Contexto Social do Romantismo: Principais Características

O contexto social do romantismo faz parte de uma série de mudanças na estrutura em que a sociedade da época se baseava. Nesse ambiente convulsivo, várias ideologias diferentes são enfrentadas.

Essas ideologias eram o absolutista, que resiste ao desaparecimento; o Iluminismo, apoiado pelas idéias da Revolução Francesa; e a partir do século XIX, o romantismo, com uma reação aos dois anteriores.

Contexto Social do Romantismo: Principais Características 1

O romantismo era uma corrente artística e de pensamento que surge na Europa no final do século XVIII e início do século XIX.

Embora exalte o individualismo e a liberdade, também enfrenta idéias racionalistas esclarecidas, pois contém elementos muito espirituais e emocionais.

Antecedentes

A Europa da qual o romantismo emerge estava em um período muito turbulento de sua história.

O antigo regime de monarquias absolutistas estava sendo combatido pelas idéias da Revolução Francesa, que Napoleão foi responsável por expandir em todo o continente.

Por outro lado, entre os intelectuais, as idéias conservadoras ligadas à Igreja e aos reis por mandato divino enfrentam o Iluminismo.

No Iluminismo, a razão é o novo sinal de identidade. Assim, o racional vem substituir o religioso.

Entre essas idéias, surge uma novela, com algumas coincidências com ambas e com algumas diferenças: o romantismo.

Isso une a rejeição da antiga religião como eixo da sociedade, mas também rejeita a razão e o retorno ao neoclassicismo de gregos e romanos.

Romantismo e seu contexto social

Embora tenha sido usada para estudar em seu campo artístico, a sociedade também recebe influências desse novo movimento.

Dessa forma, a individualidade que advoga se une ao surgimento de novos conceitos subjetivos que mudarão até a geografia da Europa.

As idéias nacionalistas começam a se desenvolver com base na idéia do “espírito do povo”, especialmente na Europa Central.

Relacionado:  14 pintores equatorianos importantes e seu legado

Esse nacionalismo bebe de fontes quase mitológicas, de um passado glorioso. Por exemplo, a Alemanha é unificada em um único estado, às vezes apelando para a mitologia nórdica.

Um grande exemplo disso é encontrado nas obras de Richard Wagner, com suas referências a nibelungos ou deuses do norte.

A Itália também é unificada, com apelos constantes ao que era o Império Romano. As revoluções e o movimento de 1848 não se baseiam apenas nas idéias liberais da Revolução Francesa, mas também nessas características românticas.

Além disso, há uma sensação do trágico que não existia anteriormente. A morte não é vista apenas do ponto de vista cristão, mas é dotada de uma auréola sombria e atraente que antes não possuía. Poetas como Lord Byron ou escritores como Poe provam isso.

Romantismo na América Latina

O movimento romântico chega à América Latina com algumas características próprias devido ao contexto social.

O romantismo aparece na América Latina em meados do século XIX, quando o continente está na era da luta pela independência.

Este é um período de emergência de caudilhos, guerras e chegada ao poder dos crioulos. Por isso, não surpreende que parte desse romantismo tenha sido impregnada com a busca pela liberdade, reunindo influências das idéias liberais da época.

Referências

  1. Universidade Complutense de Madri. O movimento romântico: quadro histórico-social. Recuperado de ucm.es
  2. Universidade de Sevilha Romantismo político Recuperado de institucional.us.es
  3. Cross Ref. Romantismo. Obtido de crossref-it.info
  4. Heath, Shannon. A cultura da rebelião na era romântica. Obtido em web.utk.edu
  5. Polo licenciado. A Era Romântica: Antecedentes Históricos. Obtido em pololiceale.it

Deixe um comentário