Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências

Em abril de 2010, ocorreu um dos piores desastres ambientais da história, o derramamento de óleo no Golfo do México. As causas foram atribuídas a uma explosão na plataforma de petróleo Deepwater Horizon, operada pela BP, que resultou na liberação de milhões de barris de petróleo no oceano. As consequências foram devastadoras, causando danos irreparáveis à vida marinha, ecossistemas costeiros e à economia local, afetando milhares de pessoas que dependiam da pesca e do turismo na região. O desastre também levou a um debate global sobre a segurança das operações de perfuração de petróleo em águas profundas e a necessidade de medidas mais rigorosas para prevenir acidentes semelhantes no futuro.

Impactos do vazamento de petróleo no Golfo do México: quais foram suas consequências?

O derramamento de óleo no Golfo do México em 2010 foi um dos maiores desastres ambientais da história. Causado pela explosão da plataforma Deepwater Horizon, o vazamento resultou em consequências devastadoras para o ecossistema marinho e para as comunidades locais.

As principais causas do vazamento foram falhas de segurança e negligência por parte da empresa responsável, a BP. O acidente resultou em um derramamento de cerca de 4,9 milhões de barris de petróleo no oceano, contaminando uma vasta área e causando danos irreparáveis à vida marinha e aos meios de subsistência das pessoas que dependem do mar para sobreviver.

Uma das principais consequências do vazamento foi a morte de milhares de animais marinhos, incluindo aves, peixes, tartarugas e mamíferos marinhos. A contaminação do petróleo também afetou as atividades de pesca e turismo na região, causando prejuízos econômicos para as comunidades locais.

Além disso, o vazamento de petróleo no Golfo do México teve impactos a longo prazo no ecossistema marinho, causando danos à biodiversidade e prejudicando a capacidade de regeneração natural dos habitats afetados. A recuperação da região afetada pelo derramamento ainda é um desafio, e os efeitos do desastre ambiental continuam a ser sentidos até os dias de hoje.

É fundamental aprender com esse desastre e tomar medidas para prevenir que eventos semelhantes ocorram no futuro, garantindo a proteção dos ecossistemas marinhos e a sustentabilidade das atividades humanas que dependem deles.

Origem do vazamento de petróleo no Golfo do México em 2010.

Em abril de 2010, ocorreu um dos maiores desastres ambientais da história no Golfo do México. O vazamento de petróleo na plataforma Deepwater Horizon, operada pela BP, foi causado por uma explosão que resultou na ruptura de um poço de petróleo. O vazamento durou aproximadamente três meses, despejando mais de 4 milhões de barris de petróleo cru no oceano.

As causas do desastre foram atribuídas a uma série de falhas técnicas e de segurança. A explosão foi causada por uma combinação de erros humanos, falta de manutenção adequada e falhas nos equipamentos de segurança. Além disso, a pressão da empresa para aumentar a produção de petróleo contribuiu para a tragédia.

As consequências do derramamento de óleo foram devastadoras. Milhares de animais marinhos foram mortos, ecossistemas inteiros foram afetados e comunidades costeiras sofreram danos econômicos irreparáveis. O vazamento também teve um impacto significativo na saúde pública, com relatos de problemas respiratórios e dermatológicos em pessoas expostas ao petróleo.

O desastre no Golfo do México em 2010 serviu como um lembrete doloroso dos riscos associados à exploração de petróleo em águas profundas. As empresas de petróleo e gás precisam priorizar a segurança e a proteção ambiental em suas operações para evitar tragédias como essa no futuro.

Qual foi a origem do desastre ambiental que ocorreu no Golfo?

O desastre ambiental que ocorreu no Golfo do México em 2010 teve como origem a explosão da plataforma de petróleo Deepwater Horizon, operada pela BP. A explosão resultou no vazamento de milhões de barris de petróleo no oceano, causando um dos maiores derramamentos de óleo da história.

O derramamento de óleo no Golfo do México teve diversas consequências devastadoras para o meio ambiente marinho e costeiro. A vida marinha foi severamente afetada, com milhares de animais mortos e habitats destruídos. Além disso, as atividades pesqueiras e turísticas da região foram prejudicadas, causando impactos econômicos negativos para as comunidades locais.

As causas do desastre ambiental no Golfo do México foram atribuídas a uma série de falhas de segurança e de gestão por parte da empresa responsável pela plataforma de petróleo. A falta de manutenção adequada, a negligência em relação aos protocolos de segurança e a pressão por resultados financeiros foram alguns dos fatores que contribuíram para a tragédia.

Relacionado:  Ecossistemas aquáticos: características, tipos, exemplos, diversidade

Em suma, o derramamento de óleo no Golfo do México em 2010 foi um evento catastrófico que evidenciou a necessidade de reforçar os padrões de segurança e de proteção ambiental na indústria do petróleo. A tragédia serviu como um alerta para a importância de priorizar a preservação do meio ambiente e a segurança das operações petrolíferas para evitar futuros desastres semelhantes.

Impactos ambientais e econômicos do vazamento de óleo nos oceanos: quais são as consequências?

Em abril de 2010, um dos maiores desastres ambientais da história ocorreu no Golfo do México, quando a plataforma de petróleo Deepwater Horizon explodiu e iniciou um vazamento de óleo sem precedentes. As causas desse derramamento foram atribuídas a falhas na segurança da plataforma, resultando em consequências devastadoras para o meio ambiente e a economia da região.

Os impactos ambientais do vazamento de óleo foram imediatos e duradouros. Milhões de litros de óleo foram despejados no oceano, contaminando a água, o solo e a vida marinha. A morte de animais marinhos, como pássaros, peixes e mamíferos, foi um dos resultados mais trágicos desse desastre. Além disso, os ecossistemas costeiros e marinhos foram severamente afetados, levando anos para se recuperarem dos danos causados.

Em termos econômicos, o vazamento de óleo teve impactos significativos na região do Golfo do México. A indústria pesqueira foi duramente atingida, com pescadores perdendo suas fontes de renda devido à contaminação das águas. O turismo também sofreu, com praias fechadas e a imagem da região manchada pelo desastre ambiental. Além disso, as empresas de petróleo envolvidas no derramamento enfrentaram processos judiciais e perdas financeiras consideráveis.

No geral, o vazamento de óleo no Golfo do México em 2010 teve consequências devastadoras para o meio ambiente e a economia da região. É crucial que medidas de prevenção e segurança sejam implementadas para evitar que tragédias como essa se repitam no futuro.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências

O derramamento de óleo no Golfo do México durante 2010 é o maior desastre ambiental nos Estados Unidos, como resultado da explosão, incêndio e naufrágio da plataforma semi-submersível Deepwater Horizon administrada pela empresa British Petroleum (BP) .

A plataforma extraiu petróleo a 5.976 m de profundidade, no poço Macondo, localizado ao norte do Golfo do México, a 75 km da costa da Louisiana, na zona econômica exclusiva dos Estados Unidos.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 1

Derramamento de óleo no Golfo do México. Fonte: kris krüg [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons.

O derramamento foi mantido por mais de 100 dias contínuos, a partir de 20 de abril de 2010, quando ocorreu a explosão da plataforma, até 5 de agosto daquele ano, quando o poço foi finalmente selado.

As investigações revelaram que esse incidente ocorreu devido à tomada de decisões que priorizaram a velocidade e a redução de custos durante o processo de extração de óleo.

Estima-se que quase 5 milhões de barris foram despejados nas águas do golfo, com efeitos nocivos nos ecossistemas das áreas úmidas e na biodiversidade marinha. No entanto, os efeitos reais desse derramamento ainda não foram avaliados.

Entre as ações de mitigação que foram levadas em consideração durante o derramamento e nos dias seguintes, destacam-se a coleta e queima direta de petróleo, lavagem de áreas úmidas e dispersantes químicos.

Causas

As investigações realizadas após o naufrágio da plataforma revelam um conjunto de ações erradas, baseadas na aceleração dos processos e na redução de custos, violando as diretrizes da indústria e ignorando os testes de segurança.

No momento do acidente, o programa de exploração do poço Macondo estava 43 dias atrasado, o que se traduz em US $ 21,5 milhões adicionais, nada mais no aluguel da plataforma. Provavelmente, as pressões econômicas forçaram um conjunto de decisões erradas que desencadearam uma grande catástrofe.

De acordo com um relatório sobre as causas do incidente, houve erros no processo e na qualidade da cimentação no fundo do poço, o que permitiu a entrada de hidrocarbonetos no tubo de produção. Além disso, houve falhas no sistema de controle de incêndio, o que deveria ter impedido a queima do gás.

Consequências

A explosão e o subsequente incêndio da plataforma causaram a morte de 11 pessoas pertencentes ao pessoal técnico que operava na plataforma Deepwater Horizon .

Na sua totalidade, o derramamento de óleo foi estimado em 4,9 milhões de barris, descarregado a uma velocidade de 56 mil barris por dia, atingindo uma área de 86.500 a 180.000 km 2 .

Relacionado:  O que é desenvolvimento sustentável?

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 2

Incêndio da plataforma Deepwater Horizon. Fonte: https://www.flickr.com

Impacto geográfico

De acordo com o Serviço Federal de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos, os estados mais afetados pelo derramamento de óleo foram Flórida, Alabama, Louisiana, Texas e Mississippi.

O impacto nas costas mexicanas também foi relatado.

Consequências do derramamento na biodiversidade

Áreas úmidas

O efeito do derramamento de óleo do poço Macondo na vegetação de áreas úmidas inclui danos agudos a curto prazo e danos crônicos que são evidentes em um período mais longo.

O principal dano agudo aos pântanos ocorre quando as plantas se sufocam devido às condições de anóxia criadas pelos múltiplos revestimentos de óleo. Com a morte da vegetação, sua função de contenção do substrato cessa, o solo desmorona, inunda e não há substituição de plantas.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 3

Pântanos afetados pelo derramamento de óleo. Fonte: Serviço Nacional do Oceano da NOAA [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons.

Durante o mês de novembro de 2010, o Serviço Federal de Peixes e Vida Selvagem dos Estados Unidos identificou 1.500 quilômetros de costa com presença de petróleo bruto. Ecossistemas de pântanos, manguezais e praias foram afetados.

Um estudo de 2012 sobre a composição da comunidade microbiana de áreas úmidas afetadas pelo derramamento mostrou uma diminuição no tamanho da população de degradadores aromáticos anaeróbicos, redutores de sulfato, metanógenos, redutores de nitrato para amônia e denitrificadores.

Nesse sentido, os resultados da pesquisa indicam que os efeitos do derramamento influenciaram a estrutura das populações envolvidas nos ciclos biogeoquímicos dos nutrientes. Essas alterações mostram uma possível deterioração dos benefícios ambientais das áreas úmidas afetadas pelo derramamento.

Pássaros

As aves do Golfo do México foram afetadas pelo derramamento de óleo no poço Macondo, principalmente devido à perda de flutuabilidade e às propriedades de sua plumagem como isolante térmico nos casos em que seu corpo estava coberto de óleo e a ingestão de óleo cru. através da comida.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 4

Pelicano coberto de óleo. Fonte: Louisiana GOHSEP [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons.

As investigações do Serviço Federal de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos em meados de novembro de 2010 representaram 7.835 aves afetadas pelo derramamento de óleo.

Do total, 2.888 espécimes estavam cobertos de óleo, dos quais 66% estavam mortos, 4.014 apresentaram evidências de contaminação interna pela ingestão de petróleo bruto, dos quais 77% não sobreviveram, e 933 indivíduos mortos, cujo nível de contaminação era desconhecido .

Esses valores são uma subestimação de números reais, não incluindo dados sobre aves migratórias.

Mamíferos

Entre os mamíferos afectados pelo derramamento que incluem tanto os que habitam o ambiente marinho, tais como os distribuídos em ambientes terrestres influenciadas pelo derramamento, sendo os mamíferos marinhos mais vulneráveis.

Mamíferos marinhos, como golfinhos e cachalotes, foram afetados devido ao contato direto com o óleo que causa irritações e infecções de pele, envenenamento pela ingestão de presas contaminadas e inalação de gases do petróleo.

O Serviço Federal de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos, até o início de novembro de 2010, identificou 9 mamíferos vivos, dos quais 2 estavam cobertos de óleo. Destes, apenas 2 foram devolvidos à liberdade. Também foram capturados 100 indivíduos mortos, dos quais 4 estavam cobertos de óleo.

Répteis

Entre os répteis afetados estão seis espécies de tartarugas marinhas. Das 535 tartarugas vivas capturadas, 85% estavam cobertas de petróleo bruto, das quais 74% foram tratadas e liberadas vivas. Dos 609 indivíduos coletados mortos, 3% estavam cobertos de petróleo, 52% tinham vestígios de petróleo e 45% não tinham contaminação externa óbvia.

Corais

Os corais do Golfo também foram afetados pelo derramamento de óleo. A exposição a dispersantes químicos e de petróleo causou a morte de colônias de corais e, em outros casos, causou danos e estresses fisiológicos.

Peixe

Os peixes afetados no derramamento são principalmente esturjão pálido (espécies ameaçadas) e esturjão do golfo (espécie ameaçada). Os danos podem ocorrer pela ingestão de petróleo diretamente ou através do plâncton contaminado. Sabe-se também que o petróleo altera o desenvolvimento cardíaco desses animais.

Plâncton

O contato com o óleo pode contaminar o plâncton, que forma a base da cadeia alimentar dos ecossistemas marinhos e das zonas úmidas costeiras.

Relacionado:  Poluição fotoquímica: características, causas e efeitos

Soluções / medidas

Medidas tomadas no mar

Catch

Na primeira fase, os esforços foram concentrados na captura de petróleo em águas abertas com o uso de barreiras, com o objetivo de impedir que ele chegasse à costa, onde é muito mais difícil extrair.

Por esse método, foram coletados 1,4 milhão de barris de resíduos líquidos e 92 toneladas de resíduos sólidos.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 5

Barreiras para coletar petróleo em alto mar. Fonte: Região Sudeste do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA [Domínio público], via Wikimedia Commons.

Queimar

Este método consiste em atear fogo a massas de petróleo acumuladas na superfície. É considerada uma das técnicas mais eficazes para remover os compostos mais tóxicos do petróleo, como os compostos aromáticos.

Durante os dias após o derramamento, foram realizadas 411 queimaduras de óleo na superfície da água, com as quais 5% do óleo derramado foi controlado.

Dispersantes químicos

Os dispersantes químicos são uma mistura de surfactantes, solventes e outros produtos químicos, que, como o sabão, agem quebrando o óleo em pequenas gotas, que são distribuídas na coluna d’água e podem ser degradadas por microorganismos.

Estima-se que 8% do óleo derramado foi disperso usando este método.

A BP aplicou quantidades de dispersantes químicos que excedem os permitidos. Além disso, eles o aplicaram tanto na superfície do oceano quanto no nível subaquático, embora o último procedimento estivesse em uma fase de testes experimentais para avaliar seus efeitos colaterais.

Os dispersantes químicos têm um efeito prejudicial na vida marinha, muitos autores pensam que, neste caso, ” o remédio pode ser pior que a doença “.

Por um lado, consome oxigênio em grandes quantidades, causando grandes áreas anóxicas, que causam a morte do fitoplâncton , afetando a base da cadeia trófica. Por outro lado, sabe-se que moléculas dispersantes químicas são acumuladas nos tecidos dos organismos vivos.

Os efeitos a longo prazo do uso de dispersantes químicos para mitigar os efeitos do derramamento do Golfo do México na vida marinha ainda não foram avaliados.

Mitigação e limpeza de áreas úmidas

Durante os dias do derramamento, as ações foram concentradas na coleta de informações sobre a presença de petróleo no litoral. Enquanto o derramamento continuou, a coleta de limpeza de áreas úmidas e brutas foi considerada uma tarefa secundária devido ao risco de recontaminação.

Portanto, por mais de 100 dias, apenas grandes volumes de petróleo bruto das praias e pântanos foram removidos, mas não completamente limpos. Assim, a limpeza de áreas úmidas era uma prioridade uma vez que o poço era fechado e o derramamento cessava.

Os principais métodos utilizados para a limpeza de pântanos e manguezais foram a colheita e a lavagem mecânicas, dada a sensibilidade ambiental desses ecossistemas.

Derramamento de óleo no Golfo do México (2010): causas, consequências 6

Limpeza de praia. Fonte: Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional [Domínio público], via Wikimedia Commons

Recolhimento mecânico

Essa técnica incluiu a coleta manual de restos de petróleo bruto. Isso pode ser feito com a ajuda de pás, ancinhos, aspiradores de pó e outros equipamentos. Foi utilizado principalmente em praias de areia, de onde foram removidas 1.507 toneladas de óleo.

Lavagem

Esta técnica foi usada para remover os restos de óleo dos pântanos. Consiste em fazer uma lavagem a baixa pressão para empurrar o óleo para áreas onde ele pode ser aspirado.

Referências

  1. Corn, ML e Copeland, C. (2010). Derramamento de óleo do Deepwater Horizon: impactos em zonas úmidas costeiras e vida selvagem. Serviço de Pesquisa do Congresso. 29pp
  2. Crone, TJ e Tolstoi, M. (2010). Magnitude do vazamento de petróleo no Golfo do México 2010. Science 330 (6004): 634.
  3. Deleo, DM e colaboradores. (2018). O perfil de expressão gênica revela resposta de coral do fundo do mar ao derramamento de óleo do Deepwater Horizon. Molecular Ecology, 27 (20): 4066-4077.
  4. Hee-SungBaea e colaboradores. (2018). Resposta de populações microbianas que regulam os ciclos biogeoquímicos de nutrientes à lubrificação de manguezais costeiros do derramamento de óleo Deepwater Horizon. Poluição Ambiental, 241: 136-147.
  5. Velazco, G. (2010). Possíveis causas do acidente na plataforma Deepwater Horizon. Petrotecnia 2010: 36-46.
  6. Villamar, Z. (2011). Qual era a visão oficial dos EUA de danos ambientais causados ​​pelo derramamento de óleo do poço Macondo? America do Norte, 6 (1): 205-218.

Deixe um comentário