Corporativismo: características, tipos, México, Espanha

O corporativismo é um sistema político, social e econômico que afirma que uma comunidade deve agir como um corpo, que é formado por sua vez, por uma série de instituições encarregadas de interagir com o outro para a tomada de decisão.

Em geral, o corporativismo baseia-se no princípio da unificação, integrando a comunicação de três setores principais: associações empresariais, sindicatos e governo, que desempenhariam o papel de entidade neutra e negociadora entre os outros dois.

Corporativismo: características, tipos, México, Espanha 1

Da mesma forma, para o sucesso de uma sociedade corporativista, deve haver a divisão das classes sociais e a subordinação desses grupos ao poder e à intervenção do Estado.

Origens e História

Os antecedentes dessa doutrina foram manifestados nas civilizações grega, romana e até egípcia. Mas é na Idade Média que formas mais explícitas dessa corrente são estabelecidas.

Naquela época, a sociedade começava a se organizar através das guildas e uma das mais importantes era o agrupamento de comerciantes e artesãos de diferentes áreas, que buscavam defender os interesses e privilégios dos membros.

Em vista disso, eles foram capazes de estabelecer preços, estabelecer padrões de qualidade para produtos e serviços e suprimir quase totalmente a concorrência.

Com o passar do tempo, o estabelecimento de organizações sociais tornou-se cada vez mais comum, especialmente entre os séculos XVIII e XIX, quando surgiram sindicatos de trabalhadores e partidos políticos.

Corporativismo moderno

O que hoje é conhecido como corporativismo surgiu na Itália após a Primeira Guerra Mundial, com Benito Mussolini, a fim de estabelecer controle social por meio de políticas estatais. Este buscou alcançar:

  • A substituição de partidos políticos por associações de empregadores e de trabalhadores, que por sua vez seriam controladas pelo único partido fascista e pelo governo.
  • Determinar os salários e a solução das disputas entre os grupos.
  • Coordenação de produção.
  • Preparação de acordos coletivos.
  • Previsão de greve.

Deve-se notar que, atualmente, falar em corporativismo está associado a um termo pejorativo, uma vez que serve apenas aos interesses de um único setor – geralmente o governo ou as elites que estão presentes no momento.

Relacionado:  Ereshkigal: etimologia, origem, atributos, civilizações

Caracteristicas

Os elementos essenciais do corporativismo são:

-As regiões que mantêm esse tipo de sistema, têm uma forte intervenção do Estado.

-As decisões são tomadas por corporações, não por pessoas.

– Os representantes dos sindicatos são aqueles que participam da atividade política e da promulgação de leis e normas de cada setor.

-As reivindicações são feitas dentro de cada agrupamento sob o esquema de comunicação vertical. No entanto, foi demonstrado que é um sistema não representativo e que gera descontentamento entre os membros.

-O Estado eleva os regulamentos trabalhistas.

-Está associado ao absolutismo, neoliberalismo, nacionalismo, fascismo, social-democracia, socialismo e sindicalismo.

-Também está presente nas interações e relacionamentos em algumas religiões importantes, como cristianismo, islamismo, confucionismo, hinduísmo e budismo.

-Procure reivindicar valores e virtudes tradicionais.

– Você deseja garantir o bem comum e o interesse geral.

Tipos

Você pode encontrar diferentes tipos de corporativismo:

Corporativismo líder

O Estado é a entidade responsável por estabelecer o controle social e os grupos que fazem parte da sociedade. Possui uma característica predominantemente política, pois é o Estado que coordena todo o sistema.

Corporativismo liberal

Ele argumenta que não há conflito de interesses entre os grupos porque a interdependência predomina.

Corporativismo Corporativo

Os grupos são caracterizados por terem autonomia do Estado. Eles também têm a capacidade de participar do desenvolvimento de políticas públicas.

Corporativismo estatal

Compartilha algumas características com o principal corporativismo, com a diferença de estabelecer processos burocráticos para o controle da implementação das políticas a serem implementadas.

Também é possível incluir dois tipos que não são políticos:

Corporativismo de parentesco

Baseia-se na identificação e agrupamento por etnia, clãs e famílias. Eles até estabelecem normas legais e relações familiares.

Corporativismo na religião e no espiritualismo

Eles têm a ver com a organização estabelecida de acordo com a religião e a fé. Os principais valores que se manifestam nesse tipo de agrupamento são: comunidade, família, solidariedade e harmonia.

Cabe destacar que, entre as dinâmicas, o hinduísmo se destaca, principalmente porque a organização social, política e econômica ocorre através de castas, que rejeitam, por sua vez, modelos que favorecem o liberalismo individual.

