Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências

O desmatamento na Colômbia é uma questão que tem gerado um grande impacto sobre o ambiente ea biodiversidade base recorrente. Nos últimos anos, o país perdeu 1,3 milhão de hectares de florestas, colocando-o em décimo lugar globalmente no desmatamento.

Estudos recentes determinaram que aproximadamente metade dos ecossistemas florestais do país estão em perigo ou em estado crítico de desmatamento. 665 espécies de plantas ameaçadas de extinção e, em termos de espécies animais, 41 estão criticamente ameaçadas, 112 ameaçadas e 131 vulneráveis.

Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências 1

Desmatamento Fonte: pixabay.com

O desmatamento na Colômbia é causado pelo aumento das fronteiras agrícolas, especificamente pecuária extensiva e culturas ilegais, bem como crescimento populacional ou migração interna, extração ilegal de madeira, incêndios florestais e atividades de mineração e sua infraestrutura.

A perda de ecossistemas florestais e florestas afeta o suprimento e a disponibilidade de água para consumo humano e indústria. No cenário atual de crescente demanda por recursos hídricos, o desmatamento constitui uma séria ameaça de escassez nos principais centros povoados.

Relatórios institucionais indicam que o maior problema de desmatamento ocorre na região amazônica (65,5%), seguida pela Cordilheira dos Andes (17,0%), região do Caribe (7,10%), a costa do Pacífico (6,10%) e a Orinoquia (4,50%).

O desmatamento promove impactos negativos, como o aumento dos riscos naturais – inundações ou deslizamentos de terra -, erosão e sedimentação das contas de água.

Agentes de desmatamento

Os agentes identificados como causadores do desmatamento são numerosos neste país. Eles favorecem a expansão das fronteiras agrícolas – ilegais e ilegais – colonização, mineração ilegal, exploração madeireira e incêndios florestais.

Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências 2

Registro ilegal Fonte: medea_material [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]
Nesse sentido, a verificação e análise dos agentes de transformação florestal são parte fundamental dos programas de reflorestamento para modelagem e planejamento. Na Colômbia, vários agentes de transformação foram identificados: agricultores e pecuaristas, empresas de mineração e grupos armados.

Relacionado:  Resíduos inorgânicos: características, classificação, tratamento

Agricultores

São agricultores, colonos e pequenos agricultores, produtores de média e grande escala estabelecidos em áreas rurais.

Cattlemen

Inclui criação extensiva de gado para fins produtivos, até produções locais que tentam garantir a posse da terra.

Empresas de mineração

Agentes dedicados à mineração de maneira legal e ilegal. Estes são de grande impacto, tanto na área de exploração quanto na construção de estradas de acesso.

Grupos armados

A presença de grupos armados está envolvida nos processos de transformação dos ecossistemas florestais. Sua presença incentiva o estabelecimento de culturas ilegais, o desmatamento descontrolado e o abandono da terra devido à migração interna.

Causas do desmatamento

O processo de desmatamento está diretamente relacionado à transformação da cobertura da terra, resultado de ações diretas ou subjacentes nos ecossistemas florestais.

A expansão das fronteiras agrícolas, a extração indiscriminada de madeira, os incêndios florestais e a concessão de florestas de pastagem contribuem para o desmatamento; como novos assentamentos, construção de estradas, mineração ilegal, obtenção de lenha ou carvão e culturas ilegais.

Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências 3

Queima indiscriminada Fonte: Christian Pirkl [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Causas diretas

Eles se relacionam com atividades humanas que afetam o meio ambiente:

  • Expansão das fronteiras agrícolas e exploração pecuária.
  • Mineração – legal e ilegal – e construção de estradas de acesso.
  • Registro ilegal.
  • Aumento do narcotráfico e das culturas ilícitas.

Causas subjacentes

Eles são referidos aos fatores sociais que influenciam as causas diretas do desmatamento:

  • Assentamentos camponeses ou migrações internas.
  • Mercado de trabalho – disponibilidade de mão de obra em campo -.
  • Deterioração dos canais de comunicação rural.
  • Aplicação de tecnologias agrícolas e pecuárias.
  • Políticas agrícolas sobre posse e distribuição de terras.
  • Ausência de políticas fiscais nas áreas rurais.
  • Crescimento de conflitos armados, presença de guerrilheiros e grupos paramilitares.
  • Políticas sobre o meio ambiente e a proteção dos ecossistemas florestais.
  • Variação dos índices de produção agrícola nos mercados internacionais.
Relacionado:  Obsolescência percebida: fatores, consequências e exemplos

Consequências

Na Colômbia, uma média de 20 hectares de florestas primárias são perdidas a cada hora. Principalmente nos departamentos de Antioquia, Caquetá, Chocó, Guaviare, Meta e Norte de Santander.

Essas taxas de redução de recursos florestais representam a taxa mais alta dos últimos anos.

Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências 4

Deslizamentos de terra Fonte: feinteriano [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]
A perda de espaços florestais e embarcações influencia os benefícios que esses espaços naturais proporcionam. As florestas são a fonte regular de água e contribuem para a manutenção das condições climáticas de cada região.

As florestas atuam como um meio de armazenar recursos hídricos. Sua preservação contribui para a proteção contra deslizamentos de terra e inundações em áreas onde as condições do solo e do clima são suscetíveis.

A deterioração das florestas tem uma influência decisiva na perda de biodiversidade e na deterioração dos ecossistemas, criando um problema para as pessoas locais que se beneficiam de serviços naturais que são a fonte do bem-estar e da economia local.

Nos últimos anos, as florestas de várzea desmataram substancialmente, com uma redução líquida de 15%, resultando em distúrbios climáticos, socioeconômicos e políticos que afetam a qualidade de vida de seus habitantes.

Soluções

A busca dos mecanismos necessários para lidar com o problema do desmatamento constitui um desafio para as instituições governamentais e a sociedade colombiana. O manejo florestal e a redução do impacto do desmatamento requerem uma estrutura regulatória eficiente no nível institucional.

Atualmente, existe uma regulamentação que, através do uso eficiente, resolveria o problema no curto prazo. Entre essas diretrizes, podemos citar os mecanismos de conservação, uso de recursos florestais e fortalecimento institucional.

Mecanismos de conservação

A implementação de sistemas de informação geográfica – SIG – que identificam áreas vulneráveis ​​é vital. Dessa forma, é possível realizar monitoramento periódico, aplicar programas de recuperação e avaliar esforços.

Relacionado:  Fusão dos pólos: evolução, causas, consequências, soluções

Desmatamento na Colômbia: agentes, causas e consequências 5

Floresta na área de Ubaté, Colômbia. Fonte: KarlitoX [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]
O uso de modelos de risco de desmatamento é um mecanismo que ajuda a identificar variáveis ​​geográficas e econômicas em áreas de risco. Dessa forma, o território nacional é gerenciado e os programas de conservação e reflorestamento são focados.

Uso de recursos florestais

É necessário aplicar um sistema de exploração sustentável dos recursos florestais, reduzindo a exploração ilegal de florestas, sendo necessário aplicar planos de planejamento territorial, métodos de extração e comercialização, promovendo plantações florestais.

Fortalecimento institucional

É necessário coordenar e integrar entidades governamentais responsáveis ​​pela silvicultura no país, bem como a aplicação e execução de políticas, regulamentos e regulamentações públicas que promovam a exploração florestal integral.

Referências

  1. Escobar, Elsa M. (2018) O grave desmatamento na Colômbia afeta a todos nós e é o grande desafio. Recuperado em: natura.org
  2. Estratégias abrangentes para o controle do desmatamento e manejo florestal na Colômbia (2017) Ministério do Meio Ambiente da Colômbia MINAMBIENTE. 37 pp.
  3. García Romero, Helena. (2014). Desmatamento na Colômbia: desafios e perspectivas. FEDESARROLLO. 28 pp.
  4. González, JJ, Etter, AA, Sarmiento, AH, Orrego, SA, Ramírez, C., Cabrera, E., Vargas, D., Galindo, G., García, MC, Ordoñez, MF (2011). Padrões espaciais de desmatamento na Colômbia. Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais – IDEAM. Bogotá DC, Colômbia. 64 pp.
  5. Problemas ambientais na Colômbia (2019) Wikipedia, A enciclopédia livre. Recuperado em: en.wikipedia.org
  6. Rodríguez Salguero, Marcela (2018) Florestas Território da Vida. Estratégia abrangente para controle de desmatamento e manejo florestal. Governo da Colômbia Minambiente. IDEAM – UN – REDD – GIZ – FCPF – FUNDO DE AÇÃO – BANCO MUNDIAL. 174 pp.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies