Competência intraespecífica: características, tipos e exemplos

A competência intraespecífica refere-se à capacidade de um indivíduo de uma espécie interagir e competir com outros indivíduos da mesma espécie. Essa competência pode ser observada em diversas situações, como na disputa por recursos, território, parceiros reprodutivos e hierarquia social. Existem diferentes tipos de competência intraespecífica, que podem ser físicos, comportamentais ou cognitivos. Alguns exemplos incluem a luta por comida entre animais da mesma espécie, a exibição de comportamentos territoriais entre pássaros e a competição por parceiros reprodutivos em mamíferos. A competência intraespecífica desempenha um papel fundamental na evolução e sobrevivência das espécies, influenciando diretamente a seleção natural e a adaptação ao ambiente.

Conheça os diferentes tipos de competição dentro da mesma espécie no mundo animal.

Quando falamos sobre competição dentro da mesma espécie no mundo animal, estamos nos referindo à competição intraespecífica. Este tipo de competição ocorre entre indivíduos da mesma espécie que disputam recursos limitados, como comida, território, parceiros sexuais, entre outros.

Existem diferentes tipos de competição intraespecífica, sendo os principais a competição por recursos, a competição por território e a competição por parceiros sexuais. Na competição por recursos, os indivíduos disputam alimentos, água, abrigo e outros recursos essenciais para a sobrevivência. Já na competição por território, os animais lutam para garantir um espaço específico que lhes forneça recursos e proteção. Por fim, na competição por parceiros sexuais, os indivíduos disputam a atenção e o acesso aos parceiros reprodutivos.

Um exemplo clássico de competição por recursos é a luta entre leões machos por acesso às fêmeas em um grupo. Os leões competem por fêmeas em cio para garantir sua reprodução e perpetuação da linhagem genética. Já na competição por território, podemos observar os lobos marcando e defendendo seus territórios contra invasores. E na competição por parceiros sexuais, pássaros como o pavão exibem suas plumagens coloridas e realizam danças elaboradas para atrair as fêmeas.

Em resumo, a competição intraespecífica é um fenômeno comum no mundo animal, onde os indivíduos lutam pela sua sobrevivência, reprodução e sucesso na natureza. Entender os diferentes tipos de competição dentro da mesma espécie nos ajuda a compreender melhor as dinâmicas e estratégias de sobrevivência dos animais.

As características da competição entre indivíduos da mesma espécie.

A competição intraespecífica é um fenômeno comum no reino animal, onde indivíduos da mesma espécie disputam recursos limitados como alimento, território, parceiros sexuais e até mesmo status social. Essa competição pode ocorrer de diversas formas e possui características específicas que a distinguem de outras formas de interação entre os organismos.

Uma das principais características da competição intraespecífica é a luta pela sobrevivência, onde os indivíduos competem entre si para garantir sua própria existência e reprodução. Essa competição pode levar a conflitos físicos e até mesmo à exclusão de indivíduos mais fracos do grupo.

Além disso, a competição intraespecífica pode se manifestar de diferentes formas, como a competição por recursos alimentares, onde os indivíduos disputam a comida disponível em um determinado ambiente. Outro tipo comum de competição é a competição por território, onde os indivíduos disputam um espaço específico para se alimentar, reproduzir ou se proteger.

Existem diversos exemplos de competição intraespecífica na natureza, como a luta entre leões machos pela liderança do grupo, a disputa por alimento entre pássaros da mesma espécie e a competição por parceiros sexuais entre elefantes machos.

Em resumo, a competição intraespecífica é um fenômeno natural que faz parte da dinâmica das populações animais. Ela desempenha um papel importante na seleção natural e na evolução das espécies, garantindo a sobrevivência dos mais aptos e a manutenção do equilíbrio ecológico.

Relacionado:  Avestruz: características, reprodução, alimentação, comportamento

Conheça os 4 tipos de relações ecológicas presentes na natureza.

A competência intraespecífica é a capacidade de um indivíduo da mesma espécie competir por recursos limitados, como alimento, território e parceiros reprodutivos. Essa competição pode resultar em diferentes tipos de relações ecológicas, que são fundamentais para a dinâmica das populações na natureza.

Os quatro tipos de relações ecológicas mais comuns são: competição, predação, mutualismo e comensalismo.

A competição ocorre quando indivíduos da mesma espécie disputam os mesmos recursos, como comida ou espaço. Esse tipo de relação pode resultar em competição por território, por exemplo.

A predação envolve a relação entre um predador e sua presa. Nesse caso, um organismo se alimenta de outro para sobreviver. Um exemplo clássico é a relação entre leões e gazelas na savana africana.

O mutualismo é uma relação em que ambas as partes se beneficiam. Um exemplo disso são as relações simbióticas entre algumas espécies de peixes e anêmonas, onde os peixes se beneficiam da proteção das anêmonas e estas se beneficiam da comida que os peixes trazem.

