Conservadorismo: Ideologia, Princípios e Representantes

O conservadorismo é uma ideologia que defende a manutenção de tradições, se opõe ao liberalismo e defende as idéias de direita e centro. É contrário a mudanças radicais, é nacionalista e defende o sistema de valores morais, familiares e religiosos que prevalecem na sociedade.

As origens do conservadorismo são encontradas na obra Reflexões sobre a Revolução Francesa, escrita pelo político e filósofo britânico Edmund Burke. O pensamento conservador é caracterizado por preferir a ordem estabelecida na sociedade e nas tradições, enquanto representa a base da governança e do nacionalismo.

Conservadorismo: Ideologia, Princípios e Representantes 1

Edmund Burke, antecessor do conservadorismo

No México, idéias conservadoras floresceram com a independência e o Primeiro Império de Agustín de Iturbide. Em seguida, foi ampliada com a criação do Partido Conservador, em 1849. Atualmente, as expressões conservadoras mexicanas são o Partido da Aliança Nacional (PAN) e o Partido Solidariedade, entre outras organizações.

Ideologia conservadora

A ideologia conservadora na política é um conjunto de doutrinas e correntes de pensamento que são expressas em opiniões e posições. Está ligado às idéias de direita e de centro-direita, que se opõem a mudanças radicais no plano político, social, cultural e econômico.

O conservadorismo é a favor do fortalecimento dos valores sociais e religiosos e das tradições familiares.

Relacionamento com o mercado

No nível econômico, devido ao seu pensamento nacionalista, o conservadorismo defendia historicamente o protecionismo dos mercados. No entanto, esse pensamento mudou radicalmente no século XX, após a fusão de alguns partidos conservadores com o liberalismo.

Então, o pensamento liberal do livre mercado foi adotado, que agora é paradoxalmente considerado conservador. O conservadorismo defende o capitalismo como um sistema de produção em oposição ao sistema socialista e / ou comunista.

Corrente heterogênea

Atualmente, o conservadorismo político não é homogêneo. Pelo contrário, existem correntes diferentes com posições diferentes na economia de mercado e na esfera política.

A fusão do pensamento conservador e liberal é conhecida como liberalismo conservador.

Princípios

Deus é o centro do universo.

– Existe uma ordem e uma lei natural para a humanidade.

– A propriedade privada é inerente ao homem, é um direito natural e, além disso, cumpre uma função social.

– Existe uma moral universal e certos valores éticos culturais.

– Para alcançar a estabilidade social, são necessárias forte autoridade e legalidade.

– A pessoa tem dignidade e isso deve ser respeitado.

– Os grandes professores do povo são civilização, tradição e cultura.

– A desconcentração de poder e autonomia local contribuem para a manutenção da tradição e da ordem.

– O homem goza de livre arbítrio para fazer o bem ou o mal.

– A razão humana tem limites.

– Justiça social e equidade são um verdadeiro reflexo de solidariedade e amor ao próximo que o cristianismo ensina.

– Orienta-se socialmente para as concepções organista ou naturalista dos indivíduos e da sociedade. Ou seja, que a lei e a lei natural são princípios da vida.

Relacionado:  História da estatística: desde suas origens até os dias atuais

– Considerar a religião como um elemento de coesão social, pois ajuda a consolidar e fortalecer os valores familiares e sociais.

– É inclinado a preservar o status quo ou a ordem social estabelecida, tanto social quanto legalmente.

– Prefere e defende a manutenção das tradições como base da governança. Promove valores nacionais (nacionalismo) e patriotismo.

– Desconfie das teorias metafísicas da sociedade.

– No campo econômico, defende a iniciativa privada como o princípio norteador da economia.

– Aceitar o intervencionismo econômico sempre que for de interesse nacional.

Representantes históricos do conservadorismo

Representantes na Europa

Edmund Burke

O conservadorismo nasceu na Inglaterra com as idéias apresentadas pelo filósofo e político britânico Edmund Burke (1729-1797) sobre a Revolução Francesa . Burke se opôs às profundas mudanças propostas nas estruturas políticas, econômicas e sociais.

Burke, também escritor, defende o valor da família e da religião, o mundo rural e natural em oposição ao industrialismo. Esse pensamento inicial de conservadorismo logo evolui e acaba admitindo a existência da nova ordem burguesa.

