Congresso Cúcuta: participantes, reformas e consequências

O Congresso de Cúcuta foi uma assembléia realizada entre 6 de maio de 1821 e 3 de outubro do mesmo ano. Participaram os deputados eleitos de acordo com o procedimento estabelecido no Congresso Angostura anterior, do qual foi criada a República da Colômbia.

Depois de vários anos de guerra contra as autoridades coloniais, Simón Bolívar concluiu que a independência só seria possível quando derrotassem completamente os espanhóis. Ele também procurou maneiras de criar uma nação forte para obter reconhecimento internacional.

Congresso Cúcuta: participantes, reformas e consequências 1

Simón Bolivar, Francisco de Paula Santander e outros procedimentos de independência que saem do Congresso de Cúcuta. Fonte: Ricardo Acevedo Bernal (1867-1930) [Domínio público, GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses /by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons
Por esse motivo, o Congresso de Cúcuta teve como um de seus principais objetivos a unificação das Províncias Unidas de Nova Granada (atual Colômbia) e da Confederação Venezuelana (atual Venezuela) em uma única nação.

Além da formação desse novo país, o Congresso promulgou a Constituição que deveria governá-la. Durante as reuniões, foram aprovadas várias leis que melhoraram as condições dos indígenas e escravos do território.

Antecedentes

O projeto de unificação da Venezuela e de Nueva Granada já havia sido expresso por Bolívar anos antes da realização do Congresso de Cúcuta. Em 1813, após a captura de Caracas, ele já se pronunciava nessa direção. Dois anos depois, na Carta da Jamaica, o Libertador declarou:

«Desejo mais do que qualquer outro ver a maior nação do mundo se formar nos Estados Unidos, menos por sua extensão e riqueza do que por sua liberdade e glória» … «… Nova Granada se unirá à Venezuela se se tornar uma república central. Esta nação será chamada Colômbia, como um tributo de gratidão ao criador do Novo Hemisfério. »

Bolívar e a Segunda República da Venezuela

Naqueles anos, no meio da guerra contra os espanhóis, Bolivar teve que deixar de lado seu projeto. Dedicou-se a organizar o Estado e a se concentrar no conflito.

Além disso, no início de 1814, a situação mudou. Os espanhóis começaram a revidar nos Llanos venezuelanos. As tropas de Bolívar foram ultrapassadas e tiveram que se retirar para o leste do país.

Isso levou a um grande movimento populacional de Caracas para o Oriente, fugindo dos realistas. Em 17 de agosto de 1814, Bolívar foi derrotado em Aragua de Barcelona e teve que se juntar a Mariño em Cumaná.

A Segunda República da Venezuela foi derrotada. Bolívar passou um tempo em Nueva Granada e começou a planejar seus próximos passos.

Durante esses meses, ele concluiu que tinha que derrotar totalmente os espanhóis se quisesse alcançar a independência definitiva. Além disso, ele entendeu que os líderes regionais danificaram sua causa e que era necessário unificar todas as tropas sob um único comando. Uma única república grande e forte era, para ele, a melhor solução.

Congresso de Angostura

Em 1819, foi realizado o chamado Congresso de Angostura. Nessa reunião, foi promulgada a Lei Fundamental, mediante a qual a República da Colômbia obteve legalidade. Da mesma forma, um Congresso Geral foi convocado para ser realizado em Villa del Rosario de Cúcuta, dois anos depois, em 1821.

O decreto convocando o Congresso de Cúcuta indicava como escolher os deputados que compareceriam. Foi decidido que cada província livre tinha que escolher 5 deputados, até atingir 95.

As eleições foram realizadas em várias datas diferentes. Entre os eleitos estavam alguns políticos experientes, mas a maioria era bastante jovem e sem experiência anterior.

No aspecto da guerra, o confronto decisivo ocorreu em 7 de agosto de 1819. Foi chamado de Batalha de Boyacá e terminou com a vitória de Bolívar e seus revolucionários. Quando o vice-rei soube do resultado dessa batalha, ele fugiu de Bogotá. Em 10 de agosto, o Exército Libertador entrou sem oposição na capital.

Congresso Cúcuta

Segundo os cronistas, a organização do Congresso de Cúcuta não foi fácil. Além do fato de a guerra ainda estar ocorrendo em algumas partes do país, alguns deputados tiveram problemas para chegar à cidade.

Além disso, houve a morte de Juan Germán Roscio, vice-presidente da República e responsável pela organização do Congresso. Bolivar nomeou Antonio Nariño para substituí-lo, que teve que tomar a decisão de legalizar que a assembléia comece com os 57 deputados presentes. A inauguração ocorreu em 6 de maio de 1821, na Villa del Rosario de Cúcuta.

Mesmo com o Congresso em andamento, a Batalha de Carabobo ocorreu. Esse confronto, desenvolvido em 24 de junho, significou a independência oficial da Venezuela. Representantes daquele país aderiram ao trabalho constitucional que estava ocorrendo em Cúcuta.

Participantes

Conforme acordado em Angostura, 95 deputados deveriam ter sido eleitos para o Congresso de Cúcuta. No entanto, a dificuldade de comunicação, a guerra em algumas áreas e outras circunstâncias fizeram com que apenas 57 chegassem.

A maioria deles eram jovens que participaram da política pela primeira vez. Outros, por outro lado, já possuíam experiência em administração pública. Entre os escolhidos estavam profissionais do direito, membros do clero ou militares.

Simon Bolivar

Congresso Cúcuta: participantes, reformas e consequências 2

Simón José Antonio da Santíssima Trindade Bolívar Palacios Ponte y Blanco, conhecido como Simón Bolívar, nasceu em Caracas em 24 de julho de 1783.

Sua luta pela independência significou que ele recebeu o título honorário de El Libertador. Ele foi o fundador da República da Gran Colômbia e Bolívia, sendo presidente do primeiro.

Francisco de Paula Santander

Francisco de Paula Santander era natural de Villa del Rosario de Cúcuta. Ele nasceu em 2 de abril de 1792 e participou da guerra de independência da Colômbia. Bolívar o promoveu ao chefe do Estado Maior de seu exército até a independência da Gran Colômbia.

O Santander ocupou a vice-presidência do país no departamento de Cundinamarca (Nueva Granada), exercendo as funções de presidente quando Bolivar estava na frente de guerra. Após o congresso de Cúcuta, ele foi confirmado como vice-presidente da recém-criada Gran Colômbia.

Antonio Narino

Antonio Nariño nasceu em 9 de abril de 1765 em Santa Fe de Bogotá. Ele participou com destaque na luta contra as autoridades do vice-reinado de Nova Granada pela independência.

Após vários anos de prisão, Nariño retornou à América pouco antes da celebração do Congresso de Cúcuta. Lá, ele substituiu o falecido vice-presidente Juan Germán Roscio como organizador das reuniões.

Reformas

O Congresso de Cúcuta aprovou a reunificação de Nova Granada e Venezuela. Um pouco mais tarde, o Equador ingressou nesta nova república.

Os participantes do congresso também trabalharam na redação de uma constituição para a Gran Colômbia. Esta Carta Magna foi promulgada em 30 de agosto de 1821 e tinha 10 capítulos e 190 artigos.

Além da Constituição, o Congresso aprovou várias reformas que consideravam urgentes. Em geral, eram medidas liberais que buscavam melhorar os direitos dos povos indígenas, escravos e cidadãos em geral. Da mesma forma, procurou limitar o poder da Igreja.

Direito de Manumission

A Lei de Manumissão foi o primeiro decreto emergido no Congresso de Cúcuta. Era uma lei sobre liberdade de útero que estabelecia que os recém-nascidos de mães escravas seriam livres quando atingissem uma idade específica.

Eliminação de alcabala ou imposto sobre vendas

No lado econômico, o Congresso confirmou a eliminação dos guardas. Da mesma forma, ele reformou o sistema tributário imposto pelas autoridades coloniais, eliminou a alcabala e aboliu o tributo aos nativos.

Igualdade Indígena

O Congresso declarou os nativos como cidadãos iguais em direito. Isso significava que, embora o tributo especial que ele teve que pagar durante a colônia tenha sido eliminado, eles foram obrigados a pagar o restante das taxas das quais estavam anteriormente isentos.

