Encefalopatia de Hashimoto: sintomas, causas e tratamento

A encefalopatia de Hashimoto é uma condição rara e pouco conhecida que afeta o cérebro de pacientes com doença autoimune da tireoide, conhecida como tireoidite de Hashimoto. Esta condição ocorre devido à inflamação e danos nos tecidos cerebrais, causando uma variedade de sintomas neurológicos, como confusão mental, alterações de humor, problemas de memória e dificuldades de concentração. As causas exatas da encefalopatia de Hashimoto ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que a inflamação autoimune no cérebro e a disfunção da tireoide desempenham um papel importante. O tratamento da encefalopatia de Hashimoto geralmente envolve o uso de medicamentos para controlar a inflamação, além do tratamento da tireoidite de Hashimoto para restaurar os níveis hormonais adequados. É importante que os pacientes com sintomas neurológicos associados à tireoidite de Hashimoto sejam avaliados por um médico para receber o diagnóstico correto e o tratamento adequado.

Entenda o que é a encefalite causada pela doença autoimune de Hashimoto.

A Encefalopatia de Hashimoto é uma condição rara e pouco compreendida que afeta o cérebro de pacientes com doença autoimune de Hashimoto. A encefalite ocorre quando o sistema imunológico ataca o próprio tecido cerebral, causando inflamação e disfunção neurológica.

Os sintomas da encefalopatia de Hashimoto podem variar, mas incluem confusão mental, dificuldade de concentração, alterações de humor e problemas de memória. Estes sintomas podem ser facilmente confundidos com outras condições neurológicas, tornando o diagnóstico desafiador.

As causas exatas da encefalite de Hashimoto ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que a resposta autoimune desregulada desempenhe um papel importante. Fatores genéticos e ambientais também podem contribuir para o desenvolvimento da condição.

O tratamento da encefalopatia de Hashimoto geralmente envolve o uso de corticosteroides para reduzir a inflamação cerebral. Além disso, terapias imunossupressoras e plasmaterapia também podem ser prescritas para controlar a resposta autoimune.

É importante estar atento aos sintomas de encefalite de Hashimoto e procurar ajuda médica se houver suspeita da condição. Um diagnóstico precoce e um tratamento adequado podem ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Problemas causados pela tireoidite de Hashimoto: quais são as principais complicações da doença?

A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune que afeta a glândula tireoide, resultando em inflamação e eventualmente danos ao tecido da tireoide. A principal complicação da doença é o hipotireoidismo, que ocorre quando a tireoide não produz hormônios suficientes para o bom funcionamento do corpo. Isso pode levar a sintomas como fadiga, ganho de peso, sensibilidade ao frio e depressão. Além do hipotireoidismo, a tireoidite de Hashimoto também pode causar bócio, que é o aumento anormal da glândula tireoide, e até mesmo câncer de tireoide em casos mais graves.

Outras complicações da tireoidite de Hashimoto incluem a infertilidade em mulheres, problemas cardíacos, problemas neurológicos e, em casos extremos, mixedema, que é uma forma grave de hipotireoidismo que pode levar ao coma e até mesmo à morte se não for tratada adequadamente.

Encefalopatia de Hashimoto: sintomas, causas e tratamento

A encefalopatia de Hashimoto é uma complicação rara da tireoidite de Hashimoto, que afeta o sistema nervoso central. Os sintomas da encefalopatia de Hashimoto incluem confusão, alterações de personalidade, dificuldade de concentração, tremores e até mesmo convulsões. Esses sintomas podem piorar gradualmente se não forem tratados adequadamente.

Relacionado:  Epistaxiofobia (fobia de hemorragias nasais): sintomas, causas, tratamento

As causas da encefalopatia de Hashimoto ainda não são completamente compreendidas, mas acredita-se que a inflamação autoimune da tireoide desempenhe um papel importante no desenvolvimento da doença. O tratamento da encefalopatia de Hashimoto envolve o uso de corticosteroides para reduzir a inflamação no cérebro e a reposição hormonal para tratar o hipotireoidismo.

É viável reverter a tireoidite de Hashimoto através de tratamento adequado e acompanhamento médico.

É viável reverter a tireoidite de Hashimoto através de tratamento adequado e acompanhamento médico. A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune em que o sistema imunológico ataca a glândula tireoide, levando à inflamação e eventualmente à destruição do tecido da tireoide. Isso pode resultar em hipotireoidismo, que causa uma série de sintomas, como fadiga, ganho de peso, sensibilidade ao frio e depressão.

Na encefalopatia de Hashimoto, os anticorpos produzidos no contexto da tireoidite de Hashimoto afetam o cérebro, causando sintomas neurológicos como confusão, demência, alterações de personalidade e distúrbios motores. Esses sintomas podem ser reversíveis com tratamento adequado, que geralmente envolve a reposição do hormônio tireoidiano e o uso de medicamentos imunossupressores para controlar a resposta autoimune.

É importante que os pacientes com tireoidite de Hashimoto sejam acompanhados regularmente por um médico especialista, como um endocrinologista, para monitorar os níveis hormonais e ajustar a medicação conforme necessário. Com o tratamento adequado e o acompanhamento médico adequado, é possível controlar os sintomas da tireoidite de Hashimoto e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Alimentos proibidos para quem tem tireoidite de Hashimoto: saiba o que evitar.

A Encefalopatia de Hashimoto é uma doença autoimune que afeta a glândula tireoide, causando inflamação e danos ao tecido glandular. Os sintomas incluem fadiga, ganho de peso, sensibilidade ao frio, constipação e pele seca. O tratamento envolve a reposição de hormônios tireoidianos sintéticos e o controle da inflamação.

Para quem sofre de tireoidite de Hashimoto, é importante evitar certos alimentos que podem piorar a inflamação e a função da tireoide. Alguns alimentos proibidos incluem glúten, soja, laticínios e alimentos processados. O glúten pode desencadear uma resposta autoimune no organismo, enquanto a soja e os laticínios podem interferir na absorção de hormônios tireoidianos. Os alimentos processados ​​também devem ser evitados, pois geralmente contêm aditivos e conservantes que podem ser prejudiciais à saúde da tireoide.

Além disso, é importante manter uma dieta rica em alimentos anti-inflamatórios, como frutas, vegetais, peixes ricos em ômega-3 e alimentos ricos em selênio, como castanhas e sementes. Esses alimentos podem ajudar a reduzir a inflamação no organismo e melhorar a função da tireoide.

Em vez disso, opte por uma dieta rica em alimentos anti-inflamatórios para promover a saúde da tireoide e melhorar os sintomas da doença.

Encefalopatia de Hashimoto: sintomas, causas e tratamento

Encefalopatia de Hashimoto: sintomas, causas e tratamento 1

Apesar de a maioria das doenças raras dificilmente ter tratamentos efetivos e específicos para elas, em alguns casos, mesmo que a prevalência seja baixa e apesar de não saber exatamente como o medicamento funciona, ele encontrou metodologias eficazes para combatê-las.

Um exemplo disso é a encefalopatia de Hashimoto , sobre a qual falaremos ao longo deste artigo.

Encefalopatia de Hashimoto: o que é?

A encefalopatia de Hashimoto é uma doença neurológica e autoimune considerada rara, também ligada ao sistema endócrino por estar associada a anormalidades da tireóide.

Esta doença é caracterizada pela presença de uma encefalopatia na qual são caracterizadas uma desconexão do sujeito com o ambiente e alterações da consciência (que podem causar o coma do paciente) e confusão, além de uma deterioração cognitiva de natureza geralmente progressiva. em que também tendem a aparecer alterações comportamentais, alterações de personalidade e alterações de funções como memória ou linguagem.

Embora sua prevalência exata seja desconhecida, é estimada em cerca de 2,1 casos por 100.000 habitantes e é de quatro a cinco vezes mais comum em mulheres do que em homens . Em muitos casos, pode aparecer em indivíduos com problemas básicos da tireóide, embora outras pessoas com histórico de doenças autoimunes anteriores ou em pacientes diabéticos imunodependentes.

Sintomas

É comum ocorrerem distúrbios cardiovasculares como arritmias e bradicardia , além de hipotensão arterial. Dores de cabeça, ataxia, hipotonia, convulsões, problemas de sono ou distúrbios sensoriais também podem ocorrer.

No nível psiquiátrico, também são observados episódios semelhantes a surtos psicóticos ou demência, bem como labilidade emocional e alterações de humor. Às vezes, os sintomas se assemelham aos de um derrame.

Essa alteração pode aparecer de diferentes maneiras, seja com um curso insidioso e progressivo, na forma de surtos ou em um único episódio em nível agudo. Algumas das alterações desta doença são semelhantes em alguns casos a outras condições que podem ser confundidas, como hipotireoidismo ou diabetes tipo 1 muito descompensada.

O fato de que ambos os distúrbios também podem existir comorbidade com a encefalopatia de Hashimoto torna aconselhável ser cauteloso no momento do diagnóstico.

Isso geralmente é alcançado após excluir a presença de outros problemas do sistema nervoso central, doenças metabólicas ou tumores que melhor explicam os sintomas e após a confirmação da existência de anticorpos antitireoidianos.

Dois subtipos

A encefalopatia de Hashimoto pode ocorrer de várias maneiras , destacando dois tipos de apresentação principal.

O primeiro tem início insidioso e caráter progressivo e recorrente, gerando vasculite e edema cerebral. Nesse caso, existem lesões nos vasos sanguíneos do cérebro que, juntamente com a hipoperfusão ou diminuição da quantidade de sangue que chega ao cérebro, sugerem sintomas de um derrame.

Outra das apresentações mais comuns aparece diretamente como encefalopatia progressiva e parece estar mais ligada à passagem de anticorpos para o cérebro , gerando lesões no próprio tecido neuronal.

  • Você pode estar interessado: ” Tipos de neurônios: características e funções “
Relacionado:  Enurese (urinar por cima): causas, sintomas e tratamento

Causas

As causas exatas da encefalopatia de Hashimoto e como a doença é desencadeada não são algo totalmente conhecido, embora a presença de anticorpos antitireoidianos tenha sido observada na maioria dos casos. Em outras palavras, em quase todas as pessoas em que essa doença foi observada, foi observado que o sistema imunológico criou anticorpos que atacam os hormônios que deixam a tireóide .

A presença desses anticorpos é geralmente considerada essencial para o diagnóstico. E, especificamente, anticorpos anti-peroxidase e anticorpos antitireoglobulina foram observados como especialmente frequentes.

Embora o fato de esta doença estar ligada ao sistema tireoidiano possa sugerir pessoas com soluços ou hipertireoidismo, a verdade é que um grande número de indivíduos apresentava níveis normais de hormônio tireoidiano antes do início da encefalopatia de Hashimoto.

Obviamente, a presença de alterações da tireóide (especificamente hipotireoidismo) pode complicar a gravidade dos sintomas, já que o hormônio da tireóide já se baseia em baixa proporção. É considerado um fator de risco ter tido doenças auto-imunes anteriores, como lúpus eritematoso sistêmico e, em alguns casos, distúrbios metabólicos, como diabetes tipo 1.

Também há especulações de que anticorpos auto-antígenos podem ser gerados dentro do endotélio vascular do cérebro, para que o sistema imunológico acabe causando lesões no tecido cerebral.

Tratamento desta doença

Apesar da encefalopatia de Hashimoto em uma doença complicada, os pacientes geralmente apresentam uma boa resposta e apresentam grande melhora antes de corticosteróides ou administração de corticosteróides, geralmente esteróides , por vários dias.

Embora essa terapia geralmente resulte em uma melhora completa ou quase completa, se isso não funcionar, será solicitado um tratamento imunossupressor que elimine a atividade do sistema imunológico no hormônio da tireóide.

No entanto, a presença de dano cognitivo pode ser persistente em cerca de 25% dos casos, e é aconselhável manter um acompanhamento cuidadoso do caso, uma vez que não é incomum para recaídas .

Além do tratamento do problema autoimune subjacente que causa inflamação e alteração tecidual, além da destruição dos produtos da tireóide, será essencial tratar as diferentes complicações e sintomas que ocorrem em cada caso. Por exemplo, em caso de convulsões, será necessário tratá-lo diferentemente.

Além do médico, a aplicação de terapia ocupacional e reabilitação ou estimulação cognitiva também pode ser necessária para fortalecer, otimizar ou ajudar a recuperar funções neuropsicológicas que possam ter sido alteradas. A psicoterapia também pode ser necessária , tanto para tratar sintomas psiquiátricos quanto para o envolvimento psicológico que pode causar as dificuldades causadas por esta doença.

Referências bibliográficas:

  • Mantilla, SR, Guerrero, A., Montoya, LE, Giraldo, K e Aguirre, HD (2018). Encefalopatia de Hashimoto: relato de caso e revisão de literatura. Neurologia Argentina
  • Pinedo-Torres, I. e Paz-Ibarra, JL (2018). Conhecimento atual na encefalopatia de Hashimoto: revisão de literatura. Medwave, 18 (6).
  • Singh, K. & Kashyap, S. (2003). Encefalopatia de Hashimoto. The Lancet: 361.

Deixe um comentário