Distúrbios do espectro do autismo: 10 sintomas e diagnóstico

Os distúrbios do espectro do autismo (DEA) são condições que afetam o neurodesenvolvimento e têm um impacto significativo no comportamento social, comunicação e interação. O diagnóstico precoce é fundamental para garantir a intervenção adequada e o suporte necessário para indivíduos com autismo. Neste artigo, vamos discutir 10 sintomas comuns do autismo e como é feito o diagnóstico desses distúrbios.

Principais sinais de autismo: descubra os 10 sintomas mais comuns dessa condição.

Os distúrbios do espectro do autismo são condições que afetam a maneira como uma pessoa se comunica, interage socialmente e se comporta. Identificar os sinais precoces do autismo é fundamental para um diagnóstico precoce e intervenção adequada. Aqui estão os 10 sintomas mais comuns dessa condição:

1. Dificuldades na comunicação: Pessoas com autismo podem ter dificuldades em manter uma conversa, entender expressões faciais e linguagem corporal.

2. Dificuldades na interação social: Indivíduos com autismo podem ter dificuldade em se relacionar com os outros, fazer amigos e entender emoções.

3. Comportamentos repetitivos: Movimentos repetitivos, como balançar as mãos ou balançar o corpo, são comuns em pessoas com autismo.

4. Interesses restritos: Muitas vezes, pessoas com autismo têm interesses específicos e podem se fixar em um assunto por longos períodos.

5. Sensibilidade sensorial: Pessoas com autismo podem ser sensíveis a estímulos sensoriais, como luzes brilhantes, sons altos ou texturas específicas.

6. Dificuldades na linguagem: Atrasos na fala, ecolalia (repetição de palavras ou frases) e dificuldades na compreensão da linguagem são comuns em pessoas com autismo.

7. Comportamentos de autoestimulação: Bater a cabeça, morder as mãos ou fazer movimentos repetitivos podem ser comportamentos de autoestimulação em pessoas com autismo.

8. Dificuldades na adaptação a mudanças: Pessoas com autismo podem ter dificuldade em lidar com mudanças na rotina ou em novos ambientes.

9. Falta de empatia: Pessoas com autismo podem ter dificuldade em entender as emoções e sentimentos dos outros.

10. Atrasos no desenvolvimento: Atrasos no desenvolvimento motor, cognitivo e social são comuns em pessoas com autismo.

Se você notar alguns desses sintomas em seu filho ou em alguém próximo, é importante procurar ajuda de um profissional de saúde para um diagnóstico adequado. Quanto mais cedo o autismo for identificado, melhores serão as chances de intervenção e desenvolvimento da pessoa afetada.

Descubra os 18 sintomas do Transtorno do Espectro Autista.

Os transtornos do espectro do autismo (TEA) são condições neurológicas que afetam a comunicação, o comportamento e as interações sociais de uma pessoa. Existem vários sintomas que podem indicar a presença do TEA, e é importante estar ciente deles para um diagnóstico precoce e intervenção adequada.

Entre os principais sintomas do Transtorno do Espectro Autista estão:

1. Dificuldade em manter conversas e interações sociais.

2. Comportamentos repetitivos e estereotipados.

3. Interesses restritos e fixação em determinados temas.

4. Sensibilidade sensorial, como a intolerância a certos sons ou texturas.

5. Dificuldade em compreender e expressar emoções.

6. Apego excessivo a rotinas e dificuldade em lidar com mudanças.

7. Dificuldade em interpretar gestos e expressões faciais dos outros.

8. Falta de interesse em atividades de grupo ou brincadeiras imaginativas.

9. Atrasos no desenvolvimento da linguagem ou fala repetitiva.

10. Comportamentos agressivos ou autolesivos.

11. Dificuldade em manter contato visual durante as conversas.

12. Inabilidade em entender metáforas ou expressões não literais.

13. Hiperfoco em assuntos específicos e dificuldade em desviar a atenção.

14. Dificuldade em compreender ironia ou sarcasmo.

15. Movimentos motores repetitivos, como balançar as mãos ou balançar o corpo.

16. Dificuldade em seguir instruções complexas ou multistep.

17. Comportamentos de impulsividade ou agitação.

18. Dificuldade em estabelecer e manter amizades.

É importante ressaltar que nem todas as pessoas com TEA apresentarão todos esses sintomas, e a gravidade deles pode variar de pessoa para pessoa. Caso você observe esses sinais em si mesmo ou em alguém próximo, é fundamental buscar a avaliação de um profissional especializado para um diagnóstico preciso e um plano de intervenção adequado.

Relacionado:  O grande enigma das emoções e dores físicas

Descubra os 25 sinais de autismo em crianças e adultos de forma detalhada.