Luis de Bonald

Em 1796, Louis de Bonald define os princípios do conservadorismo em sua obra Teoria do poder político e religioso . Ele os descreve como “monarquia absoluta, aristocracia hereditária, autoridade patriarcal na família”. E ele acrescenta: “a soberania religiosa e moral dos papas sobre todos os reis da cristandade”.

Joseph-Marie

Outro pensador francês como Joseph-Marie, conde de Maistre, desenvolve sua tese sobre “autoritarismo religioso”. Ele se opõe ao que chama de “teofobia do pensamento moderno”, que diminui a providência divina para explicar os fenômenos da natureza e da própria sociedade.

Carl Schmitt

Outro dos ideólogos e representantes mais importantes do conservadorismo internacional será o filósofo alemão Carl Schmitt (1888 – 1985). Ele foi um crítico severo da burguesia, por sua permissividade e também pela passividade para enfrentar o avanço do socialismo no mundo.

Na sua falta, ele propôs restringir o sistema de liberdades e democracia por meio do estabelecimento de governos ou estados autoritários.

Francisco Tadeo Calomarde

Na Espanha, um de seus principais representantes foi Francisco Tadeo Calomarde (1773 – 1842), político espanhol e ministro de Fernando VII.

Antonio Cánovas del Castillo

Antonio Cánovas del Castillo viveu entre 1828 e 1897. Também espanhol, ele foi um dos fundadores do Partido Conservador Espanhol.

Outros autores

As doutrinas conservadoras também incluem outros filósofos e estadistas alemães, como Hegel e Otto von Bismarck. As idéias de Hegel sobre o materialismo histórico provocaram uma revolução no campo das ciências sociais.

Representantes nos Estados Unidos

George Washington e John Adams

Na América, com George Washington e John Adams, o conservadorismo americano era muito peculiar, como na América Latina.

Em vez de apoiar a monarquia, ele defendeu a preservação de instituições republicanas nascentes e a manutenção da ordem social existente.

Relacionado:  Emilio Estrada Carmona: biografia

Representantes mexicanos

Agustín de Iturbude e José Rafael Carrera

Na América Latina, dois representantes do pensamento conservador promonárquico são o líder militar guatemalteco José Rafael Carrera (1814 – 1865) e o político e oficial mexicano Agustín de Iturbide (1783 – 1824).

Antonio López de Santa Anna

Entre os principais representantes do conservadorismo mexicano na primeira metade do século XIX, destaca-se o general Antonio López de Santa Anna, que governou igualmente com liberais, centralistas e monarquistas.

Lucas Alaman

Conservadorismo: Ideologia, Princípios e Representantes 2

Lucas Alaman

Lucas Alamán foi fundador do Partido Conservador Mexicano. Além disso, ele foi historiador, escritor, naturalista, político e empresário.

Juan Nepomuceno Almonte

O general Juan Nepomuceno Almonte foi um importante político e diplomata mexicano, seguidor do imperador Maximiliano I.

Outros representantes

Há também outros políticos que governaram e mantiveram altos cargos no México, como Francisco de Paula Arrangoiz, Félix Zuloaga, Ignacio Comonfort, Hilário Elguero, Miguel Miramon, Luis Osollo, Leonardo Márquez e Antonio Haro.

Conservadorismo no México

O conservadorismo surgiu no México e no resto da América Latina – mesmo nos Estados Unidos – após as guerras de emancipação. Ao longo do século XIX, o cenário político foi dominado por dois grandes partidos: o conservador e o liberal.

Suporte Fernando VII

No México, o pensamento conservador foi inicialmente expresso com apoio à restauração da monarquia e aos direitos do rei Fernando VII, nas duas primeiras décadas do século XIX.

Os monarquistas lutaram contra os insurgentes chefiados pelo padre José María Morelos e Pavón, que lutaram pela independência mexicana do Império Espanhol.

O Primeiro Império Mexicano

O processo continuou com Agustín de Iturbide com o estabelecimento do Primeiro Império Mexicano efêmero. No outono, a corrente conservadora foi dividida entre monarquistas e bourbonistas.

O primeiro lutou por um sistema de governo monárquico, mas no México. Estes eram a favor de serem governados por um monarca da Casa Bourbon da Espanha.

Papel da Igreja

Tensões e conflitos armados entre conservadores e liberais continuaram por décadas no México. O papel da Igreja Católica foi um dos pontos de maior conflito.

Os conservadores defendiam a manutenção do poder econômico e social da Igreja contra o pensamento liberal, que exigia separar a Igreja do Estado e da educação.

O slogan do combate conservador era “Religião e Fueros”. Eles lutaram porque a religião católica era a única tolerada e professada pelo povo mexicano e pela manutenção do monopólio da educação, porque assim impediam a infiltração de idéias liberais.

Da mesma forma, eles tentaram preservar privilégios e jurisdição militar. Os conservadores estavam convencidos de que uma monarquia constitucional era o melhor sistema de governo para o país.

Conservadorismo em vigor

Com isso, os princípios do conservadorismo permaneceram em vigor, apesar de permitir certas reformas políticas, sociais e econômicas. Assim, as antigas instituições monárquicas existentes permaneceram durante o vice-reinado.

Relacionado:  Os 10 personagens mais importantes da Renascença

A Igreja continuaria a manter o poder co-governando e governando a educação, enquanto as classes altas da sociedade preservariam seus privilégios.

Partido Conservador Mexicano

O Partido Conservador Mexicano foi oficialmente fundado em 1849, após a derrota mexicana na guerra contra os Estados Unidos, mas sua base ideológica veio dos padres jesuítas que foram expulsos do México no século XVIII. Portanto, a ideologia conservadora mexicana teve uma forte influência do pensamento conservador europeu.

A organização conservadora era composta pelas elites políticas e econômicas do país. Eles eram aristocratas espanhóis e brancos, proprietários e proprietários de terras que defendiam a supremacia crioula sobre a população mestiça e indígena.

O Partido Conservador Mexicano desapareceu em 867, após a queda do segundo e último imperador Maximiliano I.

O atual conservadorismo no México

O conservadorismo continuou a se manifestar ao longo do século XX através de diferentes conjunturas políticas. Suas fundações ideológicas não tiveram lugar no México pós-reforma no século passado, nem após a Revolução, em 1910.

Os conservadores não aceitaram a nova ordem política e social e continuaram lutando para tentar derrubá-la.

Corrente reduzida

Posteriormente, no estágio de 1940 a 1988, o direito conservador foi reduzido a certas regiões tradicionalistas, como Bajío e Puebla. No entanto, permanece atual.

Expressa-se politicamente através de novas organizações como o Partido Popular Popular, que sucedeu ao democrata mexicano. Eles concentraram sua luta na luta contra o comunismo e o socialismo, e tudo oposto aos valores cristãos.

Ascensão do conservadorismo

Houve um aumento da nova corrente de direita no final dos anos 70, devido, entre outras coisas, à crise política dos anos 80.

Os conservadores reuniram-se em torno do Partido de Ação Nacional, composto por jovens tecnocratas liderados por Vicente Fox. Em um país com imensa pobreza e baixos ciclos de crescimento econômico, eles encarnaram a transformação da economia mexicana e do conservadorismo social.

Mais tarde, outro conservador do PAN, Felipe Calderón, ganhou a presidência, dando lugar a um grupo mais moderado da direita mexicana.

Mas em 2007, devido aos conflitos dentro do PAN, surgiram outras organizações políticas: o Partido Humanista, o Movimento de Participação Social, a União Sinarquista Nacional e o Partido Solidariedade.

Referências

  1. O pensamento religioso de Lucas Alamán. Recuperado em 27 de fevereiro de 2018 de library.itam.mx
  2. Liberalismo e conservadorismo no México. Consultado em es.wikipedia.org
  3. Uribe, Monica. A extrema direita no México: conservadorismo moderno (PDF)
  4. Anastasio Bustamante. Consultado em biografiasyvidas.com
  5. Partido Conservador (México). Consultado em es.wikipedia.org
  6. Pensamento conservador (PDF). Consultado em americo.usal.es
  7. Conservadorismo Consultado de abc.com.py
  8. O Partido Conservador e os Sindicatos. Consultado em books.google.com
  9. José Contreras. A extrema direita, com seu próprio partido. Consultado a partir de cronica.com.mx

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies