Desconstrutivismo: História, Características e Obras

O Desconstrutivismo é um movimento arquitetônico que surgiu na década de 1980, caracterizado por sua abordagem de desconstrução das normas e padrões tradicionais da arquitetura. Inspirado na filosofia de Jacques Derrida, o Desconstrutivismo busca questionar e subverter as ideias preestabelecidas sobre forma, função e espaço na arquitetura. Suas características incluem a fragmentação, o uso de formas angulares e assimétricas, a sobreposição de elementos e a desconstrução da estrutura arquitetônica convencional. Algumas obras emblemáticas desse movimento incluem o Centro de Arte Contemporânea de Cincinnati, de Zaha Hadid, e o Edifício Guggenheim Bilbao, de Frank Gehry.

Origem e evolução do desconstrutivismo na arquitetura contemporânea: entenda sua trajetória histórica.

O desconstrutivismo na arquitetura contemporânea é um movimento que surgiu na década de 1980 e teve uma grande influência no mundo da arquitetura. Sua origem está ligada ao pensamento do filósofo francês Jacques Derrida, que propôs a desconstrução das estruturas tradicionais e a desconstrução das normas estabelecidas.

Com o desconstrutivismo, os arquitetos passaram a explorar formas não convencionais, que desafiam a lógica e a simetria. As construções desconstrutivistas são caracterizadas por linhas angulares, formas assimétricas e uma sensação de desordem controlada.

Algumas das principais características do desconstrutivismo são a fragmentação, a sobreposição de elementos e a desconstrução da forma. Esses princípios podem ser vistos em obras de arquitetos como Frank Gehry, Zaha Hadid e Daniel Libeskind.

A evolução do desconstrutivismo na arquitetura contemporânea tem sido marcada pela constante busca por inovação e experimentação. Os arquitetos estão sempre em busca de novas formas de desafiar as convenções e criar espaços impactantes e surpreendentes.

Em resumo, o desconstrutivismo na arquitetura contemporânea é um movimento que busca romper com as formas tradicionais e explorar novas possibilidades estéticas e estruturais. Sua trajetória histórica é marcada pela inovação e pela busca constante por novas formas de expressão arquitetônica.

Significado do desconstrutivismo: uma abordagem arquitetônica que desafia conceitos tradicionais de estrutura e forma.

O desconstrutivismo é uma abordagem arquitetônica que desafia conceitos tradicionais de estrutura e forma. Surgido na década de 1980, esse movimento busca desconstruir as ideias pré-estabelecidas sobre arquitetura, questionando a rigidez das formas e explorando novas possibilidades de design.

Em vez de seguir padrões convencionais, os arquitetos desconstrutivistas buscam criar obras que desafiam a percepção tradicional do espaço, brincando com a geometria, a escala e a materialidade. Utilizando técnicas como a sobreposição de planos, a fragmentação e a angulação inusitada, eles buscam criar edifícios que instiguem a reflexão e a contemplação.

Algumas das características mais marcantes do desconstrutivismo são a assimetria, a complexidade visual, a falta de linearidade e a sensação de movimento. O objetivo é criar uma arquitetura que rompa com a monotonia e a previsibilidade, desafiando o espectador a questionar suas próprias percepções sobre o espaço e a forma.

Alguns exemplos de obras icônicas do desconstrutivismo incluem o Museu Guggenheim, em Bilbao, projetado por Frank Gehry, e o Centro de Design Vitra, em Weil am Rhein, projetado por Frank O. Gehry. Essas construções se destacam pela sua ousadia e inovação, representando a essência desse movimento arquitetônico.

A razão pela qual os arquitetos modernos adotaram a desconstrução na arquitetura.

O Desconstrutivismo na arquitetura surgiu como uma reação ao modernismo, que buscava uma estética limpa e funcional. Os arquitetos modernos adotaram a desconstrução como uma forma de desafiar as convenções tradicionais e criar projetos inovadores e ousados. Através da desconstrução, eles exploraram a fragmentação, a assimetria e a complexidade, rompendo com a rigidez e a uniformidade do modernismo.

Relacionado:  Os 35 guitarristas mais famosos da história

Essa abordagem permitiu aos arquitetos modernos experimentar novas formas e volumes, criando espaços dinâmicos e surpreendentes. Além disso, a desconstrução na arquitetura permitiu a incorporação de elementos inesperados e não convencionais, desafiando a percepção tradicional do que é considerado belo e funcional.

Portanto, a razão pela qual os arquitetos modernos adotaram a desconstrução na arquitetura foi para romper com as limitações impostas pelo modernismo e explorar novas possibilidades estéticas e espaciais. Através da desconstrução, eles conseguiram desafiar as normas estabelecidas e criar obras que se destacam pela sua originalidade e inovação.

Desconstrutivismo: Qual a interpretação singular da corrente filosófica?

O Desconstrutivismo é uma corrente filosófica que surgiu na década de 1980, principalmente na área da arquitetura e do design. O termo foi popularizado pelo arquiteto Peter Eisenman, que buscava questionar e desafiar as convenções tradicionais da arquitetura.

A interpretação singular do Desconstrutivismo está relacionada à ideia de desconstruir as estruturas e princípios estabelecidos, buscando revelar as contradições e ambiguidades presentes nos sistemas de pensamento. Esta corrente filosófica propõe uma abordagem crítica e analítica, que questiona as noções de verdade, objetividade e estabilidade.

Os arquitetos e designers que adotam o Desconstrutivismo buscam criar obras que desafiam a percepção tradicional do espaço e da forma, utilizando geometrias complexas, fragmentação e sobreposição de elementos. O objetivo é gerar uma sensação de desconforto e instabilidade, provocando uma reflexão sobre as normas e convenções estabelecidas.

Algumas características marcantes do Desconstrutivismo incluem a assimetria, a multiplicidade de planos e ângulos, a desconstrução da linearidade e a valorização do caos e da desordem. O uso de materiais industriais e a ênfase na expressividade visual também são comuns nas obras desta corrente.

Em suma, o Desconstrutivismo representa uma ruptura com as concepções tradicionais, propondo uma visão crítica e subversiva que desafia as estruturas estabelecidas. Suas obras buscam questionar as certezas e abrir espaço para novas possibilidades de interpretação e entendimento do mundo.

Desconstrutivismo: História, Características e Obras

O deconstructivismo é um movimento arquitetônico que se desenvolveu nos anos 80 nos Estados Unidos e na Europa. Entre suas principais características está fragmentação, falta de simetria, harmonia e continuidade nos trabalhos projetados sob esse conceito.

Esse estilo apresenta um tipo de design não linear, que desafia formas e está interessado em manipular idéias sobre a superfície e as estruturas. Afasta-se da geometria euclidiana, pelo menos na aparência, que utiliza formas retilíneas ou planas.

Desconstrutivismo: História, Características e Obras 1

Gehry Dancing House, Praga, República Tcheca

Os edifícios com esse design têm uma aparência visual que os torna muito únicos e impressionantes. A arquitetura desconstrutivista expressa um caos controlado, razão pela qual parece aos seus críticos uma escola de arquitetura sem conteúdo social. Algo como um tipo de arte para arte.

Além de incluir processos não lineares em seus projetos, distorce e realoca deliberadamente vários dos princípios arquitetônicos mais elementares. Por exemplo, a estrutura e a cobertura (envelope) do edifício.

Na arquitetura desconstrutivista, a alteração da estrutura não se expressa apenas em suas formas exteriores, mas também na estética interior que também é distorcida do design exterior.

História

O desconstrutivismo se originou no final dos anos 80 nos Estados Unidos, especificamente em Los Angeles, Califórnia e em vários países da Europa. Tem alguma semelhança com o construtivismo russo que surgiu entre 1914 e 1920, após o triunfo da Revolução Bolchevique.

Por esse motivo, acredita-se que ele tenha sido influenciado por esse movimento artístico-arquitetônico da década de 1920, mas principalmente o fundamento teórico do movimento desconstrutivista foi desenvolvido pelo filósofo franco-argelino Jacques Derrida.

Derrida é considerado o pai do movimento filosófico e literário “desconstrução” típico do pós-modernismo. O desconstrutivismo coexiste com outros estilos, como alta tecnologia (Tardomoderno), arquitetura sustentável e a chamada nova arquitetura orgânica de Toyo Ito.

Um dos marcos do projeto desconstrutivista foi o concurso de arquitetura Villette Park (Paris) em 1982. O projeto vencedor foi apresentado pelo arquiteto Bernard Tschumi com o apoio de Peter Eisenman e Jacques Derrida.

Então, em 1988, o Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York organizou a exposição Arquitetura Desconstrutivista , dirigida por Philip Johnson e Mark Wigley.

Foram apresentados desenhos dos mestres dessa corrente: Frank Gehry, Bernard Tschumi, Zaha Hadid, Daniel Libeskind, Peter Eisenman, Coop Himmelb e Rem Koolhaas. Um ano depois, Peter Eisenman inaugurou o primeiro edifício em estilo desconstrutivista no Wexner Center for the Arts, em Ohio, Estados Unidos.

Influências teóricas

As idéias do filósofo pós-estruturalista Jacques Derrida visavam minar crenças preconcebidas baseadas na razão e na lógica.

Derrida queria mostrar que o significado dos símbolos depende do contexto, de sua relação com outras coisas, bem como de outros fatores, como tempo, atitudes culturais, etc.

No conceito de desconstrução, a influência do arquiteto pós-moderno americano Robert Venturini também é mencionada em sua obra Complexidade e contradição na arquitetura (1966).

No entanto, o primeiro a usar o termo foi o filósofo alemão Martín Heidegger (1889 – 1976), ao analisar a história da filosofia do ponto de vista etimológico. Mais tarde, Derrida interpretou o termo destruição , usado por Heidegger, como desconstrução e não como destruição.

Em seu trabalho, o pensador francês sistematizou seu uso e teorizou sobre sua prática. Junto com ele, outros acadêmicos como J. Hillis Miller, Paul de Man e Barbara Johnson, usaram o termo nos anos 70.

Nos anos 80, o termo desconstrução serviu para descrever uma ampla gama de teorias radicais na filosofia e nas ciências sociais em geral. O desconstrutivismo também recebeu influências do minimalismo e do cubismo.

Caracteristicas

-Tente mostrar abertamente as contradições dos projetos, para os quais dispensa os princípios básicos da arquitetura; ou seja, suporte e carga, proporção, regularidade etc.

– Apresenta uma perspectiva multifocal, pois projetos desconstrutivistas podem ser apreciados sob diferentes pontos de vista ou ângulos.

– A falta de simetria e descentralidade surge quando o ponto focal único da perspectiva multifocal é eliminado.

– A arquitetura desconstrutivista é ambígua, complexa e contraditória.

– Os acessos apresentam novos desenhos e propostas, por exemplo nos dosséis.

Relacionado:  Os 10 escultores mexicanos mais destacados

– A torção ou arco se manifesta em triplicado nos helicoides volumétricos, bem como nos planos deformados (não paralelos) e nas inclinações que buscam a instabilidade estrutural ou anti-gravitacional.

– Use malhas e retículos para enfatizar o ambíguo, antinatural e contrário à ordem hierárquica.

– Por sua natureza contraditória, apresenta oxímoro formal, funcional e espacial.

– Existe uma multiplicidade axial seguindo o padrão do sistema axial rizomático, no qual a organização dos elementos não segue uma subordinação hierárquica.

– Outra característica marcante é o conceito e uso do vazio como elemento arquitetônico e sua interpretação teológica.

– As clarabóias ou clarabóias e aberturas também são muito peculiares.

– Ângulos desconstrutivistas são caracterizados por sua nitidez, criando uma nova concepção espacial.

– Uma característica importante é a quinta fachada (telhado da casa) e sua interpretação desconstrutivista.

Obras em destaque

O arquiteto Frank O. Gehry (n. 1929), de origem canadense-americana, é o mais famoso expoente do projeto arquitetônico desconstrutivista.

Ele foi o vencedor em 1989 do Prêmio Pritzker, o maior prêmio dado em arquitetura do mundo por suas obras inovadoras.

Trabalhos de Gehry

Desconstrutivismo: História, Características e Obras 2

Museu Guggenheim em Bilbao, Espanha.

– Bodega-Hotel Marqués de Riscal, Elciego (Álava), Espanha.

– Walt Disney Concert Hall, Los Angeles, EUA UU.

– Gehry Tower, Hannover, Alemanha.

– Dancing House em Praga, República Tcheca.

– Stata Center, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Boston, EUA UU.

– DG Bank Building, Berlim, Alemanha.

UFA-Kristall Filmpalast (Dresden, Alemanha)

Desconstrutivismo: História, Características e Obras 3

Foi projetado pelo arquiteto Coop Himmelb e concluído entre 1997 e 1998. É composto por duas unidades de construção interconectadas: o Cinema Block, que possui oito cinemas e capacidade para dois mil espectadores sentados; e o Crystal, que é um telhado de vidro que serve como lobby e praça pública ao mesmo tempo.

Biblioteca Central de Seattle, Washington

Desconstrutivismo: História, Características e Obras 4

Foi projetado pelo Office for Metropolitan Architecture (OMA), fundado pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas. Este trabalho foi concluído em 2004.

É uma estrutura de design inovador composta por 11 andares e apresenta uma fachada de vidro com aço cruzado. A Spiral Books está alojada aqui, um moderno sistema de prateleiras contínuas que mede 4 andares.

Este sistema permite visualizar toda a coleção da biblioteca sem usar escadas ou mover-se para outra parte do edifício.

Outras obras importantes

– O Museu Judaico de Berlim, Alemanha, projetado por Daniel Libeskind (2001).

– Sede de CFTV em Pequim, China, projetada por OMA (2008).

– Villette Park, em Paris, França, projetado por Bernard Tschumi (1984-1987).

– Centro de Arte Contemporânea de Cincinnati, Ohio, projetado por Zaha Hadid (2003).

Referências

  1. Desconstrutivismo: estilo de arquitetura pós-modernista. Recuperado em 25 de junho de 2018 de visual-arts-cork.com
  2. Uma história da arquitetura – desconstrução. Consultado em historiasztuki.com.pl
  3. Arquitetura desconstrutivista – MOMA. Consultado em moma.org
  4. O que é arquitetura desconstrutivista? Consultado em thevalueofarchitecture.com
  5. Desconstrução. Consultado em britannica.com
  6. Desconstrutivismo ou desconstrução. Consultado em jmhdezhdez.com
  7. Frank Gehry, o arquiteto de formulários. Consultado de culturavia.com
  8. Desconstrutivismo Consultado em es.wikipedia.org
  9. Desconstrutivismo Consultado em arkitectonica.blogspot.com

Deixe um comentário