Epilepsia refratária: sintomas, causas e tratamento

A epilepsia refratária é uma condição neurológica caracterizada por convulsões recorrentes que não respondem adequadamente aos tratamentos convencionais. Os sintomas incluem convulsões frequentes, perda de consciência, movimentos involuntários e alterações de comportamento. As causas da epilepsia refratária podem ser diversas, incluindo lesões cerebrais, traumas, infecções ou distúrbios genéticos. O tratamento da epilepsia refratária geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir medicamentos antiepilépticos, cirurgia cerebral, estimulação cerebral profunda ou dieta cetogênica. É importante que os pacientes com epilepsia refratária sejam acompanhados por uma equipe médica especializada para um melhor controle dos sintomas e melhoria da qualidade de vida.

Fatores que desencadeiam a epilepsia refratária: uma análise detalhada sobre suas possíveis causas.

A epilepsia refratária é uma condição neurológica caracterizada pela incapacidade de controlar as crises epilépticas com o uso de medicamentos convencionais. Diversos fatores podem desencadear essa forma mais grave de epilepsia, sendo importante compreender suas possíveis causas para um melhor manejo da doença.

Um dos principais fatores que contribuem para a epilepsia refratária é a genética. Estudos têm mostrado que a predisposição genética pode influenciar no desenvolvimento da doença, tornando alguns indivíduos mais propensos a apresentar crises epilépticas recorrentes e de difícil controle.

Além da genética, outros fatores como lesões cerebrais, traumatismos cranianos e infecções cerebrais também podem desencadear a epilepsia refratária. Lesões cerebrais decorrentes de acidentes, tumores ou AVCs, por exemplo, podem alterar a atividade elétrica do cérebro e desencadear crises epilépticas persistentes.

Outros fatores como distúrbios metabólicos, alterações hormonais e uso de drogas também podem contribuir para o desenvolvimento da epilepsia refratária. Distúrbios metabólicos como a diabetes descontrolada, alterações hormonais decorrentes de disfunções da tireoide e o uso abusivo de drogas ilícitas podem afetar o funcionamento do cérebro e desencadear crises epilépticas de difícil controle.

Diante da complexidade da epilepsia refratária, é fundamental uma abordagem multidisciplinar para o tratamento da doença. Além do uso de medicamentos antiepilépticos, outras terapias como a cirurgia e a estimulação cerebral profunda podem ser indicadas para casos mais graves e de difícil controle.

Um diagnóstico precoce e um tratamento adequado são essenciais para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e controlar as crises epilépticas de forma eficaz.

Qual é o medicamento mais eficaz para tratar a epilepsia resistente aos tratamentos convencionais?

A epilepsia refratária, também conhecida como epilepsia resistente, é uma condição em que os pacientes não respondem aos tratamentos convencionais, como medicamentos antiepilépticos. Nesses casos, os médicos podem optar por prescrever uma combinação de medicamentos ou até mesmo considerar a cirurgia como uma opção de tratamento.

Um dos medicamentos mais eficazes para tratar a epilepsia refratária é o cannabidiol (CBD). Estudos têm demonstrado que o CBD pode reduzir a frequência e a gravidade das crises epilépticas em pacientes que não respondem aos tratamentos convencionais. Além disso, o CBD é considerado seguro e bem tolerado pela maioria dos pacientes.

Outras opções de tratamento para a epilepsia refratária incluem o uso de estimulação do nervo vago (ENV) e a dieta cetogênica. A ENV é um procedimento no qual um dispositivo é implantado no corpo do paciente para enviar pulsos elétricos ao nervo vago, ajudando a reduzir a ocorrência de crises epilépticas. Já a dieta cetogênica é uma dieta rica em gorduras e pobre em carboidratos, que tem mostrado eficácia no controle das convulsões em alguns pacientes.

Relacionado:  Diferenças entre estresse agudo e transtorno de estresse pós-traumático

É importante ressaltar que o tratamento da epilepsia refratária deve ser individualizado, levando em consideração as necessidades e o perfil de cada paciente. Por isso, é fundamental que os pacientes busquem acompanhamento médico especializado e sigam as orientações do seu médico para garantir o melhor controle da condição.

Epilepsia no intestino: entenda sobre a condição que afeta o sistema digestivo.

A epilepsia no intestino é uma condição rara, mas que pode afetar o sistema digestivo de algumas pessoas. Nesse caso, as células nervosas no intestino podem apresentar atividade elétrica anormal, causando sintomas como dor abdominal, diarreia e até mesmo convulsões intestinais. Essa condição pode ser desencadeada por diversos fatores, como estresse, dieta inadequada e alterações hormonais.

A epilepsia refratária, por sua vez, é uma forma grave da doença que não responde aos tratamentos convencionais. Os sintomas incluem convulsões frequentes, perda de consciência e até mesmo danos cerebrais. As causas da epilepsia refratária ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos e lesões cerebrais possam desempenhar um papel importante.

O tratamento da epilepsia refratária geralmente envolve o uso de medicamentos antiepilépticos mais potentes, terapias alternativas como a estimulação cerebral profunda e, em casos extremos, a cirurgia para remover a região do cérebro afetada. É importante que os pacientes com epilepsia refratária sejam acompanhados por uma equipe médica especializada para garantir o melhor controle dos sintomas e qualidade de vida.

Sintomas iniciais da epilepsia: como identificar os primeiros sinais dessa condição neurológica?

A epilepsia é uma condição neurológica que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. É caracterizada por convulsões recorrentes que são causadas por atividade cerebral anormal. Identificar os sintomas iniciais da epilepsia é essencial para um diagnóstico precoce e um tratamento eficaz.

Alguns dos sintomas iniciais da epilepsia incluem:

  • Convulsões: As convulsões são o sintoma mais comum da epilepsia. Elas podem variar de leves a graves e podem incluir movimentos involuntários, perda de consciência e alterações de comportamento.
  • Alterações de humor: Algumas pessoas com epilepsia podem experimentar alterações de humor, como irritabilidade, ansiedade ou depressão.
  • Problemas de memória: Dificuldades de memória e lapsos de memória podem ser sinais iniciais da epilepsia.

É importante estar atento a esses sinais e procurar ajuda médica se você ou alguém que você conhece apresentar esses sintomas. Um diagnóstico precoce pode levar a um melhor controle da doença e melhor qualidade de vida.

Epilepsia refratária: sintomas, causas e tratamento

Para algumas pessoas, a epilepsia pode ser refratária, o que significa que não responde adequadamente aos tratamentos convencionais. Nesses casos, os sintomas podem ser mais graves e difíceis de controlar.

As causas da epilepsia refratária podem incluir lesões cerebrais, tumores, infecções ou distúrbios genéticos. É importante identificar a causa subjacente da epilepsia refratária para determinar o melhor plano de tratamento.

O tratamento da epilepsia refratária pode envolver a combinação de medicamentos anticonvulsivantes, cirurgia ou estimulação cerebral profunda. É importante trabalhar em conjunto com uma equipe médica especializada para encontrar a melhor abordagem de tratamento para cada caso.

Relacionado:  As 5 fases do estresse (e como combatê-las)

Identificar os sintomas iniciais e buscar tratamento adequado são passos essenciais para gerenciar a doença e melhorar a qualidade de vida.

Epilepsia refratária: sintomas, causas e tratamento

Epilepsia refratária: sintomas, causas e tratamento 1

A epilepsia é um dos distúrbios mais comuns do sistema nervoso, além de dores de cabeça. Esse problema envolve sofrer convulsões cuja origem está em um mau funcionamento do cérebro.

Dependendo da idade em que aparece e da quantidade de crises epilépticas sofridas, esse distúrbio pode dificultar uma vida normal e plena.

Às vezes, apesar de seguir vários tratamentos corretamente, o paciente com epilepsia não melhora. Esse tipo de epilepsia é chamado de refratário , e neste artigo iremos abordá-lo, juntamente com suas causas, sintomas e tratamentos alternativos.

O que é epilepsia refratária?

Dizemos que uma pessoa sofre de epilepsia refratária quando ocorrem crises epilépticas com muita frequência e, após a aplicação de tratamento adequado, não estão sendo obtidas melhorias . Esse fato impede seriamente uma vida normal, como ter interações sociais saudáveis ​​e completas ou desenvolver autonomia, porque não se sabe quando a próxima crise ocorrerá e não há controle sobre ela.

Para determinar que uma pessoa sofre de epilepsia , três critérios são levados em consideração , o que permite definir o grau de refratariedade ou resistência do distúrbio ao tratamento. Vamos ver o que são.

1. Refratariedade biológica

Refere-se às características biológicas da pessoa que impedem que o tratamento seja eficaz . Essas características não podem ser modificadas diretamente e geralmente envolvem o recurso ao tratamento cirúrgico.

Alguns preditores que indicam que uma epilepsia de tratamento difícil pode ser sofrida são:

  • Primeira crise antes dos 2 anos de idade.
  • Espasmos maciços
  • Eletroencefalograma anormal
  • Sinais de deficiência intelectual.
  • Atraso no desenvolvimento cognitivo.
  • Exame físico anormal
  • Deformidades no hipocampo e no córtex cerebral.

2. Refratariedade farmacológica

Isso implica que, apesar do uso de medicamentos apropriados para o tratamento da epilepsia, nenhuma melhora é alcançada.

Antes de considerar que a epilepsia é resistente a medicamentos, é importante avaliar se a dose necessária do medicamento foi administrada, pelo menos três anticonvulsivantes diferentes foram usados ​​ou se a combinação deles foi apropriada.

Também deve ser monitorado que o paciente toma a medicação ou não sofre de nenhum distúrbio intestinal que impeça a absorção total do medicamento. Ocasionalmente, pode ser diagnosticada como epilepsia refratária a um problema nutricional.

Uma vez determinado que o tratamento medicamentoso foi administrado adequadamente, mas que o paciente não apresenta melhorias, é indicado que existe um alto grau de resistência a esse tipo de tratamento.

3. Refratariedade psicológica e social

As crises epilépticas interferem na vida dos pacientes. Convulsões sofridas muitas vezes impedem a capacidade de realizar tarefas diárias e manter relações sociais satisfatórias.

Esse critério é levado em consideração e considera-se que uma epilepsia é refratária quando as crises ocorrem toda semana, apesar de se fazer terapia .

  • Você pode estar interessado: ” Tipos de convulsões: por que ocorrem e o que as causa? “
Relacionado:  Pediofobia: medo de bonecas (causas e sintomas)

Sintomas

Como em todas as epilepsias, o principal sintoma é sofrer convulsões epilépticas . As convulsões podem ocorrer de maneiras diferentes e durar de segundos a minutos. Durante essas crises, a pessoa não tem a capacidade de parar voluntariamente, pode se machucar e até ferir outras pessoas acidentalmente.

Além disso, outros sintomas que podem ocorrer são:

  • Perda de consciência
  • Perda do controle do esfíncter.
  • Olhe para o vazio.
  • Cair no chão de repente.
  • Endurecer
  • Morda sua língua

Causas deste tipo de epilepsia

As causas por trás da epilepsia refratária são diversas , desde problemas médicos a maus hábitos do paciente. Entre os fatores que influenciam o desenvolvimento desse tipo de epilepsia estão:

  • Doença cerebrovascular
  • Tumores cerebrais
  • Estresse mantido.
  • Infelicidade em casa.
  • Problemas emocionais
  • Problemas de personalidade
  • Lesões cerebrais
  • Doenças neurodegenerativas.
  • Síndromes epilépticas generalizadas.
  • Pouca adesão ao tratamento medicamentoso.
  • Estilo de vida irregular: uso de drogas, horários irregulares do sono …

Tratamento

Estas são as diferentes formas de tratamento da epilepsia refratária.

1. Farmacológico

Geralmente, a primeira opção para tratar a epilepsia é a administração de medicamentos . Os mais utilizados são:

  • Gabapentina
  • Lamotrigina
  • Canabidiol
  • Levetiracetam.
  • Oxcarbazepina
  • Topiramato
  • Zonisamida
  • Tiagabina

Se, após tentar vários medicamentos e ajustar as doses, nenhuma melhora for alcançada , a cirurgia deve ser tomada como uma opção.

2. Cirúrgico

A cirurgia é realizada quando se considera que o tratamento farmacológico não está sendo eficaz, apesar de ter sido utilizado corretamente.

As intervenções cirúrgicas na epilepsia envolvem a remoção da área do cérebro que é a origem das convulsões .

3. Dieta

Outra opção usada durante o tratamento é o acompanhamento de uma dieta cetogênica . Este tipo de dieta é caracterizada por ter alimentos com uma grande quantidade de gorduras e proteínas e evitar o consumo de carboidratos.

Está relacionado à melhora dos sintomas epiléticos, embora, no caso de pacientes com esse tipo de problema neurológico, seja necessária a supervisão de um profissional.

4. Eletroestimulação

A estimulação elétrica ou eletroestimulação é uma tecnologia usada para tratar problemas neurológicos . Com esta técnica, os nervos são diretamente estimulados, enviando sinais elétricos para a área defeituosa. Alguns métodos utilizados:

1. Estimulação Cortical

Eletrodos são colocados em certas partes do cérebro e sinais muito suaves são enviados .

2. Estimulação no nervo vago

É colocado um dispositivo que envia um sinal para o nervo vago, diminuindo a frequência e a quantidade de convulsões .

3. Estimulação cerebral profunda

Os eletrodos são colocados nas áreas afetadas e os sinais são enviados para evitar atividades anormais.

4. Estimulação em circuito fechado

Um dispositivo é colocado dentro do crânio , que detecta quando há atividade de uma convulsão e produz uma corrente que pode impedir uma crise.

Referências bibliográficas:

  • Carrizosa-Moog, J. e Cornejo-Ochoa, William. (2003). O que é epilepsia refratária? Iatreia, 16 (2), 163-167.
  • Bender del Busto, Juan E. (2007). EPILEPSIA REFRATÁRIA. Habanera Journal of Medical Sciences, 6 (1) Recuperado em 30 de julho de 2019, em http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1729-519X2007000100010&lng=en&tlng=en.
  • Reyes-Botero, G. e Santiago-Uribe, C. (2010) Epilepsia refratária. Lei Neurológica da Colômbia, 26 (2), 34-46.

Deixe um comentário