Constelações familiares: um tipo de (pseudo) terapia psicológica

As constelações familiares são uma abordagem terapêutica que se baseia na ideia de que os problemas emocionais e psicológicos de uma pessoa podem ter suas raízes nas dinâmicas familiares e nos traumas não resolvidos de gerações passadas. Embora muitos terapeutas e praticantes acreditem nos benefícios desta prática, ela também tem sido criticada por sua falta de embasamento científico e por ser considerada, por alguns, como uma forma de terapia pseudocientífica. Neste contexto, é importante analisar criticamente os fundamentos e a eficácia das constelações familiares como uma ferramenta terapêutica.

As falhas da constelação familiar como prática terapêutica baseada em crenças e suposições sem comprovação.

As Constelações Familiares têm ganhado popularidade nos últimos anos como uma forma de terapia alternativa que visa identificar e resolver padrões de comportamento e relacionamentos disfuncionais dentro de uma família. No entanto, é importante destacar as várias falhas associadas a essa prática terapêutica, que se baseia em crenças e suposições sem comprovação científica.

Uma das principais críticas às Constelações Familiares é a falta de embasamento científico em suas técnicas e pressupostos. Muitos dos conceitos utilizados nesse tipo de terapia, como as “ordens do amor” e a “lealdade invisível”, não têm respaldo na psicologia ou em outras ciências comportamentais. Isso levanta dúvidas sobre a eficácia e a validade das práticas empregadas.

Além disso, as Constelações Familiares muitas vezes se baseiam em abordagens esotéricas e espirituais, o que as torna ainda mais questionáveis do ponto de vista científico. A ideia de que as dinâmicas familiares podem ser influenciadas por energias cósmicas ou por forças ocultas é altamente controversa e não encontra respaldo na comunidade científica.

Outro problema das Constelações Familiares é a falta de regulamentação e de formação adequada dos terapeutas que as praticam. Muitos facilitadores desse tipo de terapia não possuem uma formação sólida em psicologia ou em outras áreas relacionadas à saúde mental, o que coloca em risco a integridade dos pacientes e a eficácia do tratamento.

É importante que os indivíduos estejam cientes dessas questões ao considerar esse tipo de terapia como uma opção de tratamento para questões familiares e relacionais.

Qual é a abordagem terapêutica utilizada na constelação familiar?

A Constelação Familiar é uma abordagem terapêutica que tem como base os ensinamentos de Bert Hellinger, um psicoterapeuta alemão. Esta abordagem parte do pressuposto de que os problemas emocionais e psicológicos de uma pessoa estão muitas vezes ligados às dinâmicas familiares não resolvidas.

Na Constelação Familiar, o terapeuta facilita uma representação simbólica da família do cliente, através de bonecos ou de pessoas que representam os membros da família. Através desta representação, são identificados padrões de comportamento, conflitos e emaranhamentos familiares que estão influenciando a vida do cliente.

Um dos principais objetivos da Constelação Familiar é trazer à luz esses padrões inconscientes, para que o cliente possa tomar consciência deles e, assim, encontrar novas formas de lidar com as questões familiares. Através deste processo, espera-se que o cliente possa se libertar de padrões limitantes e encontrar soluções mais saudáveis para seus problemas.

Relacionado:  Os 7 tipos de ansiedade (características, causas e sintomas)

É importante ressaltar que a Constelação Familiar não é reconhecida como uma terapia legítima pela comunidade científica, sendo considerada por muitos como uma forma de pseudoterapia. Apesar disso, muitas pessoas relatam benefícios após participarem de sessões de Constelação Familiar, o que pode ser atribuído ao efeito placebo ou ao poder do trabalho simbólico.

A abordagem psicológica da constelação familiar: conceitos, aplicações e benefícios para o indivíduo.

A abordagem psicológica da constelação familiar tem ganhado cada vez mais popularidade nos últimos anos, sendo utilizada como uma forma de terapia alternativa para tratar questões familiares e emocionais. A constelação familiar foi desenvolvida pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger e parte do pressuposto de que os problemas de um indivíduo estão ligados às dinâmicas familiares e aos traumas não resolvidos de gerações passadas.

Neste tipo de terapia, o cliente é convidado a representar membros de sua família ou situações específicas, a fim de trazer à tona questões ocultas e padrões de comportamento que influenciam sua vida. A constelação familiar busca trazer à luz as dinâmicas inconscientes que estão em jogo nas relações familiares, permitindo que o cliente compreenda melhor suas próprias emoções e comportamentos.

Os benefícios da constelação familiar para o indivíduo incluem a possibilidade de identificar e resolver conflitos familiares, liberar emoções reprimidas e encontrar novas formas de se relacionar com os membros de sua família. Além disso, a constelação familiar também pode auxiliar no processo de cura de traumas do passado e na construção de relacionamentos mais saudáveis e equilibrados.

Embora a constelação familiar tenha sido criticada por muitos profissionais da psicologia, que a consideram uma forma de (pseudo) terapia psicológica, seus defensores afirmam que ela pode ser uma ferramenta poderosa para promover a compreensão e a cura emocional. A abordagem psicológica da constelação familiar pode ser uma alternativa interessante para aqueles que buscam explorar as relações familiares de forma mais profunda e encontrar soluções para seus conflitos internos.

Razões para não confiar na eficácia da constelação familiar como método terapêutico.

Razões para não confiar na eficácia da constelação familiar como método terapêutico são diversas. Primeiramente, a falta de embasamento científico é um ponto crucial. Não há evidências sólidas que comprovem a eficácia dessa prática como forma de tratamento psicológico.

Além disso, a constelação familiar muitas vezes se baseia em crenças esotéricas e místicas, o que pode afastar profissionais da saúde mental que prezam pela abordagem baseada em evidências. A ausência de fundamentação teórica consistente também levanta questionamentos sobre a validade e confiabilidade desse método.

Outro aspecto a ser considerado é a falta de regulamentação e fiscalização na prática da constelação familiar. Isso abre margem para a atuação de pessoas sem formação adequada, o que pode representar um risco para o bem-estar dos indivíduos que buscam por ajuda psicológica.

Por fim, a promessa de soluções rápidas e milagrosas para problemas familiares e emocionais pode criar expectativas irreais nos pacientes, levando a frustrações e decepções. É importante ter cautela ao optar por esse tipo de abordagem terapêutica e sempre buscar por profissionais qualificados e com embasamento científico sólido.

Constelações familiares: um tipo de (pseudo) terapia psicológica

Constelações familiares: um tipo de (pseudo) terapia psicológica 1

As
constelações familiares são um tipo de dinâmica terapêutica que está a ter um boom nos últimos tempos. Esse processo psicoterapêutico é realizado em grupo e busca despertar os sentimentos e emoções que temos latentes em nosso inconsciente.

O suporte teórico das constelações familiares é bastante questionável . Eles geralmente baseiam essa prática no fato de que as pessoas convivem com certos conflitos emocionais inconscientes que não conseguimos resolver ao longo da vida. Esse lastro inconsciente pode nos levar a sentir dor e outros problemas emocionais, sem a possibilidade de nos livrarmos da causa do problema. Esses conflitos internos podem levar a problemas comportamentais e estar em disputa permanente com certas pessoas em nosso ambiente.

Constelações familiares: terapia de introspecção familiar

Mas qual é exatamente a dinâmica das constelações familiares? A dinâmica é realizada com várias pessoas reunidas na mesma sala. São pessoas que não têm laços familiares e que querem se conhecer melhor e, talvez,
superar alguns conflitos familiares e interpessoais que se arrastam há anos .

É preciso esclarecer um pouco: embora as constelações familiares sejam realizadas em grupo, ela não é considerada uma terapia de grupo a ser utilizada, pois existem importantes diferenças metodológicas em relação a elas.

As bases filosóficas e metodológicas

O promotor do método da constelação é o psicólogo, pedagogo e padre da Igreja Católica
Bert Hellinger . Este alemão desenvolveu os fundamentos das constelações familiares nos anos 90 e é considerado o fundador e seu principal autor.

Durante sua carreira profissional de mais de meio século,
Hellinger pesquisou, tratou e coletou dados sobre as famílias que ajudou . Ele descobriu que a maioria das pessoas reproduz inconscientemente padrões e dinâmicas em nossa família. São padrões que, com muita frequência, nos levam a ter más experiências psicológicas: ansiedade, raiva, culpa, desprezo, isolamento … Além disso, podemos estar sofrendo de certos distúrbios devido ao nosso relacionamento com os membros da família, como alcoolismo ou dependência emocional .

Hellinger reflete e diz que quando somos crianças, é provável que sacrifiquemos nosso próprio
equilíbrio emocional para superar os problemas emocionais de nossos pais ou outros membros próximos da família. Segundo Hellinger, as constelações familiares podem ajudar a descobrir e reinterpretar esses padrões inconscientes, para que possamos viver e nos relacionar de uma maneira mais saudável, equilibrada e feliz.

Em resumo, o objetivo das constelações familiares é detectar e descobrir a dinâmica inconsciente de cada família e as atitudes e comportamentos que ocorrem entre seus membros. Por meio de experimentação
no local , os participantes dessa dinâmica podem inspecionar seus sentimentos ocultos em relação a seus parentes, sendo uma oportunidade para encontrar soluções para esses conflitos latentes.

Sessões de constelações familiares: como são realizadas?

Então,
como exatamente as constelações familiares funcionam? Em uma sala qualificada, várias pessoas se encontram (geralmente entre 5 e 12), incluindo o constelador, que atua como terapeuta e organiza a dinâmica.

Relacionado:  Síndrome de Rebecca: sintomas, causas e tratamento

Geralmente, as sessões geralmente duram várias horas. Em cada oficina, 4 a 7 pessoas são consteladas, conforme o terapeuta julgar apropriado com base na família que você deseja representar na dinâmica.
Cada um dos participantes tem um turno para constelar sua própria família por uma hora .

Durante o tempo em que uma constelação ocorre, o restante dos participantes encena e representa as experiências inconscientes da pessoa que está realizando a terapia. Após cada turno, é feito um intervalo de um quarto de hora para fazer um intervalo e continuar com a próxima pessoa. Dessa forma, a dinâmica terapêutica é encadeada e cada participante realiza sua própria terapia pessoal e participa da terapia dos outros assistentes.

As pessoas que participam da dinâmica não precisam conhecer as características ou teorias nas quais esse tipo de terapia se baseia. A maneira de trabalhar é totalmente experiencial, embora o terapeuta imponha uma série de elementos metodológicos essenciais. Todos os participantes realizam sua própria terapia, mas
também se beneficiam de experimentar todos os papéis que representam os membros da família dos outros participantes e de desenhar semelhanças com suas próprias histórias pessoais e familiares.

Uma terapia … útil? Em vez de pseudociência …

A dinâmica que se desenvolve nas constelações familiares não tem nenhum apoio científico . De fato, essa prática está freqüentemente relacionada à pseudociência e superstição . É uma das modas da nova era que adquiriram relevância entre os círculos espirituais e pseudo-psicológicos.

De qualquer forma, aqui nos limitaremos a descrever, ou melhor, a ecoar todas as aplicações possíveis desse tipo de terapia com base no testemunho de Hellinger e de outros proeminentes defensores dessa prática terapêutica.

Os terapeutas da constelação familiar geralmente apontam que esse tipo de terapia é útil no tratamento de problemas sistêmicos, dentro da família.
Pode ajudar a resolver conflitos císticos e reinterpretar os relacionamentos familiares e, por extensão, encontrar um novo significado na vida.

Conflitos que geralmente são tratados por essa terapia

  • Problemas nas relações familiares
  • Trauma na infância
  • Problemas com o casal ou com velhos relacionamentos românticos
  • Relacionamento com crianças
  • Imagens depressivas, tristeza
  • Processos de luto
  • Lidar com patologias graves
  • Isolamento, sentimentos de solidão
  • Outros conflitos

Mais uma entre terapias existenciais

As terapias existenciais
são baseadas em uma visão fenomenológica da psique humana e, portanto, dos conflitos psicológicos que sofremos. A dinâmica das terapias existenciais deixa o terapeuta em segundo plano e concentra-se em permitir que o paciente faça uma introspecção profunda.

Isso permite que a pessoa detecte conflitos latentes e tente resolvê-los, geralmente através de reinterpretação e reconciliação com certas pessoas e eventos passados. No entanto, sua base científica é inexistente; portanto, da Psicologia e da Mente , devemos advertir que participar desse tipo de sessão pode ser inútil e até prejudicial.

Deixe um comentário