Igreja

Os deputados reunidos em Cúcuta tentaram reduzir o poder político e econômico da Igreja Católica. Para isso, liquidaram os mosteiros que tinham menos de oito moradores e confiscaram seus bens.

No entanto, dado o apoio que a Igreja tinha no nível popular, os bens confiscados eram destinados ao ensino médio no país, controlado pelo clero.

Outra medida relacionada à Igreja foi a abolição da Inquisição. Da mesma forma, a censura anterior aplicada a publicações religiosas foi abolida.

Consequências

Com o congresso de Cúcuta, a Gran Colombia nasceu oficialmente. Isso, naquela época, incluía os territórios de Nova Granada e Venezuela. Essa unificação foi considerada fundamental para derrotar os centros de resistência espanhóis na área.

Gran Colombia

A República da Gran Colômbia existiu de 1821 a 1831. Já no Congresso de Angostura, realizado em 1819, foi anunciada uma lei que anunciava seu nascimento, mas não foi até o Congresso de Cúcuta, quando foi legalmente fundada.

No mesmo Congresso, a Constituição do novo país foi redigida e aprovada. Neste, sua operação foi regulamentada e foi descrito como seria governado, suas instituições e foi indicado que seu sistema administrativo seria o centralismo unitário.

Os promotores da Gran Colombia, começando com Simón Bolívar, confiaram que os países europeus o reconheceriam rapidamente. No entanto, suas expectativas não foram atendidas. Assim, por exemplo, Áustria, França e Rússia anunciaram que só reconheceriam a independência se uma monarquia fosse estabelecida.

Algo mais aceitação encontrada nas Américas. O futuro presidente dos EUA, John Quincy Adams, disse que a Grande Colômbia tem potencial para se tornar uma das nações mais poderosas do mundo.

Presidente da República

Simón Bolívar foi proclamado presidente da Gran Colômbia. Francisco de Paula Santander foi eleito vice-presidente.

Estado centralista

Uma das questões mais polêmicas que foram resolvidas no Congresso de Cúcuta foi a forma administrativa do novo estado. As tensões entre federalistas e centralistas já haviam surgido durante a guerra e a unificação entre Nova Granada e Venezuela complicou ainda mais o assunto.

Em geral, os representantes da Venezuela se posicionaram a favor das teses centralistas, pois experiências anteriores em seu país os fizeram desconfiar da opção federal. Os deputados mais jovens de Nova Granada, de ideologia liberal, também preferiam um estado centralista.

Por outro lado, foi levado em consideração no Congresso que a Espanha ainda estava tentando recuperar o controle de suas colônias. Os deputados consideraram que o poder centralizador era a melhor opção para combater os monarquistas.

Dissolução

A Gran Colômbia aumentou quando o Equador e o Panamá aderiram. No entanto, as tensões federalistas, a ditadura estabelecida por Simón Bolívar, primeiro, e as de Sucre e Rafael Urdaneta, posteriormente, bem como a guerra com o Peru, causaram a dissolução do país.

Equador, Venezuela e Panamá decidiram romper a união em 1830. Consequentemente, os dois primeiros se tornaram estados independentes. O Panamá, por outro lado, sofreu uma série de regimes militares que não se desenvolveram para organizar as instituições de um Estado.

Em 20 de outubro de 1831, o estado de Nueva Granada foi criado legalmente. Seu primeiro presidente foi Francisco de Paula Santander.

Referências

  1. EcuRed. Congresso de Cúcuta. Obtido de ecured.cu
  2. Notimérica La Gran Colombia: o sonho de Simón Bolívar. Obtido de notimerica.com
  3. Restrepo Riaza, William. Constituição de Cúcuta. Obtido em colombiamania.com
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Great Colombia Obtido em britannica.com
  5. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Cúcuta, Congresso de. Obtido em encyclopedia.com
  6. Biblioteca do Congresso dos EUA Great Colombia Recuperado de countrystudies.us
  7. Gascoigne, Bamber. História da Colômbia Obtido em historyworld.net
  8. Revolvy Constituição colombiana de 1821. Obtido de revolvy.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies