É o que acontece quando você fica de olho por 4 minutos (experimento social)

É o que acontece quando você fica de olho por 4 minutos (experimento social) 1

O psicólogo e filósofo Dr. Arthur Aron , professor da Universidade Stony Brook (Nova York), estuda amor, amizade, intimidade e todos os elementos que reforçam e induzem a proximidade interpessoal há 40 anos.

Com esse objetivo, Arthur conduziu um estudo no qual pessoas diferentes tiveram que manter os olhos nos olhos do parceiro por 4 minutos. Anteriormente, todos responderam 36 perguntas criadas especialmente para aprofundar as conexões emocionais.

Nesta semana, a equipe do Instituto Mensalus de Assistência Psicológica apresenta este vídeo interessante, no qual observamos os resultados do experimento e verificamos o enorme poder do olhar.

O poder de uma aparência simples

Primeiro de tudo, você pode ver o conteúdo audiovisual abaixo:


Por que 4 minutos são tão reveladores?

A comunicação atinge seu esplendor máximo quando usamos todos os sentidos. Essa implementação não deve necessariamente ser simultânea, o importante é dar destaque a cada uma delas no momento certo e prestar atenção à sua idiossincrasia.

De fato, oferecer exclusividade unidirecional, às vezes, pode se tornar um poderoso amplificador de interação. E não é só isso; Em questão de segundos, ele pode se aprofundar em conceitos que vão além das palavras.

No nosso dia a dia, parecemos?

Olhamos, mas nem sempre contemplamos. Na verdade, ficamos surpresos em fazê-lo e, até, nos sentimos desconfortáveis ​​(“você me deixa nervoso”, “por que me olha e não diz nada”, “mal consigo segurar meus olhos por tantos segundos”, etc.).

Os 4 minutos atendem aos participantes do experimento exatamente por isso, contemplam a pessoa em sua plenitude e fazem um reconhecimento mútuo. O resultado são perguntas e respostas do silêncio que encontram um fio comum: cumplicidade.

O diálogo que é estabelecido é emocionante. Alguns olhos dizem “conte-me sobre você” e os outros respondem “Falo do que sou quando estou com você”.

Alguns definem “é isso que nos une”, enquanto outros respondem “é isso que faz de nós o casal que somos”. Alguns perguntam “me diga o que você quer” e os outros respondem “continuem ouvindo tudo o que, até agora, não tínhamos passado tempo nos contando”. Parece que as conversas não têm fim.

Como podemos melhorar a aparência da comunicação?

Para começar, integrando-o em todos os contextos, não apenas nos espaços mais íntimos. O olhar é, como indicamos, um ato de reconhecimento mútuo. Evitar o contato visual é um sinal de distância e desconexão (desvinculamos a pessoa que temos na frente de nossa mensagem). Se não contemplamos o outro, subestimamos sua posição. É por isso que é tão importante transmitir seu valor olhando e sendo olhado.

O olhar “falante” é acompanhado por uma escuta ativa, atenção plena. Estar presente no aqui e agora implica um olhar que flui ao som das palavras: um olhar atento, mas não fixo.

Muitas vezes, olhamos um para o outro, mas não ouvimos, apenas ouvimos …

Direito Olhamos sim, mas estamos pensando em aspectos fora da conversa. Esse olhar é claramente diferente: perde consistência, é vazio, inexpressivo. Olhar de perto inclui uma “dança dos olhos” que acompanha o ritmo das palavras. Nesse momento, o olhar se alimenta da emoção evocada pela fala e pela comunicação que oferece e recebe, não é estática. É assim que ele aproxima os dois lados.

De que outras maneiras podemos “diminuir distâncias”?

A proximidade nos relacionamentos pessoais depende, é claro, de vários fatores, mas existem dois elementos que são especialmente determinantes na comunicação. Falamos sobre tom de voz e linguagem corporal.

Aprender a ouvir o tom e o corpo é algo que trabalhamos com a Psicologia e o Coaching. Por exemplo, nas ocasiões em que o paciente expressa mal-entendido ou se sente mal-entendido, não apenas analisamos o discurso explícito, mas também lemos o formato, tanto o visto como o ouvido. É revelador quando, nas conversas futuras, esses formatos mudam e as sensações são totalmente diferentes (“dissemos a mesma coisa, mas desta vez não me senti sozinho”).

A emoção é o protagonista da abordagem?

Exatamente O sentimento que emerge da interação é o que, na maioria das vezes, define o curso a seguir. Por esse motivo, é tão importante ler nossa língua e aprender a ter empatia com a linguagem do outro.

Com que mensagem podemos ficar hoje?

A comunicação é complexo e necessidades ser abordado como ele merece. Dito isto, talvez possamos manter uma mensagem valiosa que inicia o experimento que compartilhamos hoje:

“Na comunicação, e se sentir poderosa gosta de assistir e sendo vigiado”.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies