Dança Arara: origem e características

A dança Arara é uma manifestação cultural tradicional do povo indígena Arara, que habita a região Amazônica no Brasil. Esta dança é caracterizada pelo uso de máscaras e vestimentas coloridas, que representam os espíritos da floresta e elementos da natureza. Os movimentos da dança Arara são vigorosos e ritmados, acompanhados por cantos e percussão, criando uma atmosfera mística e envolvente. A dança Arara é uma forma de expressão artística e espiritual, que celebra a conexão do povo Arara com a natureza e seus ancestrais.

Conheça a dança tradicional de Sergipe: qual é a dança típica do estado?

A dança tradicional de Sergipe é a Dança Arara. Originária das comunidades quilombolas do estado, a Dança Arara é uma manifestação cultural que mistura elementos africanos, indígenas e europeus. A dança é caracterizada por movimentos vigorosos e ritmados, acompanhados por tambores e cantos que contam histórias e tradições do povo sergipano.

Os dançarinos da Dança Arara utilizam trajes coloridos e máscaras que representam animais da fauna brasileira, como a arara, que dá nome à dança. Os passos da dança são marcados por movimentos fortes e precisos, que simbolizam a conexão do ser humano com a natureza e com os antepassados.

Atualmente, a Dança Arara é uma das principais atrações culturais de Sergipe, sendo apresentada em festas, eventos e festivais em todo o estado. A dança é uma forma de manter viva a tradição e a identidade do povo sergipano, além de ser uma expressão artística única e envolvente.

Aprenda a dançar Cirandinha ou Sarandi com passos simples e animados.

A dança Arara é uma dança tradicional brasileira, originária da região Norte do país. É uma dança alegre e animada, que celebra a cultura e a história do povo brasileiro. Uma das danças mais populares dentro do contexto da dança Arara é a Cirandinha ou Sarandi, que consiste em passos simples e divertidos, ideais para quem quer se divertir e aprender a dançar.

Relacionado:  Catedral de Barquisimeto: história e características

Para dançar a Cirandinha ou Sarandi, basta seguir alguns passos básicos. Primeiramente, os dançarinos devem formar um círculo e dar as mãos. Em seguida, devem começar a se movimentar no sentido horário, acompanhando o ritmo da música. Os passos são simples e envolvem movimentos de deslocamento lateral e giros suaves.

Uma dica importante para quem está aprendendo a dançar Cirandinha ou Sarandi é manter o ritmo e a alegria. Essa dança é uma forma de expressão cultural e deve ser realizada com leveza e descontração. Não se preocupe em errar os passos, o importante é se divertir e aproveitar o momento.

Com um pouco de prática e dedicação, qualquer pessoa pode aprender a dançar Cirandinha ou Sarandi. Essa dança é uma ótima forma de se conectar com a cultura brasileira e se divertir com amigos e familiares. Então, não perca tempo e comece a praticar hoje mesmo!

Dança Arara: origem e características

Dança Arara: origem e características

A dança das araras é uma daquelas manifestações artísticas da Guatemala que transcenderam a linha do tempo, recusando-se a atravessar o limiar da modernidade. Como dança, música ou pintura que podemos encontrar nas grandes construções maias, eles são um exemplo desse amor pelo milênio.

No período pré-colombiano, Verapaz fazia parte do território constituído pela civilização maia, mantendo-se afastado das perseguições espanholas. Sabe-se que, apesar da grande resistência, os maias não podiam lidar com o trabalho missionário que vinha continuamente dos navios e das Antilhas, enchendo toda Alta Alta Verapaz com escravos negros, que mais tarde se mudariam para terras no interior .

No século XIX, seria uma das províncias encarregadas de fornecer café a toda a região, tornando-se a mais importante até o momento. Não é por esse motivo que as tradições orais não são mais cumpridas, sobrevivendo até hoje a disputada Dança das Araras.

Relacionado:  Os 22 mágicos e ilusionistas mais famosos da história

A dança da arara, como é tradicionalmente conhecida no país, é uma representação ritualística que é desagregada até hoje pela tradição oral dos mais velhos, que, em contato com a marimba e o tun, conseguem evocar uma tradição único no mundo, sendo uma bandeira da cultura pré-hispânica e colonial da Guatemala.

Originalmente da província de Verapaz, a dança narra teatralmente a perda de um caçador maia que, nas selvas escuras e intrincadas, sequestra uma princesa e cai à mercê do Deus das Ravinas ou Colinas, que o ajudou a encontrar seu Ando enviando para ele um bando de araras para guiá-lo de volta para casa.

Deve-se notar que a Arara é a representação terrena do Deus do Sol nos tempos antigos. É por isso que essa tradição continua sendo uma das mais importantes da Guatemala; por seu peso místico na oralidade.

Essa tradição é realizada em 30 de abril. Os participantes usam mantos escarlates, como os das araras, adornados com penas e restos amarelos, e uma pesada máscara de bico em gancho para se parecer com o animal, sem esquecer algumas coroas que se elevam na forma de labaredas.

Além das roupas selvagens, existem os papéis do caçador, sua esposa e filha que se chama Princesa.

Dentro da tradição, o sacrifício de um galo foi estipulado, cujo sangue é regado nas máscaras de arara para alimentá-lo, ou como é dito, para despertá-los antes do ritual, a fim de não perturbar os deuses. Mais tarde, b´oj é ingerido, uma bebida passada, muito típica das regiões altas de Verapaz.

Depois da meia-noite, os dançarinos começam a peregrinação ao que chamam de El Calvario, um lugar sagrado cheio de pináculos e altares, onde dançarão sem parar nas próximas horas com a intenção de satisfazer o desejo dos deuses e encarnar a jornada daquele Caçador maia dentro da selva, de onde os mais altos tiveram pena de sua alma.

Relacionado:  Os 6 elementos de desenho mais relevantes

Em seguida, eles continuam a jornada em uma longa procissão até a catedral da cidade, onde, com a primeira luz do amanhecer, eles chamarão o resto da cidade entre trombetas e músicas. As velhas formas musicais permanecem em estrutura, sem ter evoluído em seu ritmo e preparação. Além dos festivais dessas regiões, o tun, ou tambor de madeira, continua sendo usado em outras festividades.

Os foguetes e fogos de artifício, com uma grande parafernália de pirotecnia, serão adicionados nas horas seguintes até os dançarinos recomeçarem a marcha para o local onde repousa a Virgem de Santa Elena. Neste ponto, a tradição indica que as Araras devem distribuir a carne em vingança pela menina do caçador que já está morta, de acordo com a história.

A dança das Araras, ou o Maa’muun, é uma das primeiras manifestações teatrais na América antes da conquista espanhola. É caracterizada por sua cerimônia vistosa que combina música, teatro e os ritos antigos da nação, na medida em que os registros são mantidos.

Hoje, o Comitê Cultural Maa’Muun cuida da conservação e da promoção nos meios de comunicação deste antigo balé. Esse corpo é constituído por um grupo de fundações, para que o município de Verapaz preserve essa dança como patrimônio cultural e da nação, aumentando os valores culturais necessários para que a tradição não deixe de ser realizada ano após ano.

Deixe um comentário