O comensalismo ocorre quando uma espécie se beneficia da presença de outra, sem causar danos a ela. Um exemplo disso é a relação entre pássaros e bovinos, onde os pássaros se alimentam de parasitas presentes nos bovinos, sem prejudicá-los.

Em resumo, as relações ecológicas desempenham um papel fundamental na regulação das populações e na manutenção do equilíbrio dos ecossistemas. É importante compreender esses diferentes tipos de relações para entender melhor como os organismos interagem entre si na natureza.

Tipos de interações entre diferentes espécies na natureza: conheça as relações interespecíficas.

As interações entre diferentes espécies na natureza são fundamentais para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas. Essas relações interespecíficas podem ser classificadas em diferentes tipos, que vão desde relações de competição até relações de mutualismo. Entender como essas interações ocorrem é essencial para compreender a dinâmica dos ecossistemas.

Um dos tipos de interações mais comuns é a competição, onde duas ou mais espécies disputam os mesmos recursos, como alimentos, água e espaço. Essa competição pode ser intraespecífica, quando ocorre entre indivíduos da mesma espécie, ou inter-específica, quando envolve espécies diferentes. A competição intraespecífica é especialmente importante para garantir que os recursos disponíveis sejam utilizados de forma eficiente.

Além da competição, outra forma de interação interespecífica é o mutualismo, onde duas espécies se beneficiam mutuamente. Um exemplo clássico de mutualismo é a relação entre as abelhas e as flores, onde as abelhas se alimentam do néctar das flores e, em troca, polinizam as plantas. Essa relação simbiótica é essencial para a reprodução de diversas espécies de plantas.

Outro tipo de interação interessante é o parasitismo, onde uma espécie se beneficia às custas de outra. Um exemplo comum de parasitismo é a relação entre os carrapatos e os mamíferos, onde os carrapatos se alimentam do sangue dos hospedeiros, causando danos à saúde deles. Essa interação pode ser prejudicial para o hospedeiro, mas é essencial para a sobrevivência do parasita.

Em resumo, as interações entre diferentes espécies na natureza são variadas e fundamentais para a manutenção da biodiversidade. Entender essas relações interespecíficas é crucial para a conservação dos ecossistemas e para garantir o equilíbrio da vida na Terra.

Competência intraespecífica: características, tipos e exemplos

A competição intraespecífica é um tipo de interação, onde os membros da mesma espécie perseguir um recurso limitado comum. Deve-se esclarecer que a competição é um tipo de interação ecológica que não se aplica apenas aos animais, mas também a outros seres vivos – como plantas.A competição ocorre por uma ampla variedade de recursos, como espaço disponível, alimentação, abrigos, território, casais, entre outros.

A competição intraespecífica se opõe ao conceito de competição interespecífica , onde a competição por recursos ocorre entre membros de diferentes espécies. Como as necessidades ecológicas de indivíduos da mesma espécie são claramente mais semelhantes do que entre espécies diferentes, a competição intraespecífica é geralmente mais forte.

Competência intraespecífica: características, tipos e exemplos 1

Homens competindo.Fonte: Brocken Inaglory [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Esses dois tipos de interações bióticas não são mutuamente exclusivos. Ou seja, a mesma espécie experimenta competição inter e intraespecífica, gerando os complexos padrões de interação que observamos na natureza.

Visão geral da concorrência intraespecífica

Nos ecossistemas, os indivíduos não permanecem isolados. Eles estão em constante interação com outros organismos. É comum que membros de uma espécie tenham contato com seus pares e competam.

A competição depende da densidade

Em ecologia, existe um conceito chamado capacidade de carga , que quantifica o tamanho máximo da população que o ambiente em que vivem pode suportar, levando em consideração a quantidade de recursos que existem.

Assim, quando a capacidade de carga fica saturada, a competição entre indivíduos começa a ser mais forte. Esse fenômeno pode causar quedas drásticas no tamanho da população.

Portanto, este tipo de competição é “dependente da densidade”. Em baixas densidades, a competição não tem um efeito marcante na sobrevivência dos membros; para o l contrário o que acontece quando a população aumenta de tamanho.

À medida que a densidade populacional aumenta, os recursos diminuem sua disponibilidade, aumentando a competição entre os membros da espécie.

Redução do sucesso reprodutivo

Uma das características da competição é a redução do sucesso reprodutivo dos membros participantes da referida interação. Embora um dos concorrentes obtenha mais recursos do que seu parceiro mais “fraco” ou desfavorecido, a interação a longo prazo tem consequências negativas para ambas as partes.

Tipos

Dois tipos básicos de competição intraespecífica foram identificados:

Competição intraespecífica por interferência

Nesse tipo de competição, uma hierarquia é estabelecida entre os indivíduos da população, através de comportamentos de agressividade e opressão.

Por meio de interações diretas, os membros dominantes limitam o acesso aos recursos ao restante dos membros. O mesmo tipo de competição ocorre com animais territoriais.

O sucesso reprodutivo é maior em indivíduos que adotaram uma atitude agressiva e conseguiram dominar o grupo. No caso de busca de um parceiro, a competição por interferência pode ser aplicada quando um ou poucos homens restringem o acesso às mulheres.

Competição intraespecífica pela exploração

No primeiro tipo de competição, a luta é direta, restringindo o acesso à variedade de recursos. Por outro lado, a competição pela exploração envolve o uso de recursos limitados, esgotando a disponibilidade para outros membros da população.

Nesse caso, as interações são do tipo indireto – uma vez que a competição é estabelecida pela eliminação do recurso (no caso, a comida) e não pelo contato direto com o indivíduo.

Fatores que afetam a concorrência intraespecífica

Influência da idade dos competidores

Se pensarmos em todos os cenários possíveis de competição entre membros da mesma espécie, devemos perguntar se a competição ocorre entre membros de uma determinada coorte ou se ela se estende a membros de diferentes faixas etárias – ou seja, entre membros de diferentes idades.

Relacionado:  Metazoa: características, tipos, habitat e doenças

Em algumas espécies, observações do mundo natural sugerem que membros adultos e jovens da mesma espécie têm pouca chance de competir, pois geralmente usam recursos diferentes.

Por exemplo, no caso de anêmonas, o uso de recursos é claramente delimitado. Espécimes adultos têm tentáculos consideravelmente maiores que os juvenis.

O método de predação desses animais consiste em aguardar o aparecimento da presa e capturá-la, para que os indivíduos adultos tenham uma variedade de presas separadas da presa que os mais novos capturam com seus pequenos tentáculos.

Esta tendência foi relatada em outros grupos de organismos. Nos peixes , os indivíduos adultos estão localizados em habitats específicos, com uma separação espacial de recursos entre as classes etárias.

Layout espacial dos concorrentes

O padrão de disposição no ambiente físico dos membros da população afeta a competição. Esse fato é ilustrado em predadores, onde os organismos têm territórios exclusivos nos quais cada indivíduo caça e se alimenta.

Embora certos indivíduos falhem em obter uma região para eles, aqueles que conseguem garantir a disponibilidade de presas até a reprodução. Nesse caso, a competição não é diretamente por alimentos, mas pelo território.

Perspectiva evolutiva

À luz da teoria evolucionista darwiniana, a competição intraespecífica tem um papel de liderança no mecanismo.

Quando pensamos na seleção natural , é quase impossível não evocar a famosa – e errada – frase “sobrevivência do mais apto”. Instantaneamente, podemos relacioná-lo a confrontos corpo a corpo de um carnívoro que persegue sua presa.

No entanto, o pensamento correto é relacionar a seleção natural à competição intraespecífica, e não necessariamente de lutas, entre membros da mesma espécie (isso não significa que as interações com diferentes espécies não tenham conseqüências evolutivas).

Indivíduos que “superam” seus oponentes – em termos de reprodução, são aqueles que aumentam sua frequência na população.

Exemplos

Competição entre mariposas do gênero Lymantria

No nordeste dos Estados Unidos, a persistência de uma mariposa considerada uma praga do gênero Lymantry é muito comum .

É um exemplo de extrema competição intraespecífica, pois a população aumenta rapidamente de tamanho e esse aumento desproporcional esgota os recursos.

O ciclo de vida do inseto não está de acordo com a disponibilidade de recursos; portanto, quando as lagartas conseguem completar a metamorfose, não há comida disponível e a população decai com o mesmo vigor com o qual seu número aumentou.

Referências

  1. Case, TJ, & Gilpin, ME (1974). Concorrência de interferências e teoria de nichos.Anais da Academia Nacional de Ciências , 71 (8), 3073-3077.
  2. Gilad, O. (2008). Enciclopédia de Ecologia . Elsevier Science
  3. Griffin, JN e Silliman, BR (2011). Particionamento de recursos e por que isso é importante.Nature Education Knowledge , 3 (10), 49.
  4. Lang, J.M. & Benbow, M.E. (2013) Interações e competição de espécies.Nature Education Knowledge 4 (4), 8.
  5. May, R. & McLean, AR (Eds.). (2007).Ecologia teórica: princípios e aplicações . Imprensa da Universidade de Oxford sob demanda.
  6. Soberón, J. (2002). Ecologia de população.México: Fundo de Cultura Econômica.
  7. Speight, MR; e Henderson, PA (2013).Ecologia marinha: conceitos e aplicações . John Wiley & Sons.
  8. Vandermeer John, H. & Esther, GD (2003). Primeiros princípios de ecologia populacional . Imprensa da Universidade de Princeton.

Deixe um comentário