Descubra os 25 sinais de autismo em crianças e adultos de forma detalhada. O autismo é um distúrbio do desenvolvimento que afeta a capacidade de comunicação e interação social de uma pessoa. É importante estar ciente dos sinais precoces do autismo para que seja possível intervir o mais cedo possível e proporcionar o apoio necessário.

Alguns dos sintomas comuns do autismo em crianças incluem dificuldade em estabelecer contato visual, dificuldade em expressar emoções, padrões repetitivos de comportamento e interesses restritos. Em adultos, os sinais podem incluir dificuldade em manter relacionamentos, dificuldade em compreender as emoções dos outros e dificuldade em se adaptar a mudanças.

É importante estar ciente dos sinais de autismo para que seja possível procurar ajuda profissional e obter um diagnóstico adequado. Alguns dos sinais de autismo em crianças e adultos incluem:

1. Dificuldade em estabelecer contato visual

2. Dificuldade em expressar emoções

3. Padrões repetitivos de comportamento

4. Interesses restritos

5. Dificuldade em manter relacionamentos

6. Dificuldade em compreender as emoções dos outros

7. Dificuldade em se adaptar a mudanças

Estes são apenas alguns dos sinais de autismo que podem estar presentes em crianças e adultos. É importante estar atento a esses sinais e procurar ajuda profissional se houver preocupações em relação ao desenvolvimento de uma pessoa. Com o diagnóstico adequado e o apoio necessário, é possível ajudar as pessoas com autismo a desenvolver suas habilidades e alcançar seu potencial máximo.

Quais são os sinais de autismo que podem ser observados nas crianças?

Os distúrbios do espectro do autismo (DEA) podem apresentar uma variedade de sintomas que podem ser observados nas crianças desde os primeiros anos de vida. É importante estar ciente desses sinais para um diagnóstico precoce e intervenção adequada.

Alguns dos sinais de autismo que podem ser observados incluem dificuldade de comunicação, tanto verbal quanto não verbal. Crianças com autismo podem ter dificuldade em desenvolver habilidades de linguagem e expressão facial. Além disso, dificuldade em manter contato visual e em compreender as emoções dos outros também são comuns.

Outro sintoma comum é a repetição de comportamentos ou padrões de movimento, como balançar as mãos, bater a cabeça ou alinhar objetos de maneira precisa. Crianças com autismo também podem apresentar interesses restritos e fixação em determinados temas, além de dificuldade em lidar com mudanças na rotina.

Problemas de interação social também são evidentes, com dificuldade em estabelecer amizades e em participar de jogos em grupo. Crianças com autismo podem preferir ficar isoladas ou ter dificuldade em entender as regras sociais.

É importante estar atento a esses sinais e procurar ajuda de profissionais especializados caso haja suspeita de autismo. Um diagnóstico precoce e intervenção adequada podem fazer toda a diferença no desenvolvimento e qualidade de vida da criança.

Distúrbios do espectro do autismo: 10 sintomas e diagnóstico

Distúrbios do espectro do autismo: 10 sintomas e diagnóstico 1

O Transtorno do Espectro do Autismo (ASD) tem sido tradicionalmente uma das principais fontes de controvérsia sobre a dificuldade de saber se encaixam -lo na classificação de psicopatologia clara e permanente.

Além disso, com a publicação do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) em 2013, a taxonomia dessa psicopatologia foi modificada em relação à versão anterior DSM-IV TR. Especificamente, deixou de incluí-lo junto com outros rótulos de diagnóstico dentro dos Distúrbios Generalizados do Desenvolvimento para estabelecer todos eles sob a designação de ASD de forma intercambiável. Mesmo assim, diferentes níveis de envolvimento (I-IV) foram propostos para serem especificados no diagnóstico realizado.

Distúrbios do espectro do autismo: como diagnosticá-los?

A detecção precoce do autismo é complexa , pois na maioria dos casos são os pais que dão os primeiros sinais de alerta. Autores como Wing (1980), Volkmar (1985), Gillberg (1990) e Frith (1993) afirmam que os sintomas do autismo aparecem antes de três anos, mas acrescentam que é difícil detectá-los durante o primeiro ano de vida.

Relacionado:  Síndrome de Moebius: causas, sintomas e tratamentos

Ainda há alguma dificuldade e ignorância em relação às informações mantidas no serviço de atenção básica que permitem a detecção precoce. Conforme indicado por um dos estudos realizados nos EUA (English e Essex, 2001), verificou-se que o primeiro a suspeitar da presença de manifestações que pudessem indicar um funcionamento autista foi a família (60%), seguida de uma longa distância da pediatras (10%) e serviços educacionais (7%). Existem também múltiplas manifestações em forma e intensidade em que esse distúrbio aparece nas primeiras idades . Mesmo com todas essas dificuldades, a detecção precoce pode ocorrer por volta dos 18 meses de idade ou até mais cedo.

Testes e ferramentas para a detecção de ASD

Atualmente, não há exame médico ou teste que indique se uma pessoa tem TEA. O diagnóstico de Distúrbios do Espectro do Autismo deve incluir a observação complementar do comportamento da pessoa, conhecendo seu histórico de desenvolvimento e aplicando uma bateria de testes médicos e psicológicos para detectar a manifestação dos sinais e sintomas do autismo.

Alguns dos testes utilizados para a detecção precoce do autismo são o CHAT de Baron-Cohen (1992), o M-CHAT de Robins, Fein, Barton e Green (2001), a IDEA de Rivière e Martos (1997) e IDTA-18 de FJ Mendizábal (1993). A idade de aplicação desses testes seria entre 18 e 36 meses.

Além das evidências descritas acima, é essencial reunir informações sobre os comportamentos da criança na companhia de diferentes pessoas e em diferentes contextos, integrando as várias fontes de dados de maneira abrangente e esclarecendo as possíveis discrepâncias. A detecção o mais cedo possível de qualquer alteração no desenvolvimento infantil possibilita estabelecer um programa de intervenção precoce capaz de maximizar as capacidades de desenvolvimento pessoal e social da criança e a orientação adequada de seus familiares. Para isso, é conveniente contar com as seguintes fontes possíveis de informação :

  • Escalas de teste em sessões clínicas.
  • Entrevistas e informações de professores e pais.
  • Observação em situações naturais (casa, escola) e / ou observações estruturadas da interação com os pais e avaliadas.

Sintomas e critérios para detectar autismo

Para realizar uma avaliação apropriada após os três anos de idade , as áreas de avaliação descritas abaixo devem ser levadas em consideração , juntamente com os testes utilizados para a avaliação do desenvolvimento infantil (tanto na população clínica quanto na o resto).

Valores extremos nas escalas de medição, tanto por padrão quanto em excesso, dependendo do teste, podem ser muito úteis para complementar o diagnóstico de autismo ou TEA.

1. Avaliação social

Consiste na coleta de informações sobre interesse social, quantidade e qualidade de iniciativas sociais, contato visual , atenção conjunta, imitação corporal, vocal e motora, apego, expressão e reconhecimento de emoções. Utilizam-se entrevistas estruturadas com pais como ADI-R de M. Rutter, A. Le Couteur e C. Lord (1994);

Observação estruturada no contexto clínico de interações planejadas (CARS de DiLalla e Rogers, 1994) e interações não planejadas com pai e mãe; vídeos fornecidos pela família e vários instrumentos clínicos (Testes Normativos como Vinelandde Sparrow, Balla e Cicchetti (1984), Testes Critérios como Uzgiris-Hunt, revisados ​​por Dunts (1980) ou Inventários de Desenvolvimento como Battelle, adaptação em espanhol de De la Cruz e González (1996).

Alguns sintomas que podem ser detectados

  • Falta na expressão de emoções.
  • Isolamento com colegas.

2. Avaliação comunicativa

São coletadas informações sobre intencionalidade, ferramentas de comunicação, funções, conteúdos, contextos e entendimento . São utilizadas entrevistas estruturadas (ADI-R 1994), observações estruturadas (ACACIA de Tamarit 1994, PL-ADOS de DiLavore, Lord & Rutter 1995), vídeos de família e vários instrumentos clínicos (como a Reynell Language Development Scale de Edwards, Fletcher, Garman, Hughes, Letts e Sinka 1997; e ITPA de Samuel A. Kirk, James J. McCarthy, Winifred D. Kirk, edição revisada em 2004, Madri: TEA), entre outros.

Alguns sintomas que podem ser detectados

  • Interpretação literal das frases.
  • Atraso na aparência da comunicação verbal.

3. Jogo

As informações são coletadas sobre exploração, jogo funcional, jogo simbólico, dramatização e jogo cooperativo . Utilizam-se entrevistas estruturadas (ADI-R 1994), observações semiestruturadas (jogo livre), vídeos de família e vários instrumentos clínicos (Lowe & Costello 1988 Symbolic Game Test).

Relacionado:  Psicologia da Saúde: história, definição e campos de aplicação

Alguns sintomas que podem ser detectados

  • Dificuldades em entender a natureza da interpretação.
  • Rejeição do jogo social.

4. Avaliação cognitiva

As informações são coletadas para fazer uma avaliação do nível sensório-motor, do nível de desenvolvimento, da avaliação das preferências sensoriais e sensoriais, do estilo e do potencial de aprendizado, das habilidades executivas e metacognitivas e das acadêmicas.

As seguintes escalas podem ser usadas: Escala Internacional de Execução de Leiter, adaptada por Arthur em 1980, Escalas de Inteligência Weschler (WPPSI-III 2009 e WISC-V 2015), Escalas de Desenvolvimento Infantil de Bayley de Bayley 1993, Escala de Desenvolvimento Infantil de Uzgiris-Hunt, revisado por Dunts em 1980 e o PEP-R (Perfil Psicoeducacional) de Mesibov, Schopler e Caison 1989.

Alguns sintomas que podem ser detectados

  • Surgimento de uma capacidade cognitiva incomumente desenvolvida.
  • Dificuldades cognitivas gerais

5. Avaliação motora

Medição de habilidades motoras finas e brutas através da observação, informação e aplicação da Escala Brunet Lezine de O. Brunet e L. Lezine 1951 e / ou o PEP-R de Mesibov, Schopler e Caison 1989.

Alguns sintomas que podem ser detectados

  • Alterações na marcha e postura.
  • Alterações na antecipação motora.

6. Avaliação familiar-ambiental

Através da entrevista familiar, o conhecimento do impacto do diagnóstico , seus recursos para superá-lo e estabelecer formas adequadas de colaboração na intervenção, interação família-criança e estrutura do ambiente doméstico.

7. Avaliação médica

Uso de testes neurológicos e de neuroimagem (eletroencefalograma EEG, tomografia axial computadorizada por tomografia computadorizada, tomografia por emissão de fótons únicos SPECT, ressonância magnética por ressonância magnética, análise de sangue e urina, potenciais evocados). Deve haver uma ausência de lesões localizadas que possam explicar os sintomas.

8. Avaliação da autonomia pessoal

Fundamentalmente, através de entrevistas e aplicação de questionários aos pais sobre alimentação, controle de esfíncteres, roupas e cuidados pessoais . Uma das escalas mais utilizadas é a Escala de Lawton e Brody, traduzida para o espanhol em 1993.

9. Avaliação de problemas comportamentais

Avaliação da presença ou ausência de problemas comportamentais (comportamentos perturbadores, agressões, auto-mutilação, estereótipos, prurido, regurgitação, fobias …) sua intensidade e frequência através de questionários ou entrevistas estruturadas como ADI-R 1994 ou ICAP (Planning Inventory de serviços e programação individual) adaptação em espanhol pela Universidade de Deusto, Bilbao, em 1993.

10. Avaliação de preferências

Conhecimento de objetos, brinquedos, estímulos, modalidades sensoriais, atividades, alimentação , etc. preferido para usá-los como reforços ou motivadores de outras atividades ou objetivos relevantes de comunicação.

Como conclusão

Como vimos, o diagnóstico de autismo deve ser feito com base em uma avaliação clínica completa e estritamente baseado em critérios acordados internacionalmente, para três objetivos principais:

  • Garantir o acesso aos serviços de apoio e intervenção adequados à especificidade do caso.
  • Para que a pesquisa científica possa ser comparável, tanto em seus aspectos clínicos quanto principalmente na avaliação da efetividade dos diferentes serviços e tratamentos propostos .
  • Garantir uma educação adequada às necessidades específicas do caso da criança em questão , uma vez que os procedimentos diagnósticos pouco rigorosos podem causar a exclusão de crianças com autismo dos serviços especiais prestados, além de promover a inclusão de pessoas que apresentam outros casos psicológico.

Referências bibliográficas:

  • Associação Internacional do Autismo na Europa (2000): Descrição do autismo.
  • Jané, MC e Doménech-Llaberi, E. (1998): Autismo infantil. Em González Barrón, R. (coord.). Psicopatologia da criança e do adolescente. Madri: Pirâmide, pp. 295-318.
  • Martos-Pérez, J. Revista Neurol; 42 (Suppl 2) S99-S101 (2006): Autismo, neurodesenvolvimento e detecção precoce.
  • Mendizábal, FJ (1993): Uma tentativa de abordar a questão da detecção precoce no autismo. Anais do VII Congresso de Autismo. Editora Amarú.
  • Pedreira, MJ (2003): Avaliação, diagnóstico, neurobiologia e tratamento do autismo. Madri: Edição Laertes.
  • Rivière, A. Autismo e distúrbios generalizados do desenvolvimento. Em A. Marchesi, C. Coll e J. Palacios Eds. (1999): Desenvolvimento psicológico e educação III. Madri: Psychology Alliance, pp. 329-360.

Deixe um comentário