Relacionado:  15 Invenções da Segunda Revolução Industrial

Status corporativo no México

Estima-se que o início do corporativismo no México tenha ocorrido desde a fundação do Partido Revolucionário Nacional (PNR) em 1929 e que mais tarde passaria a ser o Partido Revolucionário Institucional (PRI).

O PRI agrupou os interesses dos trabalhadores, camponeses e setores populares. O controle gradual do partido desencadeou a limitação da participação dos membros em atividades sociais e políticas no país.

No entanto, o surgimento do corporativismo no México deveu-se principalmente a dois fatores determinantes:

  • A necessidade de governança.
  • A necessidade do Estado de se tornar a peça principal para a ativação de processos econômicos e muito mais diante de um ambiente internacional competitivo.

Embora o modelo funcione há vários anos, a evolução política e social do país exige autonomia e liberdade dos grupos para formar um Estado onde são promovidas entidades que não dependem do governo.

Status corporativo na Espanha

No final do século XIX, surgiu a necessidade de restaurar a influência da Igreja Católica, especialmente no mundo dos trabalhadores e camponeses, graças à presença do socialismo e da anarquia.

Com isso, formaram-se grupos mistos que combinavam ideologias católicas com interesses dos trabalhadores.

Por outro lado, o Estado também exerceu sua influência por meio de políticas e reformas que procuravam abordar essas correntes políticas por serem consideradas uma ameaça. Portanto, se houvesse algum tipo de insurreição, a entidade poderia usar medidas repressivas, se necessário.

Na época da ditadura de Primo de Rivera, foram formadas instituições mais próximas do modelo corporativista italiano. Ou seja, eles tinham como principais características: a estruturação de um movimento político integrativo, a implementação de um conceito de nação-país, a incorporação de modelos tradicionalistas apoiados pela Igreja Católica (como a defesa da família), o senso de disciplina e maior controle do Estado nas atividades sociais.

Essas características também se manifestariam durante a ditadura de Francisco Franco, uma vez que os partidos políticos são eliminados pela composição da falange espanhola, que ganhou presença graças ao domínio da Igreja pelo controle da moralidade e do comportamento.

Relacionado:  Revolução Mexicana: causas, etapas, consequências

Status corporativo na Argentina

Nos anos 20, começou a se manifestar uma série de reações contrárias à intervenção do Estado nas associações de empregadores e trabalhadores. Por outro lado, também surgiram sentimentos e movimentos pró-tradicionalistas ligados ao autoritarismo e militarismo.

Após a crise dos partidos nos anos 30, o Estado ganha mais controle sobre os sindicatos até se estabelecer durante o peronismo. Na época, diferentes guildas eram agrupadas sob a tutela do estado e a única parte.

Esse modelo queria ser copiado durante os governos militares subsequentes, a fim de perpetuar o controle. Deve-se notar que, nesse ponto, as forças armadas se tornaram o fator de peso no corporativismo argentino.

Referências

  1. 10 características de Franco. (2017). Em Recursos. Recuperado: 22 de fevereiro de 2018. Em Features of features.co.
  2. Corporativismo (sf). No DCPA. Recuperado: 22 de fevereiro de 2018. No DCPA de dcpa.wikidot.com.
  3. Corporativismo (2018). Em Metapedia. Retirado: 22 de fevereiro de 2018. Na Metapedia of es.metapedia.org.
  4. Corporativismo (sf). Na Wikipedia Retirado: 22 de fevereiro de 2018. Na Wikipedia, es.wikipedia.org.
  5. Definição de corporativismo. (2016). Em Conceptdefinition.de. Recuperado: 22 de fevereiro de 2018. Em Conceptdefinition.de. de conceptdeinicion.de.
  6. Corporativismo: origem, características e experiência na Itália. (2017). Em História e Biografias. Retirado: 22 de fevereiro de 2018. Em História e biografia de historiaybiogafia.com.
  7. Gardinetti, Juan. (2011). O golpe de estado de 1930 e as idéias corporativistas . Em Sedici. Recuperado: 22 de fevereiro de 2018. Em Sedici, de sedici.unlp.edu.ar.
  8. Narvaez, Kryztee. (2007). Corporativismo mexicano . Em O que um internacionalista estuda? Recuperado: 22 de fevereiro de 2018. Em O que um internacionalista estuda? De inernacionalistanarvaez.wordpress.com.
  9. Perfeito, Michelangelo. (2006). Corporativismo na Espanha: das origens aos anos 1930 . Na RUA. Retirado: 22 de fevereiro de 2018. Na RUA de rua.ua.es.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies