Critérios de cervejas: origem, classificação, controvérsias

Os critérios de cervejas são um tema complexo e de grande interesse para os apreciadores dessa bebida milenar. A origem da cerveja remonta a antiguidade, com evidências de sua produção datando de milhares de anos atrás. A classificação das cervejas é feita de acordo com diversos fatores, como ingredientes utilizados, processo de fabricação e estilo. No entanto, existem controvérsias sobre quais critérios devem ser considerados para classificar uma cerveja, levando em conta a diversidade de estilos e tradições cervejeiras ao redor do mundo. Vamos explorar mais a fundo esses critérios e as controvérsias que envolvem esse universo fascinante da cerveja.

Classificação das cervejas: entenda os diferentes tipos e estilos da bebida alcoólica fermentada.

A cerveja é uma das bebidas mais populares e consumidas em todo o mundo. Com uma grande variedade de estilos e sabores, é importante entender a classificação das cervejas para apreciar melhor essa bebida alcoólica fermentada. Existem diferentes critérios de classificação, que incluem a origem, o teor alcoólico, a cor, o aroma e o sabor.

As cervejas podem ser classificadas de várias maneiras, mas uma das formas mais comuns é pela origem. Existem cervejas de diversos países, como a alemanha, bélgica, inglaterra e estados unidos, cada uma com suas características e tradições únicas. Além disso, as cervejas também são classificadas de acordo com o tipo de fermentação, que pode ser ale, lager ou lambic.

Outro critério importante na classificação das cervejas é o teor alcoólico. As cervejas podem ser classificadas em leves, com baixo teor alcoólico, normais, com teor alcoólico moderado, e fortes, com alto teor alcoólico. Além disso, a cor da cerveja também é um fator importante na classificação, podendo variar de clara a escura.

Apesar da classificação das cervejas ser amplamente aceita, existem algumas controvérsias sobre a definição de certos estilos e tipos. Alguns especialistas discordam sobre a classificação de algumas cervejas, o que pode gerar debates acalorados entre os apreciadores da bebida. No entanto, independentemente das controvérsias, é importante entender os diferentes tipos e estilos de cerveja para apreciá-los da melhor forma possível.

Conheça os quatro componentes essenciais que compõem a cerveja.

A cerveja é uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo, e para apreciá-la da melhor forma, é importante conhecer os quatro componentes essenciais que a compõem. São eles: água, malte, lúpulo e levedura.

O primeiro componente, a água, é a base da cerveja e representa a maior parte de sua composição. A qualidade da água utilizada na produção da cerveja pode influenciar diretamente no sabor e na textura final da bebida.

O segundo componente, o malte, é responsável por fornecer os açúcares necessários para a fermentação. O malte é obtido a partir da germinação e torração de cereais como cevada, trigo ou centeio.

O terceiro componente, o lúpulo, é responsável por adicionar amargor, aroma e sabor à cerveja. Além disso, o lúpulo também possui propriedades conservantes que ajudam a aumentar a durabilidade da bebida.

O último componente, a levedura, é o microrganismo responsável pela fermentação dos açúcares presentes no malte, transformando-os em álcool e gás carbônico. Existem diferentes tipos de leveduras que podem ser utilizadas na produção de cerveja, cada uma contribuindo de forma única para o perfil final da bebida.

Portanto, para apreciar uma boa cerveja, é fundamental entender a importância de cada um desses quatro componentes. Água, malte, lúpulo e levedura trabalham juntos para criar uma variedade de estilos e sabores que tornam a cerveja uma bebida tão apreciada em todo o mundo.

Descubra os três tipos de cerveja mais populares do mundo nesta lista exclusiva.

Neste artigo, vamos explorar os critérios de cervejas, incluindo sua origem, classificação e possíveis controvérsias. Para começar, vamos conhecer os três tipos de cerveja mais populares do mundo:

Relacionado:  Qual é o esqueleto apendicular?

1. Lager: A cerveja Lager é um dos estilos mais consumidos globalmente. Originária da região da Baviera, na Alemanha, ela é conhecida por sua fermentação de baixa temperatura e sabor suave. As cervejas Lager são geralmente claras e refrescantes, sendo ideais para serem consumidas em dias quentes.

2. IPA: A India Pale Ale, ou IPA, é um estilo de cerveja que tem ganhado cada vez mais popularidade nos últimos anos. Originária da Inglaterra, a IPA se destaca por seu amargor e aroma cítrico, provenientes da grande quantidade de lúpulo utilizada em sua produção. As IPAs podem variar de suaves a extremamente amargas, atendendo a diversos paladares.

3. Stout: As cervejas do estilo Stout são conhecidas por sua cor escura e sabor intenso. Originárias do Reino Unido, as Stouts apresentam notas de café, chocolate e malte torrado. Elas são encorpadas e ideais para serem apreciadas em dias mais frios.

Ao conhecer esses três tipos de cerveja, podemos perceber a diversidade de sabores e estilos que o mundo cervejeiro oferece. Cada tipo tem suas características únicas e atrai diferentes públicos, contribuindo para a riqueza da cultura cervejeira.

Significado de IPA na cerveja: descubra o que essa sigla representa no mundo cervejeiro.

IPA é a sigla para India Pale Ale, um estilo de cerveja que se tornou extremamente popular nos últimos anos. Mas o que exatamente significa IPA e qual é a sua importância no mundo cervejeiro?

Originária da Inglaterra, a IPA surgiu no século XVIII, quando as cervejas eram enviadas da Inglaterra para a Índia, enfrentando longas viagens de navio. Para garantir que a cerveja chegasse em boas condições, os cervejeiros aumentaram a quantidade de lúpulo na receita, o que conferiu à cerveja uma maior durabilidade e um sabor mais amargo e aromático.

Hoje em dia, as IPAs são conhecidas por sua intensidade de sabor, com destaque para o amargor e aroma cítrico e floral provenientes do lúpulo. Existem diversos subestilos de IPA, como a American IPA, Double IPA e New England IPA, cada um com suas características únicas.

Apesar de sua popularidade, as IPAs também geram controvérsias no mundo cervejeiro. Alguns cervejeiros tradicionalistas criticam o excesso de lúpulo e amargor das IPAs modernas, enquanto outros defendem a inovação e variedade de sabores que esse estilo proporciona.

Em suma, a IPA é um estilo de cerveja que representa a criatividade e diversidade da indústria cervejeira, conquistando cada vez mais apreciadores ao redor do mundo.

Critérios de cervejas: origem, classificação, controvérsias

Os critérios de Beers são um grupo de ferramentas projetadas para detectar medicamentos que podem ser perigosos para os idosos. Os idosos, do ponto de vista médico, representam um grupo de pacientes cujo manejo é complexo. Suas características físicas, metabólicas e mentais os tornam realmente particulares.

Por esse motivo, a indústria médica e farmacêutica geralmente não desenvolve medicamentos projetados especificamente para essa faixa etária. No entanto, eles também exigem muitos tratamentos e os efeitos e consequências de seu uso devem ser conhecidos para determinar quais são seguros e quais não são.

Critérios de cervejas: origem, classificação, controvérsias 1

Fonte: Pixabay.com

O comportamento farmacocinético e farmacodinâmico de muitos medicamentos é modificado dependendo da idade do paciente que o consumirá. Sabe-se que em idosos existe uma tendência a acumular medicamentos ou formas ativas destes em seu corpo, tanto pelo metabolismo lento quanto pelo manuseio de doses inadequadas.

No mundo de hoje, graças aos mesmos avanços médicos, a expectativa de vida foi exponencialmente prolongada. Muitas pessoas com mais de 65 anos fazem parte da população mundial e têm uma tendência maior a adoecer. Cuidar deles é importante nos países desenvolvidos e para eles existem critérios de Beers.

Origem

O trabalho de estudar os efeitos de certos medicamentos no organismo dos idosos foi realizado inicialmente pelo geriatra americano Mark Howard Beers.

Portanto, o nome de “critérios de cervejas”. Isso foi feito através da opinião de um grupo de especialistas usando o método Delphi e outras técnicas semelhantes.

O primeiro consenso foi produzido em 1991. Nessa ocasião, mais de 150 medicamentos de uso habitual foram avaliados em idosos, concluindo que 41 dos medicamentos estudados eram inadequados para uso em idosos. Outros 7 também mostraram efeitos adversos significativos em idosos, mas em certas doses.

Desde então, várias alterações foram feitas. A última grande atualização foi em 2012, na qual foram avaliadas 199 drogas, 53 das quais foram marcadas como inadequadas. Três anos depois, em 2015, a American Geriatrics Society realizou uma nova revisão com pequenas alterações finais.

Classificação

A atualização mais recente dos critérios de Beers, respeitando as modificações realizadas em 2012, classifica os medicamentos em três categorias diferentes, a saber:

Medicamentos potencialmente inapropriados que devem ser evitados em qualquer paciente com mais de 65 anos de idade.

Nesse grupo, existem até 34 medicamentos diferentes que devem ser evitados em adultos mais velhos sob praticamente qualquer circunstância. Eles são autorizados apenas quando são essenciais para salvar a vida do paciente e não podem ser substituídos por outro.

Os representantes deste grupo com o mais alto grau de evidência e força de recomendação incluem: Clorfeniramina, hidroxizina, nitrofurantoína, doxazosina, a maioria dos AINEs e benzodiazepínicos. Os novos membros deste grupo são megestrol (hormônio – progesterona), glibenclamida (hipoglicêmico) e insulina em um esquema móvel.

Medicamentos potencialmente inapropriados que devem ser evitados em pacientes acima de 65 anos com determinadas doenças ou síndromes em particular.

Esta lista é a mais numerosa. A razão para isto é que existem muitos medicamentos que interagem com outros que foram indicados para tratar uma patologia específica e essa relação é mais evidente em adultos mais velhos. Não se deve esquecer que os idosos adoecem com mais frequência e tendem a ser polimedicados.

As novas inclusões mais importantes incluem glitazonas – normalizadores de açúcar no sangue – contraindicadas na insuficiência cardíaca. Inibidores da acetilcolinesterase (donepezil) que não devem ser utilizados em idosos com síncope e inibidores seletivos da recaptação de serotonina que devem ser evitados em pacientes idosos com fraturas.

Medicamentos que devem ser indicados com cautela em idosos.

Esses medicamentos não são formalmente contraindicados em idosos, mas demonstraram certos efeitos colaterais indesejados. O risco de custo / benefício é aceitável, assim como a tolerância dos pacientes. Esta lista inclui 40 medicamentos ou famílias de medicamentos que compartilham características semelhantes.

Essa categoria inclui dois novos medicamentos antitrombóticos, prasugrel e dabigatran, que aumentam o risco de sangramento acima do aceitável em pacientes com 75 anos ou mais. O mesmo vale para a aspirina, cujos benefícios em idosos acima de 80 anos foram questionados.

A revisão de 2015 também inclui algumas tabelas de informações sobre medicamentos que foram alterados por categorias, aqueles que foram excluídos da lista de cervejas e aqueles que foram adicionados desde 2003.

Critérios de cervejas: origem, classificação, controvérsias 2

Fonte: Pixabay.com

Existem também listas exclusivas de famílias de medicamentos com muitos representantes nos critérios de Beers. Entre os grupos mais importantes de medicamentos estão os antipsicóticos , com 12 representantes de primeira geração e 10 de segunda, além de quase 50 medicamentos com efeitos anticolinérgicos que não devem ser utilizados em idosos.

Relacionado:  Perdas insensíveis: tipos, causas de aumento e cálculo

Controvérsias

Apesar das intenções altruístas originais de seu criador, os critérios de Beers não são isentos de controvérsia. As disputas surgiram por três razões básicas desde os primeiros dias da publicação desses protocolos, incluindo:

Razões científicas

Embora os critérios de Beers surjam graças à ação de um grupo de especialistas e ao uso do método Delphi, muitos questionaram sua base científica.

O argumento principal é que não foi realizado um estudo prospectivo real de cada medicamento, mas foram utilizados relatórios anedóticos sobre efeitos colaterais.

Portanto, novos sistemas de avaliação aparecem para medicamentos indicados em idosos, como o estudo STOPP / START, o protocolo TRIM, o estudo CIM-TRIAD ou os critérios NORGEP-NH. A maioria deles foi realizada em países da Europa e Ásia, embora existam alguns dados da África e da América.

As atualizações mais recentes dos critérios de Beers tentaram resolver esse problema. Eles usaram estudos prospectivos recentes conduzidos por terceiros, cujos dados são auditáveis ​​e comprovados.

Motivos comerciais

Alguns laboratórios farmacêuticos se queixaram ao ver seus produtos incluídos nesta lista. Isso causou uma diminuição significativa nas vendas de alguns medicamentos.

No entanto, eles nunca fabricaram medicamentos para idosos, e ultimamente dedicaram um determinado orçamento para investigar seus efeitos em idosos.

Razões clínicas

O respeito total por esses critérios deixaria muitos pacientes mais velhos sem tratamento. Portanto, muitos médicos não têm outra alternativa senão indicá-los, mas com certas restrições.

O fato de quase não haver medicamentos para os idosos significa que eles geralmente não têm opções terapêuticas para suas doenças.

Referências

  1. Vrdoljak D, Borovac JA. Medicação em idosos – considerações e orientações para prescrição de terapias.Acta Medica Academica [internet]. 2015; 44 (2): 159-168. Disponível em ama.ba
  2. Steinman (Presidente) MA, Beizer JL, DuBeau CE, Laird RD, Lundebjerg NE, Mulhausen P. Como usar os critérios de cervejas AGS 2015 – Um guia para pacientes, clínicos, sistemas de saúde e pagadores.Jornal da Sociedade Americana de Geriatria . 2015; 63 (12): e1-e7. Disponível em onlinelibrary.wiley.com/
  3. Pastor-Cano J, Aranda-Garcia A, Gascón-Cánovas JJ, Rausell-Rausell VJ, Tobaruela-Soto M. Adaptação espanhola dos critérios de Beers.Anais do Sistema de Saúde de Navarra [internet]. 2015; 38 (3): 375-385. Disponível em recyt.fecyt.es/
  4. Campanelli CM. Critérios de cervejas atualizados da American Geriatrics Society para uso potencialmente inadequado de medicamentos em idosos: Painel de Especialistas em Atualização de Critérios de Cervejas da American Geriatrics Society 2012.Jornal da Sociedade Americana de Geriatria . 2012; 60 (4): 616-631. Disponível em onlinelibrary.wiley.com/
  5. Sánchez-Muñoz LA. Uso inadequado de medicamentos em idosos. Cervejas ou critérios STOPP-START?Farmácia Hospitalar [internet]. 2012; 36 (6): 562-563. Disponível em grupoaulamedica.com/
  6. Niehoff KM, Rajeevan N, Charpentier PA, Miller PL, Goldstein MK, Fried TR. Desenvolvimento da ferramenta para reduzir medicamentos inapropriados (TRIM): um sistema de apoio à decisão clínica para melhorar a prescrição de medicamentos para adultos mais velhos.Farmacoterapia . 2016; 36 (6): 694-701. Disponível em ncbi.nlm.nih.gov/
  7. Heser K, Pohontsch NJ, Scherer M, et al. Perspectiva de pacientes idosos em uso crônico de medicamentos potencialmente inapropriados – Resultados do estudo qualitativo CIM-TRIAD. Marengoni A, ed.PLoS ONE . 2018; 13 (9). Disponível em journals.plos.org/
  8. Wikipedia, a enciclopédia livre. Critérios para cervejas [internet]. Última atualização 2017. Disponível em en.wikipedia.org/

Deixe um comentário