira.

No entanto, para as comunidades indígenas Diaguita de Quilmes (Argentina), a arquitetura é um pouco diferente, pois elas tiveram que se adaptar ao clima quente.

As casas eram parcialmente subterrâneas, feitas de pedra com telhados de madeira de cacto. Normalmente, o centro da estrutura era aberto ao céu e comunicado com câmeras redondas usadas como armazéns.

Quanto à arquitetura militar, os “pucarás” eram seus edifícios nativos. Eram construções de pedra fortificada, normalmente localizadas em pontos estratégicos altos equipados com reservas de água para emergências ou invasões inimigas.

Sua habilidade estratégica se destaca nas ruínas de Quilmes. Essas ruínas são cercadas por um muro e montanhas, com uma boa quantidade de fontes de água próximas, e a altura em que são encontradas permitiu que localizassem os invasores a quilômetros de distância.

Relacionado:  Australopithecus Garhi: recursos, crânio e ferramentas

Língua

Sua língua era kakan, também conhecida como cocô, kaká e chaka. Em alguns casos, também é chamada de língua calchaquí.

É uma linguagem já extinta e foi caracterizada por ser muito gutural. Eles destacaram os seguintes grupos de dialetos:

  • Kakán do Norte: falado pelas tribos residentes dos Vales Calchaquíes, Santa María e Tucumán.

  • Kakán del sur: dialeto dos aborígines de Catamarca, ao norte de La Rioja e parte de Santiago del Estero.

  • Capayán: oeste e sul de La Rioja e norte da província de San Juan.

Economia

Os diaguitas eram principalmente agricultores e caçadores. Suas colheitas foram organizadas em andanes equipados com sistemas de irrigação, onde cultivavam milho, quinoa, alfarroba e diferentes tipos de batatas.

A fauna dos vales em que residiam era muito rica, fornecendo carne e lã. Alpacas, lhamas, veados, tatus, répteis, galinhas, entre outros, abundavam nas proximidades de suas aldeias. A carne seca de camelídeos era comum em sua dieta, chamada charqui.

Traje

Os aborígines Calchaquí também se destacaram na indústria têxtil. Entre suas roupas típicas podemos citar: ponchos, tunikas, aguayos e outros.

Eles foram pintados com pigmentos vegetais baseados em diferentes tipos de resinas. Além disso, especificamente nas mulheres, as roupas eram um meio de identificar o status social: vestidos coloridos destinavam-se a meninas solteiras e de cor única a mulheres casadas.

Nas jóias, formas zoomórficas feitas de pedras preciosas, placas de ouro e prata abundavam. Gavinhas e colares feitos de pérolas preciosas e semipreciosas.

Referências

  1. Perarek, Martin (sf). Os povos indígenas dos vales de Calchaqui. O Vale do Condor Recuperado em: condorvalley.org
  2. Diaguitas aborígenes (sf). Olimpíadas Nacionais de Conteúdo Educacional na Internet. Recuperado de: oni.escuelas.edu.ar
  3. Nardi, Ricardo (1979). O Kakán, idioma dos Diaguitas. SAPIENS N ° 3. .
  4. Lúgaro Tellez, Eduardo (2008). Os Diaguitas Estudos Chile: edições Akhilleus.
  5. Diaguitas: modo de vida (2005). Povos nativos. Recuperado de: deasoriginarios.com.

Deixe um comentário