Comunidade de inquérito: regras, para que serve e etapas

Uma comunidade de investigação é um conceito criado pelos filósofos pragmáticos CS Peirce e John Dewey, que estudaram a melhor maneira de adquirir novos conhecimentos. Consiste em um grupo de indivíduos que colaboram para aprender mais sobre um problema ou tópico usando pesquisa empírica.

Esse conceito se aplicava no início apenas ao processo de aquisição de conhecimento científico, mas depois se expandiu para outras áreas, como a educação. A idéia da comunidade de investigação era muito revolucionária para a época, desde então a ênfase foi colocada nas pesquisas conduzidas individualmente.

Comunidade de inquérito: regras, para que serve e etapas 1

A principal revolução trazida pelo conceito de comunidade do conhecimento é que, a partir de então, o conhecimento passou a ser entendido como algo dependente do contexto social em que é formado. Portanto, para que uma nova descoberta seja considerada válida, deve haver um acordo entre vários pesquisadores diferentes.

Regras de uma comunidade de inquérito

No campo da educação, uma comunidade de investigação é um modelo pedagógico cuja intenção é que professores e alunos colaborem na geração de novos conhecimentos.

A maneira de conseguir isso é gerar um espaço adequado no qual as idéias possam ser discutidas e discutidas abertamente, para que os alunos possam contrastar suas próprias visões com as dos outros.

Para atingir o objetivo estabelecido pela comunidade de pesquisa e realmente gerar novos conhecimentos nos alunos, é necessário seguir uma série de regras:

– Ouça as opiniões dos outros.

– Respeite idéias diferentes.

– Apresentar argumentos sobre as próprias idéias e as dos outros.

– Incentive e pratique a reflexão sobre o que é dito.

Ouça as opiniões dos outros

Na base do que se pretende alcançar com uma comunidade de investigação está a troca de diferentes idéias e opiniões. Para alcançar um aprendizado relevante, colaborando com outras pessoas, é essencial encontrar pessoas que não compartilhem nossas opiniões e descobrir o que podemos aprender com elas.

Relacionado:  Valores morais: características, treinamento e exemplos

Portanto, a primeira coisa que deve ser alcançada para criar uma comunidade de investigação é alcançar um estado de escuta ativa dos outros; isto é, eles não recebem atenção apenas para refutá-los, mas com uma atitude aberta e desejam aprender mais sobre o que pensam.

Respeite idéias diferentes

Não basta ouvir idéias contrárias às nossas; Também temos que ser capazes de respeitá-los. Para gerar uma verdadeira comunidade de investigação, é necessário que todos os participantes possam ouvir um ao outro e criar um espaço seguro no qual todas as idéias possam ser ouvidas.

No entanto, respeitar outras idéias que não as nossas não significa não poder refutá-las. Pelo contrário, baseia-se em poder argumentar contra eles usando argumentos lógicos e racionais, em vez de emoções.

Apresentar argumentos sobre as próprias idéias e as dos outros

Outro requisito para criar uma verdadeira comunidade de investigação é que todos os participantes adquiram a capacidade de argumentar de maneira eficaz.

Essa habilidade, que nem sempre é trabalhada nos contextos educacionais tradicionais, é um dos pilares desse tipo de ensino colaborativo.

Para isso, o melhor exercício é pensar por que mantemos uma crença. Que experiências nos levaram a pensar assim? Por que acreditamos que as idéias do outro não são válidas?

Incentive e pratique a reflexão sobre o que é dito

O último pilar de uma comunidade de investigação tem a ver com a capacidade de reconhecer quando as idéias de outra pessoa fazem mais sentido do que as nossas. Isso é extremamente difícil no começo, mas é essencial se você deseja gerar um bom conhecimento colaborativo.

Para isso, as habilidades de reflexão e escuta ativa adquiridas nos pontos anteriores serão uma peça fundamental; Para reconhecer nossos erros, teremos que detectá-los primeiro, ouvindo o resto dos membros da comunidade de inquérito.

Relacionado:  Paradigmas emergentes: prigen, exemplos e contribuições

Para que serve a comunidade de inquérito?

No contexto educacional, a comunidade de inquérito serve para alcançar vários objetivos:

– Permite que os alunos descubram as fraquezas de suas próprias idéias e as enriquecem graças à ajuda de outras pessoas.

– Gera debates e discussões que motivam os alunos muito mais diretamente do que uma aula de mestre, na qual o professor comunica uma série de idéias e os alunos apenas as ouvem.

– Ensine os participantes da comunidade a ouvir, debater racionalmente e refletir sobre suas próprias idéias.

– Permite que os alunos adquiram mais conhecimento do que se tentassem fazê-lo por conta própria. Isso está relacionado ao conceito de ” zona de quase desenvolvimento “, que é o conhecimento extra que uma pessoa pode adquirir quando é ajudada por outras pessoas.

Etapas para gerar uma comunidade de consulta

Embora existam várias maneiras de abordar a criação de uma comunidade de investigação, cinco etapas fundamentais do processo geralmente são distinguidas:

Atitude anterior

Os alunos são informados sobre o que é uma comunidade de perguntas, seus benefícios e como ela funciona. Por outro lado, eles também serão explicados da maneira como devem agir para tirar o máximo proveito dessa experiência de aprendizado em grupo.

Apresentação da ideia a discutir

Cada sessão de uma comunidade de investigação deve estar centrada em torno de uma ideia. O educador / facilitador fornecerá diferentes materiais relacionados ao tópico escolhido, para que todos os alunos possam colocá-lo em contexto e aprender mais sobre ele.

Reconstrução de ideias

Uma vez expostos todos os materiais relacionados ao tópico, os alunos precisam expressar o que entenderam e seu ponto de vista. É quando diferenças de opinião são detectadas.

Relacionado:  10 pensadores contemporâneos do humanismo

Discussão sobre a ideia

Quando os diferentes pontos de vista que os alunos mantêm sobre o tópico escolhido foram detectados, há um momento de debate no qual argumentos racionais devem ser usados, escuta ativa e uma profunda reflexão sobre suas próprias idéias e contrárias.

Resumo da discussão

Depois que um acordo ou uma conclusão específica for alcançada sobre o assunto, os alunos deverão poder refletir sobre o que aconteceu no debate e o que aprenderam com ele.

Nesse momento, a participação dos alunos também será valorizada, para que cada um deles possa melhorar para a próxima sessão.

Referências

  1. “Comunidade de inquérito” em: Wikipedia. Retirado em: 20 de março de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  2. “O que é comunidade de inquérito” em: IGI Global. Retirado em: 20 de março de 2018 da IGI Global: igi-global.com.
  3. “Modelo de comunidade de inquérito” em: Edutech. Recuperado em: 20 de março de 2018 de Edutech: edutech.unige.ch.
  4. “Comunidade de inquérito” em: Glossários Alicante. Retirado em: 20 de março de 2018 de Glossários Alicante: glosarios.servidor-alicante.com.
  5. “Metodologia da comunidade de inquérito na CPI” em: Comunidade e inquérito. Retirado em: 20 de março de 2018 da Comunidade e consulta: grupo24comunicacionsociedad.wordpress.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies