Crises tônicas clônicas: sintomas, causas e tratamento

O tônico – clônicas , anteriormente chamado de “grande apreensão mal” são um tipo de crise generalizada. Ou seja, é um desequilíbrio na atividade cerebral que envolve os dois hemisférios do cérebro.

Isso resulta em pessoas que sofrem com a perda de consciência e com contrações musculares muito fortes, pois sinais elétricos anormais causam manifestações que afetam os nervos, músculos ou glândulas.

Crises tônicas clônicas: sintomas, causas e tratamento 1

A maioria das crises tônicas clônicas tem uma causa desconhecida ou aparece espontaneamente (o que é chamado de idiopática), embora ocorram com frequência em pessoas com epilepsia.

Por outro lado, eles também podem ocorrer devido a febre alta, baixo nível de açúcar no sangue ou lesão cerebral. O abuso de drogas ou álcool é um fator que aumenta a probabilidade de a pessoa sofrer de convulsões tônicas clônicas, especialmente se tiver um histórico familiar de convulsões.

Algumas pessoas podem ter convulsões tônicas clônicas uma vez na vida e não experimentá-las novamente. Em outros casos, pode ser parte de uma condição mais séria que deve ser tratada, como a epilepsia. Nesse caso, o paciente deve seguir certas recomendações e pode precisar de medicamentos anticonvulsivantes.

Fases e sintomas de convulsões tônicas clônicas

As convulsões tônicas clônicas são nomeadas para as 2 fases que ocorrem em seu desenvolvimento (tônica e clônica). No entanto, antes disso, outro estágio conhecido como “aura” pode aparecer. Cada um deles é explicado abaixo:

Fase da aura

Nesta fase anterior, a pessoa repentinamente experimenta uma sensação estranha. Sentimentos de tristeza, felicidade, raiva ou medo geralmente surgem sem motivo aparente, o que pode levar a pessoa a começar a gritar ou chorar involuntariamente.

Da mesma forma, há alterações nos sentidos, como alucinações visuais, táteis, auditivas, gustativas ou olfativas, bem como uma sensação espacial distorcida, vendo objetos maiores ou menores que o normal.

Também pode haver dificuldades para falar e um sentimento de irrealidade ou desconexão com o meio ambiente.

Outro sinal muito típico da aura é o “déjà vu”, isto é, sentindo como se você já tivesse experimentado uma nova situação. Como jamais vu, que significa uma sensação de estranheza diante de uma situação habitual.

Fase tônica

A fase tônica das convulsões tônicas clônicas é caracterizada por alta rigidez muscular e perda de consciência. Isso dura cerca de 15 ou 30 segundos e geralmente não dura mais de um minuto.

Nesta fase, as costas e o arco do pescoço. Os músculos do peito também se contraem, por isso há grande dificuldade em respirar. Isso causa uma sensação de asfixia e também pode fazer com que a pele do rosto e dos lábios adquira um tom azulado.

Também pode haver um “choro epilético”, que surge quando o diafragma e as cordas vocais se contraem, expelindo o ar dos pulmões para o exterior.

Há uma crença equivocada de que a pessoa durante as crises tônicas clônicas poderia “engolir a própria língua”. Então você acha que deve colocar algo na boca para evitá-lo.

No entanto, é impossível engolir a língua e a tentativa de abrir a mandíbula quando está sendo apertada pode causar mais mal do que bem.

A verdadeira razão pela qual um lenço ou outro objeto que pode morder pode ser colocado na boca é impedir a mordida da sua própria língua ou do palito na próxima fase (fase clônica).

Fase de clone

O último estágio das crises tônicas clônicas é a fase clônica. É caracterizada por contrações e espasmos musculares rápidos.

Relacionado:  Oligodendrócitos: características, tipos e funções

Os músculos das pernas, cabeça e cotovelos flexionam e depois relaxam lentamente. A frequência de espasmos no início é muito alta, mas com o passar do tempo diminui gradualmente.

À medida que a crise passa, a pessoa pode emitir suspiros profundos, enquanto recupera lentamente um ritmo normal de respiração.

A duração total das crises pode ser de 1 a 3 minutos. Se durar mais de 5 minutos, é uma emergência médica e é necessária uma intervenção de saúde urgente.

Durante esse período, a pessoa não reage aos estímulos e provavelmente permanecerá inconsciente por outros minutos. Nestes minutos, outra fase chamada “período pós-natal” pode ser definida. Durante isso, o cérebro está muito ativo tentando parar os impulsos neuronais para parar a crise e voltar ao normal.

Gradualmente, a pessoa acordará pelos próximos 10 a 30 minutos. Posteriormente, pode parecer sonolento e confuso. Ele também costuma se sentir muito fraco ou cansado, além de ter dores de cabeça e músculos durante as próximas 24 horas.

Causas

As células nervosas do cérebro (chamadas neurônios) se comunicam enviando sinais elétricos e químicos. A localização desses sinais indica o que o cérebro está fazendo; como pensar, ouvir, ver, sentir ou controlar o movimento dos músculos.

Em pessoas que têm convulsões, a atividade elétrica do cérebro é anormalmente sincronizada. Durante as crises, torna-se muito mais intenso que o normal.

Isso pode ocorrer em uma área isolada do cérebro ou em sua totalidade. Quando isso ocorre em todo o cérebro, é chamado de convulsão generalizada. Em vez disso, quando aparece em uma área localizada, eles são chamados de crises focais ou parciais. As convulsões tônicas clônicas são um tipo de convulsões generalizadas.

Na maioria dos casos, a causa das convulsões tônicas clônicas é desconhecida. Quando isso acontece, eles são chamados de convulsões idiopáticas. No entanto, em outros casos, convulsões tônicas clônicas podem aparecer como resultado de outras condições.

No entanto, é importante notar que as convulsões são mais propensas a sofrer se a pessoa tiver uma predisposição genética para elas. Cada um de nós tem mais ou menos probabilidade de sofrer convulsões. Em algumas pessoas, elas são desencadeadas com muito mais facilidade, enquanto outras não sofrem em nenhum momento de suas vidas.

Algumas condições que podem levar ao aparecimento de convulsões tônicas clônicas são:

Problemas que afetam o cérebro

As convulsões podem ser resultado de ferimentos na cabeça, derrames, tumores … Além de infecções que envolvem o sistema nervoso central, como encefalite, meningite ou abscesso cerebral.

Desequilíbrios graves de substâncias no sangue ou alterações no metabolismo

Por exemplo, incompatibilidades nos níveis de sódio, cálcio, magnésio ou glicose (com mais ou menos açúcar no sangue do que o normal, como no diabetes).

Anomalias congênitas

Por exemplo, existem síndromes genéticas nas quais convulsões tônicas clônicas, como a doença de Batten, aparecem. Outra síndrome herdada que os apresenta é a epilepsia mioclônica juvenil.

Eles também são facilitados por malformações nos vasos sanguíneos que podem causar um derrame.

Reações a certos medicamentos e drogas

Por exemplo, efeitos colaterais de certos medicamentos anestésicos, penicilina, medicamentos anticâncer ou asma. Como pode aparecer por overdose de drogas ilegais, como cocaína ou anfetaminas.

Outros

– Doenças como febre alta, pressão alta (hipertensão), eclampsia (convulsões ou coma durante a gravidez), insuficiência hepática, insuficiência renal, lúpus, entre outras.

Relacionado:  Sensopercepção: características, componentes, organização

– Abstinência de álcool ou drogas.

– Outras causas que facilitam as convulsões tônicas clônicas são privação do sono, febre alta, luzes piscantes e ruídos intermitentes.

Diagnóstico

Existem várias etapas para fazer o diagnóstico de convulsões tônico-clônicas:

História médica

O médico terá uma entrevista com o paciente sobre outras convulsões anteriores ou condições médicas anteriores. Informações de pessoas que estiveram durante as crises também podem ser necessárias para descrever o que aconteceu.

Pode ser muito útil para o médico também saber o que a pessoa estava fazendo antes de ter as convulsões. Isso ajudará você a saber o motivo que os desencadeou.

Exame neurológico

Consiste em certos testes para verificar o equilíbrio, reflexos e coordenação. Também será necessário avaliar o tônus ​​e a força muscular.

Este teste também inclui testes para detectar anormalidades na memória, atenção ou funções executivas.

Análise de sangue

Este teste é necessário para encontrar outras causas médicas de convulsões. Por exemplo, é recomendado se houver suspeita de diabetes ou irregularidade em certas substâncias presentes no corpo.

Eletroencefalograma (EEG) ou ressonância magnética (MRI)

São scanners que refletem possíveis anormalidades no funcionamento do cérebro. Serve para observar em detalhes os padrões elétricos do cérebro, bem como obter imagens de certas áreas do cérebro.

Circunstâncias

Outras circunstâncias também devem ser levadas em consideração ao diagnosticar o paciente. Por exemplo:

– Ter hiperventilação ou desequilíbrios eletrolíticos (que são substâncias químicas no organismo, como cálcio, magnésio, potássio ou sódio).

– Síndrome do QT longo (anormalidade no potássio e sódio que atinge o coração, pode causar arritmias).

– Apneia do sono.

– Desmaio simples.

– Espasmos soluços ou apneia emocional. Este último refere-se a episódios que ocorrem em crianças em que param de respirar repentinamente após intensa emoção.

– Distonia (contração muscular contínua por razões neurológicas).

– Também é necessário fazer um diagnóstico diferencial para descartar convulsões tônico-clônicas de outras condições, como: convulsões parciais complexas, estados confusionais, distúrbios agudos da memória, tontura ou tontura, variantes de enxaqueca, narcolepsia, síncope, entre outros.

Prognóstico

Como mencionado anteriormente, sofrer uma única convulsão tônica clônica por um único gatilho geralmente não tem efeitos a longo prazo. No entanto, se ocorrer um segundo ataque, o risco de ocorrência de terceiros é de 80%. Os médicos geralmente consideram uma segunda convulsão como um sinal de epilepsia.

As pessoas afetadas por convulsões tônicas clônicas podem levar uma vida normal se forem tratadas adequadamente. Por exemplo, ao controlar a irregularidade elétrica ou química do cérebro ou outras condições subjacentes, o problema pode desaparecer.

Certas complicações decorrentes de convulsões tônicas clônicas podem surgir. Os mais comuns são:

– Lesões na cabeça, língua e lábios.

– Fraturas vertebrais.

– Pneumonia por aspiração.

– Arritmia cardíaca.

– Morte súbita.

A taxa de mortalidade por convulsões é baixa, mas pode ser maior em epilepsias acompanhadas por convulsões tônicas clônicas.

A incidência de morte súbita em pessoas com epilepsia é 24 vezes maior do que na população em geral. Nesses casos, existem certos fatores de risco. Por exemplo, a alta frequência de convulsões, uma idade mais jovem, problemas psicopatológicos ou politerapia (uso de dois ou mais medicamentos para o tratamento da epilepsia).

Relacionado:  Lesões cerebrais adquiridas: causas, consequências e tratamento

Note-se que as pessoas afetadas por convulsões devem evitar dirigir veículos. Além de evitar manusear equipamentos perigosos, nadar sozinho ou tomar banho sem ninguém em casa que possa ajudá-los.

Tratamento

Não existe um método único de tratamento para convulsões tônicas clônicas. Cada tratamento deve ser adaptado ao paciente de acordo com seu diagnóstico e sintomas.

Muitas pessoas são tratadas efetivamente através de medicamentos anticonvulsivantes. Começa com uma dose baixa que pode ser aumentada progressivamente de acordo com as indicações médicas. Embora alguns pacientes precisem de mais de um medicamento para tratar convulsões.

Alguns dos medicamentos mais comumente usados ​​são carbamazepina, fenitoína, ocarbacepina, lamotrigina, fenobarbital e lorazepam.

Deve-se notar que alguns desses medicamentos podem interagir com outros medicamentos. Por exemplo, com contraceptivos orais. Portanto, é importante saber quais outros medicamentos o paciente segue.

Neurofeedback

Existem também outros tratamentos eficazes. Um deles que está começando a ser utilizado e que dá resultados muito bons é o neurofeedback. Por meio dessa técnica, a atividade elétrica do cérebro é regulada com estimulantes visuais e / ou auditivos.

Assim, quando a pessoa tem uma atividade elétrica cerebral mais desejável, aparecem sons ou vídeos que “recompensam” a atividade.

Cirurgia

Em casos graves que resistem ao tratamento, a cirurgia pode ser necessária. Embora as pesquisas indiquem que a cirurgia é mais recomendada para crises parciais, ou seja, aquelas que afetam apenas uma parte do cérebro.

Outro método que teve resultados positivos é a estimulação do nervo vago, colocando um dispositivo elétrico que o estimula automaticamente.

Estilo de vida

Por outro lado, para controlar convulsões, recomenda-se não consumir álcool ou drogas. Além de seguir uma dieta cetogênica, ou seja, rica em proteínas e gorduras e pobre em carboidratos.

A proporção de proteínas e gorduras para carboidratos deve ser de 4: 1. Estudos demonstraram que é eficaz na redução de convulsões em 50% dos pacientes.

A dieta cetogenética é geralmente usada para epilepsia intratável, especialmente em crianças. É prescrito com menos frequência em adultos, porque é difícil cumprir uma dieta muito restritiva.

Prevenção

Certas ações simples da vida cotidiana podem impedir o aparecimento de convulsões tônicas clônicas ou suas complicações, por exemplo:

– Tome todas as precauções necessárias para dirigir veículos. Ou seja, o uso de capacetes de motocicleta, bem como cintos de segurança e airbags.

– Manuseie adequadamente os alimentos para evitar infecções parasitárias que podem causar epilepsia.

– Reduza os fatores de risco, como álcool, drogas ou uso de tabaco. Mantenha uma vida saudável, evitando o estilo de vida sedentário e controlando a pressão arterial e o colesterol.

– Descanse adequadamente, pois a privação do sono e o estresse podem desencadear convulsões.

Referências

  1. Convulsões generalizadas (convulsões do Grand Mal). (sf). Retirado em 19 de janeiro de 2017, de Drugs.com: drugs.com.
  2. Ataque tônico-clônico generalizado. (sf). Retirado em 19 de janeiro de 2017, da Healthline: healthline.com.
  3. Crises tônico-clônicas generalizadas. (30 de junho de 2015). Obtido no Medscape: emedicine.medscape.com.
  4. Grande convulsão. (10 de junho de 2014). Obtido no MayoClinic: mayoclinic.org.
  5. Micheli, FE e Fernández Pardal, MM (2011). Neurology Bons ares; Madri: Editorial Médico Pan-Americano.
  6. Apreensão tônico-clônica. (sf). Retirado em 19 de janeiro de 2017, da Epilepsy Foundation: epilepsy.com.
  7. Convulsões tônico-clônicas (Grand Mal). (sf). Retirado em 19 de janeiro de 2017, de Johns Hopkins Medicine: hopkinsmedicine.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies