Caudillismo na América Latina: causas e características

O caudilismo na América Latina é um fenômeno social e político que, segundo especialistas, se desenvolveu na América Latina no século XIX. O caudillismo designa o tipo de governo liderado por um líder carismático que geralmente chega ao poder por meios informais: o caudillo.

Os líderes foram muito comuns na América Latina durante as primeiras décadas de independência. O termo, apesar da definição geral, abrange diferentes tipos de líderes. As autoridades coloniais espanholas, por exemplo, chamaram os líderes de independência mexicana de caudilhos, embora a maioria não governasse o país.

Caudillismo na América Latina: causas e características 1

Agustín Gamarra, líder peruano. Fonte: Museu Nacional de Arqueologia, Antropologia e História do Peru [Domínio público]

Uma das características mais comuns do caudilismo é o suporte popular que geralmente surge a princípio. Além disso, os líderes pertenciam às forças armadas ou, pelo menos, participavam de algum conflito. Foi uma das maneiras pelas quais eles conseguiram ganhar influência na sociedade.

Por outro lado, o caudillismo levou, na maioria dos casos, a um governo personalista e autoritário, mesmo que houvesse instituições democráticas como um parlamento. Especialistas apontam que hoje existe uma continuação do caudilismo, que eles definem como pós-moderno.

Causas

O fenômeno político do caudilismo se desenvolveu na América Latina no século XIX. A figura do líder foi muito característica nas primeiras décadas que se seguiram à independência. Esses líderes haviam participado muitas vezes da luta contra as autoridades coloniais e eram personagens com grande carisma.

Normalmente, os líderes acediam ao poder por métodos informais, embora com apoio frequente do povo. Os regimes políticos associados ao caudilismo eram personalistas e com uma grande presença dos militares.

O caudilismo na América Latina levou, na maioria dos casos, a ditaduras. No entanto, em outras ocasiões, eles eram a origem dos sistemas democráticos e federais.

Decadência das autoridades coloniais

O caudilismo latino-americano tem sua origem no declínio das autoridades coloniais. As instituições começaram a perder a autoridade, criando sociedades muito instáveis.

Isso fez com que surgissem líderes, geralmente em territórios periféricos, que assumiam grande parte do poder perdido pelas autoridades. Além disso, na América Latina, muitos desses líderes assumiram a liderança da luta contra os monarquistas.

Processos de independência

As guerras pela independência não apenas implicaram o surgimento de heróis nacionais que, muitas vezes, se tornaram líderes. Também fez as sociedades sofrerem um processo de ruralização e militarização, que se tornou um terreno fértil perfeito para o caudilismo.

Segundo os historiadores, a figura do caudilho teve como precedente os caciques já existentes durante a colônia. Eles finalmente detiveram poder real em suas terras e criaram uma rede de lealdade pessoal e lealdade.

Quando as guerras pela independência eclodiram, os líderes aproveitaram a militarização social para organizar seus próprios exércitos. Muitas vezes, eles começaram a lutar pela democratização do sistema, mas, quando chegaram ao poder, levaram a regimes personalistas com traços muito autoritários.

Vácuo de energia e falta de ordem

A queda das administrações coloniais fez com que o continente experimentasse estágios de grande instabilidade política. Havia, em muitos casos, um vácuo de poder e, quase sempre, uma total falta de consenso político.

Os líderes da independência não compartilharam as mesmas idéias sobre organização social. Havia monarquistas e republicanos, conservadores e liberais, além de centralistas e federalistas. Os mais poderosos, aqueles que formaram seu próprio exército, acabaram se enfrentando.

A falta de ordem pública e as crises econômicas também levaram a população a buscar líderes fortes para estabilizar a situação.

Relacionado:  Mercantilismo: História, Características e Representantes

Fraqueza do poder central

Após a independência, em muitos países o poder central ficou muito fraco. Os líderes regionais aproveitaram-se para tentar impor sua liderança .

Caráter do líder

Na América Latina, o líder apareceu em todo o espectro ideológico existente na época. Havia conservadores e liberais, além de federalistas e centralistas. Além disso, não era estranho que alguns mudassem de lado ao longo do tempo, passando de uma posição para outra.

Carisma e legitimidade

Pessoalmente, uma das principais características dos líderes era seu carisma. Foi essa capacidade de atrair apoio popular que lhes deu legitimidade para governar.

Dessa forma, ele usou elementos emocionais para conquistar a adesão do povo. Seu programa político costumava ser muito geral, prometendo melhorias nas condições de vida. Em um momento de grande instabilidade e pobreza, o líder gerou uma imagem de força e de ser essencial para melhorar a situação.

Poder pessoal

Embora isso não tenha acontecido em todos os casos, muitos dos líderes latino-americanos vieram dos setores mais ricos. Os proprietários de terras, comerciantes e militares eram frequentes, o que lhes dava prestígio e poder.

Da mesma forma, alguns dos heróis da independência mais tarde se tornaram líderes graças à sua popularidade e à criação de seus próprios exércitos.

Governo autoritário

Os caudilhos, quando chegaram ao poder, instalaram um tipo de governo autoritário ou, pelo menos, muito personalista. Normalmente, ele acumulou em suas mãos todas as fontes de poder e reprimiu a oposição.

Esse tipo de liderança autocrática poderia começar desde o início do mandato ou, às vezes, depois de algum tempo, quando eles decidissem esvaziar os parlamentos e órgãos similares de todas as suas funções.

Liderança pós-moderna

Embora os historiadores apontem o século XIX como a época em que o caudilismo latino-americano esteve mais presente, também há especialistas que apontam a existência desse fenômeno nos últimos tempos.

Existem, no entanto, diferenças entre as características dos líderes modernos e antigos. A principal é a maneira de chegar ao poder, já que atualmente eles podem fazê-lo usando mecanismos democráticos.

Uma vez vencidas as eleições, elas acumulam poder ao eliminar as funções dos órgãos de controle, como tribunais ou Congresso.

Caudillismo no México

O México foi um dos países latino-americanos em que o fenômeno do caudillismo foi apresentado com mais força. Como observado acima, esses eram caracteres muito carismáticos, capazes de obter o apoio do povo e até das elites econômicas.

Um aspecto a considerar sobre os líderes mexicanos é que ele foi classificado como tal para uma ampla variedade de líderes. Os espanhóis, durante os últimos anos da colônia, nomearam muitos dos primeiros rebeldes independenteistas, como Miguel Hidalgo , José María Morelos ou Vicente Guerrero .

Nem todos os historiadores concordam com essa denominação. Mais consenso encontram personagens como Antonio López de Santa Anna ou Venustiano Carranza .

Caudillismo durante a Guerra da Independência

Embora nem todos os especialistas compartilhem que eles podem ser considerados caudilhos de acordo com a definição clássica, eles geralmente se qualificam como heróis da independência, como Miguel Hidalgo ou Vicente Guerrero.

O primeiro estrelou a primeira revolta contra os espanhóis. Seu carisma levou uma boa parte do povo a segui-lo, proclamando-se Generalíssimo de las Américas antes de ser capturado e fuzilado.

Relacionado:  Os 10 pratos típicos mais populares da Colômbia

Por sua parte, Vicente Guerrero tornou-se o chefe dos insurgentes no vice-reinado do sul. Ele chegou a um acordo com Agustín de Iturbide para unir forças e proclamar independência. Depois de derrubar Guadalupe Victoria , ele se tornou presidente do país em 1828.

Durante a Revolução Mexicana e depois

Como aconteceu durante a Guerra da Independência, a Revolução Mexicana também causou o aparecimento de líderes carismáticos que podem ser equiparados à figura do líder. De Venustiano Carranza a Victoriano Huerta , através de Pancho Villa ou Emiliano Zapata , todos foram qualificados dentro desse fenômeno político.

Pós-revolução

Após o fim da ditadura de Porfirio Díaz , a quem alguns autores se qualificam como líderes, os líderes a seguir concordam com muitas das características do líder.

Entre 1920 e 1938, Álvaro Obregón e Plutarco Elías Calles , estabeleceram governos muito personalistas, com muitas medidas autoritárias. Sua legitimidade se baseava em sua própria personalidade e em alianças ou confrontos com líderes do exército e com líderes sindicais.

Caudillismo no Peru

Os especialistas acreditam que o nascimento da República do Peru foi em 1823. Após o governo de San Martín, o primeiro Congresso Constituinte foi convocado. Na mesma data, inaugurou a era dos caudilhos.

Como em outras partes da América Latina, as guerras pela independência criaram as condições certas para o surgimento de pequenos exércitos comandados por líderes locais. Eles acessaram, pela força, poder. A fraqueza do poder central fez com que os líderes dominassem o Peru entre 1823 e 1844.

Propriedade militar

Embora eles compartilhassem o objetivo final da independência, durante a guerra contra o vice-reinado, não havia uma posição única sobre como organizar o futuro país. Os crioulos, por exemplo, mal participaram, o que se refletiu em sua ausência durante o Congresso Constituinte.

Em vez disso, os militares aproveitaram sua participação nas batalhas pela independência para controlar o poder político por duas décadas. Segundo especialistas, acabaram acreditando ser indispensáveis ​​para o país. Entre 1821 e 1845, havia 15 presidentes no Peru, 10 congressos e 6 constituições diferentes.

Principais líderes até 1841

Um dos caudilhos mais importantes daquela primeira vez após a independência do Peru foi Agustín Gamarra. Ele liderou o exército que derrubou Sucré em 1828, tendo paz com mais de 5000 homens. Ele morreu durante sua tentativa de invadir a Bolívia.

Gamarra enfrentou Luis José de Orbegoso. Presidente do país, ele lutou contra Gamarra em 1834, sendo derrubado por Felipe Salaverry, outro dos líderes daquela etapa.

Líderes posteriores

Outros líderes que surgiram após a era marcada por Gamarra foram, por exemplo, Juan Francisco Vidal, que assumiu o poder pelas armas. Por sua vez, foi deposto com os mesmos métodos por Manuel Ignacio de Vivanco.

Por outro lado, Ramón Castilla é considerado o primeiro presidente reformista do país. Embora tenha deposto o Vivanco por armas, mais tarde foi eleito por voto duas vezes.

Outros nomes de destaque nesta lista são Nicolás de Piérola, Andrés Avelino Cáceres, Manuel Iglesias e Lizardo Montero Flores.

Caudillismo na Argentina

Os líderes argentinos estavam intimamente ligados a confrontos entre federalistas e centralistas. Durante o século XIX, esses líderes foram os vários chefes de exércitos nas províncias do país. Por um lado, eles lutaram entre si. Por outro, enfrentaram partidários do centralismo, localizados em Buenos Aires.

Os líderes provinciais tinham seu próprio exército e tinham apoio popular em seus territórios.

Relacionado:  Serapio Calderón: biografia e presidência

Os historiadores dividem o caudilismo argentino em três estágios: o dos líderes da independência que enfrentaram os espanhóis; o das autonomias provinciais, que lutaram contra os unitaristas; e aqueles que lideraram revoltas nas províncias contra a hegemonia de Buenos Aires.

Líderes mais importantes

O número de líderes na Argentina era enorme. Para os historiadores, vários deles se destacam por sua importância histórica.

O primeiro foi José Gervasio Artigas, nascido no atual Uruguai. Ele é considerado o primeiro dos caudilhos e foi chamado de “o arauto dos federalismos do Rio de Janeiro”.

Outros líderes importantes foram Miguel de Güemes e Félix Heredia, bem como De Güemes e Fëlix Heredia, ambos nativos de Entrerríos.

Após a reorganização nacional, nos anos 60 do século XIX, surgiram líderes como Ángel Vicente Peñaloza e, um pouco depois, ele foi considerado o último grande líder, Ricardo López Jordán.

Caudillismo na Colômbia

A Colômbia, depois da independência, viu como surgiram dois fenômenos semelhantes, mas com aspectos que os diferenciavam: caudillismo e gamonalismo. Ambos foram causados ​​pelo vácuo de poder após a derrota espanhola e pela divisão regional que acompanhou a queda do vice-reinado.

O regionalismo teve muita força na área, o que levou ao surgimento de líderes fortes em cada território. Seu objetivo era alcançar o poder e consolidar-se em suas respectivas províncias.

Caudilhos e gamonales

Como observado, as semelhanças entre caudillismo e gamonalismo os confundem. Ambos, por exemplo, usam patrocínio político para consolidar o poder e foram baseados na figura de um líder carismático.

No entanto, no caso colombiano, os líderes pertenciam à elite econômica do país, além de ter algum poder militar em uma determinada região. A partir dele, poderia influenciar territórios mais amplos e até nacionalmente.

O mais importante desses líderes foi Tomás Cipriano de Mosquera, da região de Cauca. Em 1860, ele decidiu proclamar a guerra ao Estado, conseguindo derrotá-la. Depois disso, ele promoveu uma mudança constitucional para instalar o federalismo.

Por outro lado, os gamonales agiam mais como caciques políticos. Eles eram de origem mais popular e tinham apenas poder local.

Alguns líderes

Ao contrário do que aconteceu em outros países da América Latina, na Colômbia havia mais gamonales do que caudilhos. Assim, nenhum deles conseguiu dominar o país por períodos significativos de tempo.

Como exemplo, os especialistas citam José María Obando, de Cauca. Em 1840, ele tentou se levantar contra o governo, sem sucesso. Ele chegou à presidência de Nueva Granada em 1853, mas foi derrubado um ano depois por José María Melo. Por sua vez, Melo só pôde ocupar o poder por alguns meses.

Finalmente, outro líder importante, mas muito breve, foi Juan José Nieto, presidente do estado de Bolívar em 1860. Quando Tomás Cipriano Mosquera iniciou sua revolução federalista, Nieto assumiu o poder executivo dos Estados Unidos da Colômbia. Ele ficou nessa posição por seis meses, até o próprio Mosquera substituí-lo.

Referências

  1. História da Arte Surgimento de caudilismo. Obtido em artehistoria.com
  2. Castro, Pedro. O caudilismo na América Latina, ontem e hoje. Recuperado de researchgate.net
  3. González Aguilar, Héctor. O estágio dos caudilhos. Obtido de episodesdemexico.blogspot.com
  4. De Riz, Liliana. Caudillismo. Obtido em britannica.com
  5. Rebon, Susana. Caudillismo na América Latina; fenômenos políticos e sociais. Obtido de medium.com
  6. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Caudillismo, Caudillo. Obtido em encyclopedia.com
  7. Wikipedia Lista de caudilhos latino-americanos, obtidos em en.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies