Derivados halogenados: propriedades, usos e exemplos

Os derivados halogenados são compostos orgânicos que possuem átomos de halogênio em sua estrutura molecular. Os halogênios mais comuns são o flúor, cloro, bromo e iodo. Esses compostos apresentam propriedades únicas que conferem uma ampla gama de usos em diversas áreas, como na indústria química, farmacêutica, agroquímica e na produção de plásticos e solventes. Alguns exemplos de derivados halogenados incluem clorofórmio, tetracloreto de carbono, CFCs (clorofluorcarbonetos), inseticidas como o DDT e medicamentos como o ibuprofeno. Neste artigo, exploraremos as propriedades, usos e exemplos de derivados halogenados.

Principais características químicas dos elementos do grupo dos halogênios.

Os elementos do grupo dos halogênios são o flúor, o cloro, o bromo, o iodo e o astato. Eles possuem características químicas semelhantes devido a terem a mesma configuração eletrônica na camada de valência, o que os torna altamente reativos.

Um dos principais pontos em comum entre os halogênios é a sua capacidade de formar compostos halogenados, que são compostos orgânicos que contêm átomos de halogênio ligados a carbono. Esses compostos são amplamente utilizados em diversas áreas, como na indústria farmacêutica, na produção de plásticos e na fabricação de produtos de limpeza.

Outra característica marcante dos halogênios é a sua elevada eletronegatividade, o que os torna fortes agentes oxidantes. Além disso, eles são capazes de formar diversos tipos de ligações químicas, como ligações iônicas, covalentes e de hidrogênio.

Os derivados halogenados são muito utilizados na indústria química e farmacêutica, devido às suas propriedades únicas. Por exemplo, o clorofórmio é um derivado halogenado amplamente utilizado como anestésico, e o diclorometano é empregado como solvente na indústria de tintas e vernizes.

Em resumo, os elementos do grupo dos halogênios possuem características químicas distintas que os tornam essenciais em diversas aplicações industriais e farmacêuticas.

Conheça os compostos halogenados: quais são os derivados e suas propriedades específicas.

Os compostos halogenados são compostos químicos que contêm átomos de halogênio, como flúor, cloro, bromo, iodo e astato. Esses compostos são conhecidos por suas propriedades únicas e são amplamente utilizados em diversas aplicações industriais e farmacêuticas.

Os derivados halogenados são compostos que foram modificados através da substituição de um ou mais átomos de hidrogênio por átomos de halogênio. Essas modificações podem resultar em mudanças significativas nas propriedades físicas e químicas dos compostos, tornando-os úteis em diferentes contextos.

Alguns dos principais derivados halogenados incluem os halogenetos de alquila, halogenetos de arila e os haletos de acila. Cada um desses grupos possui propriedades específicas que os tornam adequados para diferentes usos.

Os derivados halogenados são frequentemente utilizados como solventes, agentes de limpeza, intermediários na síntese de compostos orgânicos e até mesmo como agentes farmacêuticos. Suas propriedades, como alta reatividade e capacidade de formar ligações fortes, tornam-nos valiosos em uma variedade de aplicações.

Alguns exemplos de derivados halogenados incluem o cloreto de metila, o brometo de etila e o fluoreto de benzila. Cada um desses compostos possui propriedades únicas que os tornam adequados para usos específicos.

Em resumo, os derivados halogenados são compostos químicos que possuem átomos de halogênio em sua estrutura. Esses compostos possuem propriedades únicas e são amplamente utilizados em diversas aplicações industriais e farmacêuticas devido à sua alta reatividade e capacidade de formar ligações fortes.

Exemplos de compostos halogenados e suas características: entenda mais sobre essas substâncias químicas.

Os compostos halogenados são substâncias químicas que contêm átomos de halogênio, como flúor, cloro, bromo e iodo. Esses compostos são amplamente utilizados em diversas áreas, como na indústria farmacêutica, agroquímica e na produção de plásticos. Eles são conhecidos por suas propriedades únicas e diversas aplicações.

Relacionado:  Microscópio simples: história, peças, funções, vantagens

Um exemplo de composto halogenado é o clorofórmio, que é utilizado como anestésico e solvente. O clorofórmio é um líquido incolor, com um odor adocicado característico. Outro exemplo é o diclorometano, que é utilizado como solvente em processos de extração e na produção de produtos químicos.

Os compostos halogenados possuem características específicas, como alta estabilidade química e baixa reatividade. Eles também são conhecidos por sua capacidade de formar ligações fortes com outros átomos, o que os torna úteis em diversas aplicações industriais.

Além disso, os compostos halogenados podem apresentar propriedades tóxicas, dependendo da sua estrutura e concentração. Por isso, é importante manuseá-los com cuidado e seguir as recomendações de segurança ao utilizá-los.

Em resumo, os compostos halogenados são substâncias químicas importantes e versáteis, com diversas aplicações na indústria e na ciência. Eles apresentam características únicas e propriedades específicas, que os tornam essenciais em muitos processos químicos e industriais.

Quais são os tipos de hidrocarbonetos halogenados encontrados na natureza?

Os hidrocarbonetos halogenados são compostos orgânicos que contêm átomos de halogênio, como flúor, cloro, bromo ou iodo, ligados a hidrocarbonetos. Na natureza, os tipos mais comuns de hidrocarbonetos halogenados são os clorofluorocarbonetos (CFCs) e os halocarbonetos.

Os CFCs são compostos que contêm cloro e flúor, e são conhecidos por sua contribuição para o buraco na camada de ozônio. Eles eram amplamente utilizados como refrigerantes e propelentes em aerossóis, mas foram gradualmente substituídos devido aos seus efeitos nocivos no meio ambiente.

Os halocarbonetos, por sua vez, são compostos que contêm bromo ou iodo, e também podem ser encontrados na natureza. Eles são utilizados em diversas aplicações industriais, como solventes, agentes de limpeza e retardadores de chama.

Apesar de sua presença na natureza, os hidrocarbonetos halogenados também são produzidos sinteticamente em grande escala para atender às demandas da indústria. É importante ter em mente os potenciais impactos ambientais desses compostos e buscar alternativas mais sustentáveis para reduzir sua utilização.

Derivados halogenados: propriedades, usos e exemplos

O morfosintaxis é o estudo de categorias gramaticais, cujas propriedades são critérios morfológicos e sintáticos definíveis. Alguns autores apontam que o termo substitui o que tradicionalmente se chamava gramática.Nesse sentido, a morfossintaxe está intimamente ligada à morfologia e sintaxe.

Por sua vez, ambas as disciplinas estão relacionadas às regras de formação de estruturas lingüísticas, mas em diferentes níveis.Em primeiro lugar, a morfologia é o sistema mental relacionado à formação de palavras e também o ramo da disciplina linguística que estuda os componentes das palavras: estrutura interna e treinamento.

Derivados halogenados: propriedades, usos e exemplos 1

Por outro lado, a sintaxe estuda as maneiras pelas quais as palavras podem ser combinadas para formar sentenças e sentenças. Também se refere ao conhecimento sobre a formação de frases gramaticalmente corretas.

A relação entre essas duas disciplinas é evidente nas línguas polissintéticas, nas quais uma única palavra pode conter muitos morfemas (unidade mínima de significado) com informações gramaticais e lexicais.

O que estuda a morfossintase?

Muitos autores equiparam morfossintaxe à gramática. Por esta abordagem, ambas as disciplinas têm o mesmo campo de estudo. De fato, uma simples definição desse termo parece corroborá-lo: a morfossintaxe é o estudo das palavras e como elas funcionam juntas.

Por exemplo, menciona-se o fato de que as partes da fala (substantivos, verbos) são distinguidas tanto pela distribuição na sentença (sintaxe) quanto pela forma das palavras (morfologia); daí a inter-relação.

No entanto, nem todos concordam nessa posição. Alguns apontam que a morfossintaxe abrange aspectos que dificilmente podem ser resolvidos através da morfologia ou sintaxe exclusivamente.

Dessa maneira, não é a soma de regras puramente morfológicas (forma das palavras) ou puramente sintáticas (regras para combinar essas palavras), mas é um relacionamento complementar.

Alguns dos aspectos estudados pelas morfossintaxe incluem elipses (omissão de estruturas), redundância (repetição de elementos) e concordância (coincidência normativa de certos acidentes gramaticais).

Além disso, a partir da morfossintaxe, as comparações podem ser feitas sobre os diferentes processos gramaticais através das diferentes linguagens existentes e, assim, descobrir os mecanismos subjacentes na linguagem.

Relações morfossintáticas

As relações morfossintáticas são expressas através de formas gramaticais (acidentes gramaticais, modo verbal e aspecto). Essas formas variam de acordo com as características de cada idioma.

Assim, os diferentes idiomas podem ser classificados de acordo com procedimentos morfossintáticos para relacionar as palavras nas frases ou frases: isolantes, ligantes, flexíveis e polissintéticos.

Nas linguagens isolantes, as palavras não são transformadas por flexão (adoção de formas diferentes para a expressão de acidentes gramaticais) ou por derivação (formação de novas palavras a partir de uma raiz).

Portanto, as relações gramaticais desse tipo de linguagem são expressas pela ordem das palavras ou pela adição de uma palavra autônoma.

Segundo, nas línguas aglutinantes, as relações morfossintáticas são expressas através do uso de afixos, que são partículas adicionadas à raiz de uma palavra para formar uma nova ou alterar sua forma gramatical.

Por outro lado, nas línguas flexíveis, o mesmo afixo pode expressar várias relações gramaticais. É o caso das formas flexíveis do verbo em espanhol que indicam número, hora, modo e aspecto.

Finalmente, os relacionamentos em linguagens sintéticas podem ser expressos através de anexos ou transformações na raiz, mantendo uma ordem sintática estrita.

Concordância e casos

Marcas morfossintáticas não são universais. Muitas línguas marcam apenas a concordância (mohawk, bantu), apenas os casos (japonês, coreano), alguma mistura dos dois (inglês, russo) ou não têm marcas (crioulo haitiano, chinês).

Em espanhol, existe concordância nominal (o substantivo coincide em gênero e número com os determinantes e adjetivos) e concordância verbal (coincidência de gênero e pessoa entre o sujeito e o verbo).

Por exemplo, na cláusula “as camisas são brancas”, o acordo nominal excede a sentença e se manifesta tanto no sujeito quanto no predicado. A inter-relação entre morfologia e sintaxe é então observada.

Em relação aos casos, em espanhol esse fenômeno se manifesta em pronomes pessoais com nominativo, acusativo, dativo e preposicional, mas consiste em um morfema livre (não um afixo).

Exemplos

– Eu (nominativo / sujeito) acredito que eu (preposicional) não me escolherá (objeto acusativo / direto) para ser eleito para a posição que eu (complemento dativo / indireto) havia prometido.

– Ele (sujeito nominativo /) acredita que ele (prepositional) não o (acusativo / objeto direto) escolhido para a posição que você (dativo / indireta) havia prometido.

Parataxe e hipotaxia

Outra questão no campo da morfossintaxe é a parataxe (coordenação) e a hipotaxia (subordinação). No primeiro, não há hierarquia entre duas ou mais cláusulas, o que ocorre na hipotaxia.

Relacionado:  Calor de vaporização: a partir de água, etanol, acetona, ciclo-hexano

Os relacionamentos de coordenação e subordinação são fundamentais no tipo de marcas morfossintáticas usadas em cada caso. Isso pode ser visto nas seguintes frases:

– «Depois de comer, lave a louça».

– «Coma e depois lave a louça».

Como você pode ver, o significado de ambas as frases é semelhante. No entanto, no primeiro a subordinação é usada e no segundo a coordenação.

Entre outras coisas, isso implica que o verbo adota o modo subjuntivo na primeira frase e o indicativo na segunda.

Exemplos

Sobre a morfo-fonologia e morfossintaxe de ho (Pucilowski, 2013)

Ho é uma língua indiana conhecida por suas formas verbais complexas. O trabalho de Pucilowski analisou várias características desses verbos.

Uma das características morfossintáticas mais importantes dessa linguagem é que ela tradicionalmente marca a aparência no verbo e não no tempo, especialmente para construções de verbos transitivos.

Além disso, a análise concluiu que vários verbos seriais (sequências de verbos sem marcas de coordenação ou subordinação) em ho são gramaticizados, tornando-se construções de verbos auxiliares.

Morfossintaxe em crianças de dois e três anos (Rissman, Legendre e Landau, 2013).

Freqüentemente, crianças pequenas que falam inglês omitem verbos auxiliares da fala, produzindo expressões como choro de bebê (o bebê que chora), juntamente com a forma apropriada que o bebê está chorando (o bebê está chorando).

Alguns pesquisadores argumentaram que o conhecimento do verbo auxiliar ser (ser) das crianças é específico desse elemento e se desenvolve lentamente.

Em um experimento de sensibilização, os pesquisadores demonstraram que crianças de 2 e 3 anos representam as formas são e são (formas verbais de ser tão auxiliares) como parte de uma estrutura sintática abstrata.

Aquisição de morfossintaxe em um segundo idioma na idade adulta: o fator fonológico (Campos Dintrans, 2011)

O estudo de Campos Dintrans examinou o desafio para falantes adultos de uma segunda língua de produzir morfologia funcional, mesmo em estágios avançados de aquisição de segunda língua.

Analisamos especificamente como os falantes nativos de espanhol, mandarim e japonês usam a morfologia do passado e o número gramatical em inglês.

Os resultados dos experimentos deste estudo sugerem fortemente que fatores fonológicos podem explicar parte do uso inadequado da morfologia funcional.

Referências

  1. Harsa, LN (s / f). Introdução às Palavras e Morfemas. Retirado de repository.ut.ac.id.
  2. Aronoff, M. e Fudeman, K. (2011). O que é morfologia? Hoboken: John Wiley & Sons.
  3. Radford, A. (1997). Sintaxe: Uma Introdução Minimalista. Cambridge: Cambridge University Press.
  4. Rodríguez Guzmán, JP (2005). Gramática gráfica no modo juampedrino. Barcelona: edições Carena.
  5. Strumpf, M. e Douglas, A. (2004). A Bíblia da gramática: tudo o que você sempre quis saber sobre gramática, mas não sabia a quem perguntar. Nova York: Henry Holt and Company.
  6. Sabin, A.; Ten, M. e Morales, F. (1977). As línguas da Espanha. Madri: Ministério da Educação.
  7. Markman, VG (2005). A sintaxe de caso e acordo: sua relação com a morfologia e a estrutura de argumentos. Retirado de ling.rutgers.edu.
  8. Real academia espanhola. (2005). Dicionário pan-hispânico de dúvidas. Retirado de lema.rae.es.
  9. Pucilowski, A. (2013). Sobre a morfo-fonologia e morfossintaxe de ho. Retirado de academicbank.uoregon.edu.
  10. Rissman, L.; Legendre G. e Landau, B. (2013). Morphosyntax em crianças de dois e três anos: evidências da preparação. Aprendizado e desenvolvimento de idiomas , Vol. 9, No. 3, pp. 278-292.
  11. Campos Dintrans, GS (2011). Aquisição de morfossintaxe na segunda língua do adulto: o fator fonológico. Retirado de ir.uiowa.edu.

Deixe um comentário