Donepezil: usos, características e efeitos deste medicamento

Donepezil é um medicamento utilizado no tratamento da doença de Alzheimer, uma condição neurodegenerativa que afeta a memória, o pensamento e o comportamento. Este medicamento atua aumentando a quantidade de uma substância química no cérebro envolvida na transmissão de sinais entre as células nervosas, melhorando assim a função cognitiva e retardando o declínio da doença. Além disso, a donepezil também pode ser prescrita para tratar outras condições neurológicas, como demência vascular. No entanto, é importante ressaltar que este medicamento pode causar efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, diarreia, insônia e dores de cabeça, sendo fundamental o acompanhamento médico durante o tratamento.

Quais são os impactos da donepezila no tratamento de doenças neurodegenerativas?

Donepezil é um medicamento utilizado no tratamento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Sua principal função é inibir a enzima acetilcolinesterase, responsável por degradar a acetilcolina, um neurotransmissor essencial para a comunicação entre os neurônios.

Os impactos da donepezila no tratamento de doenças neurodegenerativas são significativos. Ao inibir a enzima acetilcolinesterase, o medicamento aumenta os níveis de acetilcolina no cérebro, melhorando a comunicação entre os neurônios e retardando o declínio cognitivo.

Além disso, a donepezila pode ajudar a melhorar a memória, a atenção e outras funções cognitivas em pacientes com doenças neurodegenerativas. Isso pode resultar em uma melhoria na qualidade de vida e no bem-estar dos pacientes, bem como na redução do impacto da doença no dia a dia.

Indicações do medicamento Epéz e para quem é recomendado seu uso.

O medicamento Epéz, cujo princípio ativo é o Donepezil, é indicado para o tratamento de sintomas da doença de Alzheimer, como a perda de memória, dificuldade de concentração e alterações comportamentais. Este medicamento atua no cérebro, ajudando a melhorar a função cognitiva e retardar o avanço da doença.

O uso de Epéz é recomendado para pacientes diagnosticados com doença de Alzheimer em estágios leve a moderado, sendo uma opção terapêutica importante para melhorar a qualidade de vida desses indivíduos. É importante ressaltar que o medicamento deve ser utilizado sob prescrição médica e acompanhamento constante para monitorar sua eficácia e possíveis efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais mais comuns do Epéz incluem náuseas, vômitos, diarreia e dores de cabeça. No entanto, nem todos os pacientes apresentam esses sintomas e a tolerância ao medicamento pode variar de pessoa para pessoa. Por isso, é fundamental seguir as orientações do médico e relatar qualquer desconforto durante o tratamento.

Entenda o mecanismo de ação da donepezila no organismo humano de forma simplificada.

A donepezila é um medicamento amplamente utilizado no tratamento da doença de Alzheimer. Seu mecanismo de ação consiste na inibição da enzima acetilcolinesterase, responsável por degradar a acetilcolina, um neurotransmissor importante para a função cognitiva.

Com a inibição da acetilcolinesterase, a quantidade de acetilcolina disponível no cérebro aumenta, melhorando a comunicação entre os neurônios e ajudando a retardar o declínio cognitivo associado à doença de Alzheimer.

Relacionado:  Fluvoxamina: usos, precauções e efeitos colaterais deste medicamento

É importante ressaltar que a donepezila não é capaz de curar a doença de Alzheimer, mas sim de proporcionar uma melhora nos sintomas e na qualidade de vida dos pacientes. Além disso, o medicamento pode causar alguns efeitos colaterais, como náuseas e dores de cabeça, que geralmente são leves e transitórios.

Cloridrato de donepezila: indicações e benefícios do medicamento no tratamento de doenças neurológicas.

O Cloridrato de donepezila é um medicamento utilizado no tratamento de doenças neurológicas, como a doença de Alzheimer. Sua principal indicação é para melhorar a função cognitiva e a capacidade de realizar atividades diárias em pacientes com demência.

Os benefícios do Cloridrato de donepezila incluem a melhora da memória, atenção, concentração e capacidade de raciocínio dos pacientes. Além disso, o medicamento pode ajudar a retardar o progresso da doença e a reduzir os sintomas comportamentais associados à demência.

É importante ressaltar que o Cloridrato de donepezila não é uma cura para a doença de Alzheimer, mas sim uma forma de controlar seus sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. O medicamento deve ser utilizado sob prescrição médica e acompanhamento constante.

Donepezil: usos, características e efeitos deste medicamento

Donepezil: usos, características e efeitos deste medicamento 1

Devido ao grande número de sintomas e à natureza gradual deles, é praticamente impossível parar ou curar doenças neurodegenerativas. No entanto, atualmente, existem medicamentos que possibilitam a melhoria das funções, dando ao paciente maior autonomia e, consequentemente, melhor qualidade de vida.

É o caso do donepezil, um medicamento prescrito no tratamento da doença de Alzheimer que, apesar de não alcançar remissão dos sintomas, favorece a melhoria de funções psicológicas como memória, habilidades de comunicação e até mobilidade .

O que é donepezil?

O donepezil, conhecido comercialmente sob o nome de Aricept , é um medicamento pertencente aos chamados inibidores da colinesterase e administrado para o tratamento paliativo da doença de Alzheimer.

Os principais efeitos que esse medicamento exerce sobre o paciente com doença de Alzheimer estão relacionados à melhora das funções mentais . Seus efeitos sobre a cognição e o comportamento dos pacientes são notáveis, melhorando funções como memória, atenção, interação com outras pessoas, fala e capacidade de raciocinar.

No entanto, apesar dessas melhorias no donepezil, ele não diminui a progressão da doença nem pode ser considerado uma cura para a doença de Alzheimer, mas é usado como medicamento paliativo que melhora o nível de dependência e a qualidade de vida dos pacientes.

A pesquisa que resultou no desenvolvimento do donepezil começou em 1983, mas não foi até 1996, quando recebeu a aprovação da American Food and Drug Administration (FDA). Após catorze anos, o donepezil começou a ser comercializado pela empresa farmacêutica Pfizer e, em 2011 , tornou-se o tratamento mais vendido para a doença de Alzheimer no mundo , sendo também vendido em formato genérico.

  • Você pode estar interessado: ” Alzheimer: causas, sintomas, tratamento e prevenção “
Relacionado:  Tipos de psicoestimulantes (ou psicanalíticos)

Em quais casos é usado?

Como discutido acima, o donepezil é administrado na maioria dos casos para o tratamento da doença de Alzheimer. Essa condição causa uma destruição ou degeneração neuronal progressiva que afeta os processos de memória e a capacidade de raciocinar, aprender, falar ou executar um grande número de atividades diárias.

Além disso, esse medicamento também pode ser administrado para o tratamento de certos tipos de demências nas quais as capacidades que possibilitam memória, raciocínio, comunicação, bem como estabilidade emocional e personalidade são afetadas.

No entanto, como especificado acima, ainda não há evidências de que o donepezil altere o curso ou a progressão da doença de Alzheimer. A administração deste medicamento é recomendada em demências leves a moderadas, mas, em qualquer caso, a pessoa deve ser monitorada e acompanhada continuamente, bem como uma terapia psicológica que acompanha os efeitos da medicação.

De qualquer forma, o donepezil nunca cura a doença de Alzheimer, doença neurodegenerativa irreversível ; Foi projetado para retardar o progresso de seus efeitos.

Qual é o seu mecanismo de ação?

A substância ativa do donepezil liga-se e paralisa irreversivelmente a ação da colinesterase , inibindo assim a hidrólise da acetilcolina . Como resultado, o donepezil aumenta as concentrações de acetilcolina nas sinapses colinérgicas. O que favorece o bom funcionamento das transmissões neuronais.

A doença de Alzheimer implica uma perda substancial de certos elementos do sistema colinérgico, por isso é hipotético que seus sintomas estejam relacionados a um déficit de acetilcolina, especialmente no córtex cerebral e em outras áreas do cérebro, como a formação do hipocampo. Essa perda de neurônios colinérgicos no sistema nervoso central gera comprometimento cognitivo que causa sintomas relacionados à atenção, memória e aprendizado.

Como é administrado?

O donepezil é administrado em dois formatos diferentes: comprimidos solúveis orais orais e comprimidos, ambos para uso oral. A dose recomendada é geralmente um comprimido ou comprimido por dia, de preferência consumido sempre ao mesmo tempo e à noite, pouco antes de dormir. No entanto, essas são recomendações gerais, portanto o paciente deve sempre seguir as indicações fornecidas pelo profissional médico , que ajustará o tratamento a cada caso específico. Portanto, em nenhum caso o paciente deve alterar sozinho as doses indicadas e só pode parar de tomá-lo sob a supervisão do médico relevante.

Pode levar algumas semanas para o Donepezil entrar em vigor. No entanto, o paciente deve continuar com seu consumo. Caso contrário, é possível que toda uma série de efeitos adversos que prejudicam o estado de saúde da pessoa apareça.

Quais são os efeitos colaterais?

Como em todos os medicamentos e medicações, o donepezil pode gerar uma série de efeitos adversos que, dependendo do grau de intensidade em que ocorrem, podem ser realmente irritantes para o paciente.

Essas reações do tratamento podem ser divididas em efeitos colaterais que não são graves, portanto nem sempre requerem atenção médica e outros efeitos mais graves, nos quais é necessário ir ao consultório o mais rápido possível; para ajustar o medicamento.

Relacionado:  Clozapina: funcionamento, precauções e efeitos adversos

1. Efeitos colaterais não graves

  • Náusea e / ou vômito.
  • Distúrbios gástricos, como diarréia.
  • Perda de apetite e subsequente perda de peso.
  • Maior necessidade de urinar.
  • cãibras musculares .
  • Dor nas articulações
  • Sentindo-se cansado e fadiga.
  • Problemas de sono
  • Dores de cabeça .
  • Tonturas
  • Sentindo-se nervoso.
  • Os sintomas depressivos .
  • Confusão
  • Alterações de humor.
  • Distúrbios da pele, como vermelhidão ou coceira.

2. Efeitos secundários graves

Estes são os efeitos colaterais que precisam ser detectados e tratados mais rapidamente.

  • Alucinações .
  • Desmaio
  • frequência cardíaca diminuiu .
  • Dor no peito
  • Problemas respiratórios .
  • Banquinho mais escuro que o normal.
  • Sangue nas fezes
  • Vômitos com vestígios de sangue ou grânulos semelhantes ao café.
  • micção dolorosa .
  • Dor lombar.
  • Febre
  • Convulsões .
  • Descoloração ou cardeais sem justificativa aparente.

Que precauções devem ser tomadas com seu consumo?

O paciente deve informar seu médico sobre qualquer condição de saúde especial em que esteja, incluindo a gravidez , antes e durante o tratamento. Além disso, o donepezil deve ser administrado com cautela em pacientes com doenças cardíacas, distúrbios da condução cardíaca, doenças pulmonares obstrutivas crônicas, asma, arritmias cardíacas graves e síndrome do seio doente.

Por outro lado, este medicamento só pode ser consumido sob orientação e supervisão médica. Da mesma forma, o médico deve ter prova de qualquer outro tratamento ao qual o paciente está sujeito. Isso inclui medicamentos prescritos ou vendidos sem receita, vitaminas, suplementos nutricionais e suplementos naturais de ervas.

Preço

O preço do donepezil , por uma caixa de 30 comprimidos de 10 miligramas, é de cerca de 30 euros na Espanha e 1.430 pesos mexicanos no México. De qualquer forma, seu consumo deve sempre ser indicado pelo médico, devido a seus efeitos colaterais.

Referências bibliográficas:

  • Birks, JS; Harvey, RJ (2018). Donepezil para demência devido à doença de Alzheimer. O banco de dados Cochrane de revisões sistemáticas. 6: CD001190.
  • Davies P., Maloney AJ (1976). Perda seletiva de neurônios colinérgicos centrais na doença de Alzheimer. Lancet 2 (8000): 1403.
  • Knowles, Joanne (março de 2006). «Donepezil na doença de Alzheimer: uma revisão baseada em evidências de seu impacto nos resultados clínicos e econômicos. Core Evid (em inglês) (Dove Press) 1 (3): pp. 195-219.
  • Lee, J.-H.; Jeong, S.-K .; Kim, BC; Park, KW; Dash, A. (2015). Donepezil em todo o espectro da doença de Alzheimer: otimização da dose e relevância clínica. Ato Neurológico Escandinavo. 131 (5): 259-267.
  • Rodrigues Simões, MC; et al. (2014). Donepezil: um protótipo importante para o desenho de novos candidatos a medicamentos para a doença de Alzheimer. Mini Rev Med Chem. 14 (1): 2–19.

Deixe um comentário