Disestesia: sintomas, tipos e causas

Disestesia é um termo médico que se refere a uma sensação anormal ou desagradável na pele, que pode ser descrita como formigamento, queimação, dormência, picadas ou choques elétricos. Essa condição pode ser causada por diversos fatores, como lesões nervosas, compressão de nervos, doenças neurológicas, diabetes, deficiências vitamínicas, entre outros. Existem diferentes tipos de disestesia, como a parestesia (sensação de formigamento), alodinia (sensibilidade aumentada à dor) e hiperestesia (sensibilidade aumentada ao toque). É importante procurar um médico caso apresente sintomas de disestesia, para que seja feito um diagnóstico preciso e iniciado o tratamento adequado.

Quais são as causas da disestesia?

A disestesia é uma condição que causa sensações anormais na pele, como formigamento, ardor, coceira ou dormência. Essas sensações podem ser desagradáveis e desconfortáveis para quem as experimenta. Mas afinal, quais são as causas da disestesia?

Existem várias condições médicas que podem levar ao desenvolvimento da disestesia. Uma das principais causas é a lesão nos nervos periféricos, que pode ser causada por diabetes, infecções virais, lesões traumáticas ou exposição a toxinas. Essas lesões nos nervos interferem na transmissão correta dos sinais sensoriais, levando a sensações anormais na pele.

Além disso, condições como esclerose múltipla, enxaqueca, fibromialgia e neuropatia periférica também podem estar associadas à disestesia. Essas doenças afetam o funcionamento do sistema nervoso, resultando em sintomas como formigamento e dor na pele.

Por fim, fatores genéticos e predisposição individual também podem desempenhar um papel no desenvolvimento da disestesia. Pessoas com histórico familiar de condições neurológicas ou sensitivas têm maior probabilidade de apresentar sintomas de disestesia.

É importante procurar um médico para um diagnóstico preciso e um tratamento adequado, que pode incluir medicamentos, fisioterapia e outras abordagens terapêuticas.

Entenda o que é a Síndrome da disestesia cutânea e seus sintomas associados.

A disestesia é uma condição que afeta a sensibilidade da pele, causando sensações anormais como formigamento, queimação, coceira e dor. A Síndrome da disestesia cutânea é um tipo específico dessa condição, caracterizada pela sensação de queimação intensa na pele, mesmo na ausência de estímulos externos.

Os sintomas associados à Síndrome da disestesia cutânea incluem hipersensibilidade ao toque, dor constante, sensação de queimação na pele e dificuldade para suportar roupas ou cobertores sobre a região afetada. Esses sintomas podem ser desencadeados por estímulos como o contato com tecidos ásperos, mudanças de temperatura e até mesmo pelo simples ato de se vestir.

As causas da Síndrome da disestesia cutânea ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos, lesões nervosas, inflamação e desequilíbrios químicos no cérebro possam desempenhar um papel no desenvolvimento da condição. Além disso, a Síndrome da disestesia cutânea pode estar associada a outras condições médicas, como neuropatia periférica, fibromialgia e síndrome da fadiga crônica.

Tratamento adequado para a disestesia: conheça as melhores abordagens para aliviar os sintomas.

A disestesia é um distúrbio neurológico que causa sensações anormais na pele, como formigamento, queimação e dormência. O tratamento adequado para a disestesia visa aliviar esses sintomas desconfortáveis e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Existem diversas abordagens que podem ser eficazes no tratamento da disestesia. Uma das opções mais comuns é o uso de medicamentos anticonvulsivantes e antidepressivos, que ajudam a controlar a dor e as sensações anormais. Além disso, a fisioterapia e a terapia ocupacional também podem ser úteis para fortalecer os músculos e melhorar a mobilidade.

Outras opções de tratamento incluem a acupuntura, a massagem terapêutica e a terapia cognitivo-comportamental. Estas abordagens complementares podem ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade, que muitas vezes estão associados à disestesia.

Relacionado:  Os 35 tipos de neurônios, funções e características

É importante ressaltar que o tratamento da disestesia deve ser individualizado, levando em consideração as causas subjacentes do distúrbio. Por isso, é essencial consultar um médico especializado para receber um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Com o acompanhamento adequado, é possível aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes afetados por esse distúrbio neurológico.

Entendendo os conceitos de parestesia e disestesia no corpo humano de forma simples.

Para entender os conceitos de parestesia e disestesia no corpo humano, é importante conhecer as diferenças entre eles. A parestesia é uma sensação anormal, como formigamento, queimação ou dormência, que pode ocorrer em qualquer parte do corpo. Já a disestesia é uma sensação desagradável, como dor ou desconforto, que pode ser desencadeada por estímulos que normalmente não seriam dolorosos.

A disestesia pode se manifestar de diversas formas, como sensação de picadas de agulha, queimação ou choques elétricos. Esses sintomas podem ser constantes ou intermitentes, e variam de intensidade de acordo com cada pessoa. As causas da disestesia podem estar relacionadas a lesões nervosas, neuropatias, infecções ou distúrbios neurológicos.

Existem diferentes tipos de disestesia, como a alodinia, que é a sensação de dor causada por estímulos que normalmente não seriam dolorosos, e a hiperestesia, que é a sensibilidade aumentada a estímulos que normalmente seriam percebidos como leves. Esses sintomas podem afetar a qualidade de vida das pessoas e requerem acompanhamento médico para diagnóstico e tratamento adequados.

Portanto, é fundamental estar atento aos sintomas de disestesia e buscar ajuda profissional caso necessário. Compreender as diferenças entre parestesia e disestesia pode ajudar no diagnóstico e manejo desses sintomas, contribuindo para o bem-estar e qualidade de vida das pessoas afetadas.

Disestesia: sintomas, tipos e causas

A disestesia é uma desordem neurológica caracterizada por sensibilidade enfraquecida ou alterada dos sentidos, especialmente toque.Essa condição causa uma sensação anormal e desagradável que pode ser espontânea e provocada.

Nesse sentido, a disestesia é conceituada como um tipo de parestesia dolorosa. O caso mais típico de disestesia é formado através da experimentação de uma dor ardente causada por diferentes polineuropatias.

Disestesia: sintomas, tipos e causas 1

A palavra disestesia vem do grego, onde “dis” significa anormal e “stesia” significa sensação. Dessa maneira, esse fenômeno é descrito como uma sensação de toque desagradável e anormal.Normalmente, esse distúrbio gera a experimentação da dor, mas também pode gerar sensações táteis desagradáveis ​​ou estranhas, mas não dolorosas.

Sintomas

Essa alteração é causada por lesões no sistema nervoso central e periférico, especificamente, é causada por condições no sistema de transmissão da dor.

As principais sensações que a disestesia geralmente gera são: as perfurações, o prurido, o choque elétrico, a sensação de umidade, o formigamento, a queimação, as irritações e a dormência. Todas essas manifestações são experimentadas devido a um aumento no limiar de dor da pessoa.

A sintomatologia desse distúrbio pode afetar qualquer região do corpo, embora os mais sensíveis sejam geralmente a boca, couro cabeludo e pernas.

Atualmente, a disestesia é um distúrbio neurológico observado em uma ampla variedade de patologias, por isso possui uma etiologia muito variada.

Tipos

A disestesia é um tipo de distúrbio neurológico que se caracteriza, em geral, por apresentar uma sensação anormal e desagradável. Constitui uma alteração da sensibilidade tátil da superfície que gera sintomas como formigamento, perfuração, sensação de irritação ou dormência.

Todos os casos de disestesia têm manifestação semelhante, pois essa alteração constitui mais um sintoma do que uma doença em si. No entanto, diferentes tipos de disestesia podem ser classificados no cenário clínico de acordo com a região do corpo afetado.

Disestesia da pele

A presença de disestesia da pele foi decidida, o que caracteriza a experimentação de desconforto ou dor ao toque da pele quando entra em contato com estímulos normais.

Pessoas com disestesia da pele podem ter sérias dificuldades em funcionar adequadamente, pois qualquer contato mínimo da pele com um objeto externo (incluindo roupas) causa sensações dolorosas e / ou desagradáveis.

No entanto, nesses casos, o grau de sensação dolorosa pode variar e variar de um leve formigamento à experiência de dor contundente e incapacitante.

Disestesia do couro cabeludo

Por outro lado, o diagnóstico de disestesia no couro cabeludo já foi estabelecido. Pessoas com essa condição não apresentam nenhum tipo de alteração sensível na pele, exceto nas regiões capilares.

A disestesia do couro cabeludo é caracterizada principalmente pela experimentação de dor ou sensação de queimação na superfície da pele craniana, além de sofrer comichão excessiva no couro cabeludo.

Disestesia oclusal

Finalmente, o último tipo de disestesia é conhecido como disestesia oclusal ou mordida fantasma. Esta condição é caracterizada por afetar a região dental da pessoa.

Constitui uma alteração muito rara vivenciada por indivíduos submetidos a procedimentos odontológicos. Esses sujeitos sentem dor e sensações desagradáveis ​​em suas regiões dentárias e acreditam que a região superior da boca não se encaixa corretamente na região inferior.

Nesse caso, o fenômeno da disestesia é geralmente classificado como um distúrbio somatoforme, assim como os outros “fenômenos fantasmas” geralmente apresentam distúrbios psicológicos contaminantes.

Causas

A disestesia é uma condição causada por lesões específicas no sistema nervoso central e no sistema nervoso periférico .

Essa condição envolve o sistema de transmissão da dor, que está intimamente ligado à medula espinhal, mas também é processado por várias regiões do cérebro, como o tálamo.

Por esse motivo, lesões ou alterações funcionais no cérebro e na medula espinhal e nas regiões que unem as duas estruturas, podem levar ao desenvolvimento da disestesia.

Apesar de não ser um distúrbio neurológico de alta prevalência, a disestesia apresenta um grande número de patologias relacionadas à sua etiologia.

Em geral, argumenta-se que essa condição é sempre secundária a uma doença primária, que seria responsável pelas alterações funcionais na transmissão de estímulos dolorosos e sensíveis.

Diabetes

Diabetes mellitus é um conjunto de distúrbios metabólicos que se caracteriza pela presença de altos níveis de glicose no sangue persistentemente.

Esta patologia é altamente prevalente em todo o mundo e se origina devido a um defeito na produção de insulina.

A sintomatologia do diabetes é muito variada, incluindo fadiga, fadiga, distúrbios visuais, dor abdominal, irritabilidade ou perda de peso. Além disso, embora não seja uma das manifestações mais comuns, muitas pessoas com diabetes podem desenvolver disestesia.

Síndrome de Guillain-Barré

A síndrome de Guillain-Barré é uma patologia séria que se desenvolve quando o sistema imunológico do corpo ataca parte do sistema nervoso por engano.

Esta doença causa inflação de diferentes nervos cerebrais, o que causa fraqueza ou paralisia muscular. Entre os sintomas gerados por essa patologia, destaca-se a disestesia, que pode ser vivenciada com frequência nesses casos.

Neuropatia periférica

A neuropatia periférica é um grupo de doenças do sistema nervoso periférico que são caracterizadas por danos cerebrais.

Essas alterações podem ser causadas por várias condições, como infecção por herpes, neurotoxinas ou efeitos de drogas quimioterápicas, e geralmente degeneram em situações de insensibilidade, disestesia e alodinia.

Relacionado:  Síndrome de incorporação: sintomas, causas, tratamentos

Polineuropatias

As polinenopatias são condições neurológicas complexas que têm alta prevalência na população adulta.

Constitui uma entidade patológica que engloba doenças inflamatórias e degenerativas do sistema nervoso periférico. Ou seja, constitui qualquer alteração que afeta os nervos periféricos do cérebro.

Essa doença geralmente gera uma alta afetação sensorial, motora e vegetativa, causando uma grande variedade de sintomas normalmente graves, dos quais um dos mais prevalentes é a disestesia.

Síndrome de abstinência

A síndrome de abstinência refere-se a um conjunto de reações físicas e psicológicas que uma pessoa viciada em uma substância experimenta quando interrompe seu consumo.

A síndrome pode ocorrer em algumas patologias psicológicas, como dependência emocional. A sintomatologia dessa condição geralmente varia dependendo da substância à qual a pessoa é viciada.

No que diz respeito à disestesia nesses casos, é um sintoma incomum, mas alguns indivíduos viciados em álcool podem experimentar quando interrompem o consumo e desenvolvem sua própria síndrome de abstinência.

Esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença caracterizada pelo aparecimento de lesões desmielinizantes, neurodegenerativas e crônicas do sistema nervoso central.

A esclerose múltipla apresenta ampla sintomatologia, incorporando astenia, perda de massa e força muscular, falta de coordenação nos movimentos, disartria, insuficiência respiratória, espasticidade, cãibras, disfunção sexual, problemas cognitivos e disestesia.

Intervenções dentárias

As intervenções odontológicas estão relacionadas a casos de disestesia oclusal ou mordida fantasma.

Essa alteração é um pouco diferente dos demais tipos de disestesia, uma vez que sensações dolorosas e / ou desagradáveis ​​estão sujeitas a elementos cognitivos intimamente relacionados às experiências vividas em uma intervenção odontológica prévia.

Nesse sentido, a disestesia oclusal é considerada um tipo de distúrbio somatomórfico no qual a pessoa experimenta uma distorção notável do funcionamento e da estrutura de suas regiões dentárias.

Gangliosidose

A gangliosidose é um conjunto de patologias de armazenamento lisossômico que são devidas a um acúmulo de gangliosídeos (um tipo de esfingolipídeo) nos neurônios cerebrais.

Essa patologia hereditária causa disfunção das enzimas lisossômicas, fato que causa o desenvolvimento de diferentes desordens neurológicas e físicas, incluindo disestesia.

Neuropatia periférica induzida por quimioterapia

A neuropatia periférica induzida pela quimioterapia é um tipo bastante comum de neuropatia periférica, caracterizada pelos efeitos diretos da quimioterapia.

Essa condição causa principalmente disestesia, causando sintomas como formigamento ou dormência. A sintomatologia geralmente começa nas mãos e nos pés e sobe gradualmente pelas extremidades inferior e superior.

Síndrome de Dèjerine-Roussy

Finalmente, a síndrome de Dèjerine-Roussy ou síndrome talâmica é uma patologia que causa uma perda sensorial de todas as formas de sensação em um hemocorpo devido a uma lesão no tálamo cerebral contralateral.

Referências

  1. Klempner, MS, Hu, LT, Evans, J., Schmid, CH, Johnson, GM, Trevino, RP, Weinstein, A. (2001). Dois ensaios controlados de tratamento com antibióticos em pacientes com sintomas persistentes e uma história de doença de Lyme. New England Journal of Medicine, 345 (2), 85-92.
  2. Hara, ES, Matsuka, Y., Minakuchi, H., Clark, GT e Kuboki, T. (2012). Disestesia oclusal: uma revisão sistemática qualitativa da epidemiologia, etiologia e manejo. Journal of Oral Rehabilitation, 39 (8): 630-638.
  3. Hoss, D. & Segal, S. (1998). Disestesia no couro cabeludo. Arquivos de Dermatologia, 134 (3). doi: 10.1001 / archderm.134.3.327.
  4. Tsukiyama, Y., Yamada, A., Kuwatsuru, R., & Koyano, K. (2012). Avaliação biopsicossocial de pacientes com disestesia oclusal. Journal of Oral Rehabilitation, 39 (8).

Deixe um comentário