Disglossia: sintomas, causas e tratamentos

A disglossia é um distúrbio da fala que se caracteriza pela dificuldade na articulação correta dos sons da fala, resultando em uma fala pouco clara e compreensível. Este problema pode ser causado por diversos fatores, como alterações anatômicas na boca e na língua, déficits neurológicos, problemas de audição, entre outros. O tratamento da disglossia pode variar de acordo com a causa do problema, incluindo terapias de fala, exercícios de articulação, uso de aparelhos fonéticos, entre outras abordagens. É importante buscar ajuda profissional especializada para diagnóstico e tratamento adequados da disglossia.

Entendendo a Disglossia: uma condição linguística que envolve variação e divergência de registros.

A Disglossia é uma condição linguística que envolve a variação e divergência de registros linguísticos. Isso significa que uma pessoa pode alternar entre diferentes formas de linguagem, dependendo do contexto em que se encontra. Esta condição pode se manifestar de diversas maneiras, como por exemplo, ao alternar entre um registro mais formal e um mais informal.

Os sintomas da Disglossia podem incluir a dificuldade em manter a consistência na forma de falar ou escrever, bem como a confusão ao alternar entre diferentes registros. As causas dessa condição ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos e ambientais possam desempenhar um papel importante.

O tratamento para a Disglossia pode variar dependendo da gravidade dos sintomas e das necessidades individuais do paciente. Alguns métodos comuns incluem terapia da fala, treinamento em comunicação e prática de habilidades linguísticas. É importante procurar a ajuda de um profissional especializado para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Compreender os sintomas, causas e opções de tratamento pode ajudar as pessoas afetadas por essa condição a melhorar sua qualidade de vida e comunicação.

Possíveis causas de dificuldade na fala: conheça os principais fatores desencadeantes.

As dificuldades na fala podem ser causadas por diversos fatores, sendo importante identificar as principais causas para um tratamento adequado. Alguns dos principais fatores desencadeantes incluem:

1. Problemas neurológicos: Distúrbios neurológicos, como acidentes vasculares cerebrais, traumatismos cranianos ou doenças degenerativas, podem afetar a capacidade de fala de uma pessoa.

2. Distúrbios da linguagem: Condições como a Disglossia, que afeta a produção da fala devido a diferenças no desenvolvimento da linguagem, podem causar dificuldades na comunicação verbal.

3. Transtornos emocionais: Ansiedade, estresse e depressão podem interferir na capacidade de fala de uma pessoa, tornando-a mais suscetível a gagueira ou bloqueios na comunicação.

4. Lesões na boca e garganta: Problemas físicos, como lesões nas cordas vocais, lábios ou língua, podem prejudicar a articulação correta dos sons durante a fala.

É importante consultar um profissional de saúde especializado para avaliar a causa específica da dificuldade na fala e recomendar o tratamento mais adequado. A terapia da fala, a fisioterapia e a psicoterapia podem ser opções viáveis, dependendo do diagnóstico do paciente.

Disglossia: sintomas, causas e tratamentos

O dysglossia é um distúrbio da articulação dos fonemas porque defeitos ou anatômica e / ou alterações fisiológicas articuladores periféricos. Tudo isso dificulta o funcionamento linguístico das pessoas sem efeitos neurológicos ou sensoriais detectáveis.

As causas que podem causar disglossia são malformações craniofaciais congênitas, distúrbios do crescimento, paralisia periférica e / ou anomalias adquiridas como resultado de lesões na estrutura ou excisões orofaciais.

Disglossia: sintomas, causas e tratamentos 1

Existem três aspectos que podem estar relacionados à disglossia: deficiência intelectual em graus variados, privação psicossocial e perda auditiva. No entanto, devemos ter em mente que esses aspectos não constituem uma causa direta das disglossias, embora piorem o quadro, pois dificultam à pessoa afetada a implementação de mecanismos compensatórios para melhorar a fala espontânea.

Sintomas

Entre os sintomas da disglossia, podemos distinguir, por um lado, a sintomatologia nuclear e, por outro, a sintomatologia associada.

Relacionado:  Infarto lacunar: sintomas, causas, tratamentos

Sintomatologia nuclear

A sintomatologia central é caracterizada por uma alteração na articulação de diferentes fonemas por malformações anatômicas dos órgãos periféricos da fala e de origem central não neurológica.

Sintomatologia associada

Os sintomas associados à disglossia são a presença de rinofonias, que são alterações vocais derivadas de lesões nas cavidades de ressonância.

Encontramos distúrbios psicológicos consistentes com o problema da fala, como, por exemplo, que a pessoa com esse distúrbio apresenta recusa em falar.

Além disso, esse distúrbio pode ocorrer associado a atraso escolar, dificuldades na alfabetização, dificuldades na fluência normal da fala, perda auditiva (principalmente na fenda palatina) e outras dificuldades relacionadas à longa permanência nos hospitais.

Por outro lado, também encontramos a falta de estímulo adequado em seu nível de desenvolvimento e a crença equivocada de que a disglossia está inevitavelmente ligada ao retardo intelectual.

Classificação das disglossias

Disglossias -Lipsis

As disglossias labiais são um distúrbio da articulação dos fonemas devido à alteração da forma, mobilidade, força ou consistência dos lábios.Os que ocorrem com mais freqüência são devidos a:

  • Fenda labial : é uma anomalia congênita que vai da simples depressão do lábio à fenda total.A malformação pode ser unilateral e bilateral, dependendo do lado afetado. Portanto, o lábio leporino pode ser unilateral ou bilateral e simples ou total.A forma mais grave dessa malformação é chamada de lábio leporino central ou central.
  • Frênulo labial superior hipertrófico : a membrana entre o lábio superior e os incisivos se desenvolve excessivamente. Eles têm dificuldade em articular os fonemas / p, / b /, / m /, / u /.
  • Fissura do lábio inferior : fenda no lábio inferior.
  • Paralisia facial : uma conseqüência frequente do fórceps causando lesões e anormalidades no ouvido médio. Eles têm dificuldade em pronunciar os fonemas / f /, / n /, / ou /, / u /.
  • Macrostomia : alongamento da fenda oral que pode estar associada a malformações no ouvido.
  • feridas lábio : algumas feridas na área do lábio que poderia causar mudanças na articulação dos fonemas.
  • Neuralgia do trigêmeo : dor súbita e de curto prazo que aparece na face nas áreas oftálmica, superior e inferior da mandíbula.

Disglossias mandibulares

As disglosias mandibulares referem-se à alteração da articulação dos fonemas causada por uma alteração no formato de uma ou de ambas as mandíbulas.

As causas mais frequentes são:

  • Ressecção maxilar : a mandíbula superior se separa da mandíbula inferior.
  • Atresia mandibular : anormalidade causada pela interrupção do desenvolvimento da mandíbula inferior de origem congênita (distúrbios endócrinos, raquitismo, etc.) ou adquirida (uso da chupeta, chupando o dedo etc.), que acaba causando má oclusão da mandíbula. as mandíbulas
  • Disostose maxilofacial : é uma doença hereditária rara caracterizada por malformação mandibular derivada de outras anomalias e dando origem ao aspecto típico da “face do peixe”.
  • Progênie : crescimento da mandíbula que causa má oclusão das mandíbulas.

-Avarias dentárias

Alteração da forma e posição dos dentes devido a herança, desequilíbrios hormonais, alimentação, ortodontia ou próteses.

Disglossias linguais

É caracterizada pela alteração da articulação do fonema devido a um distúrbio orgânico da língua que afeta a velocidade, precisão e sincronização dos movimentos da língua.

As causas mais frequentes são:

  • Ancilostomíase ou frênulo curto : a membrana sob a língua é mais curta que o normal.
  • Gosectomia : remoção total ou parcial da língua.
  • Macroglossia : tamanho excessivo da língua que causa problemas respiratórios (característica da síndrome de Down).
  • Malformações congênitas da língua : parada no desenvolvimento embriológico.
  • Microglossia : tamanho mínimo da língua.
  • Paralisia hipoglosso : quando a língua não pode se mover e há problemas com a fala e a mastigação. Pode ser bilateral ou unilateral.

Disglossia palatina

É uma alteração na articulação dos fonemas causada por alterações orgânicas do palato ósseo e do véu do palato.As patologias nas quais a estrutura normal é afetada são chamadas:

  • Fissura palatal : malformação congênita das duas metades do palato dificultando gravemente a deglutição e a fala.Fissuras labiais ou palatais se originam nas primeiras semanas de gravidez.
  • Fissura submucosa : malformação onde o palato é fissurado.

Avaliação

Para começar com a avaliação das disglossias, é apropriado realizar uma anamnese para saber:

  • O motivo da avaliação.
  • Antecedentes familiares.
  • Gravidez e parto
  • O desenvolvimento psicomotor
  • O desenvolvimento do discurso.
  • O desenvolvimento da dentição.
  • A alimentação.
  • Respiração (diurna e noturna – presença ou não de ronco).
  • Problemas adenóides, nas amígdalas, rinite e otite.
  • Uso de chupeta, baba, sucção labial, digital, bochecha, língua, objeto, mordida de objetos, etc.
  • Internações, intervenções cirúrgicas e doenças relevantes.
  • Medicação

Posteriormente, procederemos à avaliação completa dos órgãos bucofonatórios:

Lábios

Observe os lábios em repouso: devemos indicar se estão fechados, entreabertos ou bem abertos.

  • Além disso, devemos atender à sua forma para saber se são simétricas ou assimétricas, a forma do lábio superior e inferior indicando se é curta, normal ou longa e a presença de cicatrizes, assim como sua localização e características.
  • A mobilidade labial é avaliada pela aplicação dos lábios criança mover para os lados, o trecho, a vibrar e deformação gosto de beijar projetada. Vamos registrar se os lábios se movem normalmente, com dificuldade ou sem movimento.
  • Tonicidade : observaremos o tônus ​​labial através do exercício do beijo e tocaremos com o dedo o lábio superior e inferior para perceber a resistência do mesmo e o rotularemos de normotonia, hipertonia ou hipotonia.
  • Frênulo labial : através da observação, avaliaremos se o frênulo labial inferior ou superior é curto e se o superior é hipertrófico.

Língua

  • Vamos observar a língua em repouso e ver se ela está apoiada no palato duro, interposta entre os arcos dentários, pressionando-os lateralmente ou projetados na arcada superior ou inferior.
  • Forma : pedimos à criança que tire a língua e atenda à forma como ela se apresenta, pode ser normal, microglossia / macroglossia, larga / estreita e volumosa. É importante observar se existem marcas laterais dos dentes.
  • Mobilidade : a criança é solicitada a mover a língua para o lado, levantá-la, projetá-la, fazê-la vibrar etc. Dessa forma, avaliaremos se ele se move normalmente, com dificuldade ou se não há movimento.
  • Tonicidade : para detectar o tom da língua, usamos um abaixador de língua e empurramos a ponta da língua enquanto a criança resiste. Através desta exploração, podemos detectar se a linguagem é normotônica, hipertônica ou hipotônica.
  • Frênulo lingual : pedimos à criança que levante a língua para verificar sua forma. Se acharmos difícil, pedimos que você chupe a língua contra o palato duro e mantenha-a. Isso permite observar se o frênulo lingual é normal, curto ou com pouca elasticidade.

Paladar duro

  • Forma : ao observar o palato, devemos observar a forma que ela apresenta, pode ser normal, alta, ogival, larga ou estreita, plana, curta, com cicatrizes.
  • Dobras palatais: observe se as dobras do palato duro são normais ou hipertróficas.

Paladar suave

  • Observamos o palato mole no final da cavidade oral . Um dos elementos que devemos atender é a úvula. Ao observá-lo, devemos indicar se possui uma estrutura bífida ou se é longa, curta ou inexistente.
  • Devemos detectar a presença de cicatrizes ou fístulas no palato branco.
  • Vamos observar sua dimensão , indicando se ela apresenta uma dimensão convencional ou é menor do que se esperaria.
  • Mobilidade : para observar a mobilidade dessa área do aparelho bucofonador, devemos solicitar ao indivíduo que emita o fonema / a / durante a exploração. Assim, podemos ver se a mobilidade é boa ou diminuída ou ausente.
  • Arcos dentários / maxilares: observe se a dentição é temporária, mista ou permanente.
  • Atender à ausência de peças dentárias .
  • Veja se há separação nas peças dentárias , onde e de que maneira isso pode influenciar a linguagem.
  • Malformação de peças dentárias .
  • Indique se você usa dentaduras , fixas ou removíveis.
  • Estado da gengiva : normal, inflamado ou sangrando.
  • Como é a mordida da pessoa .
  • Capacidade de abertura oral : difícil, não abre, desengata a mandíbula, etc.
  • Observe se há simetria frontal entre os lados direito e esquerdo do rosto.
  • Perfil facial : normal, retrusão ou projeção frontal da mandíbula.
Relacionado:  Macrocefalia: sintomas, causas, tratamento, consequências

Outro aspecto relevante para a disglossia é a avaliação das funções orofaciais. Para fazer isso, devemos participar:

Respiração

Observe se a respiração ocorre de maneira nasal, oral ou mista, se houver coordenação respiratória. Além disso, também é importante avaliar o controle da respiração e medir a capacidade pulmonar.

Engolir

Para avaliar a maneira de engolir, é oferecido água ou iogurte ao indivíduo e observamos a colocação dos lábios, a língua e a pressão exercida para poder engolir o alimento.

Mastigação

Para avaliar a mastigação, é oferecido ao paciente um tipo de rosquinha ou biscoito alimentar e são avaliados os movimentos feitos com a boca e a língua.

Fonação

É importante prestar atenção ao tom de voz, à existência ou não de hipernasalidade e à existência de dificuldades articulatórias.

Discriminação sonora auditiva

Os sons dos objetos do cotidiano são apresentados e você deve identificá-los. Por exemplo, sons de moedas ou papel amassado.

Ouvindo discriminação de palavras

Palavras com fonemas semelhantes são apresentadas e a pessoa precisa identificar a diferença.

Tratamentos

No tratamento das disglossias, é importante que seja realizada uma intervenção multidisciplinar, dada a natureza e a natureza desse distúrbio de linguagem.

Como a disgloisa é um distúrbio que afeta várias áreas do indivíduo, através da coordenação de uma equipe de profissionais, podemos garantir que o paciente possa alcançar um desenvolvimento regulatório.Os profissionais que integrariam essa equipe multidisciplinar seriam:

  • Neonatologista : é o primeiro profissional com quem a criança entra em contato e com quem o tratamento começa.Esse profissional realiza avaliações rápidas de crescimento e desenvolvimento neonatal, é que ele realiza uma avaliação da anomalia ou malformação detectada e, portanto, pode determinar a melhor maneira de alimentar e mobilizará os recursos disponíveis para que a criança seja intervida pela equipe.
  • Pediatra : é quem acompanha, é o profissional que tem contato direto com os pais e tem a missão de informar e acompanhar durante o tratamento.Além disso, você deve estar em comunicação com os outros membros da equipe multidisciplinar.
  • Ortodontista : é o profissional responsável por corrigir inicialmente e durante o tratamento uma dentição correta, acomodação do palato e dos dentes.
  • Fonoaudiólogo : especialista que tratará a parte funcional da parte inicial do sistema digestivo e respiratório. O objetivo é que o indivíduo consiga uma função de fonação correta.
  • Psicólogo : Este profissional trabalhará com os pais e a criança.Por um lado, em primeiro lugar, o trabalho será direcionado aos pais para tentar aliviar a dor que sentem diante das malformações e tratamento do filho. Por outro lado, o psicólogo trabalhará diretamente com a criança para que ela consiga uma integração social normalizada e tenha uma autoestima adequada.
  • Cirurgião : coordena o tratamento, explicando, apoiando e enviando a criança para consultar e integrar o tratamento até que a correção cirúrgica seja realizada. É conveniente iniciar o tratamento cirúrgico durante a infância, para que os órgãos bucofonatórios alterados possam ser reparados antes do início da fala.As operações provavelmente serão repetidas quando o paciente for adulto.
  • Outros profissionais : assistentes sociais, cirurgiões plásticos, otorrinolaringologistas, anestesistas, etc.

Referências

  1. Belloch, A., Sandín, B. e Ramos, F. (2011). Manual de psicopatologia (vol.1 e 2) McGraw-Hill: Madrid.
  2. Díaz, A. (2011). Dificuldades na aquisição da linguagem. Inovação e experiências educacionais 39.
  3. Soto, MP (2009). Avaliação da linguagem em um aluno com disglosia. Inovação e experiências educacionais 15.
  4. Prieto, MA (2010). Alterações na aquisição da linguagem. Inovação e experiências educacionais 36.
  5. De los Santos, M. (2009). As disglossias Inovação e experiências educacionais 15.
  6. Protocolo para avaliação de disglossias. Grupo Lea.

Deixe um comentário