Epilepsia infantil: tipos, sintomas, causas e tratamento

A epilepsia infantil é uma condição neurológica que afeta crianças e pode se manifestar de diferentes formas, causando episódios de convulsões e alterações no cérebro. Existem diversos tipos de epilepsia infantil, cada um com sintomas específicos e causas variadas, que podem ser desde genéticas até lesões cerebrais. O diagnóstico precoce é fundamental para um tratamento adequado, que pode incluir medicamentos antiepilépticos, terapias complementares e acompanhamento médico especializado. Neste artigo, exploraremos os diferentes tipos de epilepsia infantil, seus sintomas, causas e opções de tratamento disponíveis.

Tipos de epilepsia em crianças: conheça as diferentes formas da doença na infância.

A epilepsia é uma condição neurológica que afeta pessoas de todas as idades, inclusive crianças. Existem diversos tipos de epilepsia infantil, cada um com características específicas que influenciam os sintomas, causas e tratamentos. É importante conhecer as diferentes formas da doença na infância para garantir um diagnóstico correto e um tratamento adequado.

Um dos tipos mais comuns de epilepsia em crianças é a epilepsia do lobo temporal, que geralmente se manifesta através de crises parciais complexas. Neste tipo de epilepsia, as convulsões podem estar associadas a alterações no comportamento e na consciência da criança.

Outro tipo de epilepsia infantil é a epilepsia mioclônica juvenil, caracterizada por convulsões mioclônicas (movimentos bruscos e involuntários) e convulsões tônico-clônicas generalizadas. Esta forma de epilepsia é mais comum em adolescentes e pode ser desencadeada por fatores genéticos.

Além disso, a epilepsia ausência é um tipo de epilepsia generalizada, que provoca episódios de ausência (perda temporária de consciência) e pode ocorrer em crianças em idade escolar. Este tipo de epilepsia é frequentemente diagnosticado erroneamente como desatenção ou falta de interesse nas atividades escolares.

As causas da epilepsia infantil podem variar, incluindo fatores genéticos, lesões cerebrais, infecções e distúrbios do desenvolvimento cerebral. O tratamento da epilepsia em crianças envolve o uso de medicamentos antiepilépticos, terapias complementares, dieta cetogênica e, em alguns casos, cirurgia para remoção de áreas do cérebro que causam as convulsões.

Portanto, é fundamental estar atento aos sintomas da epilepsia em crianças, como convulsões, alterações no comportamento, dificuldade de aprendizado e lapsos de memória, para buscar ajuda médica especializada e garantir o melhor tratamento para a criança.

Qual é a principal razão da epilepsia em crianças durante a infância?

A epilepsia infantil é uma condição neurológica caracterizada por convulsões recorrentes. Essas convulsões podem variar em intensidade e duração, e podem ser desencadeadas por diversos fatores. No entanto, a principal razão da epilepsia em crianças durante a infância é a predisposição genética. Estudos mostram que crianças com histórico familiar de epilepsia têm maior probabilidade de desenvolver a condição. Além disso, certas condições médicas, como lesões cerebrais, infecções no sistema nervoso central e distúrbios metabólicos, também podem aumentar o risco de epilepsia em crianças.

Os sintomas da epilepsia infantil podem variar de acordo com a idade da criança e o tipo de convulsão. Alguns dos sintomas mais comuns incluem movimentos involuntários, desmaios, alterações de comportamento e perda de consciência. É importante procurar ajuda médica se a criança apresentar qualquer um desses sintomas, para que seja feito um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

O tratamento da epilepsia infantil geralmente envolve a utilização de medicamentos antiepilépticos para controlar as convulsões. Em alguns casos, a cirurgia pode ser necessária para remover a parte do cérebro responsável pelas convulsões. Além disso, terapias complementares, como a terapia ocupacional e a fisioterapia, podem ser úteis no tratamento da epilepsia infantil.

Relacionado:  Os 5 melhores psicólogos em Ibi (Alicante)

Conheça os principais tipos de epilepsia: focal, generalizada e desconhecida.

A epilepsia é uma condição neurológica caracterizada por convulsões recorrentes. Existem diferentes tipos de epilepsia, sendo os mais comuns: focal, generalizada e desconhecida.

A epilepsia focal, também conhecida como epilepsia parcial, ocorre quando as convulsões têm origem em apenas uma parte do cérebro. Os sintomas podem variar dependendo da região afetada, podendo incluir movimentos involuntários, sensações estranhas e alterações de consciência.

Já a epilepsia generalizada envolve todo o cérebro e é caracterizada por convulsões que afetam ambos os lados do corpo. Os sintomas incluem perda de consciência, contrações musculares generalizadas e movimentos descontrolados.

Por fim, a epilepsia de tipo desconhecido ocorre quando não é possível determinar se as convulsões têm origem focal ou generalizada. Nesses casos, os sintomas podem ser variados e o diagnóstico pode ser mais desafiador.

É importante ressaltar que cada tipo de epilepsia pode ter causas diferentes, como lesões cerebrais, infecções, distúrbios genéticos ou problemas no desenvolvimento do cérebro. O tratamento da epilepsia infantil geralmente envolve o uso de medicamentos antiepilépticos, terapias complementares e, em alguns casos, cirurgia.

É fundamental que os pais estejam atentos aos sintomas da epilepsia infantil e busquem ajuda médica especializada para um diagnóstico correto e um plano de tratamento adequado.

Identificando os sinais de epilepsia em crianças para um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

A epilepsia infantil é uma condição neurológica caracterizada por descargas anormais de atividade elétrica no cérebro, levando a convulsões recorrentes. Identificar os sinais dessa condição em crianças é fundamental para um diagnóstico preciso e um tratamento adequado.

Os sintomas da epilepsia em crianças podem variar, mas alguns sinais comuns incluem convulsões, espasmos musculares, perda de consciência, olhar fixo e movimentos automáticos. É importante estar atento a esses sintomas e procurar ajuda médica se a criança apresentar algum deles com frequência.

Além dos sintomas físicos, é importante observar também possíveis sinais comportamentais, como alterações no humor, irritabilidade e alterações na fala. Esses sinais podem ser indicativos de atividade epiléptica no cérebro da criança.

As causas da epilepsia infantil podem ser diversas, incluindo lesões cerebrais, distúrbios genéticos e infecções cerebrais. Um diagnóstico preciso é essencial para determinar a causa subjacente da condição e, assim, definir o melhor plano de tratamento.

O tratamento da epilepsia em crianças pode envolver o uso de medicamentos antiepilépticos, terapias alternativas e, em alguns casos, cirurgia cerebral. É fundamental que o tratamento seja individualizado e supervisionado por um médico especializado no assunto.

Ficar atento aos sintomas físicos e comportamentais, buscar ajuda médica e seguir o tratamento recomendado são passos essenciais para garantir o bem-estar e a qualidade de vida da criança com epilepsia.

Epilepsia infantil: tipos, sintomas, causas e tratamento

Epilepsia infantil: tipos, sintomas, causas e tratamento 1

A epilepsia infantil é um distúrbio neurológico que causa um mau funcionamento da atividade neuronal do cérebro. Essa doença se destaca pelas convulsões epilépticas que causa na criança, resultando em fortes convulsões que afetam os músculos em uma ou várias áreas do corpo e que, às vezes, causam perda de consciência e sopram de quedas.

A seguir, explicamos em que consiste a epilepsia infantil, que tipos de convulsões existem e quais são seus sintomas, bem como as causas e o tratamento disponível.

O que é epilepsia infantil?

A epilepsia infantil é uma doença do sistema nervoso caracterizada por uma descarga anormal de impulsos elétricos em certas áreas do cérebro e do córtex cerebral . As crianças que sofrem deste distúrbio crônico apresentam convulsões ou convulsões recorrentes, denominadas convulsões epilépticas.

Relacionado:  Os 5 melhores mestrados em neuropsicologia

Essa doença geralmente se manifesta de várias maneiras, dependendo da estrutura cerebral afetada e da região onde se origina a crise epiléptica. Essas crises podem ser simples, sem que a criança perca a consciência, ou complexa, na qual há perda de consciência. As convulsões podem ser curtas e durar apenas alguns segundos, ou podem prolongar-se e durar vários minutos.

Os efeitos da epilepsia infantil na criança e em seu ambiente também variam dependendo de fatores como idade, tipos de convulsões, resposta da criança ao tratamento ou se houver outros problemas de saúde concomitantes.

A incidência de epilepsia infantil é estimada entre 40 e 100 casos por 100.000 crianças e afeta mais de 10 milhões de crianças em todo o mundo. 40% de todos os novos casos são detectados em crianças menores de 15 anos.

  • Você pode estar interessado: ” Os 15 distúrbios neurológicos mais frequentes “

Tipos de convulsões (e seus sintomas)

As crises epilépticas que ocorrem em uma doença como a epilepsia infantil podem ser classificadas em dois grandes grupos: aquelas que ocorrem com crises focais ou parciais e as que causam crises generalizadas. Dentro de cada categoria, foram descritos até 30 tipos de convulsões.

Focal ou parcial

Cerca de 60% das epilepsias infantis apresentam crises focais ou parciais . Estes se originam em apenas um lado do cérebro e são descritos com base na área cerebral em que se originam (por exemplo, do lobo frontal ou lobo temporal medial). Sua duração varia de 1 a 2 minutos.

Durante esse tipo de crise, a criança não perde a consciência e pode ter sensações estranhas, como lembranças intensas, que podem ser expressas de maneiras diferentes. Os sintomas motores incluem vários automatismos, piscadas, tiques, movimentos da boca, etc. A criança também pode experimentar emoções intensas (de alegria, raiva, tristeza, etc.) e distúrbios da percepção sensorial.

Nas crises focais, pode haver alguma alteração no nível de consciência , que gera no paciente a sensação de estar em uma nuvem ou em um sonho. Em alguns casos, as crianças sentem uma “aura” ou pródromo, uma sensação que lhes permite antecipar a ocorrência de uma convulsão iminente.

Os sintomas característicos das convulsões focais podem confundir os médicos e ser mal interpretados como sinais de outras doenças, como narcolepsia, desmaio ou até alguma doença mental. Portanto, é necessário um bom diagnóstico diferencial e a aplicação de diferentes testes.

Generalizado

Nas crises epilépticas generalizadas, ocorrem choques elétricos anormais nos dois lados do cérebro . Esse tipo de crise pode causar perda de consciência, o que leva a quedas e espasmos musculares generalizados. Existem diferentes tipos:

  • Crise de ausência: a criança parece ter os olhos perdidos e fixados em um ponto específico. Pode haver presença de espasmos musculares leves. Causa problemas de atenção e concentração na criança.
  • Crise clônica: causam movimentos repetitivos repentinos nos dois lados do corpo.
  • Crise tônica: produz rigidez muscular, principalmente nas costas, braços e pernas.
  • Crise mioclônica: causam movimentos bruscos de agitação na parte superior do corpo, principalmente nos braços e pernas (e às vezes em todo o corpo). Sua duração é muito curta, apenas alguns segundos.
  • Crise tônico-clônica: causam uma mistura dos sintomas gerados por convulsões tônicas e clônicas, como rigidez muscular e movimentos bruscos nos braços e pernas. São as crises mais graves.
  • Crises atônicas: geram uma grande hipotonia (diminuição do tônus ​​muscular), fazendo com que a criança caia de repente ou bata na cabeça ao cair com o próprio peso.
Relacionado:  As 3 principais teorias da ansiedade

Causas

As causas mais comuns de epilepsia infantil podem ser genéticas e hereditárias, devido a trauma, anormalidades no desenvolvimento cerebral, infecções e doenças, distúrbios metabólicos, tumores e outros problemas. Na realidade, qualquer fenômeno que perturbe um padrão normal de atividade cerebral pode causar epilepsia.

Fatores genéticos, como mutações, desempenham um papel importante em alguns tipos de epilepsia que possuem um forte componente herdado. Em alguns casos, alterações nos genes podem ocorrer espontaneamente e sem histórico familiar. Por exemplo, foram descritas mutações que afetam os canais iônicos, como as do gene SCN1A, responsáveis ​​pelas crises epilépticas que ocorrem na epilepsia mioclônica infantil grave ou na síndrome de Dravet.

A lesão cerebral também pode ser um fator determinante no aparecimento da epilepsia infantil. Isso pode se originar em diferentes estágios de crescimento: durante a gravidez, na primeira infância ou na adolescência . Malformações nos vasos sanguíneos e doenças cerebrovasculares também podem ser fatores responsáveis ​​pela produção de um distúrbio epilético.

Outras doenças, como paralisia cerebral ou distúrbios metabólicos, como fenilcetonúria, podem estar relacionadas à epilepsia infantil. Acredita-se que 20% das crises epilépticas tenham origem em distúrbios do desenvolvimento neurológico e os mais comuns geralmente ocorrem em crianças com distúrbios do espectro do autismo e deficiência intelectual grave.

Tratamento

Para tratar a epilepsia infantil, são utilizadas doses de medicamentos antiepiléticos, geralmente administradas de acordo com o tipo de epilepsia, idade e peso da criança afetada, divididas em duas ou três doses diárias. O neurologista é responsável por monitorar o tratamento farmacológico , levando em consideração os possíveis efeitos colaterais e interações com outros medicamentos. Um diagnóstico correto também é essencial.

A maioria dos tratamentos com um único medicamento (conhecido como monoterapia) é eficaz na redução e eliminação da incidência de convulsões, sem efeitos indesejáveis ​​significativos. Entretanto, geralmente são realizadas verificações regulares com testes como a eletroencefalografia, para coletar dados sobre o funcionamento da atividade cerebral; e exames de sangue, para avaliar a tolerância e os níveis do medicamento no plasma sanguíneo.

Às vezes, um número reduzido de epilepsias pode ser difícil de controlar e é necessário introduzir vários medicamentos ao mesmo tempo, com o consequente aumento do risco de interações e efeitos colaterais. Nos casos em que o tratamento medicamentoso não funciona e a criança é resistente a seus efeitos, a cirurgia pode ser considerada uma alternativa.

A intervenção cirúrgica é considerada levando-se em consideração a área do cérebro onde as crises se originam (foco epilético). Uma excisão da referida área pode ser realizada; corte várias áreas do cérebro para que as crises não se espalhem; uma calosotomia pode ser realizada, o que envolve o corte da rede de conexões neurais entre os hemisférios; ou realizar uma hemisferectomia, na qual metade do córtex ou hemisfério cerebral é removida, uma técnica drástica usada apenas como último recurso.

Referências bibliográficas:

  • Cerdá, JM, Argani, MT, Llerda, JM, González, FL, Puig, XS e Rieger, JS (2016). Guia oficial da Sociedade Espanhola de Neurologia da prática clínica em epilepsia. Neurology, 31 (2), 121-129.
  • Travé, TD, Petri, MEY e Victoriano, FG (2007). Estudo descritivo da epilepsia infantil. Journal of neurology, 44 (12), 720-724.

Deixe